Um mo­de­lo que per­sis­te há mais de cin­co dé­ca­das

Edição Público Porto - - SOCIEDADE -

7.º 8.º 9.º 7.º 8.º 9.º 7.º 8.º 9.º 7.º 8.º 9.º 7.º 8.º 9.º paí­ses acom­pa­nha­dos pe­la re­de eu­ro­peia de in­for­ma­ção Eury­di­ce. Aze­ve­do des­ta­ca que “as aqui­si­ções que se re­a­li­zam na es­co­la­ri­da­de bá­si­ca são es­tru­tu­ran­tes e o que não se ad­qui­re nes­tes anos nun­ca mais se irá ad­qui­rir”, pa­ra re­fe­rir que é is­so, “a ne­ces­si­da­de de apro­fun­da­men­to” das apren­di­za­gens bá­si­cas, que jus­ti­fi­ca a “ex­ten­são” des­te ní­vel de es­co­la­ri­da­de.

Lei de ba­ses em cau­sa

O pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de do Por­to Luís Gros­so Cor­reia, es­pe­ci­a­lis­ta em His­tó­ria da Edu­ca­ção, fri­sa que o mo­do co­mo tem si­do de­sen­vol­vi­do o 2.º ci­clo con­tra­ria o que vem ex­pres­so na LBSE, que o cri­ou: “A lei de ba­ses afir­ma que a or­ga­ni­za­ção cur­ri­cu­lar do 2.º ci­clo é por áre­as in­ter­dis­ci­pli­na­res e que o re­gi­me de do­cên­cia é de um pro­fes­sor por área in­ter­dis­ci­pli­nar [qua­tro], mas as re­for­mas cur­ri­cu­la­res que lhe su­ce­de­ram, em 1989, 2001 e 2012, não res­pei­tam es­te prin­cí­pio.” O mes­mo acon­te­ce com a re­for­ma cur­ri­cu­lar de 2018. Es­te des­fa­sa­men­to en­tre o que es­ti­pu­la a LBSE em re­la­ção ao 2.º ci­clo e o que tem si­do a prá­ti­ca cons­ti­tui, aliás, no­ta, “uma das fra­gi­li­da­des do sis­te­ma edu­ca­ti­vo que ur­ge re­sol­ver”.

A de­pu­ta­da cen­tris­ta Ana Ri­ta Bes­sa lem­bra que em 2016 o CDS apre­sen­tou uma pro­pos­ta de re­vi­são da LBSE que pro­pu­nha a re­or­ga­ni­za­ção do en­si­no bá­si­co e se­cun­dá­rio em dois ci­clos de seis anos ca­da um. Foi chum­ba­da com os vo­tos con­tra do PS, BE e PCP e a abs­ten­ção do PSD. Vol­tou ago­ra à car­ga com um pro­jec­to mais re­cu­a­do, que re­co­men­da tão­só que o Go­ver­no re­a­li­ze “um es­tu­do com vis­ta à vi­a­bi­li­da­de da re­es­tru­tu­ra­ção dos ci­clos de en­si­no”. E fê-lo, es­cla­re­ce Ana Ri­ta Bes­sa, por­que as as­so­ci­a­ções de di­rec­to­res tam­bém já de­fen­de­ram es­ta mu­dan­ça e, so­bre­tu­do, pa­ra res­pon­der ao de­sa­fio lan­ça­do em No­vem­bro pe­la ac­tu­al pre­si­den­te do CNE, Ma­ria Emí­lia Bre­de­ro­de San­tos, que de­fen­deu a ne­ces­si­da­de “de re­pen­sar” a or­ga­ni­za­ção do bá­si­co, de­sig­na­da­men­te a ve­lha qu­es­tão do 2.º ci­clo (um ano pa­ra en­trar, ou­tro pa­ra sair), da­das as di­fi­cul­da­des as­si­na­la­das nos anos de tran­si­ção. É nes­tes anos que ge­ral­men­te há mais chum­bos.

Ana Ri­ta Bes­sa es­cla­re­ce que o CDS op­tou ago­ra por pri­vi­le­gi­ar “o prin­cí­pio da cau­te­la, da­das as imen­sas im­pli­ca­ções prá­ti­cas que uma mu­dan­ça des­tas acar­re­ta­ria, a co­me­çar pe­los edi­fí­ci­os escolares [em mui­tos ca­sos, o 2.º ci­clo é lec­ci­o­na­do em es­co­las di­fe­ren­tes das do 1.º] e pas­san­do pe­los do­cen­tes, tan­to no que res­pei­ta ao nú­me­ro ne­ces­sá­rio co­mo à sua for­ma­ção ini­ci­al”. Se­ja qual for o des­ti­no da qu­es­tão no Par­la­men­to, es­te se­rá um dos te­mas que o CDS irá in­cluir no seu pro­gra­ma elei­to­ral.

Tam­bém a de­pu­ta­da blo­quis­ta Jo­a­na Mor­tá­gua afir­ma que a even­tu­al re­es­tru­tu­ra­ção dos ci­clos se­rá “es­tu­da­da no âm­bi­to da pre­pa­ra­ção do pro­gra­ma elei­to­ral” pa­ra as le­gis­la­ti­vas de Ou­tu­bro, mas, pa­ra já, es­cu­sa­se a di­zer qual se­rá a po­si­ção do BE. “Há al­te­ra­ções do sis­te­ma edu­ca­ti­vo que têm de ser pen­sa­das com um de­ba­te alar­ga­do. É uma dis­cus­são que se te­rá de fa­zer com mui­ta tran­qui­li­da­de e com a ga­ran­tia de que não se­ja usa­da co­mo um ca­va­lo de tróia pa­ra mu­dar a LBSE no que ela tem de fun­da­men­tal, co­mo é o ca­so da de­fe­sa in­tran­si­gen­te da es­co­la pú­bli­ca”.

Já o PCP con­si­de­ra que a exis­tên­cia ou não do 2.º ci­clo “é uma dis­cus­são per­ti­nen­te, que de­ve ser de­sen­vol­vi­da”. “Por um la­do, tem ocor­ri­do uma enor­me des­con­fi­gu­ra­ção do 1.º ci­clo. Por ou­tro, vá­ri­os es­tu­dos apon­tam no sen­ti­do de de­ver ser con­si­de­ra­da uma al­te­ra­ção que pos­sa ate­nu­ar tran­si­ções re­pen­ti­nas que te­nham im­pac­tos na re­la­ção dos alu­nos com a es­co­la, na or­ga­ni­za­ção do tra­ba­lho cur­ri­cu­lar ou na for­ma de re­la­ci­o­na­men­to com os pro­fes­so­res”, diz a de­pu­ta­da Ana Mes­qui­ta.

Em 2004, no Go­ver­no Du­rão Bar­ro­so, o PSD avan­çou com a pro­pos­ta de re­vi­são da LBSE pro­pon­do uma or­ga­ni­za­ção em dois ci­clos ape­nas (bá­si­co e se­cun­dá­rio). A pro­pos­ta foi apro­va­da pe­lo Par­la­men­to com os vo­tos do PSD e do CDS, mas não foi pro­mul­ga­da pe­lo en­tão Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jor­ge Sam­paio.

O ac­tu­al vi­ce-pre­si­den­te do PSD, Da­vid Jus­ti­no, era à épo­ca mi­nis­tro da Edu­ca­ção. Afir­ma que a po­si­ção do seu par­ti­do “ten­de a ser a mes­ma”. Mas quan­to à dis­po­ni­bi­li­da­de do PSD pa­ra apoi­ar pro­pos­tas que se­jam apre­sen­ta­das com es­te fim, afir­ma: “Não con­tem con­nos­co pa­ra re­vi­sões pon­tu­ais. Só es­ta­mos dis­po­ní­veis pa­ra abrir um pro­ces­so de re­vi­são ge­ral da Lei de Ba­ses, de pre­fe­rên­cia no qua­dro da As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca.”

cvi­a­[email protected]­bli­co.pt

O ac­tu­al 2.º ci­clo do en­si­no bá­si­co, que com­pre­en­de os 5.º e 6.º anos, foi cri­a­do com a Lei de Ba­ses do Sis­te­ma Edu­ca­ti­vo apro­va­da em 1986. Mas a sua ori­gem re­mon­ta à dé­ca­da de 60 do sé­cu­lo pas­sa­do, quan­do foi cri­a­do o cha­ma­do “Ci­clo Pre­pa­ra­tó­rio do En­si­no Se­cun­dá­rio [tam­bém com dois anos], ao mes­mo tem­po que se au­men­ta­va a es­co­la­ri­da­de obri­ga­tó­ria de qua­tro pa­ra seis anos”, lem­bra o pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de do Por­to Luís Gros­so Cor­reia.

An­tes de exis­tir o “ci­clo pre­pa­ra­tó­rio”, os alu­nos que pros­se­gui­am es­tu­dos após te­rem pas­sa­do o exa­me da en­tão 4.ª clas­se en­tra­vam di­rec­ta­men­te no 1.º ano do en­si­no se­cun­dá­rio. “Pen­so que a di­men­são do 2.º ci­clo re­sul­tou do au­men­to da es­co­la­ri­da­de obri­ga­tó­ria de qua­tro pa­ra seis anos. Co­mo já foi ul­tra­pas­sa­da pe­lo au­men­to pa­ra no­ve e pa­ra 12 anos, o 2.º ci­clo dei­xou de ter sen­ti­do tal co­mo exis­te”, re­fe­re o ex-mi­nis­tro da Edu­ca­ção Da­vid Jus­ti­no.

E se­rá pre­ci­so mes­mo mu­dar tu­do pa­ra aca­bar com es­ta he­ran­ça? “Tu­do o que a es­co­la por­tu­gue­sa não pre­ci­sa é de mais mu­dan­ças”, res­pon­de a pro­fes­so­ra do 2.º ci­clo Ana Sil­ves­tre, que apon­ta pa­ra ou­tros ca­mi­nhos. “Em mui­tos dos paí­ses que têm ape­nas um só ci­clo ini­ci­al de seis anos tam­bém exis­te uma di­fe­ren­ci­a­ção en­tre os qua­tro pri­mei­ros anos e os dois úl­ti­mos, com a pri­mei­ra par­te a car­go de uma pro­fes­sor ge­ne­ra­lis­ta e a se­gun­da já com pro­fes­so­res que lec­ci­o­nam áre­as de co­nhe­ci­men­to”, es­pe­ci­fi­ca.

Mas há uma di­fe­ren­ça e bem “gran­de” en­tre lá e cá, no­ta: “Os seis anos ini­ci­ais são tra­ba­lha­dos na mes­ma es­co­la, en­quan­to a mai­o­ria dos alu­nos por­tu­gue­ses tem de mu­dar de es­ta­be­le­ci­men­to de en­si­no quan­do tran­si­ta pa­ra o 2.º ci­clo. Com es­sa mu­dan­ça tam­bém se per­de o co­nhe­ci­men­to que os pro­fes­so­res têm dos es­tu­dan­tes que lhes che­gam pa­ra ini­ci­ar um no­vo ci­clo”.

C.V.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.