Car­ta aber­ta à Or­dem dos Psi­có­lo­gos Por­tu­gue­ses

Edição Público Porto - - SOCIEDADE - Opi­nião

No dia 10 de ja­nei­ro de 2019 a TVI emi­tiu uma re­por­ta­gem da au­to­ria da jor­na­lis­ta Ana Le­al re­ve­lan­do a ado­ção de prá­ti­cas de con­ver­são ou re­o­ri­en­ta­ção se­xu­al por par­te de psi­có­lo­gos/as por­tu­gue­ses/as no exer­cí­cio das su­as fun­ções.

A re­por­ta­gem de­nun­cia o uso de pro­ce­di­men­tos “te­ra­pêu­ti­cos” cu­jo ob­je­ti­vo úl­ti­mo é a cu­ra da homossexualidade e a sal­va­ção da­que­les/as que exi­bem a “do­en­ça”, con­tra­ri­an­do to­das as ori­en­ta­ções ci­en­ti­fi­ca­men­te va­li­da­das so­bre o que é a ori­en­ta­ção se­xu­al e co­mo de­vem os/as psi­có­lo­gos/as pro­ce­der no âm­bi­to da ava­li­a­ção e in­ter­ven­ção psi­co­ló­gi­cas, de mo­do a res­pei­tar o prin­cí­pio ina­li­e­ná­vel da au­to­de­ter­mi­na­ção. Com efei­to, não ape­nas não é pas­sí­vel de ser curado o que não cons­ti­tui pa­to­lo­gia ou des­vio, co­mo a pro­mes­sa de o fa­zer, re­cor­ren­do a fun­da­men­tos mo­rais aci­en­tí­fi­cos, aten­ta con­tra as mais ele­men­ta­res con­di­ções da dig­ni­da­de hu­ma­na e con­fi­gu­ra, no li­mi­te, ma­té­ria criminal.

Fa­ce às gra­ves evi­dên­ci­as re­por­ta­das e às su­as im­pli­ca­ções — po­den­do es­tas fa­zer a di­fe­ren­ça, no sen­ti­do li­te­ral, en­tre a vi­da e a mor­te das pes­so­as LGBTI (lés­bi­cas, gays, bis­se­xu­ais, trans e in­ter­se­xo) —, exi­gi­mos que a Or­dem dos Psi­có­lo­gos Por­tu­gue­ses in­ves­ti­gue os/as psi­có­lo­gos/as que fa­zem uso das prá­ti­cas em qu­es­tão, agin­do em con­for­mi­da­de com o Có­di­go De­on­to­ló­gi­co e to­dos os pre­cei­tos éti­cos que lhe es­tão sub­ja­cen­tes.

Mais do que vi­sar a re­gu­la­men­ta­ção de pro­fis­sões e a re­gu­la­ção do exer­cí­cio das mes­mas, de acor­do com o co­nhe­ci­men­to ci­en­tí­fi­co dis­po­ní­vel e os pa­drões éti­cos vi­gen­tes, ser­vem as or­dens pro­fis­si­o­nais pa­ra a sal­va­guar­da dos in­te­res­ses dos/as cli­en­tes, não po­den­do es­tes fi­car re­féns de trâ­mi­tes pro­ces­su­ais in­ter­mi­ná­veis que ba­na­li­zam, pe­la sua ina­ção e ine­fi­cá­cia, o mal que é per­pe­tra­do so­bre pes­so­as que pro­cu­ram aju­da e aca­bam por se tor­nar ví­ti­mas de quem as de­ve­ria aju­dar. Con­si­de­ra­mos que prá­ti­cas co­mo as que têm vin­do a ser de­nun­ci­a­das me­re­cem uma in­ves­ti­ga­ção sé­ria e con­se­quen­te, sem mar­gem pa­ra qual­quer dú­vi­da so­bre o seu ca­rác­ter le­si­vo e ne­fas­to. Não acei­ta­mos que num país li­vre e de­mo­crá­ti­co, evi­dên­ci­as co­mo as apre­sen­ta­das se­jam re­la­ti­vi­za­das ou me­no­ri­za­das, pre­ju­di­can­do de for­ma sig­ni­fi­ca­ti­va a saú­de e o bem-es­tar das pes­so­as LGBTI.

A Or­dem dos Psi­có­lo­gos Por­tu­gue­ses en­co­ra­ja, e bem, os/ as psi­có­lo­gos/as a re­fle­tir so­bre es­tas ques­tões. En­co­ra­ja­mos ho­je nós a Or­dem dos Psi­có­lo­gos Por­tu­gue­ses a to­mar me­di­das no sen­ti­do da er­ra­di­ca­ção des­tas prá­ti­cas e da san­ção de quem as pre­co­ni­za, sal­va­guar­dan­do as­sim as pes­so­as e os seus di­rei­tos. Não exi­gi­mos jul­ga­men­tos su­má­ri­os, nem apres­sa­dos, mas sim efi­cá­cia, ce­le­ri­da­de e um po­si­ci­o­na­men­to pú­bli­co e pe­da­gó­gi­co inequí­vo­co da par­te de quem nos re­pre­sen­ta e que de­ve de­fen­der, aci­ma de tu­do, os in­te­res­ses dos/as cli­en­tes da psi­co­lo­gia em Portugal. Rei­te­ra­mos: o tem­po útil dos/ as cli­en­tes cu­jo bem-es­tar e saú­de men­tal são pre­ju­di­ca­dos pe­las prá­ti­cas de con­ver­são ou de re­o­ri­en­ta­ção não é o tem­po dos trâ­mi­tes pro­ces­su­ais que se ar­ras­tam. Efi­cá­cia, ce­le­ri­da­de e pe­da­go­gia é o que exi­gi­mos. E já.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.