O ater­ra­dor cur­to-pra­zis­mo da po­lí­ti­ca

Edição Público Porto - - DESPORTO -

Eu ti­nha ou­tro tí­tu­lo pa­ra es­ta crónica, e aliás bem me­lhor: “Ó Rio, não te quei­xes”. Ti­nha-o guar­da­do há me­ses, por cau­sa da coin­ci­dên­cia en­tre o es­tri­bi­lho da can­ção d’A Al­deia da Rou­pa Bran­ca e a ine­vi­ta­bi­li­da­de de um dia ver­mos Rui Rio a quei­xar-se de um de­sa­fio à li­de­ran­ça do PSD.

O que era ine­vi­tá­vel acon­te­ceu, Luís Montenegro de­sa­fi­ou Rui Rio na sex­ta-fei­ra, Rui Rio res­pon­deu a Luís Montenegro no sá­ba­do, e eis-me a desperdiçar um tí­tu­lo de crónica per­fei­ta­men­te vá­li­do. E porquê? Não pe­lo que foi di­to pe­los pu­ta­ti­vos lí­de­res, mas pe­lo que não foi di­to. Um fa­lou de co­mo o PSD não es­tá a fa­zer boa opo­si­ção ao PS e as­sim se ar­ris­car a per­der as pró­xi­mas elei­ções. Ou­tro quei­xou-se, co­mo pre­vis­to, do ex­ces­so de opo­si­ção que o PSD faz a si mes­mo e de co­mo as­sim se ar­ris­ca a per­der as pró­xi­mas elei­ções.

No fun­do, é is­to. Dois dos po­lí­ti­cos mais ex­pe­ri­en­tes do mai­or par­ti­do de opo­si­ção con­cen­tram em si as aten­ções do país pa­ra meia ho­ra de in­ter­ven­ções em di­re­to e o que sai é uma la­va­gem de rou­pa suja — “Ai, rio, não te quei­xes / ai, que o sa­bão não ma­ta” — so­bre quem é mais mo­le ou mais opor­tu­nis­ta. No fun­do, um me­ro bi­om­bo pa­ra a qu­es­tão de sa­ber quem tem mais hi­pó­te­se de com­por as pró­xi­mas lis­tas de can­di­da­tos e as fi­las de es­pe­ra pa­ra os lu­ga­res na ad­mi­nis­tra­ção.

E a per­gun­ta é: que po­de um por­tu­guês nor­mal, já nem di­go um que não se­ja mi­li­tan­te do PSD, mas ape­nas um ci­da­dão que não per­ten­ça aos cír­cu­los mais pró­xi­mos dos pu­ta­ti­vos lí­de­res, ex­trair de am­bos os dis­cur­sos que se­ja mi­ni­ma­men­te re­le­van­te pa­ra o fu­tu­ro do país? Na­da.

A po­lí­ti­ca por­tu­gue­sa já é, em ge­ral, do­mi­na­da pe­lo cur­to pra­zo. Em ano elei­to­ral, ela é-o mais ain­da. O que o PSD e os seus cor­re­li­gi­o­ná­ri­os de­sa­vin­dos con­se­guem é com­pri­mir ain­da mais o ca­len­dá­rio, apro­vei­tan­do pa­ra en­fi­ar an­tes das elei­ções eu­ro­pei­as — nas quais nor­mal­men­te já não se con­se­gue fa­lar de Eu­ro­pa — uma dis­pu­ta fei­ta à medida pa­ra as te­le­vi­sões e as rá­di­os no­ti­ci­o­sas, que de­pois re­sul­ta­rá num con­cur­so de per­so­na­li­da­des que es­go­ta­rá os me­ses que nos faltam até às le­gis­la­ti­vas.

Ora, até pa­re­ce que Portugal não aca­bou de sair de uma cri­se pro­fun­da que foi, por sua vez, an­te­ce­di­da por uma dé­ca­da per­di­da. Se o fi­nal do sé­cu­lo XX foi a era em que Portugal se des­li­gou do seu im­pé­rio pa­ra po­der ini­ci­ar um ci­clo eu­ro­peu que per­mi­tis­se a con­so­li­da­ção de um re­gi­me plu­ra­lis­ta — des­co­lo­ni­zar, pa­ra po­der de­mo­cra­ti­zar e de­sen­vol­ver —, o iní­cio do sé­cu­lo XXI es­tá a ser a era em que não sa­be­mos o que fa­zer de­pois dis­so. Os pri­mei­ros 25 anos após o 25 de Abril fo­ram su­a­vi­za­dos pe­la en­tra­da de fun­dos eu­ro­peus e por um ce­ná­rio in­ter­na­ci­o­nal fa­vo­rá­vel às no­vas de­mo­cra­ci­as. Os se­gun­dos 25 anos, que es­tão ago­ra a aca­bar, fo­ram in­con­clu­si­vos num mo­men­to em que não nos po­de­mos dar a es­se luxo. Re­sol­ve­mos um pro­ble­ma em 2015: o da in­co­mu­ni­ca­bi­li­da­de his­tó­ri­ca da es­quer­da que im­pe­dia o nas­ci­men­to de al­go co­mo a “ge­rin­gon­ça”. Mas a “ge­rin­gon­ça” tem si­do mais re­men­do do que re­mé­dio. E che­ga­mos ago­ra a um ano elei­to­ral cru­ci­al sem sa­ber o que têm os po­lí­ti­cos pa­ra pro­por co­mo fu­tu­ro ao país: ser­mos um agra­dá­vel quin­tal das tra­sei­ras on­de os ou­tros vêm às ve­zes com­prar ca­sas? Cor­tar nos cus­tos uni­tá­ri­os do tra­ba­lho até com­pe­tir com os paí­ses que su­ce­de­rem à Ásia? De­sis­tir de en­con­trar um lu­gar na Eu­ro­pa e na glo­ba­li­za­ção? Ou ten­tar atin­gir um grau mais ele­va­do de de­sen­vol­vi­men­to e sus­ten­ta­bi­li­da­de pa­ra o nos­so mo­de­lo po­lí­ti­co, eco­nó­mi­co e so­ci­al? Se sim, co­mo?

Não te­nha­mos a in­ge­nui­da­de de pen­sar que há uma res­pos­ta úni­ca pa­ra ca­da uma des­tas per­gun­tas, ou que o lu­gar on­de elas de­vem ser res­pon­di­das é nu­ma qual­quer sa­la acol­cho­a­da. O lu­gar des­tas per­gun­tas e das su­as pos­sí­veis res­pos­tas é no es­pa­ço pú­bli­co e no con­fron­to po­lí­ti­co e elei­to­ral. Mas, a ava­li­ar pe­la dis­pu­ta no PSD, va­mos pas­sar os pró­xi­mos tem­pos a evi­tar fa­lar de qual­quer coi­sa que não se­ja do úl­ti­mo ano e do pró­xi­mo ano. E nin­guém em sã cons­ci­ên­cia di­rá que nos ou­tros par­ti­dos as coi­sas são mui­to me­lho­res.

Pa­ra quem es­tá bem ins­ta­la­do ou já de­sis­tiu, is­to é óti­mo, por­que só confirma to­dos os lu­ga­res-co­muns que têm so­bre o país. Pa­ra to­dos os ou­tros, se pen­sar­mos nis­so por uns se­gun­dos, é ater­ra­dor.

His­to­ri­a­dor, fun­da­dor do Li­vre

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.