O que di­zem os seus olhos? Mo­çam­bi­que na en­cru­zi­lha­da das ur­nas

Edição Público Lisboa - Público - P2 - - ÍNDICE - An­to­nio.ro­dri­gues@pu­bli­co.pt

As elei­ções ge­rais mo­çam­bi­ca­nas fi­ca­ram mar­ca­das pe­lo as­sas­sí­nio de um ob­ser­va­dor elei­to­ral, mor­to a ti­ro por agen­tes da po­lí­cia, e uma vi­tó­ria es­ma­ga­do­ra da Fre­li­mo, o par­ti­do no po­der des­de 1975. As “elei­ções mais ob­ser­va­das” de sem­pre, se­gun­do o pre­si­den­te Nyu­si, le­van­ta­ram mui­tos pro­ble­mas à ob­ser­va­ção e ter­mi­na­ram com o pai­nel de aler­tas com­ple­ta­men­te ace­so

Na sa­la de es­tar da fa­mí­lia de Anas­tá­cio Ma­ta­vel, no bair­ro 11, em Xai-Xai, pro­vín­cia de Ga­za, o re­tra­to do ac­ti­vis­ta em ci­ma de uma es­tan­te fi­xa a tris­te­za des­de o seu pos­to alto de ob­ser­va­ção. A viú­va es­tá sen­ta­da no chão, jun­to de ou­tras du­as mu­lhe­res. Tem a má­goa im­pres­sa no ros­to e o cor­po mar­ca­do de lu­to. O ob­ser­va­dor elei­to­ral, fun­da­dor do Fó­rum das Or­ga­ni­za­ções não Go­ver­na­men­tais de Ga­za (FONGA) e mem­bro da pla­ta­for­ma de ob­ser­va­ção elei­to­ral con­jun­ta Sa­la da Paz foi as­sas­si­na­do a ti­ro por agen­tes das for­ças es­pe­ci­ais da po­lí­cia uma se­ma­na an­tes das elei­ções em Mo­çam­bi­que.

Três dos qua­tro fi­lhos de Ma­ta­vel es­tão sen­ta­dos nos so­fás, en­ver­gam t-shirts ne­gras pe­din­do jus­ti­ça, exi­gin­do sa­ber os man­dan­tes de uma mor­te com con­tor­nos de ter si­do en­co­men­da­da pa­ra man­dar ca­lar uma voz in­có­mo­da nu­ma pro­vín­cia on­de a Fren­te de Li­ber­ta­ção de Mo­çam­bi­que (Fre­li­mo), par­ti­do no po­der des­de a in­de­pen­dên­cia do país, já era he­ge­mó­ni­ca e, apa­ren­te­men­te, quis sê-lo ain­da mais.

A Fre­li­mo ob­te­ve mais de 94% dos vo­tos em Ga­za, nú­me­ros que não são ha­bi­tu­ais, nem, se ca­lhar, de­se­já­veis em de­mo­cra­cia, de­pois de um pro­ces­so elei­to­ral que co­me­çou en­vol­to nu­ma po­lé­mi­ca de nú­me­ros inf ados no re­cen­se­a­men­to, com mais pes­so­as nos ca­der­nos elei­to­rais do que po­pu­la­ção da pro­vín­cia: Ga­za vo­tou em 2019 com a quan­ti­da­de de adul­tos que o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­ta­tís­ti­ca pre­vê ape­nas pa­ra 2040. Mais 300 mil do que diz o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­ta­tís­ti­ca mo­çam­bi­ca­no.

O tra­ba­lho de Ma­ta­vel “cri­ou ini­mi­za­des”. O ac­ti­vis­ta “era um ho­mem ver­ti­cal no que diz res­pei­to às ver­da­des”, con­ta ao PÚ­BLI­CO Fi­li­pe Mahad­ja­ne, mem­bro da fa­mí­lia de­sig­na­do pa­ra fa­lar com a im­pren­sa. “Te­ve mui­tos con­vi­tes pa­ra tra­ba­lhar em ONG in­ter­na­ci­o­nais, mas só acei­tou dar au­las em part-ti­me nu­ma uni­ver­si­da­de sul-afri­ca­na”, con­ta Mahad­ja­ne. “Dei­xou de tra­ba­lhar nu­ma em­pre­sa pú­bli­ca pa­ra se de­di­car à FONGA, on­de nun­ca te­ve sa­lá­rio. Vi­via da par­ti­ci­pa­ção em con­fe­rên­ci­as, por is­so, não dei­xa na­da pa­ra a fa­mí­lia. Nas­ceu po­bre e mor­reu po­bre”, afir­ma.

Se re­ce­bia ame­a­ças de mor­te, nun­ca o con­fes­sou à fa­mí­lia, mas nos me­ses an­te­ri­o­res à sua mor­te “apa­re­ce­ram pes­so­as a con­tes­tar” a sua di­rec­ção da FONGA, al­gu­mas nem da ONG fa­zi­am par­te, o que cri­ou “mal-es­tar” den­tro da or­ga­ni­za­ção. A 7 de Ou­tu­bro, uma se­ma­na an­tes das elei­ções ge­rais em Mo­çam­bi­que, de­pois de ter pro­fe­ri­do o dis­cur­so de aber­tu­ra nu­ma ini­ci­a­ti­va de ca­pa­ci­ta­ção de co­or­de­na­ção de ob­ser­va­do­res elei­to­rais, fif nan­ci­a­da pe­la União Eu­ro­peia, Anas­tá­cio Ma­ta­vel se­ria mor­to “com dez ti­ros de AKM”, vul­gar­men­te co­nhe­ci­da co­mo “Ka­lash­ni­kov”, quan­do con­du­zia o seu au­to­mó­vel nu­ma lon­ga rec­ta em Xai-Xai.

O mu­ro on­de o car­ro se imo­bi­li­zou lá es­tá dei­ta­do abai­xo, úni­ca mar­ca que o as­sas­sí­nio ao es­ti­lo de es­qua­drão da mor­te dei­xou. Me­nos mar­cas ain­da fi­ca­ram do veí­cu­lo em que se­gui­am os seus ma­ta­do­res, que se des­pis­tou e ca­po­tou a uns dois qui­ló­me­tros da­li. O pos­te de elec­tri­ci­da­de que o car­ro ar­ran­cou nas vol­tas que deu foi subs­ti­tuí­do e nem ras­to da mor­te dos dois agen­tes do Gru­po de Ope­ra­ções Es­pe­ci­ais da Po­lí­cia de In­ter­ven­ção Rá­pi­da. Ou­tros dois, fe­ri­dos, fo­ram pre­sos. O úni­co ci­vil ain­da ho­je es­tá a monte.

Na se­ma­na pas­sa­da, a po­lí­cia afir­mou ter con­cluí­do o inqué­ri­to, em­bo­ra ain­da con­ti­nu­em por di­vul­gar as su­as con­clu­sões. Os po­lí­ci­as per­ma­ne­cem de­ti­dos, mas as au­to­ri­da­des não res­pon­de­ram às ques­tões prin­ci­pais: quem man­dou ma­tar o ob­ser­va­dor elei­to­ral de 58 anos? Por­que o exe­cu­ta­ram? Es­ta se­ma­na foi tam­bém de­ti­do o che­fe da po­lí­cia em Xai-Xai, Tu­de­lo Guir­ru­go, que ti­nha si­do sus­pen­so de fun­ções, tal co­mo o co­man­dan­te pro­vin­ci­al da For­ça de In­ter­ven­ção Rá­pi­da, Alfredo Ma­cu­a­cuá, lo­go após o cri­me.

De­mo­cra­cia frá­gil

A mor­te de Ma­ta­vel mos­trou que, às sex­tas elei­ções ge­rais, o pro­ces­so de de­mo­cra­ti­za­ção de Mo­çam­bi­que es­tá lon­ge de con­cluí­do. Co­mo es­cre­via a mis­são de ob­ser­va­ção da UE, na sua de­cla­ra­ção pre­li­mi­nar, “o as­sas­si­na­to de um lí­der da ob­ser­va­ção elei­to­ral na­ci­o­nal co­me­ti­do por mem­bros das for­ças da po­lí­cia mo­çam­bi­ca­na te­ve o efei­to de exa­cer­bar o já exis­ten­te cli­ma de me­do e au­to­cen­su­ra pre­va­len­te da so­ci­e­da­de mo­çam­bi­ca­na”.

“As pes­so­as não acre­di­tam na po­lí­cia, nas

Por An­tó­nio Ro­dri­gues tex­to e Grant Lee Neu­en­burg fo­to­gra­fia, em Ga­za, Mo­çam­bi­que

go­ver­na­dor – já que pe­la pri­mei­ra vez na his­tó­ria do país os go­ver­na­do­res fo­ram elei­tos e não es­co­lhi­dos pe­lo go­ver­no.

“O re­cen­se­a­men­to é um pe­río­do fun­da­men­tal. Até ago­ra, não sa­bía­mos o que acon­te­cia; por is­so, sur­giu to­do es­te de­ba­te, por­que a so­ci­e­da­de ci­vil co­me­çou a ques­ti­o­nar os da­dos do re­cen­se­a­men­to”, diz Dér­cio Al­fa­ze­ma. Um de­ba­te man­ti­do ao lon­go da cam­pa­nha que pôs em xe­que to­do o pro­ces­so elei­to­ral que cul­mi­na­ria com uma vi­tó­ria es­ma­ga­do­ra do pre­si­den­te Fi­li­pe Nyu­si (73%) e da Fre­li­mo, ven­ce­do­res em to­das as pro­vín­ci­as com nú­me­ros im­pres­si­o­nan­tes: fi­ca­ram com 184 dos 250 as­sen­tos no Par­la­men­to (73,6% dos vo­tos) e os go­ver­nos das dez pro­vín­ci­as.

Frau­de ou não

É cer­to que, no fim, as con­ta­gens pa­ra­le­las dos re­sul­ta­dos le­va­das a ca­bo por or­ga­ni­za­ções da so­ci­e­da­de ci­vil de­ram um re­sul­ta­do em tu­do ou na­da idên­ti­co ao re­sul­ta­do ofi­ci­al. Tan­to a pro­jec­ção do CIP co­mo a con­ta­gem pa­ra­le­la do EISA-Ins­ti­tu­to Elei­to­ral pa­ra a De­mo­cra­cia Sus­ten­tá­vel em Áfri­ca, que acom­pa­nha os pro­ces­sos elei­to­rais em Mo­çam­bi­que des­de 1999 e te­ve o mai­or nú­me­ro de ob­ser­va­do­res cre­den­ci­a­dos nes­tas elei­ções, con­fir­ma­ram a mai­o­ria es­ma­ga­do­ra da Fre­li­mo.

“Te­nho dú­vi­das que uma vi­tó­ria des­ta di­men­são, en­tre os 70% e os 80%, se­ja ma­ni­pu­la­da, é pre­ci­so uma frau­de de uma di­men­são mons­tru­o­sa e é pre­ci­so des­va­lo­ri­zar aqui­lo que se­ria a pre­sen­ça dos ob­ser­va­do­res”, re­fe­re ao P2 o es­cri­tor mo­çam­bi­ca­no Mia Cou­to.

Na al­tu­ra da apre­sen­ta­ção da sua con­ta­gem pa­ra­le­la de vo­tos, o EISA re­fe­ria que “as­pec­tos­cha­ve do pro­ces­so, co­mo a in­se­gu­ran­ça, o re­cen­se­a­men­to elei­to­ral, as cam­pa­nhas de cre­den­ci­a­ção dis­cri­mi­na­tó­ria com­pro­me­te­ram a in­te­gri­da­de das elei­ções”. Co­mo di­zia ao P2 o di­rec­tor pa­ra Mo­çam­bi­que do EISA, Eri­ci­no de Sa­le­ma, “uma elei­ção sem ob­ser­va­ção in­de­pen­den­te é meio du­vi­do­sa”.

Das 6955 cre­den­ci­ais de ob­ser­va­do­res elei­to­rais pe­di­das pe­lo EISA às co­mis­sões pro­vin­ci­ais, 3000 fo­ram re­jei­ta­das. Mes­mo os que re­ce­be­ram cre­den­ci­al não ti­ve­ram a vi­da fa­ci­li­ta­da, “al­guns fo­ram im­pe­di­dos de ob­ser­var a vo­ta­ção” pe­los pre­si­den­tes das me­sas

de vo­to, ou­tros não pu­de­ram acom­pa­nhar o apu­ra­men­to dos re­sul­ta­dos nas pro­vín­ci­as de Ga­za, Nam­pu­la e Zam­bé­zia, de acor­do com Domingos do Ro­sá­rio, do EISA.

“Os ór­gãos elei­to­rais di­zi­am, num pri­mei­ro mo­men­to, que os do­cu­men­tos ne­ces­sá­ri­os não es­ta­vam a ser de­vi­da­men­te ins­truí­dos; cu­ri­o­sa­men­te, a mes­ma do­cu­men­ta­ção es­tá a ser ins­truí­da em qua­se to­das as pro­vín­ci­as, con­so­an­te a lei elei­to­ral, e só em al­gu­mas não — es­tou a fa­lar da Zam­bé­zia, Te­te e Ga­za, ou se­ja, as pro­vín­ci­as com mai­o­res pro­ble­mas são aque­las que têm mai­or po­ten­ci­al de in­ci­den­tes elei­to­rais. É mui­to es­tra­nho”, adi­an­ta­va Sa­le­ma.

Cre­den­ci­al à chu­va

Na As­so­ci­a­ção Mo­çam­bi­ca­na pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to e De­mo­cra­cia (Amo­de), em Chon­go­e­ne, per­to de Xai-Xai, na pro­vín­cia de Ga­za, um dia an­tes das elei­ções de 15 de Ou­tu­bro, de­ze­nas de ob­ser­va­do­res aguar­da­vam à chu­va. Ti­nham si­do con­vo­ca­dos pa­ra re­ce­ber as cre­den­ci­ais que lhes per­mi­ti­ri­am acom­pa­nhar as elei­ções nas as­sem­blei­as de vo­to, des­de an­tes da aber­tu­ra das ur­nas até à fi­xa­ção dos edi­tais.

A mor­te de Ma­ta­vel pe­sa­va na men­te de to­dos. To­dos o co­nhe­ci­am — por­que o co­nhe­ci­am re­al­men­te, por­que já ti­nham ou­vi­do fa­lar de­le an­tes ou por­que vi­ram a no­tí­cia da sua exe­cu­ção por agen­tes da po­lí­cia que lem­brou a to­dos a exis­tên­cia ain­da de es­qua­drões da mor­te em Mo­çam­bi­que. Pi­or, por­que, de re­pen­te, lhes lem­brou que ar­ris­ca­vam a vi­da pa­ra se­rem ga­ran­tes da de­mo­cra­cia no país em tro­ca de 4020 me­ti­cais, mais 1000 me­ti­cais pa­ra trans­por­te e ali­men­ta­ção, equi­va­len­te a 70, 80 eu­ros no to­tal.

Ma­ta­vel mor­reu, o pro­ces­so de ob­ser­va­ção elei­to­ral em Ga­za fi­cou mo­ri­bun­do. As au­to­ri­da­des en­car­re­ga­ram-se de en­tra­var o cre­den­ci­a­men­to. Co­mo re­fe­ria ao P2 Só­nia Del­fi­no, co­or­de­na­do­ra lo­cal dos ob­ser­va­do­res, dos mais de 300 pe­di­dos só oi­to cra­chás fo­ram en­tre­gues. A no­tí­cia do cri­me en­tor­pe­ceu o en­tu­si­as­mo dos ob­ser­va­do­res.

“Mui­tos po­dem não ter de­sis­ti­do fi­si­ca­men

te, mas de­sis­ti­ram men­tal­men­te. E se vi­rem al­gu­ma ir­re­gu­la­ri­da­de, já não vão es­tar mui­to em­pe­nha­dos em de­nun­ciá-la”, di­zia Ni­chol­son Cu­na, de 21 anos, es­tu­dan­te de En­ge­nha­ria Eléc­tri­ca na Uni­ver­si­da­de Edu­ar­do Mon­dla­ne, em Ma­pu­to. “Mas não po­de­mos de­sis­tir, é o nos­so tra­ba­lho. Te­mos de o fa­zer”, acres­cen­ta­va, com mais for­ça que o seu cor­po bai­xo e fran­zi­no dei­xa­va an­te­ver.

Em con­jun­to, os ob­ser­va­do­res, na sua mai­o­ria jo­vens uni­ver­si­tá­ri­os, re­pe­ti­am o em­pe­nho no tra­ba­lho, ape­sar da mor­te de Ma­ta­vel. Vânia da Fe­lí­cia, Sil­ves­tre Ma­na­vé, Ma­ria Inês Jú­lio, Ma­ria Pau­la Lum­be­la e Fausto Cum­be res­pon­de­ram em co­ro: “Não, não te­mos me­do.” Ma­ria Pau­la Lum­be­na, mais ve­lha, acres­cen­tou: “Nós, so­ci­e­da­de ci­vil, so­mos im­par­ci­ais. Es­ta­mos fir­mes.”

“O nos­so tra­ba­lho é im­por­tan­te. Mui­to im­por­tan­te”, afir­mou ou­tra ob­ser­va­do­ra que pre­fe­riu não se iden­ti­fi­car. “Dan­tes era di­fí­cil en­con­trar uma me­sa com dez vo­tos da opo­si­ção aqui em Ga­za, ho­je, mes­mo fa­zen­do as mes­mas coi­sas, já acei­tam a opo­si­ção”, ex­pli­cou. No fim, em Ga­za, a vi­tó­ria de Nyu­si e da Fre­li­mo aca­bou por ser qua­se he­ge­mó­ni­ca, com 94,8% pa­ra o che­fe de Es­ta­do e 93,5% pa­ra a Fre­li­mo.

As au­to­ri­da­des elei­to­rais jus­ti­fi­ca­ram a in­ca­pa­ci­da­de pa­ra acre­di­tar os ob­ser­va­do­res elei­to­rais com as li­mi­ta­ções de res­pos­ta dos ser­vi­ços da Co­mis­são Na­ci­o­nal de Elei­ções (CNE) e do Ser­vi­ço Téc­ni­co de Ad­mi­nis­tra­ção Elei­to­ral (STAE).

“Ao lon­go de to­do es­te pe­río­do, ti­ve vá­ri­os en­con­tros com es­tas or­ga­ni­za­ções, so­li­ci­tan­do que sub­me­tes­sem os pe­di­dos o mais ce­do pos­sí­vel. Fa­lei, in­clu­si­ve, com os em­bai­xa­do­res que fi­nan­ci­am es­tas or­ga­ni­za­ções, pa­ra que dis­po­ni­bi­li­zas­sem o fi­nan­ci­a­men­to com tem­po su­fi­ci­en­te pa­ra es­tas se­lec­ci­o­na­rem e trei­na­rem os ob­ser­va­do­res e reu­ni­rem a do­cu­men­ta­ção ne­ces­sá­ria pa­ra a sub­me­ter aos ór­gãos de ges­tão elei­to­ral, en­quan­to es­tes ain­da es­ti­ves­sem com al­gu­ma acal­mia”, ex­pli­ca ao P2 o pre­si­den­te da CNE, Ab­dul Ca­ri­mo. “Não nos po­dem exi­gir na úl­ti­ma se­ma­na que nos tra­gam mil ou mais pe­di­dos de cre­den­ci­a­ção por pro­vín­cia e aten­der­mos es­ses pe­di­dos quan­do es­tá­va­mos a li­dar com o de­sa­fio enor­me e cru­ci­al que é o as­pec­to lo­gís­ti­co”, jus­ti­fi­ca.

No dia da elei­ção, o pre­si­den­te Fi­li­pe Nyu­si ga­ran­tia, em de­cla­ra­ções aos jor­na­lis­tas de­pois de vo­tar, que es­tá­va­mos pe­ran­te as “elei­ções mais ob­ser­va­das ao ní­vel do país”, fa­lan­do num nú­me­ro su­pe­ri­or a 40 mil ob­ser­va­do­res, sur­pre­en­den­do as or­ga­ni­za­ções da so­ci­e­da­de ci­vil. De re­pen­te, o nú­me­ro ofi­ci­al de ob­ser­va­do­res cre­den­ci­a­dos do CNE pas­sa­ra de 19.900 di­as an­tes do es­cru­tí­nio pa­ra 41 mil. De on­de vi­nham to­dos es­tes ob­ser­va­do­res, per­gun­ta­va-se Eri­ci­no de Sa­le­ma.

“O que acon­te­ceu, pe­la pri­mei­ra vez es­te ano, foi a ten­ta­ti­va de im­pe­dir le­gal­men­te a ob­ser­va­ção in­de­pen­den­te, atra­san­do e não emi­tin­do cre­den­ci­ais de ob­ser­va­do­res em lar­ga es­ca­la”, es­cre­ve­ram oi­to or­ga­ni­za­ções mo­çam­bi­ca­nas da so­ci­e­da­de ci­vil em co­mu­ni­ca­do con­jun­to. “Mais de 3000 ob­ser­va­do­res in­de­pen­den­tes não re­ce­be­ram cre­den­ci­ais”, en­quan­to, ao mes­mo tem­po, “fo­ram emi­ti­das mi­lha­res de cre­den­ci­ais pa­ra ‘ob­ser­va­do­res’ de gru­pos des­co­nhe­ci­dos li­ga­dos ao par­ti­do no po­der, cu­jos ti­tu­la­res in­ter­vi­e­ram ac­ti­va­men­te no fun­ci­o­na­men­to das as­sem­blei­as de vo­to”.

“Em par­te, o nos­so tra­ba­lho foi con­di­ci­o­na­do”, re­co­nhe­cia Eri­ci­no de Sa­le­ma. “Mas a es­ta­tís­ti­ca per­mi­te-nos re­di­men­si­o­nar a amos­tra, au­men­tan­do um bo­ca­di­nho a mar­gem de er­ro”, acres­cen­ta­va con­fi­an­te. “E po­de­mos usar o re­sul­ta­do da úl­ti­ma elei­ção co­mo ba­se de pro­jec­ção, com fór­mu­las es­ta­tís­ti­cas a que es­ta­mos ex­pe­ri­men­ta­dos pe­lo seu uso em to­da a Áfri­ca e no fim te­re­mos um re­la­tó­rio cre­dí­vel, ci­en­ti­fi­ca­men­te vá­li­do. Te­mos uma equi­pa de téc­ni­cos de es­ta­tís­ti­ca mui­to bons, com ex­pe­ri­ên­cia em vá­ri­os con­tex­tos afri­ca­nos.”

Con­tor­nar obs­tá­cu­los

A ob­ser­va­ção elei­to­ral em Mo­çam­bi­que es­tá ca­le­ja­da. Os ac­ti­vis­tas pre­vêem as di­fi­cul­da­des, pro­cu­ram con­tor­nar os obs­tá­cu­los lan­ça­dos pe­las au­to­ri­da­des, so­bre­tu­do, pug­nam pa­ra man­ter in­for­ma­ção ac­tu­a­li­za­da so­bre to­do o pro­ces­so.

Sa­le­ma e a EISA mon­ta­ram uma enor­me ten­da bran­ca no cam­pus da Uni­ver­si­da­de Edu­ar­do Mon­dla­ne, em Ma­pu­to, pa­ra acom­pa­nhar as elei­ções e a con­ta­gem dos re­sul­ta­dos. A Sa­la da Paz ins­ta­lou-se em du­as gran­des sa­las de con­fe­rên­cia no Ho­tel VIP de Ma­pu­to, pa­ra que as vá­ri­as or­ga­ni­za­ções que a cons­ti­tu­em fos­sem re­ce­ben­do as in­for­ma­ções dos seus ob­ser­va­do­res no ter­re­no. O CIP mul­ti­pli­cou as edi­ções do seu bo­le­tim de in­for­ma­ção que foi pu­bli­can­do ao lon­go de to­do o pro­ces­so elei­to­ral des­de o re­cen­se­a­men­to.

O CIP trans­for­mou o seu bo­le­tim num diá­rio de no­tí­ci­as so­bre as elei­ções, com oi­to jor

O as­sas­sí­nio por agen­tes da po­lí­cia de Anas­tá­cio Ma­ta­vel, co­nhe­ci­do ac­ti­vis­ta e ob­ser­va­dor elei­to­ral da pro­vín­cia de Ga­za, dei­xou uma fa­mí­lia de lu­to, in­ti­mi­dou os ob­ser­va­do­res e mar­cou umas elei­ções com mui­tas ir­re­gu­la­ri­da­des, que nem o pró­prio pre­si­den­te da Co­mis­são Na­ci­o­nal de Elei­ções con­se­guiu afir­mar que fo­ram li­vres, jus­tas e trans­pa­ren­tes. Ao P2, Ab­dul Ca­ri­mo (em ci­ma, à di­rei­ta) afir­mou que “não obs­tan­te as ir­re­gu­la­ri­da­des en­con­tra­das”, fo­ram “elei­ções cre­dí­veis”. Em ci­ma, o mu­ro der­ru­ba­do em Xai-Xai on­de o car­ro con­du­zi­do por Ma­ta­vel em­ba­teu de­pois des­te ter si­do ba­le­a­do mor­tal­men­te

in­ves­ti­men­to to­tal”, ex­pli­ca Nha­mi­re. “Mo­çam­bi­que é um país po­bre, qua­se to­dos os pro­jec­tos de gran­de di­men­são têm fi­nan­ci­a­men­to ex­ter­no. In­clu­si­va­men­te, o pró­prio Es­ta­do, pa­ra exe­cu­tar pro­gra­mas co­mo a as­sis­tên­cia à saú­de, en­si­no téc­ni­co, tem de re­cor­rer a fi­nan­ci­a­men­to ex­ter­no. Mas o jor­na­lis­mo não po­de ter di­nhei­ro de fo­ra em Mo­çam­bi­que. En­tão, nós, co­mo or­ga­ni­za­ção, ten­do di­rei­to a es­se ti­po de fi­nan­ci­a­men­to, apro­vei­ta­mos pa­ra fa­zer es­se tra­ba­lho”, acres­cen­ta.

Re­co­nhe­cen­do que, por ve­zes, são cri­ti­ca­dos por fa­ze­rem “con­cor­rên­cia des­le­al aos mei­os de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al”, o CIP des­va­lo­ri­za o mal que po­de pro­vo­car pe­lo “bem mai­or” de dar às pes­so­as o “aces­so à in­for­ma­ção” que, de ou­tra ma­nei­ra, não te­ri­am. “E nós te­mos par­ce­ri­as com os mei­os de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al, dan­do-lhes o aces­so à in­for­ma­ção que re­co­lhe­mos nos lo­cais on­de eles não po­dem es­tar e dan­do apoio téc­ni­co e for­ma­ção a jor­na­lis­tas.”

Com al­guns mei­os, o CIP as­si­nou mes­mo

“me­mo­ran­dos de en­ten­di­men­to”, apoi­an­do­os fi­nan­cei­ra­men­te. Além dis­so, o bo­le­tim do CIP não é fei­to pa­ra di­vul­ga­ção ge­ral à po­pu­la­ção, mas pa­ra ser­vir de ba­se de in­for­ma­ção pa­ra ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al, ma­te­ri­al de ba­se pa­ra aju­dar os jor­na­lis­tas no seu tra­ba­lho de in­for­mar.

No úl­ti­mo Bo­le­tim so­bre o Pro­ces­so Po­lí­ti­co em Mo­çam­bi­que, da­ta­do de 27 de Ou­tu­bro, por exem­plo, dá-se con­ta de que a CNE de­cla­rou a Fre­li­mo ven­ce­do­ra das elei­ções, re­jei­tan­do os pro­tes­tos da opo­si­ção, sa­li­en­tan­do, no en­tan­to, que a de­ci­são foi to­ma­da por no­ve vo­tos a fa­vor e oi­to con­tra, e só os mem­bros da CNE pró­xi­mos da Fre­li­mo de­ram a sua apro­va­ção. “Há uma po­li­ti­za­ção de to­das as par­tes en­vol­vi­das no pro­ces­so elei­to­ral e, du­ran­te a vo­ta­ção dos re­sul­ta­dos da elei­ção, os mem­bros da CNE se­pa­ra­ram-se em fun­ção da ori­en­ta­ção par­ti­dá­ria”, lê-se no bo­le­tim.

De acor­do com Jo­seph Han­lon, “as ope­ra­ções elei­to­rais de Mo­çam­bi­que es­tão ago­ra to­tal­men­te po­li­ti­za­das”. Ape­sar de a Re­na­mo, prin­ci­pal par­ti­do da opo­si­ção (que ob­te­ve ape­nas 24% dos vo­tos e 60 de­pu­ta­dos no Par­la­men­to), ter con­se­gui­do que ha­ja re­pre­sen­ta­ção dos par­ti­dos po­lí­ti­cos com as­sen­to par­la­men­tar na CNE, acre­di­tan­do “que ten­do mais pes­so­as nos ór­gãos elei­to­rais po­de­ri­am im­pe­dir a frau­de”, is­so não tem ti­do “o efei­to de­se­ja­do”.

Se os as­sen­tos dos par­ti­dos são da­dos pro­por­ci­o­nal­men­te em fun­ção do nú­me­ro de de­pu­ta­dos, “os as­sen­tos da so­ci­e­da­de ci­vil são, na prá­ti­ca, con­ce­di­dos a pes­so­as da so­ci­e­da­de ci­vil ali­nha­das a par­ti­dos”, o que “dá à Fre­li­mo uma mai­o­ria em to­das as co­mis­sões elei­to­rais”. E is­so viu-se no dia 26 de Ou­tu­bro, quan­do os re­sul­ta­dos fi­nais fo­ram apre­sen­ta­dos “na úni­ca ses­são aber­ta aos ob­ser­va­do­res e man­da­tá­ri­os dos par­ti­dos”. A reu­nião de centraliza­ção de re­sul­ta­dos ocor­re­ra à por­ta fe­cha­da no dia an­te­ri­or e o que vi­ram fo­ram ape­nas os sli­des e os grá­fi­cos dos to­tais apu­ra­dos.

“Es­can­da­lo­sa frau­de”

Os nú­me­ros são im­pres­si­o­nan­tes: Nyu­si con­se­gue mais 1,7 mi­lhões de vo­tos do que na sua pri­mei­ra elei­ção em 2014; a ban­ca­da da Fre­li­mo na As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca pas­sa de 144 pa­ra 184 de­pu­ta­dos, a da Re­na­mo des­ce de 89 pa­ra 60 e a do Mo­vi­men­to De­mo­crá­ti­co de Mo­çam­bi­que, do pre­si­den­te do mu­ni­cí­pio da Bei­ra, Da­viz Si­man­go, fi­ca re­du­zi­da a seis de­pu­ta

Não é só a Fre­li­mo que ga­nhou; são, so­bre­tu­do, os ou­tros que per­de­ram. Es­te país pre­ci­sa­va de uma opo­si­ção for­te, que fun­ci­o­nas­se co­mo al­ter­na­ti­va e não exis­te Mia Cou­to

dos, quan­do na an­te­ri­or le­gis­la­tu­ra ti­nha 17.

Os­su­fo Mo­ma­de, que her­dou a li­de­ran­ça da Re­na­mo do seu fun­da­dor e lí­der his­tó­ri­co, Afon­so Dh­la­ka­ma, fa­le­ci­do em 2018, ape­li­dou o pro­ces­so elei­to­ral de “es­can­da­lo­sa frau­de”. “O de­se­jo dos mo­çam­bi­ca­nos e da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal era de que es­tas elei­ções, que ti­ve­ram lu­gar no con­tex­to da as­si­na­tu­ra do Acor­do de Paz e da vi­si­ta do pa­pa Francisco, fos­sem li­vres, jus­tas e trans­pa­ren­tes. Mas, con­tra­ri­a­men­te a es­ta von­ta­de co­mum e ge­nuí­na de to­dos, ti­ve­mos as elei­ções mais frau­du­len­tas ja­mais vis­tas no nos­so país”, su­bli­nhou em con­fe­rên­cia de im­pren­sa.

Pa­ra as or­ga­ni­za­ções da so­ci­e­da­de ci­vil que as­si­nam o re­fe­ri­do co­mu­ni­ca­do, “das seis elei­ções ge­rais mul­ti­par­ti­dá­ri­as já re­a­li­za­das em Mo­çam­bi­que, es­tas fo­ram as mais vi­ci­a­das e frau­du­len­tas”, fa­zen­do com que no país se vi­va ho­je num “ce­ná­rio ca­rac­te­ri­za­do por uma for­ma pou­co res­pei­to­sa de cha­mar as nos­sas elei­ções, de­sig­nan­do-as de se­gun­da ca­te­go­ria e on­de os elei­to­res são cha­ma­dos sim­ples­men­te pa­ra le­gi­ti­mar a frau­de”.

Se ao P2, di­as de­pois da elei­ção, Ab­dul Ca­ri­mo, pre­si­den­te da CNE, ga­ran­tia que, “não obs­tan­te as ir­re­gu­la­ri­da­des en­con­tra­das”, as “elei­ções fo­ram cre­dí­veis”, na se­ma­na pas­sa­da, quan­do en­tre­gou ao Con­se­lho Cons­ti­tu­ci­o­nal a do­cu­men­ta­ção re­la­ti­va ao apu­ra­men­to dos re­sul­ta­dos, o tom era ou­tro. “Nós fi­ze­mos tu­do o que era ne­ces­sá­rio pa­ra que as elei­ções de­cor­res­sem da for­ma mais cor­rec­ta pos­sí­vel e mais lim­pa pos­sí­vel”, dis­se aos jor­na­lis­tas, ci­ta­do pe­la Lu­sa. “[No en­tan­to,] nin­guém nos ou­viu a di­zer que as elei­ções fo­ram li­vres, jus­tas e trans­pa­ren­tes.”

“Po­de di­zer-se que há ca­sos já pro­va­dos [de ilí­ci­tos elei­to­rais,] mas em 20 mil me­sas?”, per­gun­ta re­to­ri­ca­men­te Mia Cou­to. Pa­ra o es­cri­tor, que foi mi­li­tan­te da Fre­li­mo an­tes e de­pois da in­de­pen­dên­cia, a vi­tó­ria em to­da a li­nha do par­ti­do no po­der nas elei­ções de 15 de Ou­tu­bro mos­tra que a Fre­li­mo não en­fren­ta uma opo­si­ção com um ver­da­dei­ro mo­de­lo al­ter­na­ti­vo de go­ver­no.

“Re­pa­re, não é só a Fre­li­mo que ga­nhou; são, so­bre­tu­do, os ou­tros que per­de­ram. Es­te país pre­ci­sa­va de uma opo­si­ção for­te, cons­tru­ti­va, que fun­ci­o­nas­se co­mo al­ter­na­ti­va e não exis­te.” “[De­pois da mor­te de Afon­so Dh­la­ka­ma] per­ce­be­mos que o ru­mo que to­mou a Re­na­mo a iria en­fra­que­cer: rup­tu­ras, as­sun­tos não re­sol­vi­dos den­tro do par­ti­do, aca­ba­ram por re­sul­tar nes­te de­sas­tre”, ex­pli­ca o es­cri­tor.

Em Chon­go­e­ne, as ho­ras pas­sa­vam na vés­pe­ra das elei­ções e os ob­ser­va­do­res que ti­nham de ir pa­ra os lu­ga­res mais lon­gín­quos da pro­vín­cia de Ga­za, jun­to à fron­tei­ra com o Zim­babwe, já se ha­vi­am re­sig­na­do a não po­de­rem cum­prir a sua fun­ção. Al­guns des­ses lu­ga­res, co­mo Chi­cu­a­la­cu­a­la (96%), Ma­ba­la­ne (99%) e Ma­pai (91%) fi­gu­ram en­tre os dis­tri­tos elei­to­rais com mai­or ta­xa de par­ti­ci­pa­ção elei­to­ral em to­do o país. Nu­ma elei­ção que te­ve uma af uên­cia às ur­nas de 50,74%, ta­ma­nha von­ta­de de vo­tar des­ta­ca-se co­mo anó­ma­la, mais ain­da quan­do de­ram vi­tó­ri­as de 99% a Nyu­si. Nes­se as­pec­to, só Chi­gu­bo, tam­bém em Ga­za, lhes le­vou a me­lhor: 97% de par­ti­ci­pa­ção, 100% dos vo­tos pa­ra o Pre­si­den­te.

O jor­na­lis­ta vi­a­jou a con­vi­te da As­so­ci­a­ção pa­ra a Co­o­pe­ra­ção en­tre os Po­vos (ACEP) e do Cen­tro de Es­tu­dos In­ter­na­ci­o­nais (CEI/ISCTE), no âm­bi­to do pro­jec­to As ONG no De­sen­vol­vi­men­to e na Ci­da­da­nia, fi­nan­ci­a­do pe­lo Ca­mões – Ins­ti­tu­to da Co­o­pe­ra­ção e da Lín­gua

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.