Cró­ni­ca Pas­sar fo­me com o pei­xe ar­ma­ze­na­do

Edição Público Lisboa - Público - P2 - - ÍNDICE - Pa­trí­cia Car­va­lho pa­tri­cia.car­va­lho@pu­bli­co.pt

Há um pro­gra­ma num ca­nal por ca­bo que le­va os con­cor­ren­tes pa­ra sí­ti­os inós­pi­tos do pla­ne­ta e os dei­xa so­zi­nhos, com uma câ­ma­ra de fil­mar, a ten­ta­rem so­bre­vi­ver.

Têm de en­con­trar co­mi­da, cons­truir um abri­go, li­dar com even­tu­ais pro­ble­mas que pos­sam sur­gir (se­ja um ani­mal sel­va­gem, uma pi­ca­da de uma ara­nha ve­ne­no­sa ou um pé tor­ci­do) e adap­tar-se à so­li­dão. Quem aguen­tar mais tem­po, le­va pa­ra casa uma pe­que­na for­tu­na.

Pa­ra ser ho­nes­ta, o pro­gra­ma já vai em vá­ri­as tem­po­ra­das e eu de­vo ter vis­to, no to­tal, uns três ou qua­tro epi­só­di­os, por me­ro aca­so. Mas a úl­ti­ma vez em que me cru­zei com ele (es­ta­va um bo­ca­do en­te­di­a­da, a sal­tar de ca­nal em ca­nal) as­sis­ti a uma ce­na de que não me es­que­ci. Além dos pro­ble­mas emo­ci­o­nais de quem per­ma­ne­ce se­ma­nas com­ple­ta­men­te iso­la­do, o de­sa­fio mai­or que os con­cor­ren­tes têm de ul­tra­pas­sar é o de en­con­tra­rem co­mi­da. Ha­via ali gen­te a fa­zer uma fes­ta por­que um ra­to ti­nha caído nu­ma ar­ma­di­lha im­pro­vi­sa­da e quem já só co­mes­se cal­dos de fun­gos e er­vas há vá­ri­os di­as.

A fal­ta de ali­men­tos atin­ge tais ex­tre­mos que já ti­nha vis­to uma mu­lher a ser obri­ga­da pe­lo médico do pro­gra­ma a aban­do­nar o con­cur­so, por cau­sa do es­ta­do de sub­nu­tri­ção a que ti­nha che­ga­do (há um médico que vai ver os con­cor­ren­tes de vez em quan­do). Mas o ca­so que me dei­xou a pen­sar foi o de um ho­mem que, apa­ren­te­men­te, era um gé­nio na pes­ca e ti­nha con­se­gui­do acu­mu­lar no seu abri­go uma quan­ti­da­de ge­ne­ro­sa de pei­xe que, en­tre­tan­to, con­ser­va­ra, fu­man­do-o.

Ora, es­te ho­mem, pro­va­vel­men­te o úni­co na­que­la fa­se do pro­gra­ma que não ti­nha pro­ble­mas em ter aces­so a co­mi­da, apre­sen­ta­va uma ma­gre­za ex­tre­ma e, no dia em que me cru­zei com ele, es­ta­va, pre­ci­sa­men­te, a ser in­for­ma­do pe­lo médico que ti­nha de aban­do­nar o con­cur­so, por­que o cor­po po­dia en­trar em co­lap­so a qual­quer mo­men­to.

O con­cor­ren­te olha­va pa­ra o pei­xe co­mo quem não en­ten­de. A de­ter­mi­na­da al­tu­ra, lá ex­pli­cou que se ti­nha con­ven­ci­do de que, se co­mes­se ape­nas meio pei­xe por dia, com a quan­ti­da­de que já ti­nha ar­ma­ze­na­do, po­der-se-ia man­ter no pro­gra­ma por mui­to tem­po e se­ria o ven­ce­dor. E ha­bi­tu­a­ra-se, na­que­las se­ma­nas, a in­ge­rir tão pou­co ali­men­to que per­deu a ca­pa­ci­da­de de per­ce­ber co­mo se es­ta­va a co­lo­car em ris­co.

Dei por mim a pen­sar que aque­le ho­mem era uma ver­são ma­gra e do­en­te de to­das aque­las pes­so­as que an­dam a la­men­tar-se, dia após dia, de co­mo es­ta­mos to­dos ho­je mui­to pi­or do que “an­tes”. Mui­tas ve­zes sin­to-me a olhar pa­ra elas co­mo o ho­mem olha­va pa­ra o pei­xe ar­ma­ze­na­do que de na­da lhe ser­vi­ra — sem com­pre­en­der. Es­ta­mos pi­or? Pi­or do que quan­do? De quan­do se mor­ria sem se che­gar a com­ba­ter a do­en­ça de que se pa­de­cia por­que não ha­via ain­da co­nhe­ci­men­tos mé­di­cos su­fi­ci­en­tes ou tra­ta­men­tos efi­ca­zes? De quan­do os miú­dos iam pa­ra a es­co­la des­cal­ços por­que não ha­via di­nhei­ro pa­ra sa­pa­tos (e is­to quan­do iam à es­co­la)? De quan­do as mu­lhe­res ti­nham de pe­dir au­to­ri­za­ção ao ma­ri­do pa­ra se au­sen­ta­rem do país? De quan­do se po­dia ir pa­rar a uma ce­la de tor­tu­ra por se dis­tri­buir um pan­fle­to? Ou a um ma­ni­có­mio por se ser ho­mos­se­xu­al? De quan­do dar um bei­jo em pú­bli­co da­va di­rei­to a mul­ta?

Es­ta­mos mui­to lon­ge de po­der­mos olhar em vol­ta e di­zer que es­tá tu­do bem. Há mui­ta coi­sa mal, a co­me­çar pe­la for­ma co­mo es­ta­mos a mos­trar-nos in­ca­pa­zes de man­ter o pla­ne­ta sau­dá­vel e ha­bi­tá­vel. As pes­so­as con­ti­nu­am a ser ca­pa­zes de ac­tos ini­ma­gi­ná­veis de horror, à mes­ma ve­lo­ci­da­de que con­se­guem ser de uma bon­da­de e ge­ne­ro­si­da­de de­sar­man­tes. As in­jus­ti­ças são mais do que mui­tas e, sim, é de­ses­pe­ran­te a for­ma co­mo con­ti­nu­a­mos a re­pe­tir os mes­mos er­ros, co­mo se não apren­dês­se­mos na­da com o pas­sa­do.

Mas não me ve­nham di­zer que es­ta­mos pi­or. Que an­ti­ga­men­te é que era bom. Que vi­ve­mos, ho­je, um ter­ror co­mo nun­ca se viu. É fá­cil cair­mos nes­sa ar­ma­di­lha. Bas­ta ro­de­ar­mo-nos de pes­so­as que tam­bém o pen­sam e es­co­lher­mos co­mo úni­ca fon­te de in­for­ma­ção os mes­mos ca­nais ou jor­nais que só mos­tram o pi­or que o mun­do tem. Se nos fe­char­mos nes­se cír­cu­lo de des­gra­ças, con­se­gui­mos um iso­la­men­to tão per­fei­to co­mo o do ho­mem que es­ta­va a mor­rer à fo­me com um ex­ce­den­te de pei­xe dis­po­ní­vel. E es­que­ce­mo-nos de tu­do o res­to. Do que já con­quis­tá­mos e da es­pe­ran­ça do que ain­da po­de­re­mos vir a con­se­guir.

Pa­ra ex­pli­car me­lhor, re­gres­so à te­le­vi­são e a um diá­lo­go que apa­nhei, por aca­so, en­tre du­as per­so­na­gens de uma sé­rie si­tu­a­da al­gu­res nos anos de

1950. Sen­ta­do num au­to­mó­vel, um ho­mem la­mu­ri­a­va-se de co­mo na­que­le seu ho­je tu­do era pi­or do que an­tes. Cla­ra­men­te can­sa­do da­que­le dis­cur­so que já de­ve­ria ter ou­vi­do vá­ri­as ve­zes, o seu in­ter­lo­cu­tor res­pon­dia-lhe al­go co­mo: “An­tes, quan­do es­tá­va­mos em gu­er­ra?”. E o pes­si­mis­ta re­tor­quia com, ah, mas as re­la­ções pes­so­ais eram ou­tra coi­sa, os vi­zi­nhos eram mui­to mais pres­tá­veis. “Os que es­ta­vam vi­vos e não ti­nham mor­ri­do na gu­er­ra, que­res di­zer?”, res­pon­dia-lhe o ou­tro. É is­to.

Não me ve­nham di­zer que es­ta­mos pi­or. Que an­ti­ga­men­te é que era bom. Que vi­ve­mos, ho­je, um ter­ror co­mo nun­ca se viu

CA­NAL HIS­TÓ­RIA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.