Frá­gil, de­li­ca­da, vul­ne­rá­vel

Edição Público Lisboa - Público - P2 - - ÍNDICE - Gran­de an­gu­lar An­tó­nio Bar­re­to

Há qu­em pen­se que é ro­bus­ta e só­li­da. Que re­sis­te a tu­do ou qua­se. E que, sen­do ama­da e de­fen­di­da pe­lo povo, na­da a põe em ris­co. Es­ta­mos a fa­lar da de­mo­cra­cia, cla­ro!

Dia após dia se vai ven­do que é um re­gi­me de­li­ca­do. Mes­mo se ama­da pe­lo povo, sem ins­ti­tui­ções não vai lon­ge. E sem re­gras tam­bém não. De­ma­si­a­do rí­gi­da, mor­re por fal­ta de f exi­bi­li­da­de. Ex­ces­si­va­men­te plás­ti­ca, pe­ca por dis­so­lu­ta. Sem atenção nem cui­da­dos, com pou­cas tra­di­ções e me­nos cos­tu­mes, a de­mo­cra­cia é frá­gil. Com mui­tas re­gras e bu­ro­cra­cia a mais, afas­ta-se dos ci­da­dãos.

O go­ver­no de as­sem­bleia é uma das mo­da­li­da­des po­lí­ti­cas que fa­zem par­te dos uni­ver­sos utó­pi­cos e dos de­va­nei­os de ju­ven­tu­de. Pen­sa-se em Ate­nas ou em Ro­ma, em vá­ri­os se­na­dos e em as­sem­blei­as po­pu­la­res, nos es­ta­dos ge­rais e na con­ven­ção. Ape­sar de te­rem da­do mau re­sul­ta­do, há sem­pre qu­em es­pe­re que um dia um an­gé­li­co go­ver­no de as­sem­bleia re­a­li­za­rá a es­pe­ran­ça de­mo­crá­ti­ca de qu­em sonha. Mes­mo sa­ben­do que al­guns dos me­lho­res exem­plos de go­ver­no de as­sem­bleia re­dun­da­ram no ter­ror fran­cês e so­vié­ti­co. O nos­so que­ri­do Par­la­men­to, no qua­dro iné­di­to da re­la­ção de forças po­lí­ti­cas ac­tu­ais, pro­cu­ra o seu ca­mi­nho de as­sem­bleia. Os gru­pos par­la­men­ta­res ar­ro­gam-se di­rei­tos que não têm e que­rem fa­zer his­tó­ria. Uns que­rem ad­mi­nis­trar o sis­te­ma fi­nan­cei­ro e, pa­ra já, fi­xar cus­tos e co­mis­sões dos ban­cos. Ou­tros pre­ten­dem de­sem­pe­nhar pa­pel im­por­tan­te na de­ter­mi­na­ção do fu­tu­ro ae­ro­por­to de Lisboa que já não se sa­be on­de é. Ou­tros ain­da de­ci­di­ram im­pe­dir que as li­nhas de me­tro­po­li­ta­no de Lisboa si­gam um pla­no, a fim de de­ter­mi­nar um no­vo tra­ça­do. Um de­pu­ta­do ba­ru­lhen­to e de­sor­dei­ro pen­sou que o Par­la­men­to po­de­ria por si só re­ver a Cons­ti­tui­ção e ins­tau­rar o prin­cí­pio de Ta­lião no Di­rei­to Pe­nal. Mas o Pre­si­den­te da As­sem­bleia Fer­ro Ro­dri­gues tam­bém não per­ce­beu mui­to bem o seu pa­pel e, aju­da­do por al­guns par­ti­dos, fez o que pô­de pa­ra evi­tar que o de­pu­ta­do exi­bi­ci­o­nis­ta des­se nas vis­tas e não lhe con­ce­der a pa­la­vra nem a ini­ci­a­ti­va. Com evi­den­tes re­sul­ta­dos con­tra­pro­du­cen­tes.

Da As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca vi­e­ram tam­bém as leis so­bre a “mor­te as­sis­ti­da”, cu­ja apro­va­ção co­mo­veu a opi­nião e deu ori­gem a ref exões es­tra­nhas so­bre o re­fe­ren­do e a de­mo­cra­cia par­la­men­tar ou di­rec­ta. A op­ção pe­la apro­va­ção des­ta lei por via le­gis­la­ti­va ou por re­fe­ren­do foi dis­cu­ti­da com mui­to ca­lor, mas igual­men­te com enor­me des­pre­zo pe­la opi­nião dos elei­to­res. Es­tes são in­te­li­gen­tes pa­ra uns, es­tú­pi­dos pa­ra ou­tros. Cul­tos e ca­pa­zes de de­ci­sões ra­ci­o­nais pa­ra uns e to­tal­men­te in­ca­pa­zes e des­pro­vi­dos de sen­sa­tez pa­ra ou­tros. O que se de­ve ou não re­fe­ren­dar, o que se po­de ou não vo­tar di­rec­ta­men­te, o que é ou não sus­cep­tí­vel de ini­ci­a­ti­va po­pu­lar de­pen­de do opor­tu­nis­mo de ca­da um.

Ain­da na As­sem­bleia, es­te ri­co al­fo­bre de de­mo­cra­cia, mas tam­bém vi­vei­ro de to­li­ces, ti­ve­mos as de­ci­sões de Rui Rio e da di­rec­ção do PSD: a par­tir de ago­ra, a co­mu­ni­ca­ção do par­ti­do vai pas­sar a ser “ge­ri­da”. Is­to é, os con­tac­tos en­tre jor­na­lis­tas e de­pu­ta­dos, ou vi­ce-versa, de­vem ser fei­tos atra­vés dos ser­vi­ços de im­pren­sa do Gru­po Par­la­men­tar e do par­ti­do. Cin­co di­as de­pois, ain­da não ha­via re­ac­ção de qu­al­quer es­pé­cie, os de­pu­ta­dos vi­sa­dos não ma­ni­fes­ta­ram re­pug­nân­cia nem ob­jec­ção de cons­ci­ên­cia. Os de­pu­ta­dos dos ou­tros par­ti­dos não ex­pri­mi­ram so­li­da­ri­e­da­de nem in­te­res­se, even­tu­al­men­te por re­ceio de que lhes ve­nha acon­te­cer o mes­mo. Que se sai­ba, os jor­na­lis­tas par­la­men­ta­res tam­bém não re­a­gi­ram nem re­cu­sa­ram ter de pas­sar pe­los ser­vi­ços pa­ra fa­lar com elei­tos que su­pu­nham li­vres. Se es­ta di­rec­ti­va não pro­vo­ca re­ac­ções de re­pul­sa, é per­mi­ti­do con­cluir que os de­pu­ta­dos não me­re­cem a li­ber­da­de que de­ve­ri­am ter. Os jor­na­lis­tas tam­bém não.

Ver­da­dei­ra­men­te hi­la­ri­an­te foi a in­ter­ven­ção do mi­nis­tro Pe­dro Nu­no dos San­tos a pro­pó­si­to do ae­ro­por­to do Mon­ti­jo. Uma lei de­ma­gó­gi­ca e cer­ta­men­te es­tú­pi­da es­ta­be­le­ce a una­ni­mi­da­de au­tár­qui­ca co­mo ne­ces­si­da­de pa­ra apro­var o no­vo ae­ro­por­to. Ora, não há una­ni­mi­da­de. Uma ou du­as câ­ma­ras não con­cor­dam e já ma­ni­fes­ta­ram a sua opo­si­ção. O mi­nis­tro não se in­co­mo­dou: en­tão, diz ele, é ne­ces­sá­rio mu­dar a lei. A his­tó­ria é ab­sur­da e mais pa­re­ce um sket­ch de co­mé­dia “le­van­ta-te e ri”. Mas de uma coi­sa po­de­mos es­tar cer­tos: al­go de pa­re­ci­do vai ser fei­to. Com ha­bi­li­da­des ou di­nhei­ro. Ou os dois.

AJus­ti­ça é fér­til de in­com­pe­tên­ci­as, cor­rup­ção, bu­ro­cra­cia, in­jus­ti­ças e eter­ni­da­des de atra­sos. Ten­do escapado à re­vo­lu­ção, fin­tou a de­mo­cra­cia e lu­di­bri­ou a li­ber­da­de. E es­pe­ra en­ga­nar a Eu­ro­pa. Sem um prin­cí­pio su­pe­ri­or e ex­pos­ta a que­zí­li­as in­ter­nas de po­der, a Jus­ti­ça dá re­gu­lar­men­te más no­tí­ci­as. Es­ta se­ma­na tam­bém. Uma, a ques­tão dos sor­tei­os ale­a­tó­ri­os ca­muf ados, nes­te ca­so na Re­la­ção de Lisboa, é de uma gravidade tal que as pa­la­vras são cur­tas pa­ra a clas­si­fi­car. Ou­tra, a as­so­ci­a­ção da Jus­ti­ça a ban­di­dos é uma pes­te a que nos re­sig­ná­mos. A qua­se cer­te­za de que só os tri­bu­nais eu­ro­peus têm al­gu­ma isen­ta fir­me­za dei­xa-nos o es­pí­ri­to ale­gre, re­pou­sa-nos de af ições, mas des­trói a es­pe­ran­ça de ver que se­re­mos ca­pa­zes, um dia, de des­can­sar na nos­sa Jus­ti­ça!

Ade­mo­cra­cia é um sis­te­ma de go­ver­no que de­pen­de es­sen­ci­al­men­te de con­ven­ções. Umas tra­du­zi­das na lei, ou­tras cri­a­do­ras de cos­tu­mes e tra­di­ções. Tais con­ven­ções são pou­cas e sim­ples, di­zem res­pei­to à ca­pa­ci­da­de elei­to­ral dos ci­da­dãos (an­ti­ga­men­te di­zia-se “um ho­mem…”, ho­je diz-se “uma pes­soa, um vo­to”), à pe­ri­o­di­ci­da­de das elei­ções li­vres, aos go­ver­nos de mai­o­ria, ao res­pei­to pe­las mi­no­ri­as, aos mé­to­dos de go­ver­no e le­gis­la­ção e aos sis­te­mas de in­for­ma­ção e res­pon­sa­bi­li­da­de. O que se atri­bui ge­ral­men­te à de­mo­cra­cia (igual­da­de, cul­tu­ra, edu­ca­ção, saú­de, em­pre­go, mer­ca­do e mui­to mais) não é re­al­men­te de­mo­cra­cia: são po­lí­ti­cas pú­bli­cas e op­ções so­ci­ais e eco­nó­mi­cas que com­bi­nam (ou não) com a de­mo­cra­cia e que lhe dão vi­da e sen­ti­do. Num ca­so, to­da­via, es­ta­mos pe­ran­te um sis­te­ma que, não fa­zen­do par­te do con­cei­to clás­si­co, é no en­tan­to es­sen­ci­al à de­mo­cra­cia: o Es­ta­do de Di­rei­to e o sis­te­ma de jus­ti­ça. Por is­so, a de­mo­cra­cia é tão frá­gil, tão vul­ne­rá­vel e tão de­li­ca­da. De­pen­de de tu­do e de­pen­de de tan­to!

Por is­so se exi­ge o res­pei­to pe­las leis e não se ad­mi­te que se­jam fei­tas à me­di­da. Por is­so se pen­sa que o sis­te­ma de jus­ti­ça de­va ser ín­te­gro. Por is­so se es­pe­ra que os nos­sos elei­tos se­jam pes­so­as li­vres e res­pon­sá­veis. Por is­so se ad­mi­te que o me­lhor go­ver­no não é o de uma as­sem­bleia exe­cu­ti­va e vo­lú­vel, mas sim o de um go­ver­no res­pon­sá­vel pe­ran­te uma as­sem­bleia re­pre­sen­ta­ti­va.

Um só be­lis­cão na de­mo­cra­cia é de mais, mas tal­vez não se­ja gra­ve. Mui­tos e se­gui­dos me­re­cem atenção e cui­da­do.

Dia após dia se vai ven­do que a de­mo­cra­cia é um re­gi­me de­li­ca­do. Mes­mo se ama­da pe­lo povo, sem ins­ti­tui­ções não vai lon­ge. E sem re­gras tam­bém não

So­ció­lo­go

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.