Mo­ni­to­ri­zar o pen­sa­men­to

Edição Público Lisboa - Público - P2 - - ÍNDICE - Gran­de an­gu­lar An­tó­nio Bar­re­to So­ció­lo­go

Tal­vez se­ja coin­ci­dên­cia, mas não pa­re­ce! Um dia, por cau­sa de um livro, seis dú­zi­as de aca­dé­mi­cos em­pe­nha­dos subs­cre­vem um ma­ni­fes­to no qual pro­tes­tam con­tra a aca­de­mia que pro­te­ge a di­rei­ta, di­zem eles, que bran­queia a ex­tre­ma-di­rei­ta, ga­ran­tem, que aju­da o ra­cis­mo, afir­mam. Em pou­cas pa­la­vras, con­tra uma aca­de­mia que não de­nun­cia o dis­cur­so de ódio, re­su­mem. No dia se­guin­te, são des­ven­da­dos ru­mo­res de pla­nos que o Go­ver­no faz pa­ra en­co­men­dar às uni­ver­si­da­des que vi­gi­em o dis­cur­so do ódio, que su­per­vi­si­o­nem as re­des so­ci­ais e que acom­pa­nhem as nar­ra­ti­vas pú­bli­cas so­bre es­tran­gei­ros. Na­da, lei ou pa­la­vra de ministro, é se­gu­ro. Por en­quan­to, “diz-se”, “vai pen­sar-se”… Mas o ca­mi­nho es­tá des­bra­va­do.

Na ver­da­de, o que se anun­cia é um dos mais vi­o­len­tos aten­ta­dos con­tra a li­ber­da­de de ex­pres­são que Por­tu­gal co­nhe­ce há dé­ca­das! Co­mo qua­se sem­pre, sob a apa­rên­cia de cau­sas no­bres (con­tra o ra­cis­mo) e de sen­ti­men­tos ele­va­dos (con­tra o ódio), o que na ver­da­de se pro­põe é o es­ta­be­le­ci­men­to de um câ­no­ne de vir­tu­des e de um ca­te­cis­mo de va­lo­res. Os go­ver­nan­tes e os cientistas so­ci­ais que as­sim se ex­pri­mem pre­ten­dem a “mo­ni­to­ri­za­ção” dos dis­cur­sos, actividade apa­ren­te­men­te inó­cua. O que na ver­da­de que­rem é o es­ta­be­le­ci­men­to de uma or­dem. Pa­ra que ser­ve “mo­ni­to­ri­zar”? Não te­nha­mos dú­vi­das: é um eu­fe­mis­mo pa­ra vi­gi­ar, po­li­ci­ar, re­gis­tar e fis­ca­li­zar. É o que fa­zem as po­lí­ci­as, a PIDE, o KGB, a

STASI e ou­tras, vi­vas ou de­fun­tas. É o que sem­pre fi­ze­ram as cen­su­ras. De re­pen­te, es­tas pes­so­as en­con­tram o pre­tex­to ideal: um par­ti­do fas­cis­ta e um de­pu­ta­do xe­nó­fo­bo! Con­tra es­se mal, de­sem­bai­nham es­pa­das e ali­nham ar­ti­lha­ria. Re­ve­lam-se os cen­so­res que são.

Os sig­na­tá­ri­os do ma­ni­fes­to não es­con­dem ao que vêm: im­pe­dir a uni­ver­si­da­de li­vre e plu­ral, a fim de de­fen­der uma aca­de­mia em­pe­nha­da e vi­gi­lan­te! Os ma­ni­fes­tan­tes não dis­cu­tem o livro, não con­tes­tam as con­clu­sões. Tal­vez nem se­quer o te­nham li­do! Li­mi­tam-se a de­nun­ci­ar o au­tor, a su­ge­rir a proi­bi­ção, a re­co­men­dar o sa­ne­a­men­to e a de­fi­nir fron­tei­ras pa­ra o pen­sa­men­to ad­mis­sí­vel!

É pena ver en­tre aqueles sig­na­tá­ri­os pes­so­as que não jul­gá­va­mos ca­pa­zes dis­to. En­ga­no nos­so! É uma de­si­lu­são con­tar en­tre os ma­ni­fes­tan­tes pes­so­as que em tem­pos deram o seu no­me a com­ba­tes pe­la li­ber­da­de de ex­pres­são. Er­ro nos­so! Eles lu­ta­vam pe­la sua li­ber­da­de, não pe­la de to­dos.

De­pois do ma­ni­fes­to in­qui­si­tó­rio, os pe­zi­nhos de lã do Go­ver­no dis­far­çam as bo­ti­far­ras da cen­su­ra. Pa­re­ce que o Go­ver­no vai abrir de­mo­crá­ti­co con­cur­so pa­ra apro­var cin­co pro­jec­tos de mo­ni­to­ri­za­ção das ex­pres­sões e das nar­ra­ti­vas! Sem­pre com mo­ti­vos no­bres, cla­ro: de­nun­ci­ar o ódio e ob­ser­var o ra­cis­mo!

É bem pos­sí­vel que es­tes pla­nos alu­ci­na­dos não se­jam mais do que is­so, pla­nos alu­ci­na­dos! Mas é me­lhor es­tar­mos pre­ve­ni­dos. Há coi­sas que se fa­zem, ru­mo­res que se dei­xam cor­rer e va­gas in­ten­ções que che­gam ao pú­bli­co com a mis­são de son­dar os es­pí­ri­tos. Lo­go se ve­rá de­pois se as coi­sas cor­rem bem ou mal.

O mais pro­vá­vel é que es­te­ja­mos di­an­te da am­bi­ção de ex­pe­ri­men­tar prá­ti­cas de controlo da ex­pres­são, de cen­su­ra e de in­to­xi­ca­ção. Os pre­tex­tos, o ra­cis­mo e a xe­no­fo­bia, são tão con­sen­su­ais que po­dem ser apro­vei­ta­dos pa­ra a cri­a­ção de uma cen­su­ra po­lí­ti­ca e mo­ral, que aca­ba­rá por ser mui­to mais vas­ta do que aque­las per­ver­sões do es­pí­ri­to. Ou­tras for­mas de ex­pres­são vi­rão a se­guir.

Tu­do o que se des­cre­ve aci­ma é se­lec­ti­vo. Evi­den­te­men­te. O ra­cis­mo, a xe­no­fo­bia e a de­si­gual­da­de são con­si­de­ra­das ne­fas­tas ou to­le­ra­das, con­for­me as con­ve­ni­ên­ci­as po­lí­ti­cas. A re­tó­ri­ca da vi­o­lên­cia tam­bém: se des­ti­na­da a ini­mi­gos de clas­se, é acei­tá­vel; se di­ri­gi­da a for­ças re­ac­ci­o­ná­ri­as, é va­lo­ri­za­da; se en­de­re­ça­da a cer­tas et­ni­as, é jus­ta lu­ta, mas,se forem ou­tras, se­rá con­si­de­ra­da in­ci­ta­ção ao ódio…

En­tre go­ver­nan­tes, gru­pos fa­ná­ti­cos e aca­dé­mi­cos apos­ta­dos em des­truir a uni­ver­si­da­de e subs­ti­tuí-la por fu­zi­lei­ros do pen­sa­men­to, es­tá a cri­ar-se um cli­ma que faz lem­brar a cen­su­ra sa­la­za­ris­ta, o ma­carthis­mo, o jda­no­vis­mo so­vié­ti­co… Com al­gu­mas di­fe­ren­ças. An­tes, eram as po­lí­ci­as e os tri­bu­nais. Hoje, são agên­ci­as de co­mu­ni­ca­ção e uni­ver­si­da­des que se pres­tem a tal ser­vi­ço.

É se­gu­ra­men­te a ten­ta­ti­va de aten­ta­do à li­ber­da­de de ex­pres­são mais de­tes­tá­vel da de­mo­cra­cia por­tu­gue­sa, só com­pa­rá­vel às leis sa­la­za­ris­tas, fas­cis­tas e co­mu­nis­tas. O gGo­ver­no pre­pa­ra. O Par­la­men­to es­pe­ra. Há uni­ver­si­da­des que se pres­tam e fa­cul­da­des, ins­ti­tu­tos e cen­tros de es­tu­dos que se per­fi­lam pa­ra cui­dar da vir­tu­de pública…

Mal vai um país qu­an­do se co­me­ça a olhar não pa­ra o que as pes­so­as fa­zem, mas pa­ra o que pensam, sen­tem e di­zem! Mui­to mal vai um po­vo qu­an­do as au­to­ri­da­des pre­ten­dem es­ta­be­le­cer có­di­gos morais, li­nhas di­vi­só­ri­as de ati­tu­de e bar­rei­ras pa­ra os sen­ti­men­tos! É tu­do por boas cau­sas: os go­ver­nan­tes e as uni­ver­si­da­des em­pe­nha­das só pre­ten­dem que não ha­ja ra­cis­mo, só se es­for­çam por que não ha­ja ódio, só pre­ten­dem que as pes­so­as se­jam boas! Sa­be­mos que as au­to­ri­da­des e os aca­dé­mi­cos em­pe­nha­dos só que­rem o nos­so bem! Mas es­se é mesmo o pon­to: quem é li­vre não qu­er que as au­to­ri­da­des se ocu­pem do seu bem! Nem que se­ja pa­ra “mo­ni­to­ri­zar”. Sa­be­mos que, qu­an­do as au­to­ri­da­des se ocu­pam do nos­so bem, dá as­nei­ra.

É re­al­men­te in­qui­e­tan­te ver que há uni­ver­si­da­des que se pres­tam, aca­dé­mi­cos que se can­di­da­tam, go­ver­nan­tes que se preparam e in­te­lec­tu­ais que não se importam. E um par­ti­do cu­jo com­por­ta­men­to se es­tra­nha. On­de es­tá o Par­ti­do So­ci­a­lis­ta pa­ra quem o golpe do jornal Re­pú­bli­ca foi o si­nal de alarme pa­ra a cam­pa­nha da li­ber­da­de de 1975? Que é fei­to dos so­ci­a­lis­tas que não se dei­xa­vam en­re­dar nas tei­as que põem em cau­sa a li­ber­da­de de ex­pres­são? Que acon­te­ceu ao PS de Mário So­a­res, cu­jo pri­mei­ro livro ti­nha co­mo tí­tu­lo Por­tu­gal Amor­da­ça­do? De on­de vi­e­ram os so­ci­a­lis­tas que fe­cham os olhos e ta­pam os ou­vi­dos di­an­te des­ta ofen­si­va con­tra a li­ber­da­de que se pro­põe mo­ni­to­ri­zar o dis­cur­so e a nar­ra­ti­va? Co­mo é pos­sí­vel que as últimas ge­ra­ções de so­ci­a­lis­tas não re­sis­tam a ten­tar com­prar ou ca­lar jor­nais e jornalista­s, re­des so­ci­ais e te­le­vi­sões? E co­mo se po­de ima­gi­nar que ha­ja uni­ver­si­tá­ri­os pron­tos pa­ra se trans­for­ma­rem em sa­cer­do­tes da mo­ni­to­ri­za­ção e sar­gen­tos do “Gran­de Irmão”?

Es­tes se­nho­res não que­rem ape­nas combater o que en­ten­dem ser o fas­cis­mo, o ra­cis­mo ou o po­pu­lis­mo. Que­rem tam­bém des­truir a de­mo­cra­cia plu­ral, a li­ber­da­de de ex­pres­são e o li­vre pen­sa­men­to. São mesmo pe­ri­go­sos, não é só con­ver­sa!

Mui­to mal vai um po­vo qu­an­do as au­to­ri­da­des pre­ten­dem es­ta­be­le­cer có­di­gos morais, li­nhas di­vi­só­ri­as de ati­tu­de e bar­rei­ras pa­ra os sen­ti­men­tos!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.