Edição Público Lisboa - Público - P2 - - ÍN­DI­CE -

Ao la­do, im­po­nen­tes por­tas de már­mo­re na Ha­gia Sophia, ba­sí­li­ca cu­ja cons­tru­ção mo­bi­li­zou 10 mil tra­ba­lha­do­res, que uti­li­za­ram ma­te­ri­ais vin­dos de to­do o Im­pé­rio Bi­zan­ti­no, dos már­mo­res de Itá­lia às co­lu­nas de um tem­plo de Éfe­so. Foi con­cluí­da num tem­po-re­cor­de de cin­co anos e dez me­ses. Em bai­xo, à es­quer­da, mo­sai­co de Cris­to en­tro­ni­za­do, obra da úl­ti­ma fa­se da ar­te bi­zan­ti­na em Cons­tan­ti­no­pla; à di­rei­ta, re­pre­sen­ta­ção de Nos­sa Se­nho­ra com o Me­ni­no. Ora­ção mu­çul­ma­na na Ha­gia Sophia num postal co­lo­ri­do à mão do iní­cio do sé­cu­lo XX que se en­ten­da que não há ou­tro mons­tro cons­truí­do pe­lo ho­mem co­mo es­te. Com o seu som qua­se mu­si­cal, a luz quen­te… A San­ta So­fia é um es­pa­ço divino que fi­ca con­nos­co e on­de os deu­ses to­dos e os an­jos vo­am, com ou sem asas.”

Um cer­to fris­son

Pi­o­nei­ra em di­ver­sas so­lu­ções de en­ge­nha­ria — des­de lo­go para a cri­a­ção da sua gran­de cú­pu­la, cu­ja pri­mei­ra ver­são ruiu, sen­do a ac­tu­al de 562 — a Ha­gia Sophia ser­viu de mo­de­lo a inú­me­ras ba­sí­li­cas, pri­mei­ro, e mes­qui­tas, de­pois.

É uma ca­te­dral de plan­ta cen­tra­da, ao con­trá­rio das que te­mos no Oci­den­te, em­bo­ra aqui­lo a que cha­ma­mos na­ve não o se­ja, ex­pli­ca o his­to­ri­a­dor de ar­te Pau­lo Pe­rei­ra. “A sua na­ve é um rec­tân­gu­lo que no cen­tro tem de­fi­ni­do um qua­dra­do de on­de par­tem os es­tei­os que su­por­tam aque­la abó­ba­da fan­tás­ti­ca que, de tão pe­sa­da, mal aca­bou de ser cons­truí­da co­me­çou a de­for­mar as co­lu­nas que a sus­ten­tam. São co­lu­nas de uma di­men­são im­pres­si­o­nan­te e o in­te­ri­or tem um es­pa­ço aber­to que me­xe con­nos­co”, diz es­te pro­fes­sor da Fa­cul­da­de de Ar­qui­tec­tu­ra de Lisboa, de­fen­den­do que a sua es­tru­tu­ra é “re­la­ti­va­men­te lím­pi­da”, em­bo­ra lá den­tro pa­re­ça la­bi­rín­ti­ca e não se­ja fá­cil es­co­lher por on­de an­dar.

DEA / G. DA­GLI OR­TI/GETTY IMA­GES

Cin­co anos e dez me­ses

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.