A praia

Qua­se me zan­guei com a praia sem dar por is­so, tal­vez por­que sen­tis­se a fal­ta de­la e não o qui­ses­se ad­mi­tir

Edição Público Lisboa - Público - P2 - - ÍNDICE - Pa­trí­cia Car­va­lho pa­tri­cia.car­va­lho@pu­bli­co.pt

Já há mui­to que apren­di que nun­ca es­ta­mos pre­pa­ra­dos pa­ra o que a vi­da nos vai co­lo­can­do no pra­to, se­ja bom ou mau. As coi­sas acon­te­cem e não te­mos ou­tro re­mé­dio se­não li­dar com elas. Acei­tá-las, aco­mo­dá-las, re­be­lar­mo-nos, la­men­tar­mo-nos, fi­car­mos fe­li­zes. Por es­tes di­as dei por mim a pen­sar que a vi­da me de­vol­veu a praia. E eu nem ti­nha per­ce­bi­do que a ti­nha per­di­do.

A se­lec­ti­vi­da­de da me­mó­ria le­va-nos a cris­ta­li­zar o pas­sa­do em mo­men­tos que to­ma­mos pe­lo to­do. Pa­ra mim, o Ve­rão era um tem­po in­ter­mi­ná­vel, de fé­ri­as que nun­ca mais aca­ba­vam, de di­as in­tei­ros a brin­car na rua ou nos pá­ti­os da mãe e da avó, com o ban­do de pri­mos que nós éra­mos. A praia era um acon­te­ci­men­to in­ter­mi­ten­te que se in­tro­me­tia nes­ses di­as lon­gos co­mo al­go ex­tra­or­di­ná­rio, pe­lo qual an­siá­va­mos de­ses­pe­ra­da­men­te, mas que era sem­pre cur­to.

A mi­nha pri­mei­ra praia foi a de Matosinhos. E so­bre ela não es­que­ço du­as coi­sas: a aven­tu­ra que era che­gar lá, num tra­jec­to que im­pli­ca­va apa­nhar dois au­to­car­ros, o se­gun­do dos quais es­ta­va sem­pre a abar­ro­tar de ou­tros ve­ra­ne­an­tes sem trans­por­te pró­prio, que se em­pur­ra­vam e gri­ta­vam, sem von­ta­de de per­de­rem a vi­a­gem por ex­ces­so de pas­sa­gei­ros.

De Matosinhos guar­do es­ses tra­jec­tos aci­den­ta­dos e a me­mó­ria de es­tar aos om­bros do meu pa­dri­nho, mar aden­tro, já tão lon­ge do are­al (ou as­sim me pa­re­cia) e com um frio a per­cor­rer-me a es­pi­nha pe­lo me­do de ser lar­ga­da ali, pe­lo ter­ror de a água me le­var quan­do ele se aga­cha­va até fi­car só com a ca­be­ça de fo­ra, pa­ra que o mar me sal­gas­se as per­nas. Nun­ca per­di o me­do do mar e te­nho mui­ta pe­na dis­so.

De­pois veio a praia da Me­mó­ria (ou jul­go que era es­sa) nas co­ló­ni­as bal­ne­a­res or­ga­ni­za­das pe­la jun­ta de fre­gue­sia, com o lan­che de pão com mar­me­la­da ou pão com sal­si­cha a meio da ma­nhã. Aí, só me re­cor­do de ne­vo­ei­ro. Co­mo se ele es­ti­ves­se sem­pre pre­sen­te e só de­sa­pa­re­ces­se no mo­men­to em que tam­bém nós éra­mos en­ca­mi­nha­dos pe­las mo­ni­to­ras pa­ra as ca­mi­o­ne­tas que nos le­va­ri­am de vol­ta pa­ra ca­sa.

Aque­la on­de pas­sei mais tem­po, con­tu­do, foi a praia de Agu­de­la. Pa­ra aí ia com a fa­mí­lia de uma ami­ga, da­que­las que che­ga­vam ao are­al às 8h, mon­ta­vam uma enor­me bar­ra­ca azul es­cu­ra e só aban­do­na­vam mar e areia quan­do a tar­de che­ga­va ao fim.

De­pois des­ses tem­pos de cri­an­ça, as prai­as fo­ram-se per­den­do pa­ra mim. Hou­ve uma ida pa­ra um par­que de cam­pis­mo, com a fa­mí­lia de ou­tra ami­ga, que já nem sei on­de foi.

Hou­ve uma se­ma­na num apar­ta­men­to no Min­de­lo, que, ainda ado­les­cen­te, par­ti­lhei en­can­ta­da com uma ami­ga de es­co­la, sem nin­guém pa­ra nos di­zer o que fa­zer, já que a mãe de­la só se jun­ta­va a nós de vez em quan­do. E, de­pois, qua­se na­da.

As idas à praia tor­na­ram-se es­po­rá­di­cas. Sem car­ro nem me­tro, fal­ta­va-me a von­ta­de pa­ra apa­nhar mais do que um au­to­car­ro api­nha­do pa­ra che­gar ao are­al. O Ve­rão pas­sou a ser em ca­sa, en­tre li­vros, mú­si­ca e te­le­vi­são, com vi­si­tas fre­quen­tes a ca­sa das ami­gas on­de as tar­des de­sa­pa­re­ci­am em con­ver­sas in­ter­mi­ná­veis.

Qua­se me zan­guei com a praia sem dar por is­so, tal­vez por­que sen­tis­se a fal­ta de­la e não o qui­ses­se ad­mi­tir. Es­que­ci-me da cor do sol na mi­nha pe­le e dei por mim ver­da­dei­ra­men­te sur­pre­en­di­da quan­do, já na fa­cul­da­de, fui pas­sar uma se­ma­na ao Al­gar­ve com uma das mi­nhas ir­mãs e fi­quei mo­re­na de ver­da­de. Ainda ho­je acho que es­sa mi­nha pri­mei­ra vi­si­ta ao Al­gar­ve foi tam­bém a pri­mei­ra vez que fi­quei mo­re­na na vi­da.

Cres­cer co­me­çou a de­vol­ver-me a praia. Ter o meu pró­prio di­nhei­ro, mais fa­ci­li­da­de de mo­bi­li­da­de e ami­gos pa­ra qu­em di­as in­tei­ros dei­ta­dos ao sol pa­re­cia a úni­ca coi­sa que va­lia a pe­na fa­zer no Ve­rão aju­da­ram. Des­co­bri Vi­la No­va de Mil Fontes, a Zam­bu­jei­ra do Mar, Ode­cei­xe, Ta­vi­ra e a Eri­cei­ra. De car­ro per­cor­re­mos a cos­ta alen­te­ja­na e al­gar­via (ainda fi­cou tan­to, tan­to por ver). Mas eu ainda re­sis­tia e cos­tu­ma­va di­zer que dez di­as era o má­xi­mo que aguen­ta­va de­di­car à praia. Du­as se­ma­nas já não da­va.

Ho­je, fi­nal­men­te, sin­to que me re­con­ci­li­ei com a praia. Pro­cu­ro-a mui­tas ve­zes. Se­ja pa­ra per­cor­rer os seus pas­sa­di­ços, em ca­mi­nha­das que sa­bem sem­pre me­lhor com o chei­ro a ma­re­sia por com­pa­nhia, ou pa­ra es­tar sim­ples­men­te a apro­vei­tar o sol e o mar. Até me ha­bi­tu­ei ao mar ge­la­do do Nor­te e não há um úni­co dia dos mui­tos em que já fui à praia es­te ano, que não te­nha ido à água, co­mo se diz por aqui.

Vol­tei à Agu­de­la, on­de não ia há dé­ca­das, es­prei­tei ou­tras prai­as, num dia de mar cris­ta­li­no e água com a tem­pe­ra­tu­ra ide­al pa­ra os qua­tro ou cin­co banhos que to­mei, e pa­ra as pró­xi­mas se­ma­nas, em que a von­ta­de de fa­zer pla­nos é ze­ro, a úni­ca coi­sa que es­tá em ci­ma da me­sa é ir co­nhe­cer ou­tras prai­as que fi­cam tão per­to de ca­sa, mas on­de, por (fal­ta de) há­bi­to, nun­ca vou. Es­te Ve­rão que as­sim se anun­cia, sem aviões nem ho­téis pe­lo meio, sa­be-me a in­fân­cia co­mo ne­nhum ou­tro dos úl­ti­mos anos. E is­so faz de­le al­go es­pe­ci­al.

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.