Edição Público Lisboa - Público - P2 - - ÍN­DI­CE -

en­quan­to a fi­lha ter­mi­na­va o cur­so de Flo­ri­cul­tu­ra Pai­sa­gís­ti­ca, que en­tre­tan­to co­me­ça­ra a fre­quen­tar. As cri­an­ças, o ca­sa­men­to e a con­clu­são dos es­tu­dos emer­gi­am co­mo um pa­drão co­mum nes­tas mu­lhe­res. Ter­mi­na­do o ci­clo, era che­ga­da a ho­ra de par­tir.

“Quan­do é que en­tra­mos em Bis­sau?”

Com um co­nhe­ci­men­to li­mi­ta­do de Áfri­ca, a che­ga­da à Gui­né-Bis­sau não po­dia ser se­não uma sur­pre­sa pa­ra as su­as mais re­cen­tes re­si­den­tes de ori­gem ro­me­na. “No iní­cio foi um cho­que”, re­cor­da Ma­ria Ol­te­a­nu Lo­pes Cor­reia, uma en­fer­mei­ra que ater­rou em Bis­sau em 1985, vin­da de Ploi­es­ti, na Va­lá­quia ro­me­na.

Ma­ria ti­nha-se cru­za­do com Ma­ri­a­na ain­da na sua ter­ra na­tal, por al­tu­ra do ca­sa­men­to des­ta, mas pou­co sa­bia so­bre Bis­sau, nem es­pe­ra­va re­en­con­trar a sua com­pa­tri­o­ta num sí­tio tão dis­tan­te. Ape­sar das qua­li­fi­ca­ções e ex­pe­ri­ên­cia pro­fis­si­o­nal, nun­ca mais vol­ta­ria a tra­ba­lhar na área da saú­de. Um epi­só­dio de ma­lá­ria com a fi­lha ain­da cri­an­ça ser­viu pa­ra que sen­tis­se al­gu­ma des­con­fi­an­ça fa­ce às con­di­ções dos hos­pi­tais lo­cais. “Dei­xar um país e en­con­trar ou­tra coi­sa não foi fá­cil”, sin­te­ti­za.

As con­di­ções de vi­da na Ro­mé­nia e na Gui­né-Bis­sau eram bem di­fe­ren­tes nos anos 80. “Fal­ta de aces­so a água po­tá­vel, fal­ta de luz, di­fi­cul­da­des pa­ra com­prar pão” eram si­tu­a­ções co­muns na Gui­né, prin­ci­pal­men­te pa­ra quem não ti­nha “uma cer­ta po­si­ção so­ci­al”, re­fe­re Ma­ma­du Sa­liu

No ci­ne­ma eu ia à bi­lhe­tei­ra e com­pra­va o lu­gar 23. Ele vi­nha atrás de mim e pe­dia o lu­gar 24, pa­ra nin­guém no­tar que es­tá­va­mos jun­tos Ma­ri­a­na Tan­dler Ferreira

Djas­si. So­bre­tu­do de­pois de 1984, “a cri­se foi tre­men­da”.

Por ou­tro la­do, a di­fe­ren­ça estava ago­ra do la­do das ro­me­nas. “Quan­do o meu ma­ri­do ia pa­ra a mi­nha ci­da­de, os me­ni­nos ti­nham me­do de­le. Quan­do eu che­guei aqui, os me­ni­nos da ta­ban­ca ti­nham me­do dos bran­cos”, re­cor­da Ga­bi. Mas as mu­lhe­res es­ta­vam pre­pa­ra­das. Sa­bi­am que, de­pois de to­das as di­fi­cul­da­des ul­tra­pas­sa­das, não ha­via pos­si­bi­li­da­de de vol­tar atrás.

“Eu pre­pa­rei-me an­tes pa­ra a vi­da da­qui. Acei­tei tu­do, os de­sa­fi­os, as di­ver­gên­ci­as.” Pa­ra Ga­bi, a pre­o­cu­pa­ção prin­ci­pal era que os filhos vi­ves­sem “li­vres e ao la­do do pai”. Com for­ma­ção em Hor­ti­cul­tu­ra, co­me­çou por tra­ba­lhar pa­ra o Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra, de­pois pa­ra as Na­ções Uni­das, Uni­cef e di­fe­ren­tes or­ga­ni­za­ções não go­ver­na­men­tais (ONG). Ho­je con­ta com or­gu­lho que tem “uma em­pre­sa de jar­di­na­gem de qua­tro con­tra­tos”.

Já Ma­ri­a­na re­cor­da com hu­mor a sua che­ga­da à Gui­né, quan­do, ao sair do ae­ro­por­to, ques­ti­o­nou o ma­ri­do: “Quan­do é que en­tra­mos em Bis­sau?” Não se deu con­ta de que já estava na ci­da­de de des­ti­no. Ce­do de­sen­vol­veu for­tes ami­za­des e deu bom uso ao di­plo­ma de es­tu­do do vi­o­li­no que re­ce­be­ra do Con­ser­va­tó­rio de

Mú­si­ca de Ti­mi­so­a­ra. Foi uma das pri­mei­ras pro­fes­so­ras di­plo­ma­das a dar au­las de mú­si­ca no país. Com o tem­po, de­di­cou-se à re­a­li­za­ção de pro­jec­tos de pro­mo­ção cul­tu­ral e ac­tu­al­men­te é co­or­de­na­do­ra do Oran­go Par­que Ho­tel, um pro­jec­to de tu­ris­mo res­pon­sá­vel e sus­ten­tá­vel no ar­qui­pé­la­go das Bi­ja­gós.

Em 2012, Ma­ri­a­na aca­ba­ria por se se­pa­rar do ho­mem que fo­ra o mo­ti­vo da sua vin­da pa­ra Bis­sau, num pro­ces­so tão do­lo­ro­so co­mo in­dis­cre­to. Es­tra­nha­men­te, foi nes­sa al­tu­ra di­fí­cil que re­ce­beu o apoio de “gen­te que não ima­gi­na­va que exis­tis­se”. Pe­la pri­mei­ra vez, sen­tiu que não era es­tran­gei­ra no país on­de vi­ve há mais de 20 anos. “Eu não sou gui­ne­en­se, mas fui tra­ta­da co­mo a me­lhor das gui­ne­en­ses.”

A ques­tão da per­ten­ça é sem­pre com­ple­xa pa­ra quem vem de fo­ra. “Ca­da um tem a sua ma­nei­ra de vi­ver, a sua cul­tu­ra, a sua tra­di­ção, e nós não po­de­mos mu­dar”, diz Ma­ria. A úni­ca coi­sa que se po­de fa­zer é vi­ver de acor­do com a sua pró­pria na­tu­re­za.

Aban­do­na­da a ideia de exer­cer en­fer­ma­gem na Gui­né-Bis­sau, de­di­cou-se pri­mei­ro à res­tau­ra­ção, de­pois à ho­te­la­ria, ten­do ge­ri­do com o ma­ri­do o Ho­tel

Pa­raí­so, em Bis­sau. De­pois de se se­pa­rar, em 1995, con­ti­nu­ou a ge­rir o ho­tel so­zi­nha, mas a guer­ra ci­vil de 1998 pôs a ci­da­de a fer­ro e fogo e obri­gou a po­pu­la­ção a fu­gir. Aca­bou por re­fu­gi­ar-se com Ga­bi e Ma­ri­a­na na ci­da­de de Ba­fa­tá. Só vol­ta­ri­am à ca­pi­tal de­pois do ces­sar-fogo e o ho­tel aca­ba­ria por en­cer­rar em 2011.

Des­de en­tão, Ma­ria re­er­gueu len­ta­men­te o seu pe­que­no Pa­raí­so num ter­re­no per­to do Ae­ro­por­to Os­val­do Vi­ei­ra. Ago­ra so­nha com o de­sen­vol­vi­men­to de um no­vo es­pa­ço tu­rís­ti­co na zo­na sul do país. “Um em­pre­en­di­men­to tí­pi­co, mais eco­ló­gi­co, co­mo nor­mal­men­te os es­tran­gei­ros gos­tam.”

A Gui­né-Bis­sau é um país pe­que­no e as pou­cas mu­lhe­res ro­me­nas que ali vi­vem man­têm uma li­ga­ção es­trei­ta. Ga­bi pa­re­ce sen­tir is­so com al­gu­ma nos­tal­gia. “Nós não te­mos mais nin­guém se­não nós mes­mas”, re­fe­re. Por ve­zes, as mu­lhe­res jun­tam-se na pou­sa­da de ou­tra com­pa­tri­o­ta que se ins­ta­lou na região de Bu­ba no se­gui­men­to do conf ito de 1998. “Fi­ca­mos lá uns di­as. Fa­la­mos, fa­la­mos, fa­la­mos, lem­bra­mos dos nos­sos tem­pos — por­que é uma vi­da. É mui­to tem­po em Bis­sau”, diz Ma­ria.

Quan­to a vol­tar à Ro­mé­nia, Ga­bi não dei­xa dúvidas: “Só da boca pa­ra fo­ra. Já não per­ten­ço lá.”

Cru­za­men­tos No to­po, Aga­pia He­le­na Se­me­do e um dos tra­ba­lha­do­res da sua em­pre­sa de jar­di­na­gem em Bis­sau. Em ci­ma, Sun­car Da­bo, à es­quer­da, e Ma­ma­du Sa­liu Djas­si. Am­bos es­tu­da­ram na Bul­gá­ria nos anos 80

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.