Par­ti­dos e lí­de­res po­lí­ti­cos nos me­dia Quem apa­re­ce mais?

Edição Público Lisboa - Público - P2 - - ÍNDICE - Por Ti­a­go Silva, Su­sa­na Ro­gei­ro Ni­na e Ya­ni Kar­ta­lis

O Ins­ti­tu­to de Ci­ên­ci­as So­ci­ais (ICS) é uma es­co­la da Uni­ver­si­da­de de Lis­boa e um la­bo­ra­tó­rio as­so­ci­a­do do Sis­te­ma Ci­en­tí­fi­co Na­ci­o­nal de­di­ca­do à in­ves­ti­ga­ção, aos es­tu­dos pós-gra­du­a­dos e à di­vul­ga­ção de ci­ên­cia nas áre­as de An­tro­po­lo­gia, Ci­ên­cia Po­lí­ti­ca, Eco­no­mia, Ge­o­gra­fia, His­tó­ria, Psi­co­lo­gia So­ci­al e So­ci­o­lo­gia (www.ics.ulis­boa.pt). Du­ran­te um ano, to­dos os do­min­gos, in­ves­ti­ga­do­ras e in­ves­ti­ga­do­res com di­fe­ren­tes for­ma­ções, ida­des e per­cur­sos aca­dé­mi­cos par­ti­lham o seu tra­ba­lho com os lei­to­res do P2

Ci­ên­ci­as So­ci­ais em Pú­bli­co (XXV) Aná­li­se O no­ti­ciá­rio con­ti­nua a ser a prin­ci­pal fon­te de in­for­ma­ção po­lí­ti­ca pa­ra os por­tu­gue­ses nas cam­pa­nhas elei­to­rais. A vi­si­bi­li­da­de nos me­dia é de­ter­mi­nan­te pa­ra a for­ma­ção da opi­nião pú­bli­ca. To­dos querem apa­re­cer. Se a von­ta­de é idên­ti­ca, o su­ces­so é mui­to di­fe­ren­te. Quem apa­re­ce mais? Que diferenças exis­tem en­tre vá­ri­os ti­pos de elei­ção?

A27 de Agos­to de 2019, os mei­os de co­mu­ni­ca­ção na­ci­o­nal no­ti­ci­a­vam que Pe­dro San­ta­na Lo­pes, lí­der do re­cém-cri­a­do par­ti­do Ali­an­ça, ha­via “ocu­pa­do” as ins­ta­la­ções da ERC (En­ti­da­de Re­gu­la­do­ra da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al), quei­xan­do-se de que “os no­vos par­ti­dos são pos­tos de la­do”, que ne­nhu­ma te­le­vi­são lhe “apa­re­cia” e que os me­dia não cum­pri­am as re­gras de “igual­da­de de tra­ta­men­to”. Em­bo­ra es­te te­nha si­do um exem­plo re­la­ti­va­men­te re­cen­te, a im­por­tân­cia atri­buí­da à co­ber­tu­ra no­ti­ci­o­sa de even­tos po­lí­ti­cos, co­mo de ações de cam­pa­nha, pe­los par­ti­dos po­lí­ti­cos é um fe­nó­me­no an­ti­go, sen­do mes­mo an­te­ri­or à in­ven­ção da te­le­vi­são, em 1926.

Há qua­se um sé­cu­lo, na se­mi­nal obra Opi­nião Pú­bli­ca, de 1922, o au­tor ame­ri­ca­no Wal­ter Lipp­mann já aler­ta­va pa­ra os pe­ri­gos da inf uên­cia dos me­dia so­bre a opi­nião pú­bli­ca, da sua ca­pa­ci­da­de de dis­tor­cer re­a­li­da­des e da pos­si­bi­li­da­de de ne­ces­si­da­des co­mer­ci­ais inf uen­ci­a­rem o con­teú­do da co­ber­tu­ra no­ti­ci­o­sa. Des­de en­tão, mui­tos ou­tros au­to­res se de­di­ca­ram ao es­tu­do dos me­dia e da co­mu­ni­ca­ção po­lí­ti­ca. Por exem­plo, sa­be­mos ho­je que os me­dia, não sen­do ne­ces­sa­ri­a­men­te as im­pla­cá­veis má­qui­nas de pro­pa­gan­da e per­su­a­são que se pen­sou (ou re­ce­ou) na pri­mei­ra me­ta­de do sé­cu­lo pas­sa­do, não dei­xam de ter um gran­de po­der pa­ra inf uen­ci­ar a im­por­tân­cia que atri­buí­mos a di­fe­ren­tes te­mas ou o mo­do co­mo va­lo­ri­za­mos de­ter­mi­na­das ca­rac­te­rís­ti­cas dos can­di­da­tos e po­lí­ti­cos. Sa­be­mos, ain­da, que na co­ber­tu­ra de even­tos po­lí­ti­cos, o en­fo­que em ques­tões de es­tra­té­gia e conf ito, em de­tri­men­to de pro­pos­tas e te­mas po­lí­ti­cos, pa­re­ce con­tri­buir pa­ra um sen­ti­men­to de des­con­fi­an­ça e ali­e­na­ção dos elei­to­res. Es­tes são ape­nas al­guns exem­plos dos me­ca­nis­mos, ou “efei­tos”, que po­dem re­sul­tar da co­ber­tu­ra no­ti­ci­o­sa. A aná­li­se que aqui apre­sen­ta­mos tem, con­tu­do, uma am­bi­ção bem mais mo­des­ta, fo­can­do-se sim­ples­men­te na se­guin­te ques­tão: qu­al foi, e co­mo va­ri­ou, a vi­si­bi­li­da­de dos prin­ci­pais par­ti­dos por­tu­gue­ses nos me­dia, du­ran­te os pe­río­dos de cam­pa­nha elei­to­ral pa­ra as eu­ro­pei­as e le­gis­la­ti­vas de 2019?

A im­por­tân­cia dos me­dia

A in­for­ma­ção é, in­dis­cu­ti­vel­men­te, um ele­men­to essencial pa­ra o bom fun­ci­o­na­men­to de qual­quer so­ci­e­da­de li­vre e de­sen­vol­vi­da. Nes­se sen­ti­do, os mei­os de co­mu­ni­ca­ção de mas­sa, co­mo os prin­ci­pais trans­mis­so­res de in­for­ma­ção, ti­ve­ram sem­pre um pa­pel cru­ci­al no (bom) fun­ci­o­na­men­to do nos­so mo­de­lo de de­mo­cra­cia re­pre­sen­ta­ti­va. Es­te pa­pel foi-se tor­nan­do mais evi­den­te com o gra­du­al de­clí­nio do tra­di­ci­o­nal par­ti­do de mas­sas e con­se­quen­te di­mi­nui­ção dos con­tac­tos di­re­tos que nós, ci­da­dãos, te­mos com os par­ti­dos po­lí­ti­cos. Em 2009, a en­tão lí­der do PSD, Ma­nu­e­la Fer­rei­ra Lei­te, já afir­ma­va que os co­mí­ci­os de cam­pa­nha eram “coi­sas do pas­sa­do”. Ho­je, mais do que nun­ca, os ato­res po­lí­ti­cos de­pen­dem dos di­fe­ren­tes mei­os de co­mu­ni­ca­ção de mas­sa pa­ra in­for­mar (e, se pos­sí­vel, per­su­a­dir) o elei­to­ra­do. Da mes­ma ma­nei­ra, tal co­mo re­ve­lou o Es­tu­do Elei­to­ral Por­tu­guês de

2019, apre­sen­ta­do es­te ano no ICS, gran­de par­te dos por­tu­gue­ses de­pen­de dos me­dia tra­di­ci­o­nais pa­ra sa­ber mais so­bre os par­ti­dos e as su­as po­si­ções em de­ter­mi­na­dos te­mas po­lí­ti­cos, e as­sim con­se­guir to­mar uma de­ci­são de vo­to in­for­ma­da (is­to é, co­e­ren­te com as su­as pre­fe­rên­ci­as po­lí­ti­cas). Em 2019, fo­mos cha­ma­dos du­as ve­zes às ur­nas pa­ra to­mar es­te ti­po de de­ci­são, primeiro pa­ra o Par­la­men­to Eu­ro­peu e, mais tar­de, pa­ra a As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca. Os re­sul­ta­dos des­sas elei­ções, par­ti­cu­lar­men­te das le­gis­la­ti­vas, trou­xe­ram al­gu­mas sur­pre­sas pa­ra o nos­so sis­te­ma po­lí­ti­co.

Por um la­do, o PAN mos­trou ser um par­ti­do a ter em con­ta no nos­so sis­te­ma po­lí­ti­co, ele­gen­do um eu­ro­de­pu­ta­do e qua­dru­pli­can­do a sua re­pre­sen­ta­ção na As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca. Por ou­tro la­do, três no­vos par­ti­dos — Li­vre, Ini­ci­a­ti­va Li­be­ral (IL) e Che­ga — con­se­gui­ram, ca­da um, um as­sen­to no tra­di­ci­o­nal­men­te res­tri­to par­la­men­to por­tu­guês. À luz des­te des­fe­cho elei­to­ral, ana­li­sá­mos a co­ber­tu­ra me­diá­ti­ca das cam­pa­nhas elei­to­rais de 2019. Mais con­cre­ta­men­te, qui­se­mos per­ce­ber 1) qu­al foi a vi­si­bi­li­da­de que os di­fe­ren­tes par­ti­dos ti­ve­ram? 2) em que elei­ções os di­fe­ren­tes par­ti­dos ti­ve­ram mai­or vi­si­bi­li­da­de? e 3) que vi­si­bi­li­da­de ti­ve­ram os di­fe­ren­tes lí­de­res par­ti­dá­ri­os nes­tas cam­pa­nhas?

Pa­ra res­pon­der a es­tas ques­tões, usá­mos da­dos re­co­lhi­dos pe­lo pro­je­to MAPLE (ICS-UL). Es­te pro­je­to, co­or­de­na­do pe­la in­ves­ti­ga­do­ra Ma­ri­na Cos­ta Lo­bo, cri­ou uma ex­ten­sa ba­se de da­dos de no­tí­ci­as da im­pren­sa pa­ra, en­tre ou­tras coi­sas, ana­li­sar o im­pac­to da sa­li­ên­cia, pro­e­mi­nên­cia e

con­tes­ta­ção à União Eu­ro­peia em di­fe­ren­tes paí­ses eu­ro­peus. No nos­so ca­so, ana­li­sá­mos as no­tí­ci­as pu­bli­ca­das em dois jor­nais na­ci­o­nais de re­fe­rên­cia nos 30 di­as que an­te­ce­de­ram ca­da elei­ção. Pa­ra além dis­so, com­pa­ra­mos tam­bém es­tes re­sul­ta­dos a um igual pe­río­do de tem­po em ja­nei­ro de 2019, de for­ma a ex­plo­rar diferenças en­tre pe­río­dos de cam­pa­nha e pe­río­dos de ro­ti­na, di­tos, nor­mais. Re­co­lhe­mos 13.427 no­tí­ci­as, re­la­ti­vos a um to­tal de dez par­ti­dos, os no­ve que ele­ge­ram pe­lo me­nos um de­pu­ta­do pa­ra a As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca, mais o Ali­an­ça. In­cluí­mos o Ali­an­ça por ser um no­vo par­ti­do li­de­ra­do por um an­te­ri­or primeiro-mi­nis­tro. Com a as­sis­tên­cia do com­pu­ta­dor, co­tá­mos o nú­me­ro de ve­zes que ca­da par­ti­do, e ca­da lí­der par­ti­dá­rio, sur­giu ou no tí­tu­lo ou no sub­tí­tu­lo de ca­da no­tí­cia.

A vi­si­bi­li­da­de dos par­ti­dos e dos lí­de­res nos me­dia

Sem sur­pre­sa, os da­dos re­co­lhi­dos con­fir­mam (fi­gu­ra 1) que os dois prin­ci­pais par­ti­dos por­tu­gue­ses (PS e PSD) do­mi­na­ram a co­ber­tu­ra me­diá­ti­ca em 2019 tan­to no pe­río­do de cam­pa­nha (pa­ra le­gis­la­ti­vas e eu­ro­pei­as) co­mo no pe­río­do fo­ra da cam­pa­nha. Cu­ri­o­sa­men­te, no pe­río­do fo­ra da cam­pa­nha, o PSD te­ve mais vi­si­bi­li­da­de do que o PS. Si­tu­a­ção es­ta que se man­te­ve nas eu­ro­pei­as, em­bo­ra com uma di­fe­ren­ça mí­ni­ma. Já nas le­gis­la­ti­vas, a vi­si­bi­li­da­de do PS foi con­si­de­ra­vel­men­te mai­or. O CDS-PP foi, con­sis­ten­te­men­te, o ter­cei­ro par­ti­do com mai­or vi­si­bi­li­da­de, se­gui­do da CDU e do BE. Con­tu­do, as diferenças de vi­si­bi­li­da­de en­tre CDU e BE, com a ex­ce­ção das elei­ções eu­ro­pei­as, fo­ram mui­to bai­xas.

Em re­la­ção aos res­tan­tes par­ti­dos, há al­guns as­pe­tos in­te­res­san­tes que va­le a pe­na des­ta­car. O primeiro é a bai­xa vi­si­bi­li­da­de que o PAN te­ve no pe­río­do fo­ra da cam­pa­nha, bem abai­xo da dos res­tan­tes par­ti­dos com, à al­tu­ra, re­pre­sen­ta­ção par­la­men­tar. Igual­men­te in­te­res­san­te é a ele­va­da sa­li­ên­cia que o Ali­an­ça te­ve na co­ber­tu­ra no­ti­ci­o­sa du­ran­te o pe­río­do fo­ra da cam­pa­nha. Com­pa­ra­ti­va­men­te, a vi­si­bi­li­da­de do par­ti­do de San­ta­na Lo­pes nes­se pe­río­do foi su­pe­ri­or à vi­si­bi­li­da­de dos res­tan­tes par­ti­dos sem as­sen­to par­la­men­tar e até mes­mo do PAN. Es­sa vi­si­bi­li­da­de, con­tu­do, di­mi­nuiu con­si­de­ra­vel­men­te nos pe­río­dos de cam­pa­nha elei­to­ral. Um úl­ti­mo as­pe­to in­te­res­san­te é que ne­nhu­ma das no­tí­ci­as ana­li­sa­das no pe­río­do fo­ra da cam­pa­nha men­ci­o­nou a IL, par­ti­do que, me­ses mais tar­de, vi­ria a ele­ger um de­pu­ta­do. Cu­ri­o­sa­men­te, olhan­do ape­nas pa­ra as le­gis­la­ti­vas e pa­ra os par­ti­dos sem as­sen­to par­la­men­tar, a IL foi o par­ti­do que sur­giu mais ve­zes nos tí­tu­los das no­tí­ci­as du­ran­te o pe­río­do das le­gis­la­ti­vas, em­bo­ra es­te­ja­mos a com­pa­rar nú­me­ros mui­to bai­xos.

A nos­sa se­gun­da ques­tão pren­de-se com a vi­si­bi­li­da­de de ca­da par­ti­do nos três mo­men­tos ana­li­sa­dos. Tam­bém sem sur­pre­sa, a fi­gu­ra 2 mos­tra-nos que pra­ti­ca­men­te to­dos os par­ti­dos ob­ti­ve­ram mai­or vi­si­bi­li­da­de nos pe­río­dos de cam­pa­nha, em com­pa­ra­ção com o pe­río­do sem elei­ções. As du­as ex­ce­ções são o Ali­an­ça e o Che­ga. Cu­ri­o­sa­men­te, a vi­si­bi­li­da­de des­tes dois par­ti­dos foi su­pe­ri­or du­ran­te o pe­río­do fo­ra da cam­pa­nha. É tam­bém in­te­res­san­te ve­ri­fi­car que par­ti­dos co­mo o PSD, CDS-PP, CDU e BE ti­ve­ram mai­or vi­si­bi­li­da­de nas elei­ções eu­ro­pei­as do que nas le­gis­la­ti­vas. Um fac­to cu­ri­o­so que mos­tra que a co­ber­tu­ra no­ti­ci­o­sa des­tas elei­ções de “se­gun­da or­dem” (elei­ções apa­ren­te­men­te me­nos im­por­tan­tes pa­ra os elei­to­res e prin­ci­pais par­ti­dos) não foi, de mo­do al­gum, in­fe­ri­or à co­ber­tu­ra no­ti­ci­o­sa du­ran­te as le­gis­la­ti­vas. Ou­tro fac­to cu­ri­o­so é que o PSD te­ve nas elei­ções le­gis­la­ti­vas pra­ti­ca­men­te a mes­ma vi­si­bi­li­da­de ob­ti­da du­ran­te o pe­río­do fo­ra da cam­pa­nha. Al­go que po­de­rá es­tar re­la­ci­o­na­do com os co­nhe­ci­dos de­sa­fi­os que sur­gi­ram à li­de­ran­ça de Rui Rio.

O PS foi o úni­co par­ti­do a ter uma vi­si­bi­li­da­de idên­ti­ca em am­bas as elei­ções. Já par­ti­dos co­mo o PAN, Li­vre e IL re­ce­be­ram, no­to­ri­a­men­te, uma mai­or aten­ção me­diá­ti­ca du­ran­te o pe­río­do de cam­pa­nha das le­gis­la­ti­vas. Uma si­tu­a­ção par­ti­cu­lar­men­te evi­den­te no ca­so da IL, com 73% das no­tí­ci­as so­bre es­te par­ti­do a ocor­re­rem du­ran­te a cam­pa­nha pa­ra as le­gis­la­ti­vas. Co­mo vi­mos, es­te foi o par­ti­do, até en­tão, sem re­pre­sen­ta­ção par­la­men­tar, que re­ce­beu mais en­fo­que na co­ber­tu­ra no­ti­ci­o­sa.

A úl­ti­ma ques­tão pren­de-se com a vi­si­bi­li­da­de que ca­da lí­der ob­te­ve nos di­fe­ren­tes pe­río­dos ana­li­sa­dos. Os nos­sos re­sul­ta­dos (fi­gu­ra 3) evi­den­ci­am, em ge­ral, a mai­or vi­si­bi­li­da­de de An­tó­nio Cos­ta em com­pa­ra­ção com Rui Rio. Con­tu­do, es­ta di­fe­ren­ça é ape­nas vi­sí­vel du­ran­te os pe­río­dos de cam­pa­nha, já que a vi­si­bi­li­da­de des­tes dois lí­de­res foi idên­ti­ca no pe­río­do fo­ra da cam­pa­nha. A mai­or vi­si­bi­li­da­de de Cos­ta é par­ti­cu­lar­men­te in­te­res­san­te no ca­so das eu­ro­pei­as, ten­do em con­ta que PS e PSD re­ce­be­ram, co­mo vi­mos, se­me­lhan­te aten­ção dos me­dia. É igual­men­te cu­ri­o­so ob­ser­var a se­me­lhan­ça en­tre eu­ro­pei­as e le­gis­la­ti­vas, no que diz res­pei­to à vi­si­bi­li­da­de de Rio e Cos­ta, ten­do em con­ta que, no ca­so da pri­mei­ra, nem se­quer eram can­di­da­tos. Es­te re­sul­ta­do re­for­ça a na­tu­re­za de “se­gun­da or­dem” das elei­ções eu­ro­pei­as, que fre­quen­te­men­te fun­ci­o­nam co­mo “en­sai­os” pa­ra as le­gis­la­ti­vas.

Há ain­da ou­tros dois re­sul­ta­dos que va­le a pe­na des­ta­car em re­la­ção à vi­si­bi­li­da­de dos di­fe­ren­tes lí­de­res par­ti­dá­ri­os. O primeiro é a ele­va­da “per­so­na­li­za­ção” do Blo­co de Es­quer­da, es­pe­ci­al­men­te quan­do com­pa­ra­do com o PCP. Se, por um la­do, a vi­si­bi­li­da­de da CDU foi li­gei­ra­men­te su­pe­ri­or à do BE, o mes­mo não se ve­ri­fi­cou em re­la­ção aos seus lí­de­res, ten­do Ca­ta­ri­na Mar­tins re­ce­bi­do, cla­ra­men­te, uma mai­or aten­ção por par­te dos mei­os de co­mu­ni­ca­ção. Por ou­tro la­do, a com­pa­ra­ti­va­men­te me­nor sa­li­ên­cia de As­sun­ção Cris­tas é igual­men­te in­te­res­san­te, ten­do em con­ta que o CDS foi sem­pre o ter­cei­ro par­ti­do mais vi­sí­vel. O se­gun­do e úl­ti­mo as­pe­to que im­por­ta re­al­çar é a ele­va­da vi­si­bi­li­da­de que San­ta­na Lo­pes te­ve no pe­río­do fo­ra da cam­pa­nha, on­de apa­re­ce em ter­cei­ro lugar em ter­mos de vi­si­bi­li­da­de. Tal co­mo acon­te­ceu com o par­ti­do, o en­fo­que me­diá­ti­co nes­te po­lí­ti­co di­mi­nuiu con­si­de­ra­vel­men­te no pe­río­do de cam­pa­nha, prin­ci­pal­men­te nas le­gis­la­ti­vas.

Pa­ra ter­mi­nar, é im­por­tan­te re­al­çar que es­ta aná­li­se es­tá lon­ge de ex­plo­rar to­dos os ân­gu­los da co­ber­tu­ra no­ti­ci­o­sa das elei­ções de 2019. Por exem­plo, são ób­vi­as li­mi­ta­ções o fac­to de não olhar­mos pa­ra o con­teú­do das no­tí­ci­as, ou de não ex­plo­rar pos­sí­veis diferenças en­tre jor­nais. De qual­quer ma­nei­ra, es­ta bre­ve aná­li­se que apre­sen­tá­mos não dei­xa de evi­den­ci­ar a bai­xa vi­si­bi­li­da­de me­diá­ti­ca que os “pe­que­nos” re­ce­be­ram du­ran­te as cam­pa­nhas elei­to­rais, so­bre­tu­do pa­ra as elei­ções eu­ro­pei­as. Uma si­tu­a­ção que, a par de ou­tros fa­to­res, po­de­rá ter con­tri­buí­do, ao lon­go dos anos, pa­ra a apa­ren­te es­ta­bi­li­da­de do sis­te­ma par­ti­dá­rio por­tu­guês. Es­ta es­ta­bi­li­da­de foi li­gei­ra­men­te de­sa­fi­a­da em 2019 e se­rá in­te­res­san­te ob­ser­var, ago­ra que no­ve par­ti­dos ele­ge­ram de­pu­ta­dos, o que vai acon­te­cer, em ter­mos de co­ber­tu­ra me­diá­ti­ca, nas pró­xi­mas elei­ções le­gis­la­ti­vas.

A alar­man­te pro­li­fe­ra­ção de de­sin­for­ma­ção em cer­tos me­dia veio re­al­çar a im­por­tân­cia de ter­mos ho­je jor­na­lis­mo de qua­li­da­de. Por es­se mo­ti­vo, tal­vez se­ja tam­bém es­ta uma boa al­tu­ra pa­ra ref etir­mos um pou­co mais so­bre a co­ber­tu­ra me­diá­ti­ca de te­mas po­lí­ti­cos. A vi­si­bi­li­da­de dos vá­ri­os par­ti­dos du­ran­te cam­pa­nhas elei­to­rais é um bom pon­to de par­ti­da. Até ago­ra, o as­sen­to par­la­men­tar ga­ran­tiu aos par­ti­dos uma co­ber­tu­ra no­ti­ci­o­sa diá­ria du­ran­te cam­pa­nhas elei­to­rais. Es­ta prá­ti­ca não só é uma bar­rei­ra pa­ra a vi­si­bi­li­da­de de pe­que­nos e no­vos par­ti­dos, mas tam­bém aca­ba por de­sin­cen­ti­var os par­ti­dos gran­des a se es­for­ça­rem por ofe­re­cer con­teú­do no­vo e re­le­van­te pa­ra os elei­to­res du­ran­te a to­ta­li­da­de do pe­río­do de cam­pa­nha elei­to­ral. Co­mo ci­da­dãos, e elei­to­res, ga­nha­ría­mos mui­to se a qua­li­da­de das idei­as pro­pos­tas pe­los par­ti­dos fos­se o prin­ci­pal cri­té­rio de atri­bui­ção de va­lor no­ti­ci­o­so.

NU­NO FER­REI­RA SAN­TOS

Me­dia e de­mo­cra­cia Os me­dia ti­ve­ram sem­pre um pa­pel cru­ci­al no (bom) fun­ci­o­na­men­to do nos­so mo­de­lo de de­mo­cra­cia re­pre­sen­ta­ti­va

Fon­te: Pro­jec­to ERC-MAPLE PÚ­BLI­CO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.