Edição Público Lisboa - Público - P2 - - ÍN­DI­CE -

mi­nha avó não fez na­da pa­ra o im­pe­dir, ele sen­tiu-se traí­do por ela mais uma vez. E acho que a re­la­ção en­tre eles nun­ca re­cu­pe­rou dis­so. Já na ida­de adul­ta, ele tra­ta­va-a com des­dém, de for­ma con­des­cen­den­te e se­xis­ta. Era evi­den­te que não a res­pei­ta­va, co­mo fi­cou pa­ten­te quan­do eu es­ti­ve na Ca­sa Bran­ca, em Abril de 2017, num jan­tar de ani­ver­sá­rio das mi­nhas ti­as Maryan­ne e Eli­za­beth. Ele não ti­nha ne­nhu­ma fo­to­gra­fia de­la na Sa­la Oval, mas ti­nha uma fo­to­gra­fia do meu avô. Su­ge­re que o con­tex­to da épo­ca em que Do­nald Trump cres­ceu, nu­ma sociedade aber­ta­men­te mi­só­gi­na e ra­cis­ta, e a du­re­za do seu avô e a au­sên­cia emo­ci­o­nal da sua avó, fo­ram fac­to­res im­por­tan­tes pa­ra a for­ma­ção da per­so­na­li­da­de do seu tio. Co­mo psi­có­lo­ga clí­ni­ca, sen­te al­gum im­pul­so pa­ra ver o seu tio co­mo uma ví­ti­ma, e não ape­nas co­mo um vi­lão?

Humm... Não.

Ima­gi­ne que ele é um dos seus pa­ci­en­tes...

Eu per­ce­bo o que quer di­zer e é uma ex­ce­len­te ques­tão. É cla­ro que to­dos nós de­ve­mos sen­tir com­pai­xão por aque­la cri­an­ça. Mas é di­fí­cil sen­tir com­pai­xão por al­guém que tem to­do o po­der do mun­do e que es­co­lhe usá-lo pa­ra fa­zer so­frer as ou­tras pes­so­as.

Mas, com ou sem com­pai­xão, ele tem de ser es­cru­ti­na­do e res­pon­sa­bi­li­za­do. Tem mui­tos dis­túr­bi­os psi­co­ló­gi­cos, mas não é uma pes­soa de­men­te, sa­be o que es­tá a fa­zer. Só que faz mui­tas coi­sas por egoís­mo e mes­qui­nhez.

Qu­e­ro dei­xar cla­ro que a his­tó­ria de­le não o de­ve des­res­pon­sa­bi­li­zar. O que acon­te­ce é que, pa­ra per­ce­ber­mos aqui­lo em que ele se trans­for­mou, tam­bém te­mos de per­ce­ber que ele so­freu mui­to quan­do era cri­an­ça. Não faz pra­ti­ca­men­te ne­nhu­ma re­fe­rên­cia ao re­la­ci­o­na­men­to en­tre o seu tio Do­nald e os seus pri­mos Do­nald Jr., Ivan­ka, Eric, Tif­fany e Bar­ron. Tem al­gu­ma in­di­ca­ção de que es­se re­la­ci­o­na­men­to é se­me­lhan­te ao que exis­tiu en­tre ele e o seu avô?

Os meus pri­mos são mui­to mais no­vos do que eu. O Donny [Do­nald Trump Jr.] tem me­nos 12 anos do que eu e a Ivan­ka tem me­nos seis anos. Nun­ca co­nhe­ci o Bar­ron. Ele é mui­to no­vo e tem de ser pro­te­gi­do, gos­ta­va que as pes­so­as o dei­xas­sem em paz. E não ve­jo a Tif any des­de que ela ti­nha qua­tro anos. Não cres­ci com eles.

Mas, do que fui ob­ser­van­do, a re­la­ção en­tre eles é se­me­lhan­te, em al­guns as­pec­tos, à re­la­ção do Do­nald com o meu avô. Ve­jo que o re­la­ci­o­na­men­to en­tre eles é tran­sac­ci­o­nal, gi­ra sem­pre à vol­ta da­qui­lo que ca­da um con­se­gue ob­ter dos ou­tros. E pa­re­ce-me que os meus pri­mos se tor­na­ram mui­to bons a per­ce­ber o que têm de fa­zer pa­ra se man­te­rem nas bo­as gra­ças do Do­nald.

Ou­tra coi­sa que pa­re­ce ser se­me­lhan­te é que o amor que o Do­nald tem por eles é con­di­ci­o­nal, tal co­mo o amor do meu avô era con­di­ci­o­nal em re­la­ção aos fi­lhos de­le. Ser fi­lho do Fred Trump e não fa­zer o que ele que­ria — tal co­mo o meu pai ten­tou fa­zer, sem su­ces­so, em gran­de par­te gra­ças aos obs­tá­cu­los que o meu avô lhe pôs no ca­mi­nho — sig­ni­fi­ca­va ser-se pos­to de la­do, ser-se des­truí­do. E os fi­lhos do Do­nald per­ce­bem is­so.

Uma gran­de di­fe­ren­ça é que o Do­nald é nar­ci­sis­ta de uma for­ma di­fe­ren­te do meu avô. O meu avô era nar­ci­sis­ta, mas es­ta­va dis­pos­to a usar o Do­nald e a pro­mo­vê-lo pa­ra ter o ti­po de fa­ma e aten­ção que não con­se­guia ter so­zi­nho; e eu não es­tou a ver o Do­nald a ser ca­paz de pôr qual­quer um dos seus fi­lhos à sua fren­te. Ele não ia aguen­tar dei­xar de ser o cen­tro das aten­ções.

Um dos as­pec­tos cen­trais do li­vro é a sua ten­ta­ti­va de re­a­bi­li­tar a me­mó­ria do seu pai, afas­tan­do-o da ima­gem de ho­mem de ne­gó­ci­os in­com­pe­ten­te que não con­se­guiu se­guir as pi­sa­das do seu avô e que aca­bou por mor­rer mui­to ce­do, aos 42 anos, com pro­ble­mas de al­co­o­lis­mo. Em vez dis­so, apre­sen­ta-o co­mo um ser hu­ma­no com inú­me­ras qua­li­da­des, tan­to pro­fis­si­o­nais co­mo emo­ci­o­nais. De que for­ma es­se exer­cí­cio a aju­dou tam­bém a si, não co­mo a so­bri­nha do Pre­si­den­te Trump, mas co­mo fi­lha de Fred Trump Jr.?

Eu que­ria que as pes­so­as per­ce­bes­sem que o meu pai ti­nha to­da a in­ten­ção de su­ce­der ao pai de­le nos ne­gó­ci­os, mas o meu avô tor­nou is­so im­pos­sí­vel. Quan­do o meu pai per­ce­beu que não iria lon­ge no im­pé­rio do meu avô e que não ti­nha o res­pei­to de­le, de­ci­diu co­me­çar a vi­ver a sua pró­pria vi­da e tor­nou-se pi­lo­to na avi­a­ção co­mer­ci­al, o que em 1964 era al­go com mui­to im­pac­to. Era mui­to mais di­fí­cil ser um pi­lo­to de aviões na TWA do que ser um fi­lho ri­co a aju­dar a gerir os ne­gó­ci­os do pai.

Ao lon­go de dé­ca­das, Do­nald Trump foi re­tra­ta­do nos me­dia co­mo um mul­ti­mi­li­o­ná­rio qua­se fei­to do na­da e que trans­for­ma­va em ou­ro tu­do em que to­ca­va. Em 2018, o The New York Ti­mes

pu­bli­cou uma in­ves­ti­ga­ção, que vi­ria a re­ce­ber um Pu­lit­zer, so­bre es­que­mas fi­nan­cei­ros na sua fa­mí­lia que mos­tram uma re­a­li­da­de mui­to di­fe­ren­te. Vo­cê ad­mi­tiu que foi uma das prin­ci­pais fon­tes des­sa in­ves­ti­ga­ção. Na me­di­da em que is­so es­tá re­la­ci­o­na­do com a mor­te do seu avô, em 1999, co­mo vi­veu es­se pe­río­do que le­vou ao seu afas­ta­men­to — e do seu ir­mão — do res­to da fa­mí­lia?

Fo­mos to­tal­men­te de­ser­da­dos. Eu não sa­bia is­to até há dois anos, mas pa­re­ce que o im­pé­rio do meu avô valia qua­se mil mi­lhões de dó­la­res [em 1999] e nós não re­ce­be­mos na­da [num acor­do ex­tra­ju­di­ci­al, em 2001, Mary L. Trump e o ir­mão, Fre­de­rick Trump III, te­rão re­ce­bi­do uma pe­que­na per­cen­ta­gem da he­ran­ça, cor­res­pon­den­te a uma for­tu­na de Fred Trump ava­li­a­da pe­los seus ti­os em ape­nas 30 mi­lhões de dó­la­res].

O meu pai mor­reu quan­do eu ti­nha 16 anos e os meus ti­os e ti­as não fi­ze­ram

ab­so­lu­ta­men­te na­da pa­ra nos aju­dar. E, co­mo eu já dis­se, o di­nhei­ro é a úni­ca coi­sa que im­por­ta nes­ta fa­mí­lia, é a úni­ca coi­sa que tem va­lor. Se so­mos de­ser­da­dos, a men­sa­gem é que não con­ta­mos pa­ra na­da e que nin­guém se im­por­ta con­nos­co. É mui­to di­fí­cil per­ma­ne­cer nu­ma fa­mí­lia que pen­sa des­sa for­ma so­bre nós.

Um dos epi­só­di­os mais im­pres­si­o­nan­tes que con­ta no li­vro é o mo­men­to em que fa­lou pe­la úl­ti­ma vez com a sua avó. Ela te­le­fo­nou-lhe quan­do sou­be que vo­cê e o seu ir­mão es­ta­vam a pen­sar em le­var a fa­mí­lia a tri­bu­nal por cau­sa da par­ti­lha do im­pé­rio do seu avô. Con­ta que ela lhe per­gun­tou se sa­bia qu­an­to é que o seu pai — o pri­mei­ro fi­lho de­la — valia fi­nan­cei­ra­men­te quan­do mor­reu, e que a res­pos­ta foi “na­da de na­da”. Era as­sim que ela se re­la­ci­o­na­va com o seu pai e com os seus ti­os e ti­as du­ran­te o cres­ci­men­to de­les?

Te­nho de ima­gi­nar que era. A mi­nha avó nun­ca ti­nha fa­la­do co­mi­go da­que­la for­ma, e nós até éra­mos mui­to pró­xi­mas

KE­VIN LA­MAR­QUE/REU­TERS

NEW YORK POST AR­CHI­VES

BETT­MANN AR­CHI­VE

Do be­tão à Ca­sa Bran­ca À es­quer­da, Trump du­ran­te uma con­fe­rên­cia de im­pren­sa na Ca­sa Bran­ca so­bre o no­vo co­ro­na­ví­rus, em Agos­to. Em ci­ma, Trump em 1980, aos 33 anos, com um mo­de­lo da Trump Tower, er­gui­da em No­va Ior­que. Em bai­xo, com o pai, Fred Trump, ao cen­tro, e o mayor de No­va Ior­que, Ed Ko­ch, em 1982

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.