Pau­lo Por­tas “Mar­ce­lo es­tá do la­do cer­to das coi­sas”

Edição Público Lisboa - Público - P2 - - ÍNDICE - Por Maria João Avil­lez tex­to e Rui Gaudêncio fo­to­gra­fia

Con­vi­da­do a olhar pa­ra es­te man­da­to do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Pau­lo Por­tas se­pa­rou lo­go o tri­go do joio: uma coi­sa era a for­ma, o es­ti­lo, o ges­to; a ou­tra, o fun­do. E aí, não há dú­vi­das, Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa cum­priu os seus de­ve­res pa­ra com a pá­tria; a di­rei­ta que não se quei­xe e abra os olhos. A aná­li­se de Por­tas — ves­ti­da de “ob­jec­ti­vi­da­de” — nun­ca dis­far­çou, po­rém, a qua­se em­pol­ga­da in­sis­tên­cia com que es­co­lheu a de­do os me­lho­res ar­gu­men­tos de de­fe­sa da ac­ção pre­si­den­ci­al. Mas fi­cou um aler­ta: Mar­ce­lo vai pre­ci­sar de “mui­ta sa­be­do­ria” pa­ra ge­rir o se­gun­do man­da­to. Ou não es­ti­ves­se a es­quer­da exaus­ta e o país, por­ven­tu­ra, à bei­ra de ou­tro ci­clo po­lí­ti­co. Su­ben­ten­di­do: na­da se­rá igual

Nun­ca nin­guém pin­tou um re­tra­to tão fa­vo­ra­vel­men­te im­pres­si­vo de Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa en­quan­to Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca co­mo es­te que aqui fi­ca. O pin­tor é ta­len­to­so. Cha­ma-se Pau­lo Por­tas, e o re­tra­to ti­nha in­ten­ção e tra­zia re­ca­do: as pa­la­vras fo­ram elo­quen­te­men­te es­co­lhi­das num exer­cí­cio que o pin­tor quis “ra­ci­o­nal”, ig­no­ran­do a “es­pu­ma dos di­as”. Ape­sar da ir­re­cu­sá­vel — bri­lhan­te? — mes­tria do tra­ço, sur­pre­en­di-me ao vê-lo re­cu­sar as per­ple­xi­da­des e dis­cor­dân­ci­as que ex­pus, as dú­vi­das quan­to a es­te ou aque­le tra­ço do re­tra­ta­do, a pró­pria evo­lu­ção da te­la. Na­da dis­so lhe in­te­res­sou, a pin­tu­ra era sua: “Há dú­vi­das e re­ser­vas le­gí­ti­mas, mas há que in­tro­du­zir ra­ci­o­na­li­da­de nu­ma dis­cus­são que fre­quen­te­men­te é só de es­ti­lo ou de for­ma.”

Is­to di­to, não era qual­quer um que con­tex­tu­a­li­za­ria com es­ta ai­san­ce uma crí­ti­ca ve­ro­sí­mil ao Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, qua­se a trans­for­man­do nu­ma van­ta­gem pa­ra o pró­prio, e is­so foi mui­to in­te­res­san­te de ob­ser­var: co­mo se Por­tas nos aler­tas­se a guar­dar es­te re­tra­to do Pre­si­den­te co­mo o úni­co. Nos tem­pos que cor­rem, o avi­so é for­te. Ele as­su­me: “É pa­ra is­so que os tem­pos es­tão.”

Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa e Pau­lo Por­tas vi­ve­ram coi­sas po­li­ti­ca­men­te mui­to for­tes, co­mo ri­vais ou co­mo par­cei­ros, o que o tor­na a si, Pau­lo Por­tas, par­ti­cu­lar­men­te ap­to pa­ra es­ta re­vi­são da ma­té­ria. Fo­ram ain­da ri­vais no jor­na­lis­mo, um n’O In­de­pen­den­te, o ou­tro no Ex­pres­so. Que re­la­ção ti­nha com Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa até ele ser elei­to Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca? Va­ri­a­va con­for­me as ma­rés po­lí­ti­cas?

Não mui­to. Na ver­da­de, ti­ve­mos al­guns mo­men­tos di­fí­ceis, mas o tem­po, as cir­cuns­tân­ci­as — e nós pró­pri­os — en­car­re­ga­ram-se de ul­tra­pas­sar tu­do is­so. Quan­do ele se can­di­da­tou à Pre­si­dên­cia, ha­via uma re­la­ção boa.

Uma ami­za­de?

Uma re­la­ção boa.

Es­sa re­la­ção era fre­quen­te? Apre­ci­ou e de­fen­deu a can­di­da­tu­ra de Mar­ce­lo.

Não ex­ces­si­va­men­te fre­quen­te, mas sim, é pú­bli­co que eu de­fen­dia que a en­tão co­li­ga­ção PSD-CDS de­via ter um só can­di­da­to pre­si­den­ci­al e que se po­día­mos, com al­guém da nos­sa área, ga­nhar as pre­si­den­ci­ais, não era re­co­men­dá­vel ar­ris­car per­dê-las ou con­ta­mi­nar as le­gis­la­ti­vas [de 2015], com mais do que um can­di­da­to na área da co­li­ga­ção.

O que foi tam­bém uma for­ma de res­pon­der às co­nhe­ci­das re­ti­cên­ci­as de Pe­dro Pas­sos Co­e­lho.

Não. Aca­bá­mos am­bos por coin­ci­dir na mes­ma po­si­ção. Is­so fi­cou cla­ro.

Fi­cou?

O en­tão pri­mei­ro-mi­nis­tro e eu aca­bá­mos por coin­ci­dir em que era me­lhor um can­di­da­to co­mum. O que su­ce­de é que no PSD ha­via mais pos­si­bi­li­da­des de es­co­lha.

Aca­ba de pin­tar um qua­dro amá­vel so­bre a sua re­la­ção com Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa, mas re­cor­do mo­men­tos de ra­rís­si­ma ten­são, agu­dís­si­ma ri­va­li­da­de po­lí­ti­ca, ri­os de des­con­fi­an­ça mú­tua... Por exem­plo, quan­do rom­peu abrup­ta­men­te com ele uma co­li­ga­ção re­cém-fei­ta en­tre am­bos, ten­do, aliás, lo­go Mar­ce­lo de­sis­ti­do (até ho­je mis­te­ri­o­sa­men­te) da­que­le seu pla­no po­lí­ti­co. Na­da dis­to é pou­co.

Con­fir­mo! Hou­ve mui­tos en­con­tros e de­sen­con­tros. O que con­ta, po­rém, é que fo­mos ca­pa­zes de su­pe­rar os de­sen­con­tros e que as de­sa­ven­ças fo­ram ul­tra­pas­sa­das de co­mum acor­do. E nas de­sa­ven­ças po­lí­ti­cas

ca­da Pre­si­den­te, o seu pró­prio en­ten­di­men­to so­bre o car­go e so­bre o que que­rem fa­zer com ele...

É ver­da­de...

Co­mo olha Mar­ce­lo? Co­mo fun­da­men­ta a sua opi­nião so­bre ele?

Pa­re­ce-me que se pre­pa­rou du­ran­te mui­tos anos pa­ra ser Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Ou se­ja, pre­pa­rou-se pa­ra ser uma ins­ti­tui­ção. É um fa­to que se ves­te... Di­rei que é uma pes­soa in­for­ma­da, ex­cep­ci­o­nal­men­te in­te­li­gen­te, ob­vi­a­men­te hi­pe­rac­ti­va; e que ten­do f exi­bi­li­da­de tác­ti­ca, nas questões fun­da­men­tais que pa­ra ele são re­le­van­tes, é não só uma pes­soa pre­vi­sí­vel co­mo uma pes­soa...

... con­fiá­vel?

Con­fiá­vel. É al­guém que es­tá do la­do cer­to, di­ga­mos as­sim

O que é es­tar do la­do cer­to?

É, por exem­plo, al­guém que não tem ne­nhum com­ple­xo so­bre a His­tó­ria de Portugal: união pa­ra den­tro, re­pre­sen­ta­ção da his­tó­ria e do fu­tu­ro pa­ra fo­ra, al­go que nos dei­xa sos­se­ga­dos e mui­tas ve­zes or­gu­lho­sos. O Pre­si­den­te não tem nem di­fi­cul­da­des nem com­ple­xos, não se dei­xan­do ten­tar pe­la cor­rec­ção po­lí­ti­ca em re­la­ção à His­tó­ria de Portugal. Há, aliás, vá­ri­os dis­cur­sos em que is­so é mui­to ní­ti­do.

Es­tar do la­do cer­to é tam­bém mos­trar sen­ti­do de Es­ta­do. Quan­do um lí­der po­lí­ti­co apro­va três or­ça­men­tos com os quais não con­cor­da pa­ra que Portugal che­gue ao eu­ro, is­so im­pli­ca um grau de re­nún­cia face aos ob­jec­ti­vos par­ti­dá­ri­os que não é co­mum nu­ma pes­soa pu­ra­men­te tac­ti­cis­ta.

Ape­sar de não te­rem uma re­la­ção “fre­quen­te”, quan­do se en­con­tram é a pe­di­do de quem? E de que fa­lam?

As con­ver­sas que te­nho com o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca são ba­si­ca­men­te à vol­ta de questões de po­lí­ti­ca in­ter­na­ci­o­nal e não ocor­rem, é ver­da­de, com de­ma­si­a­da frequên­cia. Di­ga­mos que não são de me­nos nem... de mais.

Ocor­rem a pe­di­do de­le?

Ou meu.

Fa­lam en­tão de re­la­ções in­ter­na­ci­o­nais, po­lí­ti­ca ex­ter­na, di­plo­ma­cia...

Sim. E a pro­pó­si­to de ele es­tar “do la­do cer­to das coi­sas”, há um pon­to na ac­ção pre­si­den­ci­al es­tra­nha­men­te pou­co dis­cu­ti­do que é a di­men­são da re­pre­sen­ta­ção ex­ter­na. O Pre­si­den­te é não só bas­tan­te cul­to, co­mo um po­li­glo­ta, mais até do que é co­mum. Não pre­ci­sa de olhar pa­ra os pa­péis em qu­a­tro ou cin­co idi­o­mas. Pos­so tes­te­mu­nhar, por ex­pe­ri­ên­cia pró­pria, que dei­xa ex­ce­len­te im­pres­são nas su­as vi­si­tas ofi­ci­ais ou de Es­ta­do. Is­so pa­ra mim é mui­tís­si­mo re­le­van­te. Agra­da-me sa­ber que o Pre­si­den­te do meu país o re­pre­sen­ta bem.

No en­tan­to, há gen­te sé­ria e co­nhe­ce­do­ra que con­si­de­ra se­rem jus­ta­men­te as questões ex­ter­nas uma das de­bi­li­da­des do Pre­si­den­te. É aliás in­te­res­san­te no­tar que é o pri­mei­rís­si­mo che­fe de Es­ta­do, sem som­bra de ex­pe­ri­ên­cia na ma­té­ria...

... pois, mas há uma coi­sa que pos­so di­zer: ac­tu­ou sem­pre com fi­de­li­da­de aos ei­xos prin­ci­pais da po­lí­ti­ca ex­ter­na por­tu­gue­sa. Fez o que de­via, dei­xou boa opi­nião, so­bre­tu­do pe­la sua no­tá­vel mun­di­vi­dên­cia. Não fa­lhou um úni­co ob­jec­ti­vo prin­ci­pal em ma­té­ria de lu­so­fo­nia. Con­si­de­ro mes­mo que Mar­ce­lo faz par­te de uma co­lec­ção de portuguese­s, que es­pe­ro que con­ti­nue a exis­tir, que são os “afri­ca­nis­tas”... Tem uma vi­são so­bre Áfri­ca que não é uma vi­são li­vres­ca, mui­to pe­lo con­trá­rio, pro­vém do seu pró­prio co­nhe­ci­men­to, que é gran­de e pes­so­al­men­te tes­te­mu­nha­do.

Nas de­sa­ven­ças po­lí­ti­cas ra­ra­men­te há res­pon­sa­bi­li­da­des uni­la­te­rais

O que exis­te ho­je — e não é de ago­ra — é uma re­la­ção bas­tan­te es­tá­vel en­tre nós [Por­tas e Mar­ce­lo]

Quan­do o país se di­vi­de pe­la me­ta­de, o re­sul­ta­do é a van­ta­gem pen­der pa­ra o la­do es­quer­do da me­ta­de e não pa­ra o di­rei­to

Con­vém não es­que­cer que Mar­ce­lo é Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca com um Go­ver­no de “ge­rin­gon­ça”, apoi­a­do por par­ti­dos que são an­ti-NATO, e es­se apoio não con­ta­mi­nou as res­pon­sa­bi­li­da­des ex­ter­nas do Es­ta­do, o que ob­vi­a­men­te tam­bém pas­sa pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca ser quem é…

... e con­vém não es­que­cer que pas­sa tam­bém pe­lo pró­prio en­ten­di­men­to de quem no Go­ver­no é res­pon­sá­vel pe­la di­plo­ma­cia. Mas o mun­do mu­da e a in­cer­te­za é gran­de.

Exac­to. Há um pon­to de­li­ca­do na po­lí­ti­ca ex­ter­na no qual não é fá­cil “na­ve­gar” com cri­té­rio: sa­ber dis­tin­guir quem são os ali­a­dos e quem são ape­nas ami­gos….

Fa­la de ali­an­ças ver­sus par­ce­ri­as?

Sim. Não é fá­cil per­ce­ber quais as nos­sas ali­an­ças e quais as nos­sas par­ce­ri­as. Sa­be­mos que é um mun­do evi­den­te­men­te po­la­ri­za­do en­tre os Es­ta­dos Uni­dos, co­mo po­tên­cia in­cum­ben­te e uma Chi­na as­cen­den­te co­mo po­tên­cia de­sa­fi­an­te...

Há coi­sas que sa­be­mos e te­re­mos co­mo imu­tá­veis: as ali­an­ças.

Sim, ter uma no­ção cla­ra dos nos­sos de­ve­res en­quan­to ali­a­dos. Te­mos uma ali­an­ça de se­gu­ran­ça que é a ali­an­ça oci­den­tal, por co­mu­nhão de va­lo­res po­lí­ti­cos. So­mos mem­bros da União Eu­ro­peia e fun­da­do­res da NATO, nes­te ca­so mui­to an­tes des­te re­gi­me, o que ex­cluiu qual­quer con­fu­são.

O que pres­su­põe ou re­co­men­da de­ter­mi­na­dos com­por­ta­men­tos. É aí que diz que o Pre­si­den­te ac­tua em con­for­mi­da­de com os nos­sos com­pro­mis­sos?

O fac­to de a Chi­na que­rer ser a po­tên­cia as­cen­den­te e pre­ten­der mes­mo a pri­ma­zia le­va a que se te­nha al­gum cui­da­do em cer­tas ma­té­ri­as — as tec­no­lo­gi­as hi­per­sen­sí­veis, por exem­plo. Do mes­mo mo­do, nem to­das as coi­sas são iguais, e co­mo tal não se po­de abu­sar da in­vo­ca­ção dos con­cei­tos de se­gu­ran­ça na­ci­o­nal, so­bre­tu­do num país que pre­ci­sa dos mer­ca­dos asiá­ti­cos. Ape­sar de a con­du­ção da po­lí­ti­ca ex­ter­na per­ten­cer ao Go­ver­no, o Pre­si­den­te es­te­ve aten­to à hi­e­rar­quia dos nos­sos com­pro­mis­sos. Foi ca­paz de equi­li­brar os nos­sos de­ve­res de ali­a­dos com os Es­ta­dos Uni­dos, a nos­sa fi­de­li­da­de à União Eu­ro­peia com a aten­ção às nos­sas par­ce­ri­as, por sa­ber que pre­ci­sa­mos de man­ter os mer­ca­dos com a Chi­na. Den­tro dos li­mi­tes do que é pos­sí­vel no mun­do de ho­je, Mar­ce­lo lo­grou uma boa na­ve­ga­ção.

A na­ve­ga­ção não é fá­cil so­bre­tu­do por ge­rar op­ções que im­põem ou pres­su­põem di­le­mas?

Sim, os paí­ses vão ser cres­cen­te­men­te co­lo­ca­dos pe­ran­te pres­sões di­le­má­ti­cas e is­to pa­ra a Eu­ro­pa é mui­to di­fí­cil. A Eu­ro­pa não po­de ter dú­vi­das so­bre quem é o seu ali­a­do, mas não po­de fa­zer de con­ta que a Chi­na não exis­te na or­dem eco­nó­mi­ca e in­ter­na­ci­o­nal. É uma ques­tão de or­de­na­ção. E co­mo é um fac­to pú­bli­co que o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca cui­dou sem­pre des­tas pri­o­ri­da­des, es­tra­nho que es­te as­sun­to se­ja pou­co dis­cu­ti­do.

A pro­pó­si­to de pri­o­ri­da­des, Belém gos­ta de lem­brar que a sua pri­mei­ra vi­si­ta ofi­ci­al — es­sa, sim, da ex­clu­si­va von­ta­de do seu lo­ca­tá­rio — foi ao Va­ti­ca­no.

E não a Es­pa­nha. Nem to­da a gen­te sa­be — mas Mar­ce­lo sa­be — que so­mos fi­lhos de uma bu­la pa­pal — Ma­ni­fes­tis Pro­ba­tum, de 1179 —, um ca­so mui­to in­vul­gar na or­dem in­ter­na­ci­o­nal: o pa­pa­do era uma

es­pé­cie de Na­ções Uni­das da épo­ca, era quem con­fe­ria a “cer­ti­fi­ca­ção in­ter­na­ci­o­nal”.

Fa­lan­do das raí­zes e do ber­ço do Pre­si­den­te, Mar­ce­lo Re­be­lo Sou­sa é em cer­ta me­di­da um pro­du­to do an­ti­go re­gi­me, no sen­ti­do da vi­vên­cia cul­tu­ral on­de cres­ceu e da edu­ca­ção que te­ve. Quan­do me fa­la de ele ser um “afri­ca­nis­ta” ou de ter es­co­lhi­do o Va­ti­ca­no pa­ra hon­rar es­se “cer­ti­fi­ca­do” da na­ção, es­tá a fa­lar de al­guém que for­ma­do nes­ses va­lo­res os quis ab­so­lu­ta­men­te man­ter pas­sa­do o por­tão da de­mo­cra­cia?

Is­so é in­te­res­san­te e pro­va­vel­men­te ver­da­de. As­sim co­mo acho que Mar­ce­lo, a par­tir de uma cer­ta al­tu­ra, se pre­pa­rou — e lon­ga­men­te — pa­ra ser Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, tam­bém acho que se pre­pa­rou mui­to jo­vem pa­ra o mo­men­to em que sur­gis­se a que­da do an­ti­go re­gi­me. Re­pa­re que an­tes do 25 de Abril já es­ta­va no jor­na­lis­mo — no Ex­pres­so — e que não es­ta­ria lon­ge do cír­cu­lo da Ala Li­be­ral. Não, não foi apa­nha­do de sur­pre­sa.

Há qu­a­tro anos, uma enor­me par­te dos portuguese­s caiu no re­ga­ço de Mar­ce­lo, ado­ran­do aque­le co­lo tão afec­tu­o­so. Per­gun­to: po­de ter si­do um er­ro ter in­fan­ti­li­za­do o país em vez de o ter mo­bi­li­za­do? Quan­do ama­nhã for pre­ci­so mo­bi­li­zá-lo — e ama­nhã é ho­je —, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca po­de­rá fa­zê-lo? E os portuguese­s, anes­te­si­a­dos com tan­tas sel­fi­es, se­rão mo­bi­li­zá­veis?

Per­ce­bo es­sa crí­ti­ca e es­se re­pa­ro, ou­ço-os mui­tas ve­zes.

Con­cor­dan­do?

Di­rei que per­ce­bo a per­gun­ta. O que su­ce­de é que o fac­to de o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca ser uma pes­soa hi­pe­rac­ti­va tem mui­tas ve­zes co­mo con­sequên­cia que se es­ta­be­le­ça uma con­fu­são en­tre a for­ma e o fun­do: a abun­dân­cia da for­ma não per­mi­te fre­quen­te­men­te per­ce­ber com ni­ti­dez a re­le­vân­cia do fun­do.

In­sis­to: não ha­ve­ria van­ta­gem em ter con­vo­ca­do mais os portuguese­s e de os ter in­fan­ti­li­za­do me­nos?

Es­tou a pro­cu­rar res­pon­der se­gun­do a mi­nha opi­nião: quan­do Mar­ce­lo fa­la mui­tas ve­zes du­ran­te o mes­mo dia, é di­fí­cil por ve­zes não só es­cu­tá-lo, mas re­ter o que foi re­le­van­te na­qui­lo que dis­se. Sim, é ver­da­de, há mui­ta gen­te que faz es­sa crí­ti­ca. Mas é pre­ci­so ter em con­ta que o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca é co­mo é. Ou se­ja, é al­guém que tem um la­do de hi­pe­rac­ti­vi­da­de (e por­ven­tu­ra te­rá de­la cons­ci­ên­cia e fa­rá o seu pró­prio balanço). Mas aten­ção, es­sa mes­ma hi­pe­rac­ti­vi­da­de tem mui­to que ver com a pro­tec­ção do que ele con­si­de­ra­rá ser a sua in­de­pen­dên­cia face aos par­ti­dos po­lí­ti­cos.

Mas agin­do hi­pe­rac­ti­va­men­te e in­do a to­do o la­do, re­la­ti­vi­za-se au­to­ma­ti­ca­men­te a im­por­tân­cia das pes­so­as, das questões, dos acon­te­ci­men­tos.

Não te­mos nun­ca na mão um bo­le­tim de vo­to per­so­na­li­za­do. Te­mos um bo­le­tim de vo­to ob­jec­ti­vo, com os can­di­da­tos que se apre­sen­tam. Con­si­de­ro que Mar­ce­lo é es­sen­ci­al­men­te um uni­fi­ca­dor e de lon­ge, de en­tre os que se irão apre­sen­tar ago­ra, o úni­co in­te­res­sa­do em unificar o país. A pla­ta­for­ma dos de­mais can­di­da­tos, por exem­plo Ana Go­mes ou An­dré Ven­tu­ra, di­vi­de as pes­so­as: par­tem da di­vi­são pa­ra cons­truir a sua for­ça. Mar­ce­lo, pe­lo

Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa com po­pu­la­res du­ran­te a vi­si­ta de Es­ta­do a An­go­la, em 2019. Pau­lo Por­tas: “Mar­ce­lo faz par­te de uma co­lec­ção de portuguese­s, que eu es­pe­ro que con­ti­nue a exis­tir, que são os ‘afri­ca­nis­tas’”

con­trá­rio, par­te da união, o que des­de lo­go aju­da a de­fi­ni-lo co­mo Pre­si­den­te. Al­gu­mas das pes­so­as que cri­ti­cam o Pre­si­den­te — le­gi­ti­ma­men­te e às ve­zes com per­ti­nên­cia —, nem lhes pas­sa pe­la ca­be­ça que Mar­ce­lo não se­ja elei­to, não é ver­da­de? Ou se­ja, é uma crí­ti­ca li­vre de con­sequên­cia: cal­cu­le que al­gum dos ou­tros era elei­to quan­do ne­nhum de­les cor­res­pon­de à ideia de unir o país so­bre coi­sa ne­nhu­ma... A me­ra ideia de que eu pos­sa acor­dar no dia se­guin­te à eleição com al­guém que di­vi­de, mui­to mais do que une, ou que cor­res­pon­da a uma fac­ção ra­di­cal, à es­quer­da ou à di­rei­ta, em vez de es­tar no es­pa­ço da mo­de­ra­ção, não me agra­da na­da. Pon­to.

Se bem per­ce­bo, na sua opi­nião a ges­tão que o Pre­si­den­te fez do seu man­da­to de­ve­ria se­cun­da­ri­zar re­pa­ros, críticas, de­si­lu­sões?

Há re­pa­ros le­gí­ti­mos…

Es­tá a fa­lar, é cla­ro, da subs­ti­tui­ção do pre­si­den­te do Tri­bu­nal de Con­tas?

Te­nho su­fi­ci­en­te ex­pe­ri­ên­cia de Go­ver­no pa­ra não fa­zer ha­gi­o­gra­fi­as do Tri­bu­nal de Con­tas. Já li acór­dãos ex­ce­len­tes e tam­bém já vi acór­dãos que nem no do­mí­nio do “so­ci­a­lis­mo re­al” são ima­gi­ná­veis.

Mas quem es­tá a fa­lar do bom ou mau com­por­ta­men­to do TC…?

... di­to is­to, a no­me­a­ção do no­vo pre­si­den­te do tri­bu­nal foi tu­do me­nos li­ne­ar e fi­ca uma per­cep­ção des­con­for­tá­vel de con­tro­lo po­lí­ti­co so­bre quem tem o de­ver de con­tro­lar a le­ga­li­da­de fi­nan­cei­ra. O tem­po de­mons­tra­rá se fi­ca­mos pe­la per­cep­ção ou se é mais do que is­so.

Fa­lá­va­mos de “mais re­pa­ros le­gí­ti­mos”.

Mas lem­bre­mos as cir­cuns­tân­ci­as em que o Pre­si­den­te re­ce­beu o país! Te­ria si­do fran­ca­men­te pe­ri­go­so ter­mos ti­do ou­tro che­fe de Es­ta­do que não es­te. Ape­sar de tu­do há uma gran­de di­fe­ren­ça en­tre uma

“ge­rin­gon­ça” que é ba­se­a­da em apoio par­la­men­tar ou uma co­li­ga­ção co­mo a es­pa­nho­la, em que o Po­de­mos es­tá den­tro do Go­ver­no e ac­tua di­a­ri­a­men­te con­tra as ins­ti­tui­ções e a Cons­ti­tui­ção. An­tó­nio Cos­ta te­ve o bom sen­so de, que­ren­do o apoio da es­quer­da, não que­rer PCP e o BE sen­ta­dos no Con­se­lho de Mi­nis­tros. E se a is­to se jun­tar um Pre­si­den­te que não vi­nha des­sa área, nem ti­nha o pen­sa­men­to po­lí­ti­co ou eco­nó­mi­co da es­quer­da, há que con­cluir que am­bas as cir­cuns­tân­ci­as — o Pre­si­den­te não vir da es­quer­da e a es­quer­da ra­di­cal não se sen­tar no Con­se­lho de Mi­nis­tros — con­tri­buí­ram pa­ra evi­tar uma “gui­na­da” de­ma­si­a­do ra­di­cal, que te­ria pre­ju­di­ca­do mui­to o país.

Tem da­do o seu en­ten­di­men­to so­bre es­te pri­mei­ro man­da­to pre­si­den­ci­al. Mas quan­to a si, qual é o ver­da­dei­ro en­ten­di­men­to que o pró­prio Mar­ce­lo tem so­bre o seu car­go, pa­ra além da “pro­xi­mi­da­de” ou da om­ni­pre­sen­ça?

São de no­vo as questões da for­ma, mas — não o es­que­ça­mos — Mar­ce­lo é ele e igual a si pró­prio, já era as­sim... E ago­ra pros­se­gue na Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca uma ideia de con­tac­to per­ma­nen­te com as pes­so­as que lhe per­mi­te, re­pi­to, con­ser­var a in­de­pen­dên­cia re­la­ti­va­men­te aos par­ti­dos po­lí­ti­cos, às for­ças so­ci­ais, aos gru­pos es­ta­be­le­ci­dos, aos in­te­res­ses, e con­fe­rir uma le­gi­ti­mi­da­de pró­pria. Mar­ce­lo pro­va­vel­men­te acha­rá — is­to já é uma es­pe­cu­la­ção mi­nha — que não te­ria si­do elei­to se não fos­se as­sim, por­que se a eleição se ti­ves­se gui­a­do pe­los cri­té­ri­os or­to­do­xos clás­si­cos — a so­ma dos par­ti­dos — pro­va­vel­men­te te­ria ti­do mais di­fi­cul­da­des em lá che­gar.

Na sua opi­nião, em que é que Mar­ce­lo foi es­sen­ci­al ao país?

Foi um fac­tor de es­ta­bi­li­da­de, nu­ma con­jun­tu­ra que não lhe era fa­vo­rá­vel. Bas­ta lem­brar que de ca­da vez que, pa­ra pres­si­o­nar a sua pró­pria mai­o­ria, o pri­mei­ro-mi­nis­tro ame­a­ça com uma cri­se po­lí­ti­ca, o Pre­si­den­te fun­ci­o­na sem­pre co­mo tra­vão. Con­si­de­rei to­da a mi­nha vi­da que Portugal se de­via ha­bi­tu­ar a vi­ver es­ta­vel­men­te du­ran­te as le­gis­la­tu­ras. O che­fe de Es­ta­do foi um fac­tor de es­ta­bi­li­da­de e, por ve­zes, foi-o ape­sar do pró­prio pri­mei­ro-mi­nis­tro. O qual, com al­gu­ma frequên­cia, tem a ten­ta­ção — que nun­ca se sa­be se é me­ra­men­te re­tó­ri­ca ou não — de pre­ci­pi­tar elei­ções...

Que acha que de­ve ser re­ti­do des­tes cin­co anos pre­si­den­ci­ais?

As pes­so­as po­dem já es­tar es­que­ci­das, mas há dois mo­men­tos que fo­ram crí­ti­cos e me­re­cem por is­so ser evo­ca­dos. Quan­do es­ta mai­o­ria en­tra em fun­ções, fá-lo com a pre­ten­são de que ia mu­dar o mun­do, sen­do até ir­re­le­van­tes to­das as re­gras da União Eu­ro­peia... E, afi­nal, en­trou em fun­ções com um Or­ça­men­to que veio de­vol­vi­do de Bru­xe­las. Nes­se mo­men­to, foi cer­ta­men­te mui­to im­por­tan­te que o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca fos­se quem é: al­guém que não vi­nha da es­quer­da e res­pei­ta­va as re­gras or­ça­men­tais da Eu­ro­pa. É pú­bli­co que con­tri­buiu de­ci­si­va­men­te pa­ra que o pri­mei­ro-mi­nis­tro per­ce­bes­se que na União Eu­ro­peia há re­gras pa­ra cum­prir; que o país ti­nha caí­do num pre­ci­pí­cio por in­frin­gir es­sas re­gras e que, de­pois de ajus­tar as con­tas com mui­to sa­cri­fí­cio, não era boa ideia Portugal co­lo­cá-las ou­tra vez em cau­sa. Era nes­sa di­rec­ção er­ra­da que ia o pri­mei­ro Or­ça­men­to da “ge­rin­gon­ça”, e pa­re­ce-me jus­to di­zer que o Pre­si­den­te (e o en­tão mi­nis­tro das Fi­nan­ças) foi de­ter­mi­nan­te em acer­tar o ca­mi­nho.

Fa­lou em dois mo­men­tos crí­ti­cos: qual é o ou­tro?

É mais re­cen­te e diz res­pei­to à pan­de­mia. O que fun­ci­o­nou me­lhor em Portugal do pon­to de vis­ta das ins­ti­tui­ções do Es­ta­do no mo­men­to mais crí­ti­co da co­vid-19 foi a de­ci­são de de­cla­rar o es­ta­do de emer­gên­cia. Sem ele tí­nha­mos mui­to pro­va­vel­men­te caí­do nu­ma ca­la­mi­da­de sa­ni­tá­ria. Ora, quem quis o es­ta­do de emer­gên­cia foi es­sen­ci­al­men­te o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. O Go­ver­no es­ta­va con­ven­ci­do de que as

re­gras da Pro­tec­ção Ci­vil eram su­fi­ci­en­tes. Mas na­que­le mo­men­to — Mar­ço, Abril — não eram.

Ago­ra sou eu que evo­co ou­tros dois mo­men­tos: o pri­mei­ro em que, sem ra­zão apa­ren­te, o che­fe de Es­ta­do, em Mar­ço, se en­ca­fua 12 di­as em ca­sa após o que se mos­tra ao país num ví­deo pe­no­so sem que até ho­je se saiba o porquê de tão sin­gu­la­res com­por­ta­men­tos; o se­gun­do foi aque­le ges­to in­fe­liz de “uni­da­de na­ci­o­nal” com as prin­ci­pais au­to­ri­da­des do Es­ta­do a ofe­re­cer ao pes­so­al clí­ni­co e sa­ni­tá­rio o pre­sen­te da Li­ga dos Cam­peões. Is­to não con­vo­ca ne­nhu­ma opi­nião sua?

Se me per­gun­ta se fi­quei par­ti­cu­lar­men­te fe­liz com a con­fe­rên­cia de im­pren­sa das au­to­ri­da­des por­tu­gue­sas a anun­ci­a­rem a Cham­pi­ons, re­pi­to o que já dis­se: eu não o te­ria fei­to. Su­po­nho, po­rém, que quem se lem­brou de di­zer es­sa coi­sa tão in­só­li­ta de que a Cham­pi­ons era um pré­mio pa­ra o pes­so­al de saú­de que es­te­ve — e con­ti­nua — na li­nha da fren­te foi o pri­mei­ro-mi­nis­tro.

Es­ta­mos a fa­lar do Pre­si­den­te: a que atri­bui que ele te­nha caí­do em er­ros de com­por­ta­men­to po­lí­ti­co tão inex­pli­cá­veis?

É evi­den­te que es­sa qua­ren­te­na, fei­ta por ele pró­prio se­gun­do umas re­gras que as pes­so­as ain­da não co­nhe­ci­am, não o fa­vo­re­ceu. Is­so é uma evi­dên­cia. O país ain­da não li­da­va com si­tu­a­ções se­me­lhan­tes.

Ape­sar do seu dis­cur­so sem­pre ra­ci­o­nal­men­te fa­vo­rá­vel so­bre o Pre­si­den­te, si­tu­an­do-o “no la­do cer­to das coi­sas”, e de achar que a di­rei­ta mo­de­ra­da lhe de­ve is­so, in­sis­to: Mar­ce­lo não pa­re­ce ter si­do mais cúm­pli­ce da es­quer­da do que aten­to ao cen­tro e à di­rei­ta?

O fac­to de o Pre­si­den­te ser uma pes­soa hi­pe­rac­ti­va tem co­mo con­sequên­cia uma con­fu­são en­tre a for­ma e o fun­do: a abun­dân­cia da for­ma não per­mi­te per­ce­ber com ni­ti­dez a re­le­vân­cia do fun­do

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca tem, en­tre ou­tros po­de­res, um po­der que é nu­cle­ar: a dis­so­lu­ção do Par­la­men­to. Mas es­se só o po­de­rá exer­cer com a con­vic­ção de que a sua in­ter­pre­ta­ção dos fac­tos não irá de­pois ser de­sau­to­ri­za­da pe­lo país.

Mas quem fa­la em dis­so­lu­ção? Re­fe­ria-me ape­nas ao pos­sí­vel de­se­qui­lí­brio na aten­ção do Pre­si­den­te, en­tre a sua di­rei­ta e a sua es­quer­da. Ou per­cep­ci­o­na­do co­mo tal por es­ses mes­mos sec­to­res — e sa­be Deus o va­lor da per­cep­ção em po­lí­ti­ca!

Re­cor­do os po­de­res pre­si­den­ci­ais, co­me­çan­do pe­lo mais for­te. Há, po­rém, um ou­tro po­der — mais im­por­tan­te quan­do se tra­ta de leis do Go­ver­no do que leis do Par­la­men­to —, que são os ve­tos. A mim não me in­te­res­sa mui­to sa­ber se o Pre­si­den­te ac­tu­al fez mais ou me­nos ve­tos do que o an­te­ri­or, im­por­ta-me ana­li­sar se eles re­ve­lam al­gu­ma coi­sa. Os ve­tos do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, no es­sen­ci­al, têm que ver com a con­ten­ção de uma ten­dên­cia do Go­ver­no pa­ra res­trin­gir a pos­si­bi­li­da­de de o Es­ta­do fa­zer con­ces­sões ou pri­va­ti­za­ções, em áre­as em que es­se mes­mo Es­ta­do não tem nem a com­pe­tên­cia, nem a ca­pa­ci­da­de pa­ra ge­rir.

Lo­go no iní­cio, hou­ve o ve­to às con­ces­sões dos trans­por­tes pú­bli­cos no Por­to e em Lis­boa, nas áre­as me­tro­po­li­ta­nas. Es­ses ve­tos fo­ram co­e­ren­tes com uma de­cla­ra­ção re­cen­te, se­gun­do a qual ele não te­ria as­si­na­do a na­ci­o­na­li­za­ção da TAP. De­pois hou­ve a saú­de e va­le a pe­na lem­brar que a Lei de Ba­ses pas­sou por um lon­go pro­ces­so ne­go­ci­al, pú­bli­co e não pú­bli­co, em

Belém...

Es­se “não pú­bli­co” pres­su­põe que hou­ve uma la­bo­ri­o­sa in­ter­ven­ção do Pre­si­den­te?

Sim, nu­ma lei que ele só as­si­na após ob­ter o com­pro­mis­so de que as ac­tu­ais con­ces­sões da saú­de se po­dem re­no­var. O que me pa­re­ce nes­tes ve­tos é que quan­do a “ge­rin­gon­ça” quis dar uma gui­na­da mais à es­quer­da, do pon­to de vis­ta dou­tri­ná­rio, não te­ve a co­la­bo­ra­ção de Belém. Por is­so lem­brei a im­por­tân­cia dos ve­tos. E tal­vez por is­so o mi­nis­tro das In­fra-Es­tru­tu­ras di­ga que não vo­ta ne­le…

... eu ape­nas evo­ca­va gen­te de di­rei­ta que se con­si­de­ra pou­co re­pre­sen­ta­da, mes­mo ou ape­sar dos ve­tos.

Sim, con­cor­do que, de um pon­to de vis­ta da per­cep­ção pú­bli­ca, o Pre­si­den­te de­va cul­ti­var uma re­la­ção mais fran­ca, mais pró­xi­ma e equi­li­bra­da com es­ses sec­to­res. Bas­ta olhar pa­ra a te­o­ria dos ci­clos.

Po­de de­sen­vol­ver is­so?

Se­gun­do a te­o­ria dos ci­clos po­lí­ti­cos, é mui­to pro­vá­vel que no se­gun­do man­da­to do Pre­si­den­te ve­nha a ocor­rer o de­clí­nio do ci­clo da es­quer­da po­lí­ti­ca em Portugal. O cen­tro-di­rei­ta e a di­rei­ta ten­de­rão a subir, o cen­tro-es­quer­da e a es­quer­da ten­de­rão a de­cli­nar. E ele te­rá de es­tar aten­to. É o que me pa­re­ce nor­mal que acon­te­ça. O pri­mei­ro-mi­nis­tro já exer­ceu o car­go qu­a­tro anos, já ga­nhou elei­ções pa­ra ou­tros qu­a­tro e em prin­cí­pio, em Portugal, co­mo bem sa­be­mos, os ci­clos po­lí­ti­cos não du­ram mais do que du­as le­gis­la­tu­ras.

E?

E, por­tan­to, é na­tu­ral que a mu­dan­ça de ci­clo acon­te­ça no se­gun­do man­da­to que aí vem. O que obri­ga­rá o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca a ter uma mai­or aten­ção ou, co­mo diz, um afec­to mais aten­to.

A pro­pó­si­to de aten­ção: não ca­be­ria ao Pre­si­den­te ter acau­te­la­do ou res­pei­ta­do, a he­ran­ça do Go­ver­no da co­li­ga­ção che­fi­a­da por Pas­sos Co­e­lho — e do qual foi vice-pri­mei­ro-mi­nis­tro? Não te­rá ele con­sen­ti­do — pe­la omis­são — a nar­ra­ti­va fic­ci­o­nal que por aí an­da?

Con­cor­do. Ter-lhe-ia fi­ca­do bem su­bli­nhar is­so mais ve­zes. Acho sin­ce­ra­men­te que o país te­ria be­ne­fi­ci­a­do se o Pre­si­den­te ti­ves­se ex­pli­ca­do com mais frequên­cia que em 2011 Portugal ti­nha caí­do nu­ma si­tu­a­ção de in­sol­vên­cia se­gui­da do ve­xa­me de pe­dir aju­da ex­ter­na; que os portuguese­s fi­ze­ram

sa­cri­fí­ci­os re­le­van­tes pa­ra re­sol­ver uma si­tu­a­ção cri­a­da por uma eli­te po­lí­ti­ca ir­res­pon­sá­vel; que o tra­ba­lho efec­tu­a­do pe­la co­li­ga­ção lo­grou re­sul­ta­dos. Mar­ce­lo fê-lo al­gu­mas ve­zes, não lhe fi­ca­va mal ter fei­to mais al­gu­mas...

Mais al­gu­mas re­vi­sões des­sa con­cre­ta ma­té­ria?

Sim. Por­que foi pre­ci­sa­men­te o le­ga­do dei­xa­do pe­lo Go­ver­no de Pe­dro Pas­sos Co­e­lho — um dé­fi­ce de 3% — que per­mi­tiu de­pois fa­zer o ca­mi­nho pa­ra o su­pe­ra­vit.

Lem­bro-me bem de que re­ce­be­mos um dé­fi­ce de 11,7%, e que em re­ces­são é con­si­de­ra­vel­men­te mais di­fí­cil bai­xá-lo pa­ra 3%. De res­to, o cres­ci­men­to e a que­da do de­sem­pre­go co­me­ça­ram no fi­nal de 2013. Te­ria si­do im­por­tan­te lem­brá-lo pa­ra que a nar­ra­ti­va não só fi­cas­se com­ple­ta co­mo fos­se isen­ta. O pro­gra­ma de ajus­ta­men­to ter­mi­nou sem pro­gra­ma cau­te­lar, já com a eco­no­mia a cres­cer e o de­sem­pre­go a bai­xar, am­pa­ra­dos nas re­for­mas fei­tas pa­ra ob­ter mais f exi­bi­li­da­de no nos­so sis­te­ma la­bo­ral e mais atrac­ti­vi­da­de nos in­ves­ti­men­tos em Portugal. Em re­su­mo: ab­so­lu­ta­men­te na­da do que acon­te­ceu a se­guir, do pon­to de vis­ta do re­la­to do­mi­nan­te, te­ria si­do pos­sí­vel sem is­to que aca­bo de lem­brar.

O que me le­va a per­gun­tar-lhe en­tão se o Pre­si­den­te não de­ve­ria por ve­zes ter si­do me­nos re­ce­o­so na sua ma­gis­tra­tu­ra de in­fluên­cia.

A ver­da­de é que Mar­ce­lo não re­ce­ou uma can­di­da­tu­ra pen­sa­da, mas de re­sul­ta­do in­cer­to. Di­fe­ren­te é que­rer dei­xar uma mar­ca de es­ta­bi­li­da­de e de con­ver­gên­cia. Pa­re­ce-me que quis e quer. Em to­do o ca­so, de­ve­mos ter pre­sen­te que a tra­di­ção e a ló­gi­ca dos se­gun­dos man­da­tos apon­tam pa­ra uma mai­or in­ter­ven­ção do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Dá-se a coin­ci­dên­cia de o tem­po po­lí­ti­co da ac­tu­al mai­o­ria ter so­fri­do uma ace­le­ra­ção e um des­gas­te. Pa­re­ce que as elei­ções fo­ram há mui­to tem­po, mas fo­ram ape­nas há um ano. Mar­ce­lo te­rá de usar mui­ta sa­be­do­ria pa­ra ge­rir o que aí vem.

Vi­ve­mos um “tem­po di­gi­tal”. Is­so po­de ser uma ex­pli­ca­ção pa­ra o uso e abu­so das sel­fi­es pre­si­den­ci­ais? Ou se­ja, Mar­ce­lo, per­ce­ben­do o ar do tem­po, usou-o a seu fa­vor?

Cu­ri­o­sa­men­te, Mar­ce­lo es­co­lheu as sel­fi­es

co­mo mar­ca, mas is­so tem mais que ver com a ima­gem do que com a pa­la­vra. Mas a pro­pó­si­to, há uma coi­sa que é pre­ci­so lem­brar: Mar­ce­lo é Pre­si­den­te num con­tex­to com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te do dos seus an­te­ces­so­res: é-o em ple­no au­ge da “de­mo­cra­cia di­gi­tal”. Ora, eu sou bas­tan­te cép­ti­co so­bre o efei­to das van­guar­das or­ga­ni­za­das nas re­des so­ci­ais. Pro­me­tem na­da me­nos do que a vir­tu­de ou na­da mais do que a re­vo­lu­ção (to­dos os di­as e a

Mar­ce­lo pre­pa­rou-se pa­ra ser uma ins­ti­tui­ção

DA­NI­EL RO­CHA

JOÃO RELVAS/LU­SA

“Afri­ca­nis­tas”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.