An­tó­nio Cos­ta e Ca­ta­ri­na Mar­tins ain­da não che­ga­ram a acor­do so­bre o “grau de com­pro­mis­so”

Pri­mei­ro-mi­nis­tro saiu da ron­da de ne­go­ci­a­ções com ga­ran­ti­as de que te­rá por­tas aber­tas pa­ra fa­lar. E na­da mais, no ca­so do PCP. Mas vai con­ti­nu­ar a dis­cu­tir grau de com­pro­mis­so com o Blo­co Sou mes­mo ag­nós­ti­co quan­to à for­ma [do acor­do] An­tó­nio Cos­ta Pr

Edição Público Lisboa - - PRIMEIRA PÁGINA - Liliana Valente [email protected]­bli­co.pt

No fi­nal da ron­da pe­los cin­co par­ti­dos com que de­ci­diu fa­lar, An­tó­nio Cos­ta era on­tem um pri­mei­ro-mi­nis­tro que ga­ran­tia que ti­nha “es­ta­bi­li­da­de” pa­ra go­ver­nar, mas ain­da não é cer­to se te­rá al­gum acor­do que lhe ga­ran­ta a es­ta­bi­li­da­de gra­va­da na pe­dra ou se irá go­ver­nan­do so­zi­nho, ne­go­ci­an­do ca­so a ca­so. Nos pró­xi­mos di­as vai man­ter con­ver­sas com o Blo­co de Es­quer­da, com o PEV e com o PAN. O BE foi o úni­co par­ti­do que propôs a An­tó­nio Cos­ta que pro­cu­rem um acor­do “com ho­ri­zon­te de le­gis­la­tu­ra”. O PCP sal­tou fo­ra da “ge­rin­gon­ça” e re­jei­tou qual­quer pos­si­bi­li­da­de de acor­do que os vin­cu­le a qua­tro anos: “Da­qui a qua­tro anos não sei se es­ta­mos to­dos vi­vos”, re­su­miu as­sim Je­ró­ni­mo de Sou­sa.

De­pois de pas­sar pe­las vá­ri­as se­des dos par­ti­dos, Cos­ta não mos­tra­va pu­bli­ca­men­te “pre­fe­rên­cia” por ne­nhu­ma das pos­si­bi­li­da­des que tem à fren­te. Pas­sou a ser “ag­nós­ti­co” em re­la­ção à for­ma que pos­sam as­su­mir even­tu­ais en­ten­di­men­tos, de­pois de ou­vir o PCP di­zer que não quer nem acor­dos es­cri­tos nem ver­bais e que ape­nas tem dis­po­ni­bi­li­da­de pa­ra ne­go­ci­ar ca­so a ca­so, a co­me­çar já com o Or­ça­men­to do Es­ta­do pa­ra o pró­xi­mo ano.

O re­su­mo de Cos­ta é que não im­por­ta o mo­de­lo de en­ten­di­men­to. Diz que re­ce­beu ga­ran­ti­as de to­dos que há “von­ta­de cla­ra de que o país vi­va qua­tro anos de es­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca” e is­so che­ga-lhe. “A pos­si­bi­li­da­de de ha­ver en­ten­di­men­tos com uns ou com ou­tros é al­go que es­tá em aber­to. Em to­dos, en­con­trá­mos dis­po­ni­bi­li­da­de pa­ra tra­ba­lhar e pro­cu­rar­mos graus de en­ten­di­men­to. Uns à par­ti­da pa­ra qua­tro anos, ou­tros só pas­so a pas­so”, dis­se. É aqui que en­tram as di­fe­ren­ças en­tre PCP e BE. Es­te úl­ti­mo propôs-lhe mais.

Ca­ta­ri­na Mar­tins apre­sen­tou a An­tó­nio Cos­ta uma pro­pos­ta pa­ra um “en­ten­di­men­to ini­ci­al” que pos­sa ter tradução “no pro­gra­ma de Go­ver­no”, que “ga­ran­ta es­ta­bi­li­da­de à vi­da das pes­so­as” e que “re­for­ce uma so­lu­ção po­lí­ti­ca de ho­ri­zon­te de le­gis­la­tu­ra”. A co­or­de­na­do­ra do BE es­pe­ra ago­ra a res­pos­ta do PS, que fi­cou de ana­li­sar o ca­der­no de en­car­gos. Um acor­do pa­ra qua­tro anos de Go­ver­no “vai de­pen­der da con­ver­gên­cia” que o par­ti­do al­can­çar com os so­ci­a­lis­tas nas ma­té­ri­as que con­si­de­ra es­sen­ci­ais.

Na prá­ti­ca, o que o BE pro­põe é que o acor­do es­cri­to se­ja se­me­lhan­te ao que acon­te­ceu em 2015. “Há qua­tro anos, o acor­do que foi fei­to foi um acor­do que fi­cou plas­ma­do no pro­gra­ma do Go­ver­no e que ti­nha lo­go o ho­ri­zon­te das vá­ri­as me­di­das com o con­tri­bu­to dos par­ti­dos que cons­ti­tuí­ram a mai­o­ria par­la­men­tar que veio a apro­var os or­ça­men­tos”, lem­brou Ca­ta­ri­na Mar­tins.

Pa­ra o Blo­co de Es­quer­da, es­sa é a so­lu­ção de en­ten­di­men­to ide­al. Aos jor­na­lis­tas, a lí­der blo­quis­ta re­pe­tiu aque­la que con­si­de­ra ser a fór­mu­la que ga­ran­te a re­pe­ti­ção des­sa es­ta­bi­li­da­de: um acor­do que es­te­ja ins­cri­to no pro­gra­ma do Go­ver­no e que, con­se­quen­te­men­te, in­clua o “ca­der­no de en­car­gos” de­fen­di­do pe­lo Blo­co de Es­quer­da des­de a noi­te elei­to­ral. Se es­te acor­do falhar, o Blo­co não fe­cha a por­ta a ne­go­ci­ar or­ça­men­to a or­ça­men­to, lei a lei.

PAN e PEV à me­sa

Qual se­rá o o grau de con­ver­gên­cia e quais as ma­té­ri­as a in­cluir num en­ten­di­men­to com o PAN é al­go que ain­da não se sa­be, mas se­rá mais um par­ti­do com que o PS irá fa­lar. As con­clu­sões so­bre as con­ver­sas com es­te par­ti­do ficaram adi­a­das pa­ra a pró­xi­ma se­ma­na. Pa­ra já, An­dré Sil­va dis­se que “não fi­cou na­da fe­cha­do nem na­da de­fi­ni­do”. Mas Cos­ta viu nes­ta aber­tu­ra do PAN a pos­si­bi­li­da­de de um en­ten­di­men­to com vis­ta a um “acor­do com pers­pec­ti­va de le­gis­la­tu­ra”, mes­mo que se­jam as li­nhas ge­rais de­pois ne­go­ci­a­das pon­tu­al­men­te. Na ver­da­de, o que há qua­tro anos fez com os par­ti­dos da “ge­rin­gon­ça”. A An­tó­nio Cos­ta, An­dré Sil­va pro­me­teu “apoi­os pon­tu­ais” com o PS, quer “em pro­ces­so le­gis­la­ti­vo ex­tra­or­di­ná­rio ou ao ní­vel de Or­ça­men­to de Es­ta­do”.

Nos pró­xi­mos di­as acon­te­ce­rão tam­bém con­ver­sas com Os Ver­des. An­tó­nio Cos­ta saiu sa­tis­fei­to do en­con­tro e afir­mou que “fi­cou in­di­ci­a­da a ideia” de que é pos­sí­vel “man­ter a prá­ti­ca de apre­ci­a­ções con­jun­tas pré­vi­as de pro­pos­tas de Or­ça­men­to do Es­ta­do ( OE), de mo­ções de cen­su­ra e pro­gra­mas de Go­ver­no”, dis­se. Ou se­ja, ma­té­ri­as de que de­pen­da a so­bre­vi­vên­cia do exe­cu­ti­vo, sem que ha­ja ne­ces­si­da­de de pa­pel es­cri­to. A “mo­e­da de tro­ca” é que o PEV ve­ja in­cluí­das no pro­gra­ma de Go­ver­no so­ci­a­lis­ta e nos fu­tu­ros or­ça­men­tos do Es­ta­do al­gu­mas me­di­das que con­si­de­ra es­sen­ci­ais - e es­se tra­ba­lho te­rá de co­me­çar nos pró­xi­mos di­as, afir­mou José Luís Fer­rei­ra, di­ri­gen­te do PEV.

Avaliando to­das as hi­pó­te­ses, An­tó­nio Cos­ta, não quer de­mo­rar

mais de um mês, co­mo há um ano, pa­ra ter a equi­pa for­ma­da e pro­gra­ma apre­sen­ta­do. O “qu­a­dro po­lí­ti­co é dis­tin­to”, re­fe­riu por vá­ri­as ve­zes. O ti­ming en­tre apu­ra­men­to de re­sul­ta­dos e to­ma­da de pos­se da As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca fa­rá com que a Cos­ta de­va apre­sen­tar o no­vo exe­cu­ti­vo ao Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca a par­tir de dia 21 de Ou­tu­bro, o que faz com que o pro­gra­ma de Go­ver­no te­nha de ser apre­sen­ta­do até ao fi­nal do mês. “A mi­nha ideia é ter tu­do pre­pa­ra­do pa­ra, as­sim que a As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca es­te­ja cons­ti­tuí­da, po­der apre­sen­tar ao Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca a com­po­si­ção do pró­xi­mo Go­ver­no”. Es­te ca­len­dá­rio dá a am­bos os la­dos da ne­go­ci­a­ção um pra­zo fi­nal.

PCP ana­li­sa­rá OE ano a ano

Se An­tó­nio Cos­ta ti­nha es­pe­ran­ça de que o PCP des­se um pas­so na sua di­rec­ção, de­pois de, no do­min­go, Je­ró­ni­mo de Sou­sa ter lo­go avi­sa­do que não se re­pe­ti­ria a “ce­na do pa­pel” e que iria ana­li­sar ca­da pro­pos­ta do PS e de­ci­di­ria com “li­ber­da­de”, ela des­va­ne­ceu-se na ho­ra e 15 mi­nu­tos que du­rou a reu­nião na So­ei­ro Pe­rei­ra Go­mes. O lí­der co­mu­nis­ta não te­rá di­to aos so­ci­a­lis­tas na­da de no­vo em re­la­ção ao que ti­nham si­do as con­clu­sões do co­mi­té cen­tral do PCP que di­vul­ga­ra de ma­nhã: com­pro­mis­sos es­cri­tos não fa­zem sen­ti­do ho­je. Mai­or trans­pa­rên­cia se­rá di­fí­cil.

“Res­pei­ta­mos os par­ti­dos que en­ten­dem que é útil que ha­ja acor­do es­cri­to e tam­bém os par­ti­dos que en­ten­dem que não é útil que ha­ja acor­do es­cri­to. Não tra­ba­lha­re­mos pre­fe­ren­ci­al­men­te com ne­nhum dos par­ti­dos com quem te­mos con­tac­tos ao lon­go do dia de ho­je”, pro­me­teu An­tó­nio Cos­ta à saí­da da reu­nião.

Cos­ta já sa­be com o que con­ta: o pro­gra­ma de Go­ver­no e os or­ça­men­tos se­rão ana­li­sa­dos ca­so a ca­so e, se o PCP pro­me­te con­tri­buir de for­ma “in­ter­ven­ti­va” pa­ra os se­gun­dos, o pri­mei­ro do­cu­men­to é uma “res­pon­sa­bi­li­da­de” ex­clu­si­va do exe­cu­ti­vo – mas que te­rá de ter “li­nhas de ori­en­ta­ção e so­lu­ções acei­tá­veis”, avi­sou Je­ró­ni­mo. Que tam­bém si­na­li­zou que es­sa aná­li­se se­rá fei­ta à luz do que o PCP con­si­de­ra os ei­xos cen­trais pa­ra uma “po­lí­ti­ca pa­trió­ti­ca e de es­quer­da”. Ei­xos que in­clu­em a “li­ber­ta­ção do país da sub­mis­são ao eu­ro” e a re­ne­go­ci­a­ção da dí­vi­da, o con­tro­lo pú­bli­co da ban­ca e de ou­tros sec­to­res es­tra­té­gi­cos (três te­mas que o lí­der co­mu­nis­ta mal aflo­rou na cam­pa­nha), a va­lo­ri­za­ção dos sa­lá­ri­os e dos tra­ba­lha­do­res as­sim co­mo da pro­du­ção na­ci­o­nal, a me­lho­ria dos ser­vi­ços pú­bli­cos, uma po­lí­ti­ca fis­cal mais jus­ta e uma jus­ti­ça aces­sí­vel a to­dos. “É a par­tir da­qui que o PCP pro­po­rá e se po­si­ci­o­na­rá pa­ra ava­li­ar as pro­pos­tas do PS”, dis­se. A fas­quia es­tá al­ta, o re­ca­do da­do e a por­ta fe­cha­da até ao OE.

Tam­bém o Li­vre se co­lo­cou de fo­ra de um en­ten­di­men­to bi­la­te­ral, só es­tan­do dis­po­ní­vel pa­ra dar apoio par­la­men­tar ao Go­ver­no, se hou­ver acor­dos mul­ti­la­te­rais, com vá­ri­os par­ti­dos. “Con­si­de­ra­mos ab­so­lu­ta­men­te ne­ces­sá­rio que ha­ja uma con­ti­nu­a­ção de uma con­ver­gên­cia”, afir­mou Jo­a­ci­ne Ka­tar-Mo­rei­ra. Por is­so, o Li­vre de­cla­rou-se dis­po­ní­vel pa­ra “par­ti­ci­par nu­ma união à es­quer­da”, des­de que es­ta “se­ja uma união mul­ti­par­ti­dá­ria”. com Maria Lo­pes e Liliana Bor­ges

FO­TOS: RUI GAUDÊNCIO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.