Com­ba­te à se­ca no Sul vai con­tar com no­vo fun­do da UE

Co­mis­sá­ria pa­ra a Co­e­são e Re­for­mas apre­sen­tou o Me­ca­nis­mo pa­ra a Tran­si­ção Jus­ta pa­ra apoi­ar re­giões mais afec­ta­das pe­la tran­si­ção pa­ra a neu­tra­li­da­de car­bó­ni­ca

Edição Público Lisboa - - PRIMEIRA PÁGINA - Rita Si­za rita.si­[email protected]­bli­co.pt

Co­mis­sá­ria Eli­sa Fer­rei­ra apre­sen­tou no­vo fun­do des­ti­na­do a pro­mo­ver a des­car­bo­ni­za­ção. Go­ver­no quer usá-lo no com­ba­te aos efei­tos da se­ca ou no fe­cho ho das cen­trais ais do Pe­go e Si­nes

Os pro­jec­tos re­gi­o­nais que pro­mo­vam a re­con­ver­são de uni­da­des in­dus­tri­ais de ele­va­da in­ten­si­da­de de emis­sões de CO2 tais co­mo, por exem­plo, cen­trais ter­mo­e­léc­tri­cas, mi­nas, re­fi­na­ri­as ou si­de­rur­gi­as te­rão a pri­o­ri­da­de no aces­so às ver­bas do Me­ca­nis­mo pa­ra a Tran­si­ção Jus­ta, o no­vo ins­tru­men­to fi­nan­cei­ro de­se­nha­do pe­la Co­mis­são Eu­ro­peia pa­ra res­pon­der às ne­ces­si­da­des es­pe­cí­fi­cas de “rein­ven­ção” das re­giões cu­ja eco­no­mia as­sen­ta na ex­plo­ra­ção de re­cur­sos fós­seis — e que fi­ca­rá sob a tu­te­la da co­mis­sá­ria eu­ro­peia pa­ra a Co­e­são e Re­for­mas, Eli­sa Fer­rei­ra.

As re­giões da Si­lé­sia, na Po­ló­nia, e da Ma­ce­dó­nia Oci­den­tal, na Gré­cia, cu­jas po­pu­la­ções de­pen­dem da ac­ti­vi­da­de das mi­nas de car­vão, ou ain­da a re­gião de Ta­ren­to, em Itá­lia, on­de a mai­or si­de­rur­gia da Eu­ro­pa ocu­pa uma ex­ten­são de 15 qui­ló­me­tros, são can­di­da­tas na­tu­rais ao fi­nan­ci­a­men­to atra­vés des­te no­vo me­ca­nis­mo, que de­ve­rá ca­na­li­zar até 100 mil mi­lhões de eu­ros pa­ra pro­jec­tos de des­car­bo­ni­za­ção de pro­ces­sos in­dus­tri­ais, re­ge­ne­ra­ção am­bi­en­tal e de­sen­vol­vi­men­to da eco­no­mia cir­cu­lar.

Por­tu­gal po­de­rá con­cor­rer a es­tes fun­dos pa­ra con­cluir o pro­ces­so de fe­cho das cen­trais a car­vão do Pe­go e de Si­nes, que o Go­ver­no já pôs em mar­cha e de­ve­rá es­tar con­cluí­do em 2021 e 2023, res­pec­ti­va­men­te. Mas po­de­rá ain­da be­ne­fi­ci­ar des­tes apoi­os apre­sen­tan­do pro­jec­tos pa­ra a re­con­ver­são das zo­nas pro­du­ti­vas com­pro­me­ti­das pe­la de­ser­ti­fi­ca­ção no Sul do país, por exem­plo pa­ra a pro­mo­ção de uma al­te­ra­ção dos mé­to­dos de cul­ti­vo com no­vos sis­te­mas de ir­ri­ga­ção des­ti­na­dos a au­men­tar a efi­ci­ên­cia da uti­li­za­ção dos re­cur­sos e re­du­zir o con­su­mo de água.

A União Eu­ro­peia re­co­nhe­ce que nes­ses ter­ri­tó­ri­os — hots­pots, na des­cri­ção dos téc­ni­cos — a con­cre­ti­za­ção do ob­jec­ti­vo de­cla­ra­do do Pac­to Ver­de de al­can­çar a neu­tra­li­da­de cli­má­ti­ca do con­ti­nen­te em 2050 te­rá cus­tos mui­to mais sig­ni­fi­ca­ti­vos do que nou­tras áre­as ge­o­grá­fi­cas on­de a tran­si­ção ener­gé­ti­ca não co­lo­ca um de­sa­fio “exis­ten­ci­al”. “Te­mos de ad­mi­tir e res­pei­tar o fac­to de que nem to­dos dis­põem das mes­mas con­di­ções à par­ti­da. Al­guns vão ne­ces­si­tar de um apoio mais adap­ta­do do que ou­tros pa­ra cum­prir a nos­sa am­bi­ção”, no­tou fonte da Co­mis­são.

Co­mo ex­pli­cou a co­mis­sá­ria por­tu­gue­sa, que apre­sen­tou a fi­lo­so­fia e a con­fi­gu­ra­ção do no­vo Me­ca­nis­mo de Tran­si­ção Jus­ta, on­tem no Par­la­men­to Eu­ro­peu, o ob­jec­ti­vo é “aju­dar os paí­ses a ata­ca­rem es­tes pro­ble­mas de ajus­ta­men­to ao no­vo mo­do de pro­du­zir, que vai li­ber­tar mui­ta mão-de­o­bra e ter im­pac­tos sé­ri­os de re­con­ver­são, e por­tan­to con­tri­buir pa­ra a re­du­ção dos im­pac­tos so­ci­ais e re­gi­o­nais”. “To­dos os paí­ses vão ter aces­so a es­tes fun­dos”, mas a dis­tri­bui­ção do dinheiro se­rá “proporcion­al à di­men­são do pro­ble­ma vis­to do pon­to de vis­ta do im­pac­to re­gi­o­nal ou lo­cal das al­te­ra­ções pro­du­ti­vas de des­car­bo­ni­za­ção”, com­ple­tou Eli­sa Fer­rei­ra, em de­cla­ra­ções aos jor­na­lis­tas por­tu­gue­ses em Es­tras­bur­go.

Um bi­lião pa­ra in­ves­ti­men­to

O fi­nan­ci­a­men­to se­rá dis­po­ni­bi­li­za­do atra­vés de um no­vo Fun­do pa­ra a Tran­si­ção Jus­ta (com um en­ve­lo­pe de 30 a 50 mil mi­lhões de eu­ros); de um es­que­ma de­di­ca­do à tran­si­ção den­tro do pro­gra­ma de pro­mo­ção do in­ves­ti­men­to In­vestEU (que ca­na­li­za­rá 45 mil mi­lhões de eu­ros); e ain­da com a aber­tu­ra de uma li­nha de cré­di­to do Ban­co Eu­ro­peu de In­ves­ti­men­to pa­ra fo­men­tar o fi­nan­ci­a­men­to do sec­tor pú­bli­co (no va­lor de 25 a 30 mil mi­lhões de eu­ros).

Mas es­se não é o úni­co dinheiro dis­po­ní­vel pa­ra a adap­ta­ção da eco­no­mia eu­ro­peia ao no­vo pa­ra­dig­ma ver­de de­fen­di­do pe­la pre­si­den­te da Co­mis­são. Num si­nal do seu com­pro­mis­so fi­nan­cei­ro com o pac­to eco­ló­gi­co que Ur­su­la von der Leyen des

Dis­tri­bui­ção do dinheiro se­rá proporcion­al à di­men­são do pro­ble­ma vis­to do pon­to de vis­ta do im­pac­to re­gi­o­nal Eli­sa Fer­rei­ra

cre­veu co­mo a no­va es­tra­té­gia de cres­ci­men­to da UE, o exe­cu­ti­vo de­se­nhou um vas­to Pla­no Eu­ro­peu pa­ra o In­ves­ti­men­to Sus­ten­tá­vel pa­ra mo­bi­li­zar um bi­lião de eu­ros a dez anos.

Cer­ca de 60% des­se mon­tan­te se­rá dinheiro pú­bli­co, vin­do do or­ça­men­to co­mu­ni­tá­rio ou dos Es­ta­dos-mem­bros. Os res­tan­tes 40% se­rão ar­re­ca­da­dos pe­lo sec­tor pri­va­do, que be­ne­fi­ci­a­rá de ga­ran­ti­as subs­cri­tas pe­la União Eu­ro­peia pa­ra ala­van­car in­ves­ti­men­tos que es­te­jam em con­for­mi­da­de com os ob­jec­ti­vos cli­má­ti­cos. E ape­sar da gran­de­za dos nú­me­ros, Bru­xe­las fez sa­ber que um bi­lião de eu­ros não é su­fi­ci­en­te pa­ra res­pon­der às ne­ces­si­da­des: só pa­ra ga­ran­tir as me­tas de cor­te de emis­sões até 2030, se­ria pre­ci­so um in­ves­ti­men­to adi­ci­o­nal de 260 mil mi­lhões de eu­ros por ano, com um va­lor da mes­ma or­dem a ser ne­ces­sá­rio pa­ra aten­der a ou­tros de­sa­fi­os am­bi­en­tais co­mo a per­da da bi­o­di­ver­si­da­de ou a po­lui­ção do ar.

Efei­to mul­ti­pli­ca­dor

A cons­ti­tui­ção do no­vo Fun­do pa­ra a Tran­si­ção Jus­ta (FTJ) vai exi­gir a ins­cri­ção de mais 7,5 mil mi­lhões de eu­ros no or­ça­men­to da UE pa­ra os pró­xi­mos se­te anos, uma vez que es­te ins­tru­men­to não es­ta­va pre­vis­to na pro­pos­ta de qua­dro plu­ri­a­nu­al di­vul

ga­da em Abril de 2018 pe­lo an­te­ri­or exe­cu­ti­vo co­mu­ni­tá­rio (num to­tal de 1,279 bi­liões de eu­ros).

Os Es­ta­dos-mem­bros ain­da não se con­se­gui­ram en­ten­der quan­to ao mon­tan­te glo­bal do qua­dro plu­ri­a­nu­al, mas a Co­mis­são não es­pe­ra que o fi­nan­ci­a­men­to do FJT se re­ve­le con­tro­ver­so. “Es­te é um bom exem­plo de co­mo é pos­sí­vel mo­der­ni­zar o or­ça­men­to e fa­ci­li­tar a con­ver­gên­cia com um úni­co ins­tru­men­to. Da­da a pri­o­ri­da­de po­lí­ti­ca que foi da­da ao com­ba­te às al­te­ra­ções cli­má­ti­cas, e a pos­si­bi­li­da­de de aten­der às ra­zões tan­to dos con­tri­buin­tes lí­qui­dos co­mo dos ami­gos da co­e­são, acre­di­ta­mos que não se­rá di­fí­cil che­gar a acor­do du­ran­te as ne­go­ci­a­ções do qua­dro fi­nan­cei­ro plu­ri­a­nu­al”, dis­se­ram ao PÚ­BLI­CO fontes da Co­mis­são.

Mas o cha­ma­do “po­der de fo­go” do no­vo fun­do vai mui­to além da sua do­ta­ção fi­nan­cei­ra de 7,5 mil mi­lhões de eu­ros, de­ven­do atin­gir en­tre 30 e 50 mil mi­lhões de eu­ros por um efei­to mul­ti­pli­ca­dor: de acor­do com o re­gu­la­men­to, ca­da eu­ro de in­ves­ti­men­to do FJT se­rá “com­ple­men­ta­do” com um adi­ci­o­nal de 1,5 a três eu­ros pro­ve­ni­en­tes dos pro­gra­mas da po­lí­ti­ca de co­e­são — Fun­do Eu­ro­peu de De­sen­vol­vi­men­to Re­gi­o­nal e Fun­do So­ci­al Eu­ro­peu Mais — que se­rão trans­fe­ri­dos pe­los Es­ta­dos-mem­bros, jun­ta­men­te com o mon­tan­te cor­res­pon­den­te do co-fi­nan­ci­a­men­to na­ci­o­nal de ca­da pro­jec­to.

Pa­ra ter aces­so ao me­ca­nis­mo, os pro­jec­tos te­rão de ser ins­cri­tos nos pla­nos ter­ri­to­ri­ais de tran­si­ção jus­ta (NUTS 3, um ní­vel mais gra­nu­lar da po­lí­ti­ca de co­e­são), a apre­sen­tar pe­los Es­ta­dos-mem­bros até ao fi­nal de 2020. A Co­mis­são da­rá uma ajuda, atra­vés da dis­tri­bui­ção da sua aná­li­se, ori­en­ta­ções e su­ges­tões so­bre as áre­as ter­ri­to­ri­ais ele­gí­veis pa­ra os fun­dos de tran­si­ção jus­ta no âm­bi­to das re­co­men­da­ções es­pe­cí­fi­cas por país do Se­mes­tre Eu­ro­peu. Além dis­so, se­rá cri­a­da uma “pla­ta­for­ma pa­ra a tran­si­ção jus­ta”, pa­ra os Es­ta­dos-mem­bros tra­ba­lha­rem com a Co­mis­são pa­ra mon­tar os pla­nos ter­ri­to­ri­ais e com apoio téc­ni­co pa­ra a se­lec­ção dos pro­jec­tos.

Fle­xi­bi­li­da­de pa­ra re­gras

As can­di­da­tu­ras, ex­pli­ca­ram os téc­ni­cos en­vol­vi­dos na con­cep­ção do FTJ, po­de­rão va­ri­ar bas­tan­te em fun­ção das ne­ces­si­da­des iden­ti­fi­ca­das pa­ra ca­da uma das re­giões. O fun­do ser­ve pa­ra fi­nan­ci­ar pro­jec­tos em três di­men­sões: di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca e re­con­ver­são, com a cri­a­ção de no­vos pos­tos de tra­ba­lho; for­ma­ção e re­con­ver­são pro­fis­si­o­nal de tra­ba­lha­do­res em ris­co de per­der em­pre­go com a tran­si­ção eco­ló­gi­ca; e a tran­si­ção cli­má­ti­ca ou re­ge­ne­ra­ção am­bi­en­tal das re­giões on­de as ac­ti­vi­da­des no­ci­vas vão ser des­con­ti­nu­a­das.

A Co­mis­são de­se­nhou cin­co cri­té­ri­os pa­ra a alo­ca­ção das ver­bas (a in­ten­si­da­de das emis­sões de ga­ses com efei­tos de es­tu­fa do sec­tor in­dus­tri­al a ní­vel re­gi­o­nal; o em­pre­go em in­dús­tri­as de emis­sões ele­va­das, ou na ex­trac­ção de car­vão e lig­ni­te ou a pro­du­ção de tur­fa ou pe­tró­leo sha­le) mas co­mo no­tou um dos téc­ni­cos, na dis­tri­bui­ção do dinheiro “a ên­fa­se se­rá pos­ta na na­tu­re­za da tran­si­ção, que te­rá de ser mui­to sig­ni­fi­ca­ti­va em ter­mos de re­es­tru­tu­ra­ção e cri­a­ção de em­pre­go”, e tam­bém na “pro­xi­mi­da­de com o mer­ca­do”.

Pa­ra fa­ci­li­tar a exe­cu­ção dos pro­jec­tos, a Co­mis­são vai avan­çar com uma re­vi­são das re­gras de aju­das de Es­ta­do, que de­ve­rão ser “fle­xi­bi­li­za­das” pa­ra per­mi­tir al­guns apoi­os ac­tu­al­men­te ve­da­dos à po­lí­ti­ca de co­e­são.

ISNN-0872-1548

OLIVIER HOSLET/EPA

O Pac­to Ver­de é uma das pri­o­ri­da­des da Co­mis­são Eu­ro­peia li­de­ra­da por Ur­su­la von der Leyen

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.