John­son tra­va no­vo re­fe­ren­do à in­de­pen­dên­cia da Escócia

Pri­mei­ro-mi­nis­tro bri­tâ­ni­co en­vi­ou car­ta a Stur­ge­on, a di­zer que o re­fe­ren­do de 2014 só acon­te­ce “uma vez nu­ma ge­ra­ção”

Edição Público Lisboa - - PRIMEIRA PÁGINA - Rei­no Uni­do An­tó­nio Sa­rai­va Li­ma an­to­nio.li­[email protected]­bli­co.pt

Rei­no Uni­do e Escócia sem acor­do so­bre re­fe­ren­do à in­de­pen­dên­cia

O pri­mei­ro-mi­nis­tro bri­tâ­ni­co for­ma­li­zou on­tem a re­cu­sa do seu Go­ver­no em per­mi­tir que a Escócia re­a­li­ze no­vo re­fe­ren­do in­de­pen­den­tis­ta num fu­tu­ro pró­xi­mo. Em car­ta en­vi­a­da à pri­mei­ra-mi­nis­tra es­co­ce­sa, Ni­co­la Stur­ge­on, Bo­ris John­son lem­brou a re­jei­ção po­pu­lar à se­pa­ra­ção do Rei­no Uni­do em 2014 — por 55% —, de­cli­nan­do, ao mes­mo tem­po, a trans­fe­rên­cia de po­de­res pa­ra o Par­la­men­to es­co­cês po­der con­vo­car no­vos re­fe­ren­dos se­ces­si­o­nis­tas.

“A po­pu­la­ção es­co­ce­sa vo­tou de­ci­si­va­men­te na pro­mes­sa de man­ter o nos­so Rei­no Uni­do. O Go­ver­no bri­tâ­ni­co con­ti­nu­a­rá a de­fen­der es­sa de­ci­são de­mo­crá­ti­ca”, dis­se John­son nu­ma mis­si­va em que re­cor­da que Stur­ge­on e o seu an­te­ces­sor, Alex Sal­mond, “fi­ze­ram uma pro­mes­sa pes­so­al” de tra­tar o re­fe­ren­do de 2014 co­mo um even­to “que só acon­te­ce uma vez nu­ma ge­ra­ção”.

Em res­pos­ta, a lí­der do Par­ti­do

Na­ci­o­nal Es­co­cês (SNP) acu­sou o Par­ti­do Con­ser­va­dor de es­tar “ater­ro­ri­za­do” com a pos­si­bi­li­da­de de a Escócia “ter o di­rei­to a es­co­lher o seu pró­prio fu­tu­ro” e ga­ran­tiu que um no­vo re­fe­ren­do é uma “ine­vi­ta­bi­li­da­de”. “O pro­ble­ma do Go­ver­no bri­tâ­ni­co é que quan­to mais tem­po de­di­car a ten­tar blo­que­ar o re­fe­ren­do (…) mai­or se­rá o cres­ci­men­to do apoio à in­de­pen­dên­cia”, afir­mou. “A úni­ca ques­tão é sa­ber quan­to tem­po de­mo­ra­rá até que os to­ri­es e o res­to do sis­te­ma de West­mins­ter acei­tem es­ta ine­vi­ta­bi­li­da­de.”

A es­tra­té­gia da lí­der do SNP pa­ra a in­de­pen­dên­cia al­te­rou-se na sequên­cia do re­fe­ren­do de 2016 so­bre o “Bre­xit”. A Escócia vo­tou mai­o­ri­ta­ri­a­men­te pe­la per­ma­nên­cia na União Eu­ro­peia (62% con­tra 38%) e o par­ti­do acre­di­ta que a saí­da do Rei­no Uni­do do mer­ca­do úni­co cor­res­pon­de a um hard-“Bre­xit” que não cor­res­pon­de aos in­te­res­ses dos es­co­ce­ses.

A vi­tó­ria con­vin­cen­te dos to­ri­es nas le­gis­la­ti­vas de De­zem­bro tor­nou, no en­tan­to, ine­vi­tá­vel o divórcio com os 27, nos mol­des de­fi­ni­dos por John­son, com o aban­do­no de to­do o ter­ri­tó­rio bri­tâ­ni­co do mer­ca­do úni­co e da união adu­a­nei­ra eu­ro­peia.

Um des­fe­cho elei­to­ral que, ali­a­do ao ex­ce­len­te de­sem­pe­nho do SNP na mes­ma elei­ção, de­pois de fa­zer cam­pa­nha com a ban­dei­ra da in­de­pen­dên­cia — con­quis­tou 47 dos 59 lu­ga­res es­co­ce­ses na Câ­ma­ra dos Co­muns —, le­vou Stur­ge­on a de­cla­rar que tem ago­ra um man­da­to cla­ro pa­ra no­vo re­fe­ren­do. Na car­ta en­vi­a­da a John­son, a first mi­nis­ter es­co­ce­sa ane­xou um do­cu­men­to de 38 pá­gi­nas in­ti­tu­la­do “O di­rei­to da Escócia a es­co­lher”, on­de, pa­ra além de for­ma­li­zar o pe­di­do ao Par­la­men­to bri­tâ­ni­co pa­ra agen­dar no­vo re­fe­ren­do, exi­giu que es­se po­der fos­se trans­fe­ri­do de vez pa­ra Holy­ro­od — o Par­la­men­to em Edim­bur­go.

“Não pos­so con­cor­dar com qual­quer pe­di­do de trans­fe­rên­cia de po­de­res que pos­sam le­var a pos­te­ri­o­res re­fe­ren­dos in­de­pen­den­tis­tas”, res­pon­deu-lhe John­son na car­ta de on­tem: “Ou­tro re­fe­ren­do con­tri­bui­ria pa­ra a es­tag­na­ção po­lí­ti­ca que a Escócia tem en­fren­ta­do na úl­ti­ma dé­ca­da, on­de as es­co­las, os hos­pi­tais e os pos­tos de tra­ba­lho es­co­ce­ses têm si­do aban­do­na­dos por cau­sa da cam­pa­nha pa­ra a se­pa­ra­ção do Rei­no Uni­do.”

En­quan­to pre­pa­ra no­va in­ves­ti­da pa­ra al­can­çar o seu ob­jec­ti­vo, o SNP se­rá, na­tu­ral­men­te, um es­pec­ta­dor aten­to ao de­sen­ro­lar das ne­go­ci­a­ções en­tre Lon­dres e Bru­xe­las, ten­do em vis­ta um no­vo acor­do co­mer­ci­al en­tre o Rei­no Uni­do e a União Eu­ro­peia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.