Go­ver­no ain­da não pa­gou apoio aos fi­lhos de bom­bei­ros

Apoio fı­nan­cei­ro pa­ra edu­ca­ção de fı­lhos até 6 anos de bom­bei­ros vo­lun­tá­ri­os foi pro­mul­ga­do em Maio, mas ain­da não foi dis­po­ni­bi­li­za­da qual­quer ver­ba pa­ra es­se efei­to. Exe­cu­ti­vo não res­pon­deu ao PÚ­BLI­CO

Edição Público Lisboa - - PRIMEIRA PÁGINA - Lu­ci­a­no Al­va­rez lu­ci­a­no.al­va­[email protected]­bli­co.pt

Apoio fı­nan­cei­ro à edu­ca­ção dos fı­lhos de bom­bei­ros foi de­cre­ta­do em Maio

O Go­ver­no de­cre­tou, em Maio do ano pas­sa­do, a atri­bui­ção de be­ne­fí­ci­os so­ci­ais no âm­bi­to da edu­ca­ção aos fi­lhos dos bom­bei­ros vo­lun­tá­ri­os, mas, até ao mo­men­to, ain­da não dis­po­ni­bi­li­zou um cên­ti­mo pa­ra o fun­do que de­ve­ria pa­gar es­sas re­ga­li­as. Em cau­sa es­tá um uni­ver­so que en­vol­ve cer­ca de cin­co mil bom­bei­ros.

“Não en­trou nem um cên­ti­mo. Na­da, na­da, na­da”, as­se­gu­rou ao PÚ­BLI­CO Jai­me Mar­ta So­a­res, pre­si­den­te da Li­ga dos Bom­bei­ros Por­tu­gue­ses (LBP). Jai­me Mar­ta So­a­res acres­cen­ta que, “mais uma vez, o Go­ver­no pro­me­te, de­cre­ta e, de­pois, na­da faz pa­ra cum­prir o que acor­dou”. “Foi de­cre­ta­do em Maio do ano pas­sa­do es­se pa­ga­men­to, mas na­da foi re­gu­la­men­ta­do pa­ra que fos­se apli­ca­do. Só se fa­la em gru­pos de tra­ba­lho pa­ra co­me­çar a fa­zer os pa­ga­men­tos, mas na­da avan­ça”, sa­li­en­ta ain­da o pre­si­den­te da Li­ga dos Bom­bei­ros Por­tu­gue­ses.

De acor­do com Mar­ta So­a­res, es­ta ver­ba be­ne­fi­ci­a­ria um uni­ver­so de cer­ca de cin­co mil bom­bei­ros com fi­lhos me­no­res de seis anos e re­pre­sen­ta­ria uma des­pe­sa pa­ra o Es­ta­do de cer­ca de 2,5 mi­lhões de eu­ros por ano.

“Te­mos fei­to vá­ri­as re­cla­ma­ções, no­me­a­da­men­te jun­to do mi­nis­tro da Ad­mi­nis­tra­ção In­ter­na [Edu­ar­do Ca­bri­ta], que diz que quer avan­çar, que quer pa­gar, mas de­pois na­da faz pa­ra pa­gar. Em bre­ve va­mos ter mais uma reu­nião de um gru­po de tra­ba­lho, mas a ver­da­de é que o ano lec­ti­vo já co­me­çou e os bom­bei­ros vo­lun­tá­ri­os ain­da não re­ce­be­ram na­da do que têm di­rei­to”, acres­cen­ta o lí­der da LBP.

Jai­me Mar­ta So­a­res diz ain­da es­pe­rar que “es­te no­vo Go­ver­no cum­pra o que o an­te­ri­or Go­ver­no de­cre­tou” e que “a no­va se­cre­tá­ria de Es­ta­do da Pro­tec­ção Ci­vil [Patrícia Gas­par] te­nha po­der po­lí­ti­co pa­ra que os sub­sí­di­os aos bom­bei­ros vo­lun­tá­ri­os co­me­cem a ser pa­gos”.

O De­cre­to-lei n.º 64/2019 veio con­sa­grar a atri­bui­ção de no­vos be­ne­fí­ci­os so­ci­ais aos bom­bei­ros vo­lun­tá

“Não en­trou nem um cên­ti­mo. Na­da, na­da, na­da (...) Só se fa­la em gru­pos de tra­ba­lho pa­ra co­me­çar a fa­zer os pa­ga­men­tos, mas na­da avan­ça”, pro­tes­ta o pre­si­den­te da Li­ga dos Bom­bei­ros Por­tu­gue­ses, Jai­me Mar­ta So­a­res

ri­os, pro­ce­den­do à quar­ta al­te­ra­ção ao De­cre­to-lei n.º 241/2007, que de­fif ne o re­gi­me ju­rí­di­co apli­cá­vel aos bom­bei­ros por­tu­gue­ses no ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal.

O ar­ti­go 6.º (re­ga­li­as no âm­bi­to da edu­ca­ção) es­ta­be­le­ce que “os bom­bei­ros vo­lun­tá­ri­os dos qua­dros de co­man­do e ac­ti­vo têm di­rei­to ao re­em­bol­so de 50% das des­pe­sas su­por­ta­das com ber­çá­ri­os, cre­ches e es­ta­be­le­ci­men­tos da edu­ca­ção prées­co­lar, da re­de pú­bli­ca, da re­de do sec­tor so­ci­al e so­li­dá­rio com acor­do de co­o­pe­ra­ção com o Es­ta­do e da re­de pri­va­da, re­la­ti­vas a des­cen­den­tes em pri­mei­ro grau”. O mon­tan­te má­xi­mo a con­ce­der pa­ra pa­ga­men­to dos be­ne­fí­ci­os é “o de um sa­lá­rio mí­ni­mo na­ci­o­nal, em vi­gor no iní­cio do ano lec­ti­vo a que as pro­pi­nas, ta­xas de ins­cri­ção e des­pe­sas se re­por­tam”.

O di­plo­ma es­ta­be­le­ce ain­da que com­pe­te à Li­ga dos Bom­bei­ros Por­tu­gue­ses, atra­vés do Fun­do de Pro­tec­ção So­ci­al do Bom­bei­ro, “a atri­bui­ção dos be­ne­fí­ci­os, após apre­ci­a­ção, por par­te da Au­to­ri­da­de Na­ci­o­nal de Pro­tec­ção Ci­vil, dos pro­ces­sos de can­di­da­tu­ra ins­truí­dos pe­la res­pec­ti­va en­ti­da­de de­ten­to­ra do cor­po de bom­bei­ros”. O dinheiro pa­ra o fun­do se­ria dis­po­ni­bi­li­za­do pe­lo Go­ver­no.

Se­gun­do o tex­to in­tro­du­tó­rio do de­cre­to-lei, apro­va­do em Con­se­lho de Mi­nis­tros a 14 de Mar­ço do ano pas­sa­do e pro­mul­ga­do a 2 de Maio, “ten­do em con­si­de­ra­ção o es­pí­ri­to de vo­lun­ta­ri­a­do, sa­cri­fí­cio, ge­ne­ro­si­da­de e ab­ne­ga­ção que os bom­bei­ros vo­lun­tá­ri­os de­mons­tram, dis­po­ni­bi­li­zan­do-se pa­ra o de­sem­pe­nho de uma mis­são pú­bli­ca, jus­ti­fi­ca-se que, no âm­bi­to da re­for­ma do sis­te­ma de pro­tec­ção ci­vil, se re­ve­jam os be­ne­fí­ci­os que lhes são atri­buí­dos, de mo­do a re­for­çar os in­cen­ti­vos ao vo­lun­ta­ri­a­do”.

Ain­da de acor­do com o tex­to, com es­tas me­di­das, en­tre as quais se en­con­tra o apoio fi­nan­cei­ro à edu­ca­ção, “pre­ten­de-se me­lho­rar as con­di­ções de vi­da dos bom­bei­ros vo­lun­tá­ri­os, nu­ma pers­pec­ti­va de mo­ti­va­ção, va­lo­ri­za­ção e re­a­li­za­ção pes­so­al e pro­fis­si­o­nal”.

O PÚ­BLI­CO ques­ti­o­nou o Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção In­ter­na so­bre es­ta ma­té­ria, mas não ob­te­ve res­pos­ta.

MA­NU­EL RO­BER­TO

A re­vi­são dos be­ne­fí­ci­os con­ce­di­dos aos bom­bei­ros vo­lun­tá­ri­os foi apro­va­da em Mar­ço pe­lo Con­se­lho de Mi­nis­tros e pro­mul­ga­da em Maio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.