ENTRÁMOS NU­MA NO­VA FA­SE Mi­ti­ga­ção

Hos­pi­tais pri­va­dos exi­gem que o Es­ta­do pa­gue já to­das as dí­vi­das Ci­en­tis­tas e la­bo­ra­tó­ri­os jun­tos pa­ra du­pli­car tes­tes em Por­tu­gal

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - Te­re­sa Firmino te­re­[email protected]­bli­co.pt

Eco­no­mis­tas de­fen­dem mais apoi­os do Es­ta­do • Co­vid-19 iso­lou ain­da mais os ido­sos • La­res de­ses­pe­ram por fun­ci­o­ná­ri­os • Há mé­di­cos e en­fer­mei­ros que ti­ve­ram con­tac­to com co­le­gas in­fec­ta­dos • Al­fân­de­gas tra­va­ram ex­por­ta­ção de más­ca­ras • Fu­te­bo­lis­tas dis­pos­tos a bai­xar sa­lá­ri­os • Aná­li­se de Te­re­sa de Sou­sa

Ese, em vez de um úni­co ins­ti­tu­to de in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca em Por­tu­gal, fos­sem mui­tos ci­en­tis­tas nos seus pró­pri­os la­bo­ra­tó­ri­os — do Mi­nho ao Al­gar­ve — a fa­zer tes­tes de di­ag­nós­ti­co ao no­vo co­ro­na­ví­rus? Es­ta on­da de ci­en­tis­tas por­tu­gue­ses que quer aju­dar na lu­ta con­tra a pan­de­mia es­tá a fa­zer ca­mi­nho por to­do o país. “Se to­dos os gran­des ins­ti­tu­tos de­ci­di­rem avan­çar, as­se­gu­ra­mos os tes­tes que for pre­ci­so fa­zer”, diz Vas­co M. Bar­re­to, bió­lo­go dou­to­ra­do em imunologia do Cen­tro de Es­tu­dos de Do­en­ças Crónicas (Ce­doc), da Fa­cul­da­de de Ci­ên­ci­as Mé­di­cas da Uni­ver­si­da­de No­va de Lis­boa. “Es­ta ideia é tão evi­den­te pa­ra nós que o fac­to de ne­nhum dos nos­sos go­ver­nan­tes se ter lem­bra­do disto diz mui­to so­bre a fra­ca cul­tu­ra ci­en­tí­fi­ca das eli­tes po­lí­ti­cas.”

Quan­tos ins­ti­tu­tos que fa­zem ci­ên­cia no país es­tão en­vol­vi­dos nes­ta ini­ci­a­ti­va? E quan­tos tes­tes po­de­rão fa­zer-se por dia nos seus la­bo­ra­tó­ri­os?

Es­ti­ma­ti­vas por al­to, pe­lo me­nos 14 ins­ti­tui­ções te­ri­am ca­pa­ci­da­de pa­ra uns 800 tes­tes diá­ri­os ca­da uma — o que dá mais de dez mil: “Ad­mi­tin­do que en­tra­mos to­dos nis­to e que te­mos fi­nan­ci­a­men­to (a 30 euros o tes­te ou me­nos), res­sal­va Vas­co Bar­re­to. “Com ba­se nos mais de 360 vo­lun­tá­ri­os qua­li­fi­ca­dos que o mo­vi­men­to a que es­tou as­so­ci­a­do con­se­guiu reu­nir e nu­ma es­ti­ma­ti­va por bai­xo do equi­pa­men­to exis­ten­te nas uni­da­des de in­ves­ti­ga­ção, a nos­sa en­tra­da em ce­na traduzir-se-ia num gran­de au­men­to do nú­me­ro de tes­tes diá­ri­os.”

Pa­ra ter uma no­ção da di­fe­ren­ça que dez mil tes­tes diá­ri­os de di­ag­nós­ti­co po­de­rão fa­zer, o stock ac­tu­al­men­te exis­ten­te em Por­tu­gal des­tes tes­tes é de 27 mil — dez mil no Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de Saú­de (SNS) e 17 mil no sec­tor pri­va­do —, se­gun­do dis­se an­te­on­tem o pri­mei­ro-mi­nis­tro, An­tó­nio Cos­ta, no Par­la­men­to, al­tu­ra em que vol­tou a re­fe­rir que es­tão en­co­men­da­dos 280 mil tes­tes, es­pe­ran­do-se a che­ga­da dos pri­mei­ros 80 mil até sá­ba­do. Por dia, até ago­ra, as au­to­ri­da­des de saú­de têm di­to que há ca­pa­ci­da­de pa­ra fa­zer 2500 tes­tes no SNS e ou­tros 1500 no sec­tor pri­va­do.

Em to­dos es­tes tes­tes, tan­to os do stock co­mo os que aí vi­rão, es­tá-se a fa­lar de tes­tes que de­tec­tam ma­te­ri­al ge­né­ti­co (ARN) do pró­prio ví­rus, com a téc­ni­ca da re­ac­ção em ca­deia da po­li­me­ra­se (PCR). Só dão re­sul­ta­do po­si­ti­vo du­ran­te a in­fec­ção.

Um mo­vi­men­to es­pon­tâ­neo

Vas­co Bar­re­to con­ta co­mo nas­ceu es­ta ini­ci­a­ti­va da co­mu­ni­da­de ci­en­tí­fi­ca por­tu­gue­sa na lu­ta con­tra a co­vid19, do­en­ça cau­sa­da pe­lo co­ro­na­ví­rus SARS-Cov-2. “Creio que mui­tos ci­en­tis­tas te­rão co­me­ça­do a pen­sar na mes­ma ideia quan­do per­ce­be­ram que os tes­tes ao SARS-Cov-2 iri­am ser de­ter­mi­nan­tes.” Is­to por­que uma das es­tra­té­gi­as de com­ba­te à pan­de­mia é a apli­ca­ção de mui­tos tes­tes pa­ra de­tec­tar de­pres­sa qu­em es­tá in­fec­ta­do ou, nas pa­la­vras do di­rec­tor-ge­ral da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS), Te­dros Adha­nom Ghe­breye­sus, é pre­ci­so “tes­tar, tes­tar, tes­tar”.

No ca­so de Vas­co Bar­re­to, pôs à dis­cus­são a 11 de Mar­ço, en­tre co­le­gas, a ideia de os ci­en­tis­tas ajudarem o país com os tes­tes. “Su­ge­ri que exis­te uma enor­me ca­pa­ci­da­de ins­ta­la­da nas vá­ri­as uni­da­des de in­ves­ti­ga­ção — em re­cur­sos hu­ma­nos e má­qui­nas — pa­ra re­a­li­zar­mos os tes­tes.”

A ideia co­me­çou a ga­nhar a for­ma cer­ta. “Ra­pi­da­men­te a con­ver­sa se alar­gou, no­me­a­da­men­te com a in­clu­são de Ma­ria Ma­nu­el Mota, do Ins­ti­tu­to de Me­di­ci­na Mo­le­cu­lar (IMM), que já es­ta­va a de­sen­vol­ver es­for­ços pa­ra tes­tar amos­tras [do ví­rus re­co­lhi­das em do­en­tes].” Mui­tos ou­tros se jun­ta­ram lo­go à con­ver­sa, co­mo Mó­ni­ca Bet­ten­court-Di­as, di­rec­to­ra do Ins­ti­tu­to Gul­ben­ki­an de Ci­ên­cia (IGC), Car­los Pe­nha Gon­çal­ves, tam­bém do IGC, Car­los Ri­bei­ro, da Fun­da­ção Cham­pa­li­maud, e An­tó­nio Ja­cin­to, do Ce­doc. “Co­me­çou um fre­ne­sim de men­sa­gens, vi­de­o­con­fe­rên­ci­as, te­le­fo­ne­mas, cons­tan­te­men­te pon­tu­a­dos por par­ti­lhas de links pa­ra os no­vos es­tu­dos so­bre a co­vid-19.”

A es­te nú­cleo cen­tral de qua­tro ins­ti­tui­ções da zo­na de Lis­boa — Ce­doc, IGC, IMM e Fun­da­ção Cham­pa­li­maud — jun­tou-se já a Fa­cul­da­de de Ci­ên­ci­as e Tec­no­lo­gia da Uni­ver­si­da­de No­va de Lis­boa, o Ins­ti­tu­to de Tec­no­lo­gia Quí­mi­ca e Bi­o­ló­gi­ca, bem co­mo o Ins­ti­tu­to de Hi­gi­e­ne e Me­di­ci­na Tro­pi­cal. Na re­gião de Lis­boa, o mo­vi­men­to es­tá a ar­ti­cu­lar-se e a alar­gar-se, in­cluin­do já o Ins­ti­tu­to de Bi­o­en­ge­nha­ria e Bi­o­ci­ên­ci­as do Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or Téc­ni­co e o Ins­ti­tu­to de Bi­o­lo­gia Ex­pe­ri­men­tal e Tec­no­ló­gi­ca.

Mas es­te mo­vi­men­to não se fi­ca pe­la re­gião de Lis­boa e as ins­ti­tui­ções que pro­cu­ram con­tri­buir com tes­tes en­con­tram-se de nor­te a sul do país: o Ins­ti­tu­to de In­ves­ti­ga­ção em Ci­ên­ci­as da Vi­da e Saú­de da Uni­ver­si­da­de do Mi­nho, em Braga; o Ins­ti­tu­to de In­ves­ti­ga­ção e Ino­va­ção em Saú­de (i3S) da Uni­ver­si­da­de do Por­to; o Ins­ti­tu­to de Bi­o­me­di­ci­na da Uni­ver­si­da­de de Avei­ro; o Cen­tro de Neu­ro­ci­ên­ci­as e Bi­o­lo­gia Ce­lu­lar da Uni­ver­si­da­de de Coim­bra; e o Cen­tro de In­ves­ti­ga­ção Bi­o­mé­di­ca da Uni­ver­si­da­de do Al­gar­ve. De for­ma in­de­pen­den­te do mo­vi­men­to, sur­gi­ram ain­da mais du­as ini­ci­a­ti­vas pa­ra fa­zer tes­tes na Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na da Uni­ver­si­da­de de Coim­bra e na Fa­cul­da­de de

Far­má­cia da Uni­ver­si­da­de de Lis­boa. Tu­do so­ma­do, há pe­lo me­nos 16 ins­ti­tui­ções ci­en­tí­fi­cas em­pe­nha­das nes­te es­for­ço. “Vá­ri­os pro­jec­tos im­pul­si­o­na­dos por ci­en­tis­tas sur­gi­ram es­pon­ta­ne­a­men­te em to­do o país”, re­su­me Vas­co Bar­re­to. “Es­ta­mos a or­ga­ni­zar uma lis­ta de ci­en­tis­tas vo­lun­tá­ri­os de qual­quer par­te do país que po­de­rão ser mo­bi­li­za­dos pa­ra as ta­re­fas, in­clu­si­ve nou­tros ins­ti­tu­tos que não aque­les a que per­ten­cem.”

Re­cei­tas pró­pri­as pa­ra kits

Por exem­plo, no IMM, Ma­ria Mota tam­bém lan­çou o rep­to (a 12 de Mar­ço) pa­ra que ci­en­tis­tas do ins­ti­tu­to cri­as­sem o seu pró­prio kit de di­ag­nós­ti­co do ví­rus. Se­guin­do o pro­to­co­lo da OMS pa­ra os tes­tes de di­ag­nós­ti­co ao ví­rus, os ci­en­tis­tas do IMM adap­ta­ram es­sa “re­cei­ta” usan­do re­a­gen­tes com­pra­dos em Por­tu­gal. Os re­a­gen­tes (em ris­co de es­go­tar, da­da a pro­cu­ra pa­ra kits) são es­sen­ci­ais a to­do o pro­ces­so, tan­to na ex­trac­ção do ma­te­ri­al ge­né­ti­co do ví­rus co­mo de­pois na sua de­tec­ção. Ima­gi­ne­mos que a “re­cei­ta” de um bo­lo in­di­ca mar­ga­ri­na de uma mar­ca, nes­te ca­so os ci­en­tis­tas usa­ram ou­tra mar­ga­ri­na (re­a­gen­tes) e de­pois ti­ve­ram de se cer­ti­fi­car de que o bo­lo fi­ca­va bom.

Es­te kit de di­ag­nós­ti­co com re­cei­ta ca­sei­ra (em vez de ser im­por­ta­do) já foi cer­ti­fi­ca­do pe­lo Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Saú­de Dr. Ri­car­do Jor­ge (In­sa), o la­bo­ra­tó­rio de re­fe­rên­cia no país pa­ra os tes­tes. Es­tá ago­ra nos acer­tos fi­nais de va­li­da­ção dos re­sul­ta­dos e, se­gun­do ex­pli­cou Ma­ria Mota ao PÚ­BLI­CO há di­as, o IMM es­pe­ra co­me­çar em bre­ve com 300 tes­tes por dia e che­gar aos mil. Sem in­cluir os re­cur­sos hu­ma­nos, ca­da tes­te cus­ta 30 euros.

Tam­bém na Fa­cul­da­de de Far­má­cia da Uni­ver­si­da­de de Lis­boa, João Gon­çal­ves con­ta que de­sen­vol­ve­ram um kit de di­ag­nós­ti­co com re­cei­ta pró­pria: “O kit é mon­ta­do por nós, mas os re­a­gen­tes são com­pra­dos a em­pre­sas es­tran­gei­ras.” Tam­bém es­te tes­te ob­te­ve já a cer­ti­fi­ca­ção do In­sa e, tal co­mo o kit do IMM, de­tec­ta ma­te­ri­al ge­né­ti­co do ví­rus. “Ini­ciá­mos es­te pro­ces­so há du­as se­ma­nas so­zi­nhos, mas es­ta­mos a co­la­bo­rar com ou­tras fa­cul­da­des e ins­ti­tu­tos pa­ra trans­fe­rir know-how”, acres­cen­ta o in­ves­ti­ga­dor, di­zen­do que pro­cu­ra­ram ao mes­mo tem­po ino­var mais os tes­tes pa­ra os tor­nar mais ba­ra­tos e efi­ci­en­tes. “Es­ta­mos a apon­tar pa­ra uma ca­pa­ci­da­de má­xi­ma de 700 tes­tes por dia, mas nes­te mo­men­to te­mos ca­pa­ci­da­de pa­ra 350.”

E, pa­ra não ha­ver dú­vi­das, João Gon­çal­ves es­cla­re­ce que nin­guém de­ve di­ri­gir-se di­rec­ta­men­te a es­tes ins­ti­tu­tos pa­ra os tes­tes. “Nós, co­mo ins­ti­tu­tos de in­ves­ti­ga­ção, não va­mos fa­zer ne­nhu­ma re­co­lha de amos­tras. Têm de vir via SNS. As amos­tras que o Es­ta­do pe­dir te­rão de ser pa­gas via SNS.” Es­ta equi­pa já con­tac­tou a Ad­mi­nis­tra­ção Re­gi­o­nal de Saú­de (ARS) de Lis­boa e Va­le do Te­jo, pa­ra ha­ver ar­ti­cu­la­ção. “Is­to tem de ser co­or­de­na­do pe­las ARS, pa­ra se sa­ber quais são os la­bo­ra­tó­ri­os ci­en­tí­fi­cos dis­po­ní­veis pa­ra re­ce­ber amos­tras.”

Ou­tra “re­cei­ta” pró­pria pa­ra um tes­te de di­ag­nós­ti­co sur­giu no Ins­ti­tu­to de In­ves­ti­ga­ção em Ci­ên­ci­as da Vi­da e Saú­de da Uni­ver­si­da­de do Mi­nho. “Ain­da não es­tá cer­ti­fi­ca­do, mas o pro­to­co­lo foi de­sen­vol­vi­do com ba­se no re­co­men­da­do pe­la OMS e es­ta­mos nu­ma fa­se fi­nal de va­li­da­ção”, con­ta Jo­a­na Al­mei­da Pa­lha, neu­ro­ci­en­tis­ta da­que­le ins­ti­tu­to e vi­ce-pre­si­den­te da Es­co­la de Me­di­ci­na da Uni­ver­si­da­de do Mi­nho. “Pa­ra já, es­ta­mos a va­li­dar tes­tes ba­se­a­dos em PCR. Te­mos ca­pa­ci­da­de de fa­zer 300 tes­tes por dia, sen­do o fac­tor li­mi­tan­te a even­tu­al fal­ta de re­a­gen­tes”, re­fe­re Jo­a­na Pa­lha, ex­pli­can­do que os la­bo­ra­tó­ri­os do seu ins­ti­tu­to tam­bém es­tão a co­la­bo­rar com o Hos­pi­tal de Braga pa­ra au­men­tar a ca­pa­ci­da­de de di­ag­nós­ti­co (ex­trac­ção de áci­dos nu­clei­cos e di­ag­nós­ti­co por PCR).

“Há um en­ten­di­men­to co­mum”, re­ma­ta Jo­a­na Pa­lha so­bre es­te mo­vi­men­to pe­lo país, “de que a op­ti­mi­za­ção dos es­for­ços é im­por­tan­te”. Es­te es­for­ço vai as­sim pa­ra lá dos tes­tes de di­ag­nós­ti­co. “Os in­ves­ti­ga­do­res es­tão to­dos a que­rer aju­dar, em to­do o país, a ní­vel de di­ag­nós­ti­co, equi­pa­men­tos, vo­lun­tá­ri­os”, fri­sa Mó­ni­ca Bet­ten­court-Di­as, in­cluin­do aqui des­de a co­mu­ni­ca­ção com a so­ci­e­da­de so­bre a co­vid-19 e, cla­ro, a com­pre­en­são das múl­ti­plas fa­ce­tas da no­va re­la­ção en­tre es­te ví­rus e nós pró­pri­os. “Es­ta­mos tam­bém a aju­dar com vo­lun­tá­ri­os nos hos­pi­tais — a aju­dá-los com mais mão-de-obra.”

Vol­tan­do a Vas­co Bar­re­to, no Ce­doc po­de­rão fa­zer-se 500 a 800 tes­tes por dia. Pa­ra já, es­te cen­tro ar­ran­ca­rá com o pro­to­co­lo usa­do pe­lo IMM nos tes­tes. “É es­ta a nos­sa re­co­men­da­ção pa­ra to­dos os ins­ti­tu­tos”, diz. “Te­re­mos ain­da uma pe­que­na equi­pa a de­sen­vol­ver um mé­to­do al­ter­na­ti­vo mais sim­ples, que es­pe­ra­mos va­li­dar e co­me­çar a uti­li­zá-lo, subs­ti­tuin­do o mé­to­do que o IMM es­tá a usar.”

So­bre es­te mo­vi­men­to que se le­van­tou da co­mu­ni­da­de ci­en­tí­fi­ca, Vas­co Bar­re­to diz-se “emo­ci­o­na­do, por­que os ci­en­tis­tas são ge­ral­men­te mui­to in­di­vi­du­a­lis­tas”. Con­si­de­ra que a Fun­da­ção pa­ra a Ci­ên­cia e a Tec­no­lo­gia po­de­ria as­su­mir um pa­pel de co­or­de­na­ção a ní­vel na­ci­o­nal. “Um pro­jec­to des­ta na­tu­re­za, e à es­ca­la a que se pre­ten­de, pre­ci­sa de fi­nan­ci­a­men­to e te­mos ho­je mui­tas ins­ti­tui­ções sem fun­dos. Ha­ve­rá vá­ri­as fon­tes de fi­nan­ci­a­men­to a ex­plo­rar, dos me­ce­nas ao crowd­fun­ding, mas fa­ria sen­ti­do o Es­ta­do fi­nan­ci­ar par­te des­te es­for­ço, o que se­ria sem­pre um bom gas­to do di­nhei­ro pú­bli­co. Res­ta sa­ber se o Es­ta­do quer apro­vei­tar os re­cur­sos que já financia ou man­dar to­dos os ci­en­tis­tas pa­ra ca­sa es­cre­ver ma­nus­cri­tos so­bre a qui­mi­o­ta­xia da lar­va da mos­ca da fru­ta ou a ge­né­ti­ca da alo­pe­cia en­quan­to um ví­rus des­trói a eco­no­mia.”

Res­ta sa­ber se o Es­ta­do quer apro­vei­tar os re­cur­sos que já financia ou man­dar to­dos os ci­en­tis­tas pa­ra ca­sa es­cre­ver ma­nus­cri­tos so­bre a qui­mi­o­ta­xia da lar­va da mos­ca da fru­ta en­quan­to um ví­rus des­trói a eco­no­mia

Vas­co M. Bar­re­to In­ves­ti­ga­dor

LIA FER­REI­RA BAR­RE­TO

DA­NI­EL RO­CHA

Al­guns dos mui­tos ci­en­tis­tas em Por­tu­gal que que­rem fa­zer mais tes­tes de di­ag­nós­ti­co do no­vo co­ro­na­ví­rus. Em ci­ma, Vas­co M. Bar­re­to e Mó­ni­ca Bet­ten­court-Di­as; em bai­xo, Ma­ria Ma­nu­el Mota e Jo­a­na Al­mei­da Pa­lha

DR

NU­NO FER­REI­RA SAN­TOS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.