Vi­ta­li­na dos Es­pí­ri­tos — ou co­mo Pe­dro Cos­ta so­bres­sal­tou Lo­car­no

Vi­ta­li­na Va­re­la, o no­vo lme do ci­ne­as­ta por­tu­guês, é um sé­rio can­di­da­to ao Le­o­par­do de Ou­ro. E me­re­cem-no: o re­a­li­za­dor, o lme e a mu­lher que lhe deu o no­me e que, im­po­nen­te, o pro­ta­go­ni­za

Edição Público Porto - - CULTURA - Ci­ne­ma Jor­ge Mou­ri­nha, em Lo­car­no

Vi­ta­li­na Va­re­la che­gou tar­de; já não foi a tem­po de as­sis­tir ao fu­ne­ral do ma­ri­do. Vi­ta­li­na Va­re­la, o fil­me, che­ga já na rec­ta fi­nal da com­pe­ti­ção do Fes­ti­val de Lo­car no pa­ra con­fir­mar o que já se­des con­fi­a­va: es­tá aqui um dos mais for­tes (se não o mais for­te) can­di­da­to ao Le­o­par­do de Ou­ro. Por­que é Pe­dro Cos­ta a tra­ba­lhar, ou­tra vez, co­mo mais nin­guém no ci­ne­ma con­tem­po­râ­neo tra­ba­lha, com a sua ha­bi­tu­al com­bi­na­ção de mi­nú­cia di­a­bo­li­ca­men­te pre­ci­sa (na ex­pres­si­vi­da­de pic­tu­ral dos en­qua­dra­men­tos, das fon­tes de luz, de ca­da pla­no, de ca­da mo­men­to) e de de­pu­ra­ção ra­di­cal até na­da mais res­tar a não ser uma es­sên­cia. Uma es­sên­cia que, gra­ças a Vi­ta­li­na, traz uma no­va in­ten­si­da­de ao seu ci­ne­ma.

Vit ali naVa re­la, ofil­me,éin dis­so­ciá­vel de Vi­ta­li­na Va­re­la, a mu­lher, tal­vez a pre­sen­ça mais for­te, mais in­ten­sa, mais im­po­nen­te do ci­ne­ma de Cos­ta des­de sem­pre (sem des­pri­mor pa­ra Van­da ou pa­ra Ven­tu­ra — que, aliás, tem pa­pel im­por­tan­te no

fil­me ). O ci­ne­as­ta ad­mi­tiu is­so mes­mo na con­fe­rên­cia de im­pren­sa de on­tem em Lo­car­no: “Vi­ta­li­na é mui­to mais re­al do que eu, do que vo­cê, do que nós; ela é de­ma­si­a­do re­al pa­ra um cer­to ti­po de re­a­li­da­de que me faz fal­ta quer no ci­ne­ma, quer na vi­da re­al.” Foi em Ca­va­lo Di­nhei­ro (2014), no qual a ac­triz já en­tra­va, que se cru­za­ram: “Era a pri­mei­ra vez que nos en­con­trá­va­mos, ain­da es­tá­va­mos a co­nhe­cer-nos.” Des­ta vez foi ou­tra his­tó­ria, con­du­zi­da por ela: “Quan­do co­me­çá­mos es­te fil­me, nun­ca es­cre­ve­mos re­al­men­te um guião: fa­lá­mos, to­má­mos no­tas, co­me­çá­mos a tra­ba­lhar, a en­sai­ar ce­nas. Ela es­cre­veu es­te fil­me, mui to­mais do que eu. Por­que tu­do o que se pas­sa nes­te fil­me acon­te­ceu-lhe a ela. O meu tra­ba­lho foi ape­nas o de con­ter, com­pri­mir, or­ga­ni­zar as his­tó­ri­as.”

Vi­ta­li­na é uma so­bre­vi­ven­te. Uma mu­lher que pa­re­ce vir do na­da e que atra­ves­sa e con­vo­ca to­dos os es­pí­ri­tos que se pas­sei­am pe­lo bair­ro — com a me­mó­ria das Fon­taí­nhas —, num noc­tur­no ex­pres­si­o­nis­ta re­quin­ta­da­men­te cui­da­do; uma mu­lher for­te à sol­ta num mun­do de ho­mens fra­cos, uma mu­lher que so­freu e er­gue o seu so­fri­men­to co­mo ar­ma, co­mo es­cu­do, co­mo en­xa­da, uma mu­lher que en­fren­ta os ho­mens — vi­vos ou mor­tos — co­mo Jo­an Craw­ford en­fren­ta­va to­dos em Johnny Gui­tar. Ex­pli­ca Cos­ta: “Quan­do co­nhe­ci a Vi­ta­li­na, ela es­ta­va mui­to in­fe­liz por­que to­dos os ho­mens na sua vi­da a aban­do­na­ram. Pa­ra ela, os ho­mens são uns fra­cos, es­tú­pi­dos, uns co­bar­des; pa­ra ela, até a mor­te é uma es­pé­cie de co­bar­dia. E ela ten­ta vin­gar al­go de que não con­se­gue des­fa­zer-se. Mas nun­ca es­tá tris­te. Es­tá fu­ri­o­sa, sim, por­que se per­gun­ta por que é que to­da a gen­te que a ama aca­ba por ir-se em­bo­ra. Acon­te­ce a to­dos nós.”

Fan­tas­mas e re exos

Em Vi­ta­li­na Va­re­la, fa­la-se mui­to com os mor­tos. A pró­pria ma­nei­ra co­mo Cos­ta fi lml­ma es­tas per­so­na­gens, es­tes lo­cais que per­se­gue des­de há mui­to tem­po,su­su ge­re queéum­fil me­de fan­tas­ma fan­tas­mas, um fil­me as­som­bra­do pe­lo que já não exis­te (“pa­ra m mim, os fil­mes nun ca­são aa­pe­nas so­bre uma pes­soa, são so­bre um lo­cal, uma co­mu­ni­da­de on­de que­ro es­tar”, di­rá aos jor­na­lis­tas). Mas o au­tor de O San­gue (1989) re­cu­sa que es­te se­ja um fil­me de fan­tas­mas, ape­sar de o seu pon­to de par­ti­da ser a che­ga­da a Por­tu­gal de Vi­ta­li­na, tar­de de mais pa­ra as­sis­tir ao fu­ne­ral do ma­ri­do que não via des­de que a aban­do­na­ra em Ca­bo Ver­de e nun­ca mais lhe de­ra no­tí­ci­as. “Num ce­mi­té­rio, não es­ta­mos re­al­men­te a olhar pa­ra o tú­mu­lo de uma pes­soa, es­ta­mos a con­tem­plar o fim, eé uma si­tu­a­ção na qual nun­ca te­mos mui­ta paz. É di­fí­cil fi lmar es­sa si­tu­a­ção, é mui­to ner­vo­so. Eé ver­da­de que nes­te

fil­me há mui­tas con­ver­sas com os mor­tos, mas eles não es­tão lá, não res­pon­dem, o que Vi­ta­li­na acha uma co­bar­dia.”

“No­fun do, ofil­meéu­ma­con ver­sa con­nos­co pró­pri­os, Vi­ta­li­na es­tá a con­ver­sar con­si­go pró­pria. Os úni­cos fan­tas­mas que exis­tem são os ho­mens que re­cu­sam fa­lar, apa­re­cer, res­pon­der”, con­ti­nua o ci­ne­as­ta. Vi­ta­li­na tor­na-se“num es­pe­lho ”,“uma re­fle­xão do sí­tio on­de vi­ve ”( o fil­me foi lá ro­da­do ). E tam­bém um re­fle­xo“das mu­lhe­res”: “Vi­ta­li­na não é uma mu­lher, são mui­tas mu­lhe­res. E ela quis fa­ze­res te fil­me, pas­sar po­res ta ex­pe­ri­ên­cia. É um mi­la­gre ter pes­so­as dis­pos­tas a es­se en­vol­vi­men­to.”

Tal co­mo é um mi­la­gre que Pe­dro Cos­ta con­ti­nue a fa­zer seu o mun­do do ci­ne­ma — Fritz Lang, sim, mui­to; Jac­ques Tour­neur, ain­da e sem­pre, mas me­nos; Carl Dreyer na com­bi­na­ção de pa­ga­nis­mo e re­li­gião que em

Vi­ta­li­na Va­re­la se sen­te — e a trans­for­má-lo nou­tra coi­sa, com um ges­to que se li­mi­ta a pa­rar pa­ra ver, mais do que pa­ra olhar. É por acon­te­ci­men­tos co­mo Vi­ta­li­na Va­re­la que Pe­dro Cos­ta tem o cul­to que tem: nin­guém no mun­do fil­ma as­sim, con­ta his­tó­ri­as co­mo es­tas des­ta ma­nei­ra. Não sa­be­mos ain­da on­de co­lo­car Vi­ta­li­na Va­re

la na obra do ci­ne­as­ta — é mais den­so, de di­ges­tão mais len­ta, do que Ca­va­lo

Di­nhei­ro por exem­plo —, mas sa­be­mos, des­de já, que es­tá aqui um dos

fil­mes in­con­tor­ná­veis de 2019, gos­te­se ou não. O Le­o­par­do de Ou­roé pos­sí­vel; Vi­ta­li­na me­re­ce-o.

Ela es­cre­veu es­te lme, mui­to mais do que eu. Tu­do do o que se pas­sa ssa acon­te­ceu-lhe a ela

Pe­dro Cos­ta

Ci­ne­as­ta

DR

Vi­ta­li­na Va­re­la é tal­vez a pre­sen­ça mais for­te, mais in­ten­sa, mais im­po­nen­te de to­do o ci­ne­ma de Pe­dro Cos­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.