Pro­jec­to para des­man­te­lar aviões na ba­se de Be­ja “es­fu­mou-se”

Os pro­jec­tos para a com­po­nen­te ci­vil da ba­se de Be­ja continuam a ser anun­ci­a­dos, mas não con­cre­ti­za­dos, en­quan­to se as­sis­te ao re­for­ço da com­po­nen­te mi­li­tar. O úl­ti­mo a cair foi o da em­pre­sa Ae­ro­neo

Edição Público Porto - - ECONOMIA - Avi­a­ção Carlos Di­as

O pro­jec­to de des­man­te­la­men­to de ae­ro­na­ves que a Ae­ro­neo ti­nha anun­ci­a­do em 2017, para a Ba­se Aé­rea n.º 11 (BA11), lo­ca­li­za­da em Be­ja, “es­fu­mou-se”. O ter­mo cons­ta da in­for­ma­ção que Paulo Ar­sé­nio, pre­si­den­te da Câ­ma­ra de Be­ja, pres­tou nu­ma das úl­ti­mas reu­niões do seu exe­cu­ti­vo so­bre o atra­so que se es­ta­va a ve­ri fi car na ins­ta­la­ção da uni­da­de in­dus­tri­al e que já ul­tra­pas­sa­va os pra­zos ini­ci­al­men­te anun­ci­a­dos para a sua en­tra­da em fun­ci­o­na­men­to.

O mi­nis­tro da De­fe­sa Na­ci­o­nal, João Go­mes Cra­vi­nho, res­pon­den­do ao pe­di­do de es­cla­re­ci­men­to so­li­ci­ta­do pe­la au­tar­quia, ex­pli­cou: “A em­pre­sa (Ae­ro­neo) e o Es­ta­do não che­ga­ram a ce­le­brar o contrato” anun­ci­a­do em 2017, que pre­via a con­ces­são por 15 anos, re­no­vá­vel por igual pe­río­do, de um con­jun­to de han­ga­res com uma área co­ber­ta de 113.621 me­tros qua­dra­dos. Es­te equi­pa­men­to, que fi cou co­nhe­ci­do por “Fá­bri­ca” e es­tá aban­do­na­do des­de 1977, foi cons­truí­do pe­los ale­mães nos anos 70 na BA11, para a pro­du­ção, pre­su­me-se, de com­po­nen­tes des­ti­na­dos à in­dús­tria mi­li­tar. A de­ci­são do mi­nis­tro foi to­ma­da de­pois de a Ae­ro­neo lhe ter co­mu­ni­ca­do que pre­ten­dia “desenvolve­r ou­tras ac­ti­vi­da­des no es­pa­ço em cau­sa, de­sig­na­da­men­te a in­te­gra­ção no contrato de ar­ren­da­men­to das ac­ti­vi­da­des de ma­nu­ten­ção, mo­di fif ca­ção e re­pa­ra­ção de ae­ro­na­ves”. Mas es­ta pre­ten­são vi­nha con­tra­ri­ar a de­ci­são da Re­so­lu­ção do Con­se­lho de Mi­nis­tros n.º 55/2017 de 24 de Agos­to, ao de fi nir que o ar­ren­da­men­to da “Fá­bri­ca” se des­ti­na­va “ex­clu­si­va­men­te ao de­sen­vol­vi­men­to da ac­ti­vi­da­de de des­man­te­la­men­to de ae­ro­na­ves e ges­tão de pe­ças e com­po­nen­tes pro­ve­ni­en­tes des­sa ac­ti­vi­da­de”.

Con­fron­ta­do com as al­te­ra­ções pro­pos­tas, o mi­nis­tro “re­ver­teu” a de­ci­são an­te­ri­or­men­te to­ma­da, e que pas­sa­va pe­la “de­sa­fec­ta­ção do do­mí­nio pú­bli­co mi­li­tar — Uni­da­de Imo­bi­liá­ria 131 — Ba­se Aé­rea n.º 11 Be­ja — área a uti­li­zar pe­la Ae­ro­neo”, go­ran­do-se as­sim mais um dos vá­ri­os pro­jec­tos anun­ci­a­dos — cer­ca de du­as de­ze­nas — para o ae­ro­por­to de Be­ja e que não se con­cre­ti­za­ram.

Quan­do a uni­da­de de des­man­te­la­men­to de aviões foi apre­sen­ta­da em 2017, o Go­ver­no dis­po­ni­bi­li­zou-se para “cri­ar con­di­ções” que per­mi­tis­sem à em­pre­sa ins­ta­lar “um hub de ser­vi­ços em­pre­sa­ri­ais li­ga­dos à in­dús­tria ae­ro­náu­ti­ca em Be­ja”. E na re­so­lu­ção de Con­se­lho de Mi­nis­tros é re­co­nhe­ci­do o “ele­va­do in­te­res­se es­tra­té­gi­co na­ci­o­nal” da ac­ti­vi­da­de da Ae­ro­neo, ao mes­mo tem­po que clas­si fi ca de “inequí­vo­co o ex­cep­ci­o­nal in­te­res­se pú­bli­co que a mes­ma ac­ti­vi­da­de re­ves­te para o de­sen­vol­vi­men­to da in­dús­tria ae­ro­náu­ti­ca de Be­ja”.

O em­pre­en­di­men­to, que de­ve­ria en­trar em fun­ci­o­na­men­to ple­no em 2020, es­ta­va di­men­si­o­na­do para res­pon­der à ne­ces­si­da­de de des­man­te­la­men­to de cer­ca de 12.500 aviões que irão ser re­ti­ra­dos de ope­ra­ções nos pró­xi­mos 12 anos, no­me­a­da­men­te Air­bus 319 e 320 e Bo­eing 737. A “re­va­lo­ri­za­ção de com­po­nen­tes ae­ro­náu­ti­cos ex­traí­dos de aviões em fi m de vi­da” era o objectivo do pro­jec­to anun­ci­a­do para Be­ja, ex­pli­cou Do­mi­ni­que Verha­e­gen, lí­der da Ae­ro­neo.

A em­pre­sa ain­da pos­sui li­cen­ça para a ocu­pa­ção, cons­tru­ção e ex­plo­ra­ção, no ter­mi­nal ci­vil da ba­se de Be­ja, de um lo­te com 7500 me­tros qua­dra­dos, des­ti­na­do à ins­ta­la­ção de uma uni­da­de in­dus­tri­al de ma­nu­ten­ção de ae­ro­na­ves. O pre­si­den­te da Câ­ma­ra de Be­ja, Paulo Ar­sé­nio, adi­an­tou ao PÚ­BLI­CO não ter qual­quer in­for­ma­ção “so­bre o que pre­ten­de fa­zer a Ae­ro­neo do lo­te que lhe foi dis­po­ni­bi­li­za­do.”

En­quan­to a com­po­nen­te ci­vil na ba­se de Be­ja tar­da em con­so­li­dar-se, as­sis­te-se ao re­for­ço da ac­ti­vi­da­de mi­li­tar. Paulo Ar­sé­nio as­se­gu­ra que é um da­do ad­qui­ri­do que a Es­qua­dra de He­li­cóp­te­ros Ko­a­la AW 119 MKII que subs­ti­tuí­ram os Alou­et­te III “se­rá des­lo­ca­da pre­vi­si­vel­men­te ain­da du­ran­te o ano de 2019” de Be­ja para Sin­tra. De Sin­tra para Be­ja vi­rá a Es­qua­dra da For­ça Aé­rea 101 dos aviões de ins­tru­ção bá­si­ca e ele­men­tar Ep­si­lon TB30, tam­bém es­te ano.

Con­tas fei­tas, a trans­fe­rên­cia de es­qua­dras da For­ça Aé­rea “im­pli­ca­rá a saí­da de 35 mi­li­ta­res e a che­ga­da à ci­da­de de cer­ca de 120”, su­bli­nha o au­tar­ca. Mas se o ae­ro­por­to com­ple­men­tar de Lis­boa vi­er a fi xar-se no Mon­ti­jo, para a BA11 vi­rá tam­bém a Es­qua­dra de Trans­por­tes cons­ti­tuí­da pe­los aviões C-295 da For­ça Aé­rea, op­ção que tra­rá mais 100 mi­li­ta­res.

As fa­mí­li­as des­tes mi­li­ta­res se­rão alo­ja­das no cha­ma­do “Bair­ro Ale­mão”, com 339 fo­gos, on­de se en­con­tram va­gas, nes­te mo­men­to, 127 ha­bi­ta­ções. Com a saí­da dos 35 mi­li­ta­res pas­sa­rão a es­tar li­vres, se­gun­do o João Go­mes Cra­vi­nho, “162 ha­bi­ta­ções, que se­rão ocu­pa­das pe­los 120 mi­li­ta­res que vi­rão em pri­mei­ra mão com a Es­qua­dra 101 e, de­pois, se vi­er a Es­qua­dra de Trans­por­tes, o bair­ro

fi ca­rá com­ple­ta­men­te lo­ta­do por po­pu­la­ção mi­li­tar”.

carlos.di­as@pu­bli­co.pt

OXANA IANIN

O ae­ro­por­to de Be­ja con­ti­nua com fra­ca uti­li­za­ção, pra­ti­ca­men­te des­de a sua inau­gu­ra­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.