A BD que Obi­ang proi­biu che­ga a Por­tu­gal (e em por­tu­guês)

Edição Público Porto - - PRIMEIRA PÀGINA - Bár­ba­ra Reis [email protected]­bli­co.pt

Dos três au­to­res de O Pe­sa­de­lo de Obi, a ban­da de­se­nha­da sa­tí­ri­ca so­bre a di­ta­du­ra da Gui­né Equa­to­ri­al, só um é conhecido: Ra­món Eso­no Eba­lé, o ilus­tra­dor. Cha­mam-lhe “el chico lo­co” e ha­ve­rá al­gu­ma do­se de lou­cu­ra em Eba­lé pa­ra, vi­ven­do fo­ra do país des­de 2011, ter vi­si­ta­do a Gui­né Equa­to­ri­al em 2017, já o seu “li­vro mal­di­to” cir­cu­la­va em Ma­la­bo. Mal che­gou, foi pre­so e me­ti­do na Pri­são de Black Be­a­ch. “Nos seis me­ses em que es­ti­ve na Black Be­a­ch, to­dos os dias al­guém foi tor­tu­ra­do. To­dos os dias”, diz Eba­lé, de 42 anos, nu­ma en­tre­vis­ta te­le­fó­ni­ca ao PÚ­BLI­CO, a par­tir de El Sal­va­dor, on­de vi­ve. Às edi­ções em es­pa­nhol e in­glês jun­ta-se, a par­tir de ho­je, uma em por­tu­guês, lan­ça­da pe­la Li­vra­ria Ti­gre de Pa­pel, que or­ga­ni­zou um lan­ça­men­to-de­ba­te pa­ra ho­je, às 18h30, no es­pa­ço cul­tu­ral To­do Mun­do, no cen­tro de Lis­boa.

Os ou­tros dois au­to­res, Chi­no e Ten­so Ten­so, vi­vem na “zo­na quen­te” de Ma­la­bo e nin­guém sa­be qu­em são. Em 2011, es­ta­vam a al­mo­çar uma

“pe­pe­sup”, uma so­pa de pei­xe pi­can­te, quan­do Te­o­do­ro Obi­ang Ngue­ma,

Pre­si­den­te des­de 1979, apa­re­ceu na te­le­vi­são e leu um dis­cur­so. Os três ami­gos sen­ti­ram que o di­ta­dor es­ta­va a rir-se de­les e do seu po­vo. E se fos­sem eles, e o po­vo da Gui­né Equa­to­ri­al, a rir-se do di­ta­dor? Três anos de­pois, nas­ceu O Pe­sa­de­lo de Obi.

Nas pri­mei­ras pá­gi­nas do li­vro, põem o Pre­si­den­te da Gui­né Equa­to­ri­al a fa­zer se­xo nu­ma pis­ci­na. O que vos le­vou a ex­tre­mar tan­to o re­tra­to de Obi­ang?

A ideia é mos­trar um Obi­ang po­de­ro­so. Le­vá-lo aos li­mi­tes in­di­ca que es­ta­mos pe­ran­te um ho­mem mui­to po­de­ro­so, uma es­pé­cie de se­mi­deus. Qui­se­mos ti­rar-lhe es­se es­ta­tu­to, qui­se­mos de­sen­deu­sá-lo. Pri­mei­ro há mui­to di­nhei­ro, mui­tos con­tac­tos e um mun­do ma­chis­ta. Mais tar­de, ti­ra­mos-lhe tu­do: as mu­lhe­res, o di­nhei­ro, o pa­lá­cio, os car­ros e os se­gu­ran­ças. Na par­te do pe­sa­de­lo, Obi­ang tem uma mu­lher que o con­tro­la, lhe dá or­dens e até es­ta­la­das. Obi­ang aca­ba do­mi­na­do por uma mu­lher, já não jo­vem co­mo as ou­tras, mais cor­pu­len­ta, mais big ma­ma afri­ca­na.

Na pri­mei­ra vi­si­ta que fez à Gui­né Equa­to­ri­al a se­guir à pu­bli­ca­ção do li­vro, foi pre­so. Não es­ta­va à es­pe­ra?

Saí da Gui­né Equa­to­ri­al em 2011 pa­ra o Pa­ra­guai, on­de vi­vi se­te anos. Ti­nha de re­no­var os do­cu­men­tos e por is­so fui a Ma­la­bo. O li­vro ti­nha saí­do em es­pa­nhol em 2014 e já es­ta­va tra­du­zi­do em in­glês. Não é que se­ja fá­cil ler es­te li­vro na Gui­né Equa­to­ri­al, mas al­guém no re­gi­me o te­rá li­do e não gos­tou. E en­tão in­ven­ta­ram uns ab­sur­dos pa­ra me pren­der. Quan­do me pren­de­ram, que­ri­am que eu mos­tras­se ar­re­pen­di­men­to por ter ca­ri­ca­tu­ra­do Obi­ang. Mas as­si­no sem­pre os meus de­se­nhos. Não re­gres­sei a Ma­la­bo co­mo pro­vo­ca­ção, ape­nas pa­ra re­no­var o meu pas­sa­por­te.

Não re­ce­ou ser pre­so?

A mi­nha fa­mí­lia es­ta­va pre­o­cu­pa­da que, por cau­sa do li­vro, do blo­gue [Las Lo­cu­ras de Ja­món y Qu­e­so] e da Lo­cos TV, o re­gi­me não me per­do­as­se. Mas não ti­nha me­do de ser pre­so, nem de re­gres­sar. Aliás, te­rei de vol­tar à Gui­né Equa­to­ri­al em bre­ve. Nin­guém me acon­se­lha a ir, mas pre fi ro es­tar mor­to a não ver a mi­nha fa­mí­lia.

Con­si­de­ra-se um exi­la­do po­lí­ti­co?

As cir­cuns­tân­ci­as ac­tu­ais são de exi­la­do po­lí­ti­co. O meu fi lho, que tem 20 anos, es­tá em Es­pa­nha co­mo re­fu­gi­a­do po­lí­ti­co. Mas eu vi­vo fo­ra do país por­que a mi­nha mu­lher, uma es­pa­nho­la de Va­lên­cia ia que co­nhe­ci em Ma­la­bo, é di­rec­to­ra ra do Cen­tro Cul­tu­ral de Es­pa­nha em El Sal­va­dor. Não me con­si­de­ro um exi­la­do. Não qu­e­ro ter es­sa men­ta­li­da­de. Se­ria mais fá­cil pa­ra a Gui­né Equa­to­ri­al. Não qu­e­ro dar-lhes es­sa opor­tu­ni­da­de. Qu­e­ro o pen­sar que pos­so re­gres­sar ao meu u país sem­pre que me ape­te­ce — até que me ma­tem. A Gui­né Equa­to­ri­al al qu­er que to­dos os crí­ti­cos se vão em­bo­ra. Pa­ra o re­gi­me, o ide­al era que to­dos os crí­ti­cos fos­sem exi­la­dos. As­sim, nin­guém es­ta­ria per­to da po­pu­la­ção.

O que vai acon­te­cer quan­do re­gres­sar?

Po­de­rá acon­te­cer al­go mais gra­ve. Em 2017, quan­do me pren­de­ram, ti­ve a sor­te de es­tar com dois ami­gos os es­pa­nhóis, um de­les di­plo­ma­ta. Não me pren­de­ram pa­ra me pôr na a pri­são ou le­var-me a um juiz, por­que eu não ti­nha co­me­ti­do ne­nhum cri­me. Pren­de­ram-me pa­ra me le­va­rem pa­ra Gu­an­tá­na­mo o e tor­tu­ra­rem-me. Que­ri­am dar-me um cas­ti­go.

Por cau­sa do li­vro?

Por cau­sa do li­vro e do blo­gue. Que­ri­am as­sus­tar-me, co­mo ago­ra es­tão a fa­zer com o meu com­pa­nhei­ro “Pay­sa” [ Jo­aquín Eló ó Aye­to, mi­li­tan­te do par­ti­do

A Gui­né Equa­to­ri­al qu­er que to­dos os crí­ti­cos se vão em­bo­ra. Pa­ra o re­gi­me, o ide­al era que to­dos os crí­ti­cos fos­sem exi­la­dos. As­sim, nin­guém es­ta­ria per­to da po­pu­la­ção

Ra­món Eso­no Eba­lé

Ilus­tra­dor

É lan­ça­da ho­je a tra­du­ção por­tu­gue­sa da ban­da de­se­nha­da que sa­ti­ri­za o Pre­si­den­te Obi­ang e o co­lo­ca num pe­sa­de­lo: ser um ci­da­dão nor­mal da Gui­né Equa­to­ri­al. O cas­ti­go pa­ra o ilus­tra­dor fo­ram seis me­ses nu­ma pri­são. “Se for à Gui­né Equa­to­ri­al, ma­tam-me ou dei­xam-me des­fru­tar do país”

Con­ver­gên­cia pa­ra a De­mo­cra­cia So­ci­al, da opo­si­ção, pre­so des­de Fe­ve­rei­ro]. Se eu for ago­ra à Gui­né Equa­to­ri­al, há du­as pos­si­bi­li­da­des: ma­tam-me ou dei­xam-me des­fru­tar do país.

Pen­sa que Obi­ang leu o li­vro?

Pen­so que to­das os mem­bros do Go­ver­no e mui­tas pes­so­as na Gui­né Equa­to­ri­al le­ram o li­vro. Re­ce­bo mui­tas men­sa­gens de pes­so­as que o le­ram, às es­con­di­das, cla­ro. Sa­be­mos que uns 300 exem­pla­res en­tra­ram clan­des­ti­na­men­te no país.

O guião es­tá en­tre a fic­ção e a re­a­li­da­de. Há coi­sas que são fac­tu­ais, ou­tras que po­dem ou não ser, co­mo os guar­da-cos­tas pre­si­den­ci­ais is­ra­e­li­tas e mar­ro­qui­nos, a sau­na fin­lan­de­sa ofe­re­ci­da pe­la Ex­xon Mo­bil, o cu­ran­dei­ro de Hous­ton…

É tu­do ver­da­dei­ro. O re­gi­me de Obi­ang é um re­gi­me fa­mi­li­ar afri­ca­no ba­se­a­do na des­cul­pa de que é um Es­ta­do so­be­ra­no re­co­nhe­ci­do pe­la ONU. Mas a ges­tão do Es­ta­do é a ba­se afri­ca­na do po­der. O mé­di­co de Hous­ton re­pre­sen­ta as ve­zes que Obi­ang e a fa­mí­lia vão ao es­tran­gei­ro pa­ra ir ao mé­di­co, por­que não há es­tru­tu­ras de saú­de no país pa­ra os aten­der. Qui­se­mos in­cluir o mé­di­co na BD por­que sa­be­mos que Obi­ang vai mui­to ao mé­di­co ao es­tran­gei­ro, mas tam­bém pa­ra di­zer que “Deus” es­tá do­en­te. O mes­mo com a se­gu­ran­ça: um dos fi lhos de Obi­ang cha­ma-se Has­san [Pas­tor Has­san Obi­ang] por­que é a fi lha­do do rei Has­san II de Mar­ro­cos, que era um gran­de ami­go de Obi­ang. Por is­so, nos anos 80, Obi­ang ti­nha guar­da-cos­tas mar­ro­qui­nos. No li­vro iden­ti fi cá­mos, com hu­mor, es­sas re­la­ções. Se pes­qui­sar, ve­ri fi ca que na­da é fa­ke.

É um re­tra­to fi­el da re­a­li­da­de?

Sim. Nun­ca saí­mos do que os gui­néu-equa­to­ri­a­nos vão re­co­nhe­cer. É uma BD de sen­si­bi­li­za­ção: as si­tu­a­ções na es­qua­dra de po­lí­cia, no res­tau­ran­te chi­nês, na igre­ja… tu­do is­so são coi­sas que acon­te­cem no re­gi­me de Obi­ang. Pa­ra qu­em vi­ve na Gui­né Equa­to­ri­al, tu­do is­to é mui­to fa­mi­li­ar.

Re­tra­ta o seu po­vo co­mo so­fre­dor, mas tam­bém co­mo sub­ser­vi­en­te, co­mo a ce­na em que dois ho­mens lu­tam pa­ra apa­nhar o len­ço su­jo de Obi­ang...

A Gui­né Equa­to­ri­al é um país pe­que­no que tem cin­co et­ni­as, en­tre as quais os fang, a de Obi­ang. As di­ta­du­ras têm pes­so­as que as apoi­am. Mui­tas pes­so­as apoi­am as di­ta­du­ras ape­nas por­que pen­sam

que as di­ta­du­ras as be­ne­fi­ci­am. O re­gi­me de Obi­ang é um bom ce­ná­rio pa­ra se en­ten­der co­mo fun­ci­o­na uma di­ta­du­ra. Aet­ni­a­fan­géam ais be­ne­fi­ci­ad ape­lo re­gi­me. Obi­ang uti­li­za mui­to co­ros de ani­ma­ção, for­ma­dos por mu­lhe­res que can­tam nas ce­ri­mó­ni­as pú­bli­cas pa­ra que o po­vo oi­ça: “Obi­ang és gua­po!”,

“Obi­ang és bo­ni­to!”, “Obi­ang

tra­ba­ja pa­ra el pu­e­blo!”. Há mui­tas pes­so­as que tra­ba­lham pa­ra que o re­gi­me se man­te­nha. Nes­te ca­so, são os pró­pri­os gui­néu-equa­to­ri­a­nos que vi­vem na di­ta­du­ra co­mo se fos­se uma coi­sa nor­mal, que olham pa­ra Obi­ang co­mo a pes­soa que fa­ci­li­ta as su­as vi­das. Obi­ang lim­pa o na­riz, um ges­to no­jen­to, mas ape­sar dis­so há gen­te que lu­ta pa­ra ter o len­ço su­jo. Não é só pa­ra ter um car­go na ad­mi­nis­tra­ção ou ga­nhar mui­to di­nhei­ro. É tam­bém ser ser­vil,é que­rer que Obi­ang nos ve­ja co­mo pes­so­as que até acei­tam o seu len­ço com ra­nho.

O li­vro é um ape­lo à re­be­lião?

Não pro­po­nho uma re­vo­lu­ção co­mo nou­tros paí­ses, on­de hou­ve gol­pes de Es­ta­do. Pro­po­nho re­fle­xão.

O que é o Bair­ro New Bi­li, on­de Obi­ang acor­da no pe­sa­de­lo?

O New Bi­li é um bair­ro po­bre e mar­gi­na­li­za­do on­de vi­vem os des­gra­ça­dos de Ma­la­bo, mes­mo no cen­tro da ci­da­de.

Obi­ang vai pa­ra a fi­la da água com um bal­de. A fal­ta de água é uma re­a­li­da­de?

O pro­ble­ma foi ta­pa­do com a bo­nan­ça do pe­tró­leo, mas é uma cons­tan­te. A qual­quer mo­men­to po­de fal­tar água ou luz em vá­ri­os bair­ros, não ape­nas no New Bi­li.

Co­mo fo­ram os seus seis me­ses na pri­são?

A ní­vel fí­si­co, saí com vá­ri­os pro­ble­mas, so­bre­tu­do de vi­são e au­di­ção. Há uma po­lui­ção so­no­ra mui­to gra­ve e, em re­la­ção aos olhos, é mui­to di­fí­cil, por­que es­ta­mos nu­ma es­pé­cie de na­ve gi­gan­te on­de, a par­tir das seis da tar­de, fi ca­mos à nos­sa sor­te. A Pri­são de Black Be­a­ch es­tá den­tro da Zo­na da Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, a uns 300 me­tros do pa­lá­cio on­de Obi­ang dor­me. A Black Be­a­ch te­rá de aca­bar no dia em que o re­gi­me aca­bar, por­que tem uma his­tó­ria cri­mi­no­sa e de­su­ma­na. Nos seis me­ses em que es­ti­ve na Black Be­a­ch, to­dos os dias al­guém foi tor­tu­ra­do. To­dos os dias. É um te­ma mui­to pro­fun­do fa­lar so­bre o que é ou­vir pes­so­as a gri­tar por­que lhes es­tão a ar­ran­car a pe­le ou a es­pan­car o cor­po.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.