Aos 70 anos, as mui­tas som­bras que pai­ram so­bre a NATO

Ci­mei­ra da NATO pa­ra ce­le­brar 70 anos não fo­ge à tur­bu­lên­cia que atin­giu as re­la­ções tran­sa­tlân­ti­cas des­de a elei­ção de Trump. Ma­cron de­cla­rou a “mor­te ce­re­bral” da Ali­an­ça. Os ali­a­dos eu­ro­peus não que­rem ou­vir fa­lar de tal coi­sa

Edição Público Porto - - PRIMEIRA PÀGINA - Teresa de Sou­sa teresa.de.sou­[email protected]­bli­co.pt

Se­rá mais uma ci­mei­ra da Ali­an­ça Atlân­ti­ca en­vol­ta em polémica, dis­so já nin­guém tem dú­vi­da. E des­ta vez não é ape­nas gra­ças à pre­sen­ça de Do­nald Trump, cu­jo com­por­ta­men­to é sem­pre im­pre­vi­sí­vel, pa­ra além do seu con­fes­sa­do desamor pe­la or­ga­ni­za­ção. As de­cla­ra­ções re­cen­tes do Pre­si­den­te fran­cês so­bre a “mor­te ce­re­bral” da NATO con­tri­buí­ram tam­bém pa­ra au­men­tar a ten­são em tor­no do fu­tu­ro e da uti­li­da­de da Ali­an­ça en­tre os ali­a­dos eu­ro­peus.

Em­ma­nu­el Ma­cron lan­çou o ras­ti­lho na sua já cé­le­bre en­tre­vis­ta à The Eco­no­mist, pu­bli­ca­da a 7 de No­vem­bro, na qual re­sol­veu de­cla­rar a NATO “es­tra­te­gi­ca­men­te em mor­te ce­re­bral”, acres­cen­tan­do que os EUA “nos es­tão a vi­rar as cos­tas”. A res­pos­ta dos ali­a­dos eu­ro­peus, a co­me­çar por Ber­lim, foi ime­di­a­ta, dis­tan­ci­an­do-se da de­cla­ra­ção do Pre­si­den­te fran­cês e re­cla­man­do a Ali­an­ça Atlân­ti­ca co­mo in­dis­pen­sá­vel pa­ra a se­gu­ran­ça eu­ro­peia. No fi nal da se­ma­na pas­sa­da, An­ge­la Mer­kel vol­tou a lem­brar que a Eu­ro­pa ain­da não tem mei­os pa­ra se de­fen­der. “A pre­ser­va­ção da NATO é do nos­so in­te­res­se fun­da­men­tal, tal­vez ain­da mais do que na Guer­ra Fria. Por en­quan­to, a Eu­ro­pa não con­se­gue de­fen­der-se so­zi­nha”, dis­se a chan­ce­ler pe­ran­te o Bun­des­tag.

Mas a polémica es­tá lan­ça­da e o Pre­si­den­te fran­cês não deu si­nais de ar­re­pen­di­men­to, ar­gu­men­ta­do que “ig­no­rar os pro­ble­mas” dei­xou de ser uma al­ter­na­ti­va viá­vel. Não che­ga a ha­ver uma in­com­pa­ti­bi­li­da­de ab­so­lu­ta en­tre as du­as po­si­ções — a de Pa­ris e a da mai­o­ria dos ali­a­dos eu­ro­peus, a co­me­çar por Ber­lim e in­cluin­do Por­tu­gal (ver tex­to ao la­do). Há, sim, um sen­ti­do de opor­tu­ni­da­de di­fe­ren­te en­tre os que pen­sam, co­mo Ma­cron (e não são mui­tos), que che­gou o mo­men­to de pôr as cartas na me­sa, e os que con­si­de­ram que o me­lhor é “fa­ze­rem-se de mor­tos” até que a tur­bu­lên­cia pro­vo­ca­da na re­la­ção tran­sa­tlân­ti­ca pe­lo ac­tu­al Pre­si­den­te ame­ri­ca­no

‘A pre­ser­va­ção da NATO é do nos­so in­te­res­se fun­da­men­tal. [...] Por en­quan­to, a Eu­ro­pa não con­se­gue de­fen­der-se so­zi­nha’, dis­se Mer­kel

de­sa­pa­re­ça, quan­do ele pró­prio de­sa­pa­re­cer da Ca­sa Bran­ca.

Ci­mei­ra pa­ra “agra­dar”

O se­cre­tá­rio-ge­ral da NATO, o no­ru­e­guês Jens Stol­ten­berg, que tem an­da­do de ca­pi­tal em ca­pi­tal a ten­tar co­lar os ca­cos, pre­pa­rou uma ci­mei­ra que se­ja bre­ve e cu­ja agen­da agra­de a Trump, pa­ra evi­tar que acon­te­ça em Lon­dres o mes­mo que acon­te­ceu em Bru­xe­las, em Ju­lho do ano pas­sa­do, quan­do o Pre­si­den­te ame­ri­ca­no con­se­guiu lan­çar o pâ­ni­co en­tre os ali­a­dos ao dar a en­ten­der que os Es­ta­dos Uni­dos po­de­ri­am “dis­pen­sar” a NATO, se os eu­ro­peus con­ti­nu­as­sem a não que­rer pa­gar pe­los ser­vi­ços pres­ta­dos pa­ra ga­ran­tia da sua de­fe­sa. Ou­tra pe­que­na frase es­te­ve na ori­gem do so­bres­sal­to: “Os Es­ta­dos Uni­dos po­dem se­guir o seu pró­prio ca­mi­nho.” Trump, além de se mos­trar re­lu­tan­te em re­fe­rir o Ar­ti­go 5.º do Tra­ta­do de Washing­ton (“um ata­que a um é um ata­que a to­dos”), re­sol­veu ele­var ines­pe­ra­da­men­te a me­ta pa­ra os gas­tos com a de­fe­sa de 2 pa­ra 4% do PIB até 2024. Um ob­jec­ti­vo que nem os pró­pri­os EUA al­can­çam. Che­gou a ape­li­dar al­guns ali­a­dos de “de­lin­quen­tes” e acu­sou Ber­lim de se “dei­xar con­tro­lar” pe­la Rússia, apon­tan­do o de­do ao no­vo ga­so­du­to que em bre­ve li­ga­rá os dois paí­ses pa­ra for­ne­ci­men­to de gás à Ale­ma­nha.

Jens Stol­ten­berg ten­ci­o­na apre­sen­tar du­ran­te a ci­mei­ra uma pa­nó­plia de nú­me­ros que pro­vam que os ali­a­dos es­tão efec­ti­va­men­te a au­men­tar a sua con­tri­bui­ção: de 2016 a 2020 es­se au­men­to saldou-se em 130 mil mi­lhões de dó­la­res. O Go­ver­no de

Ber­lim já anun­ci­ou que au­men­ta­rá a sua con­tri­bui­ção fi nan­cei­ra pa­ra as des­pe­sas de fun­ci­o­na­men­to da NATO (2,5 mil mi­lhões de dó­la­res no to­tal) de for­ma a per­mi­tir a re­du­ção da con­tri­bui­ção ame­ri­ca­na. É um ges­to sim­bó­li­co, mas que ape­nas diz res­pei­to ao fi­nan­ci­a­men­to da or­ga­ni­za­ção e não à sua di­men­são mi­li­tar (mais de 70% a car­go da Amé­ri­ca). Ber­lim tam­bém já dis­se que só atin­gi­rá os 2% do PIB em 2031.

En­tre­tan­to, co­mo es­cre­via no si­te Po­li­ti­co.eu Paul Tay­lor, há du­as NATO: a po­lí­ti­ca, em que nin­guém pa­re­ce en­ten­der-se, e a mi­li­tar, que con­ti­nua a fun­ci­o­nar co­mo se na­da ti­ves­se acon­te­ci­do. Nos úl­ti­mos anos, so­bre­tu­do de­pois da ane­xa­ção da Cri­meia pe­la Rússia, têm au­men­ta­do sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te os gas­tos do Pen­tá­go­no com a Eu­ro­pa, no­me­a­da­men­te pa­ra fi­nan­ci­ar a Ini­ci­a­ti­va Eu­ro­peia de Dis­su­a­são, cen­tra­da na Po­ló­nia e nos paí­ses bál­ti­cos e des­ti­na­da a de­ter qual­quer aven­tu­ra de Pu­tin.

O es­pa­ço e a Chi­na

A ci­mei­ra, que co­me­ça ho­je com uma re­cep­ção ofe­re­ci­da pe­la rai­nha, te­rá ape­nas uma ses­são de tra­ba­lho ama­nhã de ma­nhã, se­gui­da de um al­mo­ço li­vre pa­ra en­con­tros bi­la­te­rais. Pa­ra além de de­cor­rer nas ins­ta­la­ções lu­xu­o­sas de um cam­po de gol­fe a Nor­te de Lon­dres, Stol­ten­berg in­cluiu na agen­da um con­jun­to de te­mas que sa­be se­rem do agra­do do Pre­si­den­te ame­ri­ca­no, en­tre as quais a de­fe­sa es­pa­ci­al e a as­cen­são da Chi­na. O se­cre­tá­rio-ge­ral da NATO in­sis­tiu em que a in­clu­são da di­men­são es­pa­ci­al na estratégia da Ali­an­ça tem uma na­tu­re­za ex­clu­si­va­men­te de­fen­si­va e não in­clui a uti­li­za­ção de ar­ma­men­to. Trump, di­zem fon­tes de Washing­ton, ten­ci­o­na vol­tar à car­ga com a ques­tão da Huawei, in­sis­tin­do com os ali­a­dos pa­ra que proí­bam o seu aces­so à tec­no­lo­gia 5G.

À es­pe­ra de No­vem­bro

Pa­ra ten­tar apa­zi­guar os âni­mos, Ber­lim propôs na úl­ti­ma reu­nião dos che­fes da diplomacia da NATO, em Ou­tu­bro, a cri­a­ção de um “gru­po de pe­ri­tos” pre­si­di­do pe­lo se­cre­tá­ri­o­ge­ral pa­ra re­flec­tir so­bre o fu­tu­ro da Ali­an­ça. A pro­pos­ta já foi subs­cri­ta pe­la Fran­ça, que vê as­sim uma for­ma de sair do iso­la­men­to pro­vo­ca­do pe­las de­cla­ra­ções de Ma­cron. “Pas­sá­mos do brain de­ad pa­ra o brains­tor

ming”, dis­se a mi­nis­tra da De­fe­sa fran­ce­sa, Flo­ren­ce Parly. O gru­po de­ve­rá apre­sen­tar as pri­mei­ras con­clu­sões em No­vem­bro do pró­xi­mo ano, o mês em que os ali­a­dos eu­ro­peus sa­be­rão se já po­dem sus­pi­rar de alí­vio ou ain­da não. As elei­ções pre­si­den­ci­ais ame­ri­ca­nas de­cor­rem jus­ta­men­te no iní­cio des­se mês.

O que fa­zer com a Tur­quia

Ou­tro ob­jec­to de aten­ta ob­ser­va­ção se­rá o Pre­si­den­te tur­co, cu­jo com­por­ta­men­to já con­se­guiu le­van­tar, pe­la pri­mei­ra vez, a ques­tão de sa­ber se é pos­sí­vel ex­pul­sar ou sus­pen­der um dos mem­bros da or­ga­ni­za­ção, o que não es­tá pre­vis­to nos es­ta­tu­tos. O úl­ti­mo in­ci­den­te gra­ve en­tre An­ca­ra e a NATO foi a in­va­são do Nor­te da Sí­ria pa­ra eli­mi­nar os cur­dos sí­ri­os, que fo­ram os ali­a­dos do Oci­den­te na lu­ta con­tra o Es­ta­do Is­lâ­mi­co. Re­cep Erdogan nem se­quer se deu ao tra­ba­lho de in­for­mar a NATO, em­bo­ra te­nha ob­ti­do uma es­pé­cie de luz ver­de de Trump, quan­do o Pre­si­den­te anun­ci­ou ines­pe­ra­da­men­te a re­ti­ra­da das tro­pas es­pe­ci­ais ame­ri­ca­nas da Sí­ria — tam­bém ele sem in­for­mar os ali­a­dos e dei­xan­do as tro­pas fran­ce­sas e bri­tâ­ni­cas no ter­re­no sem apoio lo­gís­ti­co.

Ou­tra de­ci­são al­ta­men­te polémica do Pre­si­den­te tur­co diz res­pei­to à aqui­si­ção de um sis­te­ma de de­fe­sa an­ti­aé­rea à Rússia, o S-400, que já le­vou os EUA a sus­pen­de­rem a par­ti­ci­pa­ção da Tur­quia no pro­gra­ma de cons­tru­ção e aqui­si­ção dos no­vís­si­mos aviões de com­ba­te F-35. An­ca­ra man­tém com a NATO a mes­ma am­bi­gui­da­de com que tra­ta a sua re­la­ção com a UE: não qu­er cortar de­fi­ni­ti­va­men­te os la­ços com o Oci­den­te, mas não qu­er qual­quer li­mi­ta­ção pa­ra a sua de­ri­va an­ti­de­mo­crá­ti­ca e as su­as as­pi­ra­ções à he­ge­mo­nia re­gi­o­nal.

Ma­cron per­gun­ta na mes­ma en­tre­vis­ta o que fa­rá a NATO em ma­té­ria de Ar­ti­go 5.º se a Sí­ria res­pon­der à agres­são tur­ca no seu ter­ri­tó­rio. “Se Bashar al-As­sad de­ci­dir re­ta­li­ar con­tra a Tur­quia, agi­mos de acor­do com o Ar­ti­go 5.º? É uma ques­tão cru­ci­al.” Erdogan já res­pon­deu, acu­san­do-o de ser ele qu­em es­tá em “mor­te ce­re­bral”. O pro­ble­ma é mais sé­rio do que pa­re­ce. Das cer­ca de 150 bom­bas nu­cle­a­res ame­ri­ca­nas ins­ta­la­das em ter­ri­tó­rio eu­ro­peu, um nú­me­ro in­de­ter­mi­na­do es­tá na Tur­quia, di­vi­din­do-se as res­tan­tes pe­la Itá­lia, Ale­ma­nha e Reino Unido.

TOM BREN­NER/REU­TERS

CH­RIS­TI­AN HART­MANN/REU­TERS

À pres­são fei­ta por Trump aos mem­bros da NATO, jun­ta-se ago­ra a de­cla­ra­ção de Ma­cron, que de­cla­rou a or­ga­ni­za­ção “em mor­te ce­re­bral”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.