PA­TRÍ­CIA AL­VES-OLI­VEI­RA

GQ (Portugal) - - Março -

te­ria de ter al­gu­mas “li­mi­ta­ções” tí­pi­cas de ser hu­ma­no co­mo a au­to­cons­ci­ên­cia, a im­pre­vi­si­bi­li­da­de, a em­pa­tia, o en­ve­lhe­ci­men­to e até a pró­pria mor­te, por­que, co­mo diz, “as re­la­ções im­pli­cam li­dar­mos com li­mi­ta­ções mú­tu­as”. E se bas­tar car­re­gar no bo­tão de off e de­pois no de on ou­tra vez quan­do o ro­bot se re­cu­sa a fa­zer se­xo com o marido hu­ma­no por­que ele não ar­ru­mou a co­zi­nha, que ti­po de re­la­ção é es­sa? “Se um ro­bot não po­de mor­rer, co­mo po­de­rá ter e dar vi­da a quem vi­ve com ele?”, ques­ti­o­na. “Creio que só na im­per­fei­ção hu­ma­na po­de nas­cer o ver­da­dei­ro amor. Con­tu­do o amor ro­mân­ti­co com­por­ta vá­ri­as for­mas de amar e acre­di­to que ca­da ser hu­ma­no tem o di­rei­to de es­co­lher a for­ma co­mo pre­ten­de re­la­ci­o­nar-se e amar.” Se is­so in­clui an­droi­des, ro­bots, ho­lo­gra­mas ou qual­quer ou­tra for­ma de tec­no­lo­gia, é con­si­go.

“SE­RÁ QUE AS RE­LA­ÇÕES COM RO­BOTS SUBS­TI­TU­EM AQUI­LO QUE SEN­TI­MOS COM

O CA­LOR DO TO­QUE DA PE­LE

HU­MA­NA?”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.