SAÚ­DE

GQ (Portugal) - - SUMÁRIO - Por Be­a­triz Teixeira.

A in­fer­ti­li­da­de é um pro­ble­ma que afe­ta am­bos os gé­ne­ros, mas es­ta­rão os ho­mens pre­pa­ra­dos pa­ra li­dar com ela?

Pôr uma cri­an­ça no mun­do é um tra­ba­lho da mãe e do pai. Não con­se­guir fa­zê-lo é um pro­ble­ma da mu­lher e do ho­mem. Há mui­to que a in­fer­ti­li­da­de dei­xou de ser um as­sun­to as­so­ci­a­do ape­nas ao se­xo fe­mi­ni­no, mas se­rá que no mas­cu­li­no se sa­be tu­do so­bre es­ta ques­tão?

“Cha­mo-me Nu­no e a mi­nha com­pa­nhei­ra Ana. A nos­sa re­la­ção du­ra des­de 2004, eu te­nho 37 anos e ela 35. To­má­mos a de­ci­são de avan­çar pa­ra acres­cen­tar um ele­men­to à fa­mí­lia em 2014. Eu e a Ana fa­lá­mos com os res­pe­ti­vos mé­di­cos de fa­mí­lia e fi­ze­mos as análises e exa­mes re­co­men­da­dos e, não ha­ven­do ne­nhum pro­ble­ma de­te­ta­do, a

Ana sus­pen­deu a to­ma do an­ti­con­ce­ci­o­nal. Passámos a ter re­la­ções des­pro­te­gi­das, mas sem con­tro­lo do pe­río­do fér­til, ape­nas de acor­do com a von­ta­de. Pas­sa­do cer­ca de um ano, e uma vez que não tí­nha­mos pres­sa, não sur­giu a tal gra­vi­dez es­pe­ra­da. Passámos en­tão a con­tro­lar o ca­len­dá­rio e a di­re­ci­o­nar as re­la­ções pa­ra o pe­río­do fér­til. Pas­sa­ram mais uns me­ses, al­gu­mas an­si­e­da­des, in­ter­ro­ga­ções, e o re­sul­ta­do es­pe­ra­do es­bar­ra­va em no­va mens­tru­a­ção. De­ci­di­mos en­tão pro­cu­rar res­pos­tas, eu em Uro­lo­gia e a Ana em Gi­ne­co­lo­gia. Fiz o pri­mei­ro es­per­mo­gra­ma em maio/ju­nho de 2016 e foi aí que soube que o pro­ble­ma era meu. O re­sul­ta­do foi azo­os­per­mia e foi o pri­mei­ro mur­ro no estô­ma­go. Com a Ana es­ta­va tu­do bem, ape­nas um pe­que­no mi­o­ma ute­ri­no, sem gran­de im­por­tân­cia.

Fiz ou­tros exa­mes pa­ra ten­tar de­te­tar a ori­gem do pro­ble­ma e ini­ci­ei a to­ma de um su­ple­men­to hor­mo­nal du­ran­te seis me­ses. Os exa­mes não de­te­ta­ram pro­ble­ma al­gum pa­ra a au­sên­cia de es­per­ma­to­zoi­des no es­per­ma. Du­ran­te es­ses me­ses, con­ti­nuá­mos a ten­tar. Nes­ta fa­se, a nos­sa es­pe­ran­ça vai-se re­di­re­ci­o­nan­do, pri­mei­ro pa­ra o su­ces­so do tal su­ple­men­to, de­pois pa­ra o pas­so se­guin­te. So­mos am­bos bas­tan­te cal­mos, acei­tá­mos as li­mi­ta­ções e pro­cu­rá­mos aju­da. Con­se­gui­mos uma con­sul­ta pa­ra

PMA [pro­cri­a­ção me­di­ca­men­te as­sis­ti­da] na Ma­ter­ni­da­de Jú­lio Di­nis no iní­cio de 2017. Vol­tá­mos a fa­zer exa­mes e con­fir­mou-se o di­ag­nós­ti­co de azo­os­per­mia. Não ha­ven­do es­per­ma­to­zoi­des no es­per­ma, o pas­so se­guin­te foi ten­tar re­ti­rá-los di­re­ta­men­te do tes­tí­cu­lo, on­de são for­ma­dos. Ten­tou-se por meio de bi­op­sia tes­ti­cu­lar, mas sem su­ces­so. Os ves­tí­gi­os en­con­tra­dos não per­mi­ti­ram re­cur­so a téc­ni­cas de PMA e iden­ti­fi­cou-se o pro­ble­ma co­mo sen­do ge­né­ti­co. Es­ta in­ter­ven­ção foi bas­tan­te do­lo­ro­sa fi­si­ca­men­te no pós-ci­rúr­gi­co, e tam­bém ao ní­vel psi­co­ló­gi­co. Aqui foi o di­ag­nós­ti­co fi­nal da mi­nha im­pos­si­bi­li­da­de de ter fi­lhos, em ju­nho de 2017. Mais um bal­de de água fria nas nos­sas aspirações de ser pais.”

A in­fer­ti­li­da­de não olha a gé­ne­ros e, diz a As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa de Fer­ti­li­da­de (APF), que ho­mens e mu­lhe­res até an­dam de mão da­da nas per­cen­ta­gens, com am­bos a atin­gi­rem nú­me­ros que ro­dam os 40%. Fa­la­mos ne­la quan­do um ca­sal não con­se­gue en­gra­vi­dar após um ano de re­la­ções se­xu­ais des­pro­te­gi­das ou após seis me­ses de ten­ta­ti­vas quan­do a mu­lher tem mais de 35 anos e o ho­mem 40. Mu­lher e ho­mem, re­pe­ti­mos. A ideia de que es­te é um pro­ble­ma me­ra­men­te fe­mi­ni­no já era, só que – tam­bém diz a APF – os ho­mens con­ti­nu­am a ter me­nos ini­ci­a­ti­va pa­ra con­sul­tar es­pe­ci­a­lis­tas e aca­bam por ser as mu­lhe­res

a ser mais vo­cais so­bre a im­pos­si­bi­li­da­de de te­rem fi­lhos, per­pe­tu­an­do-se o pre­con­cei­to. Lá es­tá ela, a mal­di­ta mas­cu­li­ni­da­de tó­xi­ca, es­sa ver­são ma­chis­ta de ver as coi­sas que nos en­si­nou (tão er­ra­da­men­te) que um ho­mem in­ca­paz de ge­rar vi­da não de­ve ser lá gran­de ho­mem e pro­va­vel­men­te até tem pro­ble­mas em pô-lo de pé. Es­tá lon­ge de ser ver­da­de, mas “a fer­ti­li­da­de e a po­tên­cia são du­as áre­as mui­to im­por­tan­tes na cons­ti­tui­ção da au­to­es­ti­ma mas­cu­li­na”, diz-nos a psi­có­lo­ga Ca­ta­ri­na Me­xia. “A ver­go­nha é uma das res­pos­tas que apa­re­cem na­tu­ral­men­te e a per­tur­ba­ção emo­ci­o­nal pa­ra um ho­mem in­fér­til é mai­or quan­do car­re­ga o di­ag­nós­ti­co e se sen­te res­pon­sá­vel por ele. Além de vi­ver o dra­ma de ser in­fér­til, o ho­mem vi­ve ain­da o dra­ma de pri­var a sua com­pa­nhei­ra do fi­lho de­se­ja­do.” Es­se dra­ma, es­sa ver­go­nha, es­sa cul­pa são cor­ro­si­vos, ma­go­am, des­gas­tam e sa­bem ao tal mur­ro no estô­ma­go, ao tal bal­de de água fria. Mas são tam­bém um as­sun­to do ca­sal e não qual­quer coi­sa que tem de ser vi­vi­da a so­lo. Ou não são pre­ci­sos dois pa­ra con­cre­ti­zar es­sa me­ta de vi­da que é ter um fi­lho?

No ho­mem, tal co­mo na mu­lher, as cau­sas pa­ra a in­fer­ti­li­da­de po­dem ser vá­ri­as, mas as ano­ma­li­as no sé­men são apon­ta­das co­mo as mais co­muns pe­la So­ci­e­da­de Por­tu­gue­sa de Me­di­ci­na de Re­pro­du­ção (SPMR). Es­sas ano­ma­li­as po­dem ser ex­pli­ca­das pe­la bai­xa pro­du­ção do nú­me­ro de es­per­ma­to­zoi­des (em con­di­ções nor­mais, um ho­mem pro­duz cer­ca de 100 mi­lhões de es­per­ma­to­zoi­des e abai­xo de 20 mi­lhões es­ta­mos pe­ran­te um ca­so de fer­ti­li­da­de re­du­zi­da), mas tam­bém pe­la sua con­fi­gu­ra­ção anor­mal, mo­bi­li­da­de re­du­zi­da ou até ine­xis­tên­cia [ver cai­xa]. E co­mo é que is­so acon­te­ce? A cul­pa po­de ser da ge­né­ti­ca, de do­en­ças co­mo a di­a­be­tes ou o can­cro, de pro­ble­mas hor­mo­nais ou in­fe­ções, mas tam­bém de uma lis­ta com­pri­da que diz res­pei­to aos nos­sos há­bi­tos diá­ri­os. En­tre eles, es­tão os não tão sur­pre­en­den­tes stress, ta­ba­gis­mo, al­co­o­lis­mo, con­su­mo de dro­gas, se­den­ta­ris­mo, ex­ces­so de ca­lor, obe­si­da­de e ex­po­si­ção a subs­tân­ci­as tó­xi­cas. É por is­so que par­te da es­tra­té­gia da APF pas­sa pe­lo ape­lo a ro­ti­nas mais sau­dá­veis, des­sas que in­clu­em há­bi­tos co­mo o exer­cí­cio fí­si­co, a ali­men­ta­ção equi­li­bra­da e va­ri­a­da, o uso de rou­pas con­for­tá­veis e não aper­ta­das e, cla­ro, di­zer não a es­ses sus­pei­tos do cos­tu­me que são o ál­co­ol, o ta­ba­co e as subs­tân­ci­as tó­xi­cas. Is­so e não ter me­do das vi­si­tas ao se­nhor dou­tor, lo­go des­de ce­do. “Um acom­pa­nha­men­to mé­di­co ao lon­go da in­fân­cia e na fa­se da ado­les­cên­cia é im­por­tan­te pa­ra ob­ser­var se exis­te al­gu­ma ano­ma­lia fí­si­ca, ou ain­da a re­a­li­za­ção de um es­per­mo­gra­ma nu­ma ida­de pre­co­ce, a par­tir dos 18 anos, por exem­plo”, acon­se­lha a APF. Vá, não va­le a pe­na di­a­bo­li­zar o con­sul­tó­rio. A não ser que se­ja lá que sur­gem os pro­ble­mas.

“O meu ma­ri­do foi sub­me­ti­do a du­as ci­rur­gi­as pa­ra co­lo­ca­ção de re­des pa­ra cor­re­ção de hér­ni­as in­gui­nais, ain­da an­tes de pen­sar ter fi­lhos e lon­ge de sa­ber que is­so lhe al­te­ra­ria a vi­da pa­ra sem­pre. Em ne­nhum mo­men­to foi aler­ta­do pe­los mé­di­cos que is­so lhe po­dia tra­zer con­sequên­ci­as pa­ra a sua fer­ti­li­da­de. Pas­sa­do uns anos, quan­do co­me­çá­mos a ten­tar ter fi­lhos, co­mo não es­tá­va­mos a con­se­guir, fi­ze­mos uns exa­mes mais es­pe­cí­fi­cos e, lo­go aí, os es­per­mo­gra­mas vi­e­ram com va­lo­res bas­tan­te al­te­ra­dos. A par­tir daí, foi uma bus­ca de res­pos­tas, vis­to ser­mos am­bos sau­dá­veis, na­da fa­zia pre­ver is­to. Até que, após con­sul­ta com uro­lo­gis­ta, foi in­di­ca­do fa­zer uma no­va ci­rur­gia pa­ra se per­ce­ber qual era o pro­ble­ma. Nes­ta ci­rur­gia, per­ce­beu-se que quem o ti­nha operado an­te­ri­or­men­te não se pre­o­cu­pou mi­ni­ma­men­te em man­ter a fer­ti­li­da­de de uma pes­soa jo­vem, is­to por­que ti­nham pu­xa­do os ca­nais de­fe­ren­tes (ca­nais por on­de pas­sam os es­per­ma­to­zoi­des dos tes­tí­cu­los pa­ra o ex­te­ri­or) e fo­ram co­si­dos às re­des que ti­nham co­lo­ca­do. Is­to fez com que es­ses ca­nais fi­cas­sem obs­truí­dos e sem qual­quer hi­pó­te­se de re­cu­pe­ra­ção. Um di­ag­nós­ti­co não mais ou me­nos vi­o­len­to que in­fer­ti­li­da­de cau­sa­da por ou­tros fa­to­res, mas sim com o bó­nus de um sen­ti­men­to de re­vol­ta e tris­te­za pro­fun­da por­que ir­re­ver­si­vel­men­te lhe pro­vo­ca­ram is­to: a con­de­na­ção de nun­ca vir a con­se­guir ter fi­lhos de for­ma na­tu­ral. En­tre­tan­to, já nos sub­me­te­mos a três ICSI [in­je­ção in­tra­ci­to­plas­má­ti­ca] com bi­op­sia tes­ti­cu­lar, mas sem su­ces­so. Con­ti­nu­a­re­mos a lu­tar pe­lo nos­so tão de­se­ja­do fi­lho, mas não é fá­cil.” Lau­ra (no­me fic­tí­cio), 32 anos.

As cau­sas pa­ra a in­fer­ti­li­da­de po­dem ser vá­ri­as, mas as ano­ma­li­as

no sé­men são apon­ta­das co­mo as mais co­muns.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.