CRA­VEI­RAL FARMHOUSE BY BELONG STAYING & FEELING

GQ (Portugal) - - IN & OUT | DESTINO - LI­BER­DA­DE PA­RA SER

Sa­be aque­le lu­gar-co­mum que diz que os lu­ga­res são as pes­so­as? Che­ga­mos a 2019 e, en­quan­to con­ti­nu­a­mos a ser bom­bar­de­a­dos com ima­gens es­te­ti­ca­men­te per­fei­tas e ge­o­mé­tri­cas de lu­ga­res-de­ma­si­a­do-bo­ni­tos-pa­ra-se­rem-re­ais, per­ce­be­mos que há cli­chés que fa­zem mes­mo sen­ti­do – tal­vez te­nha si­do jus­ta­men­te por is­so que se tor­na­ram cli­chés. O Cra­vei­ral, um tu­ris­mo de na­tu­re­za que abriu o ano pas­sa­do no Su­do­es­te Alen­te­ja­no, é um lu­gar de­ma­si­a­do bo­ni­to pa­ra ser re­al, o que po­de so­ar um pou­co con­tra­di­tó­rio ten­do em con­ta o que aca­bá­mos de es­cre­ver não fos­se o fac­to de de­ver pe­lo me­nos uma gran­de par­te da sua ener­gia – uma ener­gia do ca­ra­ças em lin­gua­gem pou­co dig­na mas mais que ver­da­dei­ra – pre­ci­sa­men­te às pes­so­as.

Num ato de lou­cu­ra, va­mos en­tão co­me­çar um tex­to so­bre um lu­gar a fa­lar de pes­so­as. Da Mar­ta, que no Na­tal ofe­re­ceu a to­da a fa­mí­lia vou­chers pa­ra co­nhe­ce­rem o Cra­vei­ral e que gos­ta tan­to de ali tra­ba­lhar que não se can­sa de o di­zer e de o mos­trar a quem com ela se cru­za; da Pau­la, que pa­re­ce ter o dom da ubi­qui­da­de e tan­to nos es­tá a ofe­re­cer um ca­fé co­mo a dar ins­tru­ções ao mes­tre de obras; da Ma­ria João, que acei­tou o de­sa­fio de dei­xar a sua car­rei­ra na área do de­sign grá­fi­co pa­ra as­su­mir o le­me da co­zi­nha, e que no fi­nal da noi­te se jun­ta a nós pa­ra um co­po de vi­nho e dois de­dos de con­ver­sa lo­go de­pois de dei­xar a ar­re­fe­cer o bo­lo de fru­tos ver­me­lhos pa­ra o pe­que­no-al­mo­ço do dia se­guin­te; ou do Ti­a­go, o mes­tre de ce­ri­mó­ni­as que, pa­ra além de não fa­lhar uma fi­nal da Eu­ro­vi­são des­de há 14 anos, tam­bém pa­re­ce co­le­ci­o­nar boa-dis­po­si­ção tal é a fa­ci­li­da­de com que põe a rir to­dos os que o ro­dei­am.

Num pri­mei­ro mo­men­to, pen­sa­mos que reu­nir es­tas pes­so­as num mes­mo lo­cal só po­de ter si­do um tre­men­do gol­pe de sor­te. Mas de­pois co­nhe­ce­mos o Pe­dro, o Luís e o João e per­ce­be­mos que na­da aqui é fru­to do aca­so. Pe­dro Fran­ca Pinto, Luís Ca­pi­nha e João Ca­ni­lho são os só­ci­os por trás do pro­je­to Cra­vei­ral – mui­to re­su­mi­da­men­te, a his­tó­ria co­me­çou com Pe­dro, que em 2010 com­prou um an­ti­go cam­po de cra­vos com o in­tui­to de trans­for­má-lo num pro­je­to que ser­vis­se de le­ga­do emo­ci­o­nal aos seus dois fi­lhos, mas só te­ve a sua de­vi­da con­cre­ti­za­ção com a en­tra­da de João e Luís na equa­ção –, três ho­mens tão di­fe­ren­tes en­tre si quan­to igual­men­te exí­mi­os na ar­te de fa­zer com que to­dos os hós­pe­des sin­tam que che­ga­ram a uma ca­sa on­de não pre­ci­sam de pa­re­cer, mas ape­nas de ser e es­tar, o que po­de apa­ren­tar ser pou­co mas é tu­do. “Costumo di­zer que o Cra­vei­ral é um es­pa­ço de li­ber­da­de, li­ber­da­de no sen­ti­do de res­pei­tar a li­ber­da­de in­di­vi­du­al de ca­da um”, diz Pe­dro Fran­ca Pinto, ad­vo­ga­do de pro­fis­são e ho­mem de pai­xões as­so­la­pa­das, um ro­mân­ti­co com uma ale­gria pu­e­ril sem­pre que fa­la de al­go em que acre­di­ta ver­da­dei­ra­men­te – e is­so acon­te­ce com mui­ta frequên­cia. No Cra­vei­ral, há to­do o es­pa­ço do mun­do pa­ra as emo­ções à flor da pe­le de Pe­dro, mas tam­bém pa­ra a ex­pan­si­vi­da­de, des­con­tra­ção e sen­ti­do prá­ti­co de Luís, formado em de­sign grá­fi­co e do­no de um bom gos­to ir­re­pre­en­sí­vel, e pa­ra a ar­gú­cia e se­re­ni­da­de de João, que de­pois de mui­tos anos a tra­ba­lhar no se­tor das te­le­co­mu­ni­ca­ções di­re­ci­o­nou to­da a sua sen­si­bi­li­da­de e co­nhe­ci­men­to do mun­do pa­ra o tu­ris­mo (ain­da an­tes do Cra­vei­ral, João e Luís abri­ram a Ca­sa Amo­ra, uma ca­sa de hós­pe­des no bair­ro lis­bo­e­ta das Amo­rei­ras).

Ape­sar de ex­tra­or­di­na­ri­a­men­te di­fe­ren­tes en­tre si, Pe­dro, João e Luís não pre­ci­sam de fa­zer qual­quer es­for­ço pa­ra al­can­çar con­sen­sos. Re­gres­san­do no­va­men­te ao iní­cio do tex­to: é que se os lu­ga­res são pes­so­as, o Cra­vei­ral re­fle­te tu­do aqui­lo em que os três só­ci­os acre­di­tam, a co­me­çar pe­lo pro­fun­do res­pei­to pe­lo sí­tio on­de de­ci­di­ram fa­zer obra. Na lo­ca­li­da­de de São Te­o­tó­nio, a pou­cos qui­ló­me­tros das prai­as da Zam­bu­jei­ra do Mar e do Car­va­lhal, o Cra­vei­ral es­ten­de-se por no­ve hec­ta­res de ter­re­no que, tal co­mo mui­tas das pai­sa­gens alen­te­ja­nas, nos dá uma ime­di­a­ta sen­sa­ção de in­fi­ni­tu­de. À na­tu­re­za, deu-se a per­mis­são de cres­cer sel­va­gem: a hor­ta e as ár­vo­res de fru­to que fo­ram plan­ta­das, in­cluin­do 5 mil pés de me­dro

nhei­ro, hão de cres­cer, é ver­da­de, mas sem­pre cer­ca­das pe­las er­vas e plan­tas na­ti­vas, nun­ca por rel­va (à ex­ce­ção do cam­po de jo­gos e do pi­ca­dei­ro) ou ár­vo­res que não per­ten­cem ao ecos­sis­te­ma da re­gião. “Que­re­mos que a na­tu­re­za to­me con­ta de tu­do”, re­su­me Ca­pi­nha.

A área cons­truí­da ocu­pa ape­nas 4% da to­ta­li­da­de do ter­re­no e é tam­bém ela con­di­zen­te com o ima­gi­ná­rio alen­te­ja­no. As 38 ca­sas bran­cas e ras­tei­ras, de di­fe­ren­tes ti­po­lo­gi­as, re­par­tem-se por qua­tro nú­cle­os dis­tin­tos, uni­dos por lon­gos pas­sa­di­ços de ma­dei­ra que con­vi­dam a pas­sei­os a pé, de bi­ci­cle­ta (as bi­ci­cle­tas es­tão es­pa­lha­das por to­da a pro­pri­e­da­de e po­dem ser usa­das li­vre­men­te pe­los hós­pe­des) ou de mi­ni­tra­tor, os amo­ro­sos mei­os de lo­co­mo­ção que aju­dam a fa­zer do ri­so das cri­an­ças uma das prin­ci­pais ban­das so­no­ras do Cra­vei­ral – pa­ra quem es­se é um pro­ble­ma, há um nú­cleo de ca­sas ape­nas pa­ra adul­tos que tem até uma pis­ci­na pri­va­ti­va. A res­tan­te área cons­truí­da in­clui o edi­fí­cio prin­ci­pal, on­de são ser­vi­das to­das as re­fei­ções e es­tá ins­ta­la­da a re­ce­ção, o cen­tro de in­ter­pre­ta­ção (um es­pa­ço mul­tiu­sos re­cém-inau­gu­ra­do on­de te­rão lu­gar workshops de ma­cra­mé e io­ga mas tam­bém ca­sa­men­tos) e as qua­tro pis­ci­nas, in­cluin­do um edi­fí­cio com pis­ci­na in­te­ri­or e aque­ci­da, ba­nho tur­co e sau­na.

O Cra­vei­ral são as pes­so­as, já o dis­se­mos, mas tam­bém são os ani­mais. O ca­sal de bur­ros Cra­vo e Fer­ra­du­ra e a sua cria Cra­vi­nho; o Me­dro­nho, um ca­da vez mais so­ciá­vel por­co vi­et­na­mi­ta; a ca­bra-anã Ca­ne­la e a sua fi­lho­ta Hor­te­lã (que a GQ aju­dou a ba­ti­zar); um ga­lo e uma ga­li­nha de seu no­me Ros­ma­ni­nho e Ro­mã; o amis­to­so ca­va­lo lu­si­ta­no Qui­noa; os ga­tos va­di­os que por ali apa­re­ce­ram e que fo­ram ba­ti­za­dos de Ma­la­gue­ta e Pi­men­ta; ou a Pi­ca, a ca­de­li­nha de Pe­dro Fran­ca Pinto que não é re­si­den­te per­ma­nen­te, mas tam­bém faz par­te de uma fa­mí­lia que não pa­ra de cres­cer. “O Cra­vei­ral não são pa­re­des, é uma ex­pe­ri­ên­cia”, diz Pe­dro. E de­pois te­mos a opor­tu­ni­da­de de apren­der a an­dar de ca­va­lo com a Qui­noa, de ir às prai­as mais pró­xi­mas de ji­pe, des­co­brin­do um Alen­te­jo que des­co­nhe­cía­mos, de be­ber um me­dro­nho no al­pen­dre en­quan­to con­ver­sa­mos noi­te den­tro, ou de fa­zer o nos­so pró­prio pão e pi­zas com a aju­da do sor­ri­den­te e so­lí­ci­to Jes­sy. E per­ce­be­mos que a fra­se de Pe­dro não po­dia ser mais ver­da­dei­ra.

Pa­ra os três só­ci­os, es­te pro­je­to só faz sen­ti­do se se abrir à co­mu­ni­da­de que o ro­deia, se­ja atra­vés da va­lo­ri­za­ção dos pro­du­tos lo­cais – co­mo os en­chi­dos do Evan­ge­lis­ta e os quei­jos da Qu­ei­ja­ria do Mer­ca­do Mu­ni­ci­pal de Ode­mi­ra, que pe­tis­cá­mos num fim de tar­de mo­len­gão, ou o vi­nho Vi­cen­ti­no que nos acom­pa­nhou em to­das as re­fei­ções – co­mo apos­tan­do em ini­ci­a­ti­vas in­clu­si­vas. É o ca­so da car­ta de pi­zas bi­o­ló­gi­cas que em bre­ve re­sul­ta­rá da par­ce­ria com a pi­za­ria ln Boc­ca al Lu­po e a as­so­ci­a­ção Vi­la com Vi­da, cu­jo ob­je­ti­vo é cri­ar opor­tu­ni­da­des de tra­ba­lho den­tro do Cra­vei­ral pa­ra jo­vens com au­tis­mo, sín­dro­me de As­per­ger e sín­dro­me de Down. Com ex­ce­ção das pi­zas, Ma­ria João Lei­te é a res­pon­sá­vel por ou­tra das ex­pe­ri­ên­ci­as inol­vi­dá­veis do Cra­vei­ral: a co­mi­da. Se­guin­do uma fi­lo­so­fia farm to ta­ble e apos­tan­do pre­fe­ren­ci­al­men­te em pro­du­tos sa­zo­nais e re­gi­o­nais e, no fu­tu­ro, pro­ve­ni­en­tes da hor­ta e do po­mar da pro­pri­e­da­de, é ela a fa­da ma­dri­nha por trás de pra­tos co­mo o pão alen­te­ja­no re­che­a­do, o pol­vo com ba­ta­ta-do­ce ou o lom­bi­nho de por­co pre­to com pu­ré de cas­ta­nha – e até dos bo­los e das pan­que­cas ex­tra­fo­fas que com­ple­tam o ex­ce­len­te pe­que­no-al­mo­ço.

O tex­to já vai lon­go, mas ain­da não lhe dis­se­mos que to­das as 38 ca­sas es­tão equi­pa­das com kit­che­net­te ou co­zi­nha equi­pa­da, ame­ni­ti­es bi­o­ló­gi­cos, ter­ra­ço com pér­go­la e re­cu­pe­ra­dor de ca­lor a le­nha (à ex­ce­ção dos es­tú­di­os), e que têm em co­mum uma de­co­ra­ção des­pre­ten­si­o­sa e qua­se to­da ma­de in Por­tu­gal, com mo­bi­liá­rio da WeWo­od e DAM, pe­ças de mar­cas co­mo a Cos­ta No­va, a Mei­re­les e a Ex­por­lux, qua­dros da au­to­ria de Bruno Cas­tro San­tos e apon­ta­men­tos de­co­ra­ti­vos fei­tos por ar­te­sãos lo­cais. Nem men­ci­o­ná­mos que a hor­ta é re­ga­da com água do fu­ro, que as águas das chu­vas e das la­va­gens são reu­ti­li­za­das e que to­dos os ex­ce­den­tes da hor­ta e do res­tau­ran­te são com­pos­ta­dos. Na re­a­li­da­de, há tan­to pa­ra di­zer que o mais di­fí­cil é ter­mi­nar um tex­to so­bre o Cra­vei­ral. Até por­que o Cra­vei­ral es­tá tam­bém em cons­tan­te mu­ta­ção. E é is­so que faz com que se­ja um ca­so re­al­men­te es­pe­ci­al: ser um or­ga­nis­mo vi­vo com uma al­ma on­de ca­be o mun­do.

Em ci­ma, um dos nú­cle­os de ca­sas do Cra­vei­ral ao por do sol. Na pá­gi­na ao la­do, no sen­ti­do dos pon­tei­ros do re­ló­gio: edi­fí­cio prin­ci­pal e zo­na da pis­ci­na; res­tau­ran­te on­de se ser­vem to­das as re­fei­ções com uma fi­lo­so­fia farm to ta­ble; uma das pis­ci­nas ex­te­ri­o­res; a pis­ci­na in­te­ri­or aque­ci­da; quar­to do no­vo nú­cleo de ca­sas ex­clu­si­vas pa­ra adul­tos, com col­chões da Häs­tens.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.