HO­RI­ZON­TES SEM LI­MI­TES

GQ (Portugal) - - VOZES - EX-ES­TRA­NHO KALAF EPALANGA

No dia em que a guer­ra ter­mi­nou em Mo­çam­bi­que, o es­cri­tor Mia Cou­to acom­pa­nha­do pe­lo ir­mão saiu de ca­sa de­ter­mi­na­do a vi­a­jar país fo­ra, a pas‑ sar pa­ra lá do cer­co que, en­tre 1977 e 1992, não só man­te­ve ci­da­des com­ple­ta­men­te iso­la­das, co­mo te­ve a pro­e­za ne­fas­ta de man­ter tam­bém calado o so­nho de um dia se po­de­rem tri­lhar ca­mi­nhos por ter­ra. Um de­se­jo que mui­tos afri­ca­nos afe­ta­dos pe­los con­fli­tos ar­ma­dos man­ti­ve­ram ace­so, pois ne­nhum ou­tro lu­gar do mun­do con­se­gue pro­por­ci­o­nar es­sa no­ção do gran­de es­pa­ço, com ho­ri­zon­tes sem li­mi­tes co­mo Áfri­ca.

Nas pri­mei­ras ho­ras da ma­nhã, ao vo­lan‑ te de um ve­lho Land Ro­ver, os dois ir­mãos ul­tra­pas­sa­ram o cer­co de Ma­pu­to, a fron­tei‑ ra que du­ran­te 15 anos man­ti­ve­ra mo­çam‑ bi­ca­nos es­tran­gei­ros de si mes­mos. Con‑ sequên­ci­as de uma guer­ra atí­pi­ca, que nos li­vros de his­tó­ria de­no­mi­na­mos de guer­ra ci­vil, mas que, na re­a­li­da­de, é al­go mais com­ple­xo. Mui­tas das nos­sas guer­ras não se tra­tou de con­fli­tos cau­sa­dos pe­la re­vol­ta de um gru­po da po­pu­la­ção con­tra o ou­tro, tão‑pou­co fo­ram pro­vo­ca­dos por di­fe­ren‑ ças ét­ni­cas ou re­gi­o­nais. No ca­so do país da Mar­ra­ben­ta, a guer­ra nas­ceu do la­do de fo­ra, uma agres­são ex­ter­na, uma dis­pu­ta en­tre o Krem­lin e a Ca­sa Bran­ca que de‑ pois se con­ver­teu num con­fli­to in­ter­no de tal or­dem vi­o­len­to que, em me­nos de du­as dé­ca­das, pro­vo­cou a mor­te de cer­ca de um mi­lhão de pes­so­as em com­ba­tes e por con­ta do fla­ge­lo da fo­me. Pa­ra com­ple­tar o qua­dro das tra­gé­di­as, cin­co mi­lhões de ci­vis fo­ram des­lo­ca­dos das su­as zo­nas de ori­gem.

Os ir­mãos Cou­to, quan­do re­pa­ra­ram na ima­gem de Ma­pu­to re­fle­ti­da no vi­dro re­tro‑ vi­sor, ti­ve­ram de pa­rar o car­ro. Não con‑ se­gui­ram con­ter as lá­gri­mas. Cho­ra­vam de co­mo­ção, in­va­di­dos pe­la sau­da­de des­se sen­ti­men­to do gran­de es­pa­ço. As lá­gri­mas que lhes la­va­ram o ros­to na­que­la ma­nhã de ou­tu­bro eram re­fle­xo do pon­to de sa­tu‑ ra­ção em que to­dos os mo­çam­bi­ca­nos se en­con­tra­vam. Ha­vi­am che­ga­do ao li­mi­te, a

fo­me, a fal­ta de es­pe­ran­ça, a in­ca­pa­ci­da­de de en­si­nar os fi­lhos a so­nhar com o fu­tu­ro, so­ma­dos ao sen­ti­men­to de va­zio que car­re‑ ga­vam den­tro de si fez com que, no mo­men‑ to em que se anun­ci­ou fi­nal­men­te paz, uma eu­fo­ria ar­re­ba­ta­do­ra te­nha to­ma­do con­ta da na­ção.

Em An­go­la não foi di­fe­ren­te. Nas­ci nes‑ sa pro­vín­cia que se es­ten­de nu­ma área de 39.826,83 km², e, co­mo mui­tos da mi­nha ge‑ ra­ção que nas­ce­ram e cres­ce­ram du­ran­te a Guer­ra Fria, o co­nhe­ci­men­to que te­nho do in­te­ri­or do país é qua­se ze­ro. Daí a mi­nha emo­ção sem­pre que te­nho a opor­tu­ni­da­de de vi­si­tar aque­les lu­ga­res de que ape­nas ou­vi fa­lar nas au­las de Ge­o­gra­fia e nas no­tí­ci­as que nar­ra­vam epi­só­di­os da nos­sa tra­gé­dia. Tal co­mo Mia e o ir­mão, tam­bém cho­ra­mos ao atra­ves­sar a pon­te que se­pa­ra o Nor­te e Sul do país na pe­que­na e his­tó­ri‑ ca vi­la da Can­ja­la. Cho­ra­mos em si­lên­cio, ho­me­na­ge­an­do to­dos os que per­de­ram a vi­da a lu­tar por aque­le pe­da­ço de es­tra­da sus­pen­sa nos dois la­dos da bar­ri­ca­da, sa‑ ben­do que quem saiu re­al­men­te a per­der fo­ram to­dos os an­go­la­nos.

Se­rá pos­sí­vel sen­tir­mos sau­da­des de al­go que não co­nhe­ce­mos re­al­men­te? Eu sen­ti, na pri­mei­ra vez que per­cor­ri os 600 km de es­tra­da en­tre Ben­gue­la e Lu­an­da. E, com mai­or in­ten­si­da­de à me­di­da que nos fo­mos apro­xi­man­do da bar­ra do Kwan­za, a pou‑ cos qui­ló­me­tros de en­trar­mos na ca­pi­tal de An­go­la. Fiz es­sa vi­a­gem com os meus pri­mos, dois dos meus an­go­la­nos fa­vo­ri­tos, bai­lun­dos do Hu­am­bo, ex‑mi­li­ta­res, ir­mãos de san­gue que com­ba­te­ram na guer­ra ci­vil an­go­la­na. E que ago­ra vi­vem em Ben­gue­la. O mais ve­lho com­ba­teu do la­do do MPLA e o mais no­vo no la­do da UNITA. E, ain­da que in­só­li­to, não nos sen­ti­mos es­pe­ci­ais por is­so, a nos­sa fa­mí­lia não foi a úni­ca que se viu afe­ta­da pe­la fa­ta­li­da­de de um con­fli­to ar­ma­do. Na mi­nha An­go­la um­bi­li­cal es­te ti­po de ab­sur­do é mui­to co­mum, mui­tos fo­ram os an­go­la­nos que se vi­ram co­lo­ca‑ dos nas san­dá­li­as bí­bli­cas de Abel e Caim, for­ça­dos a vi­ve­rem de cos­tas vol­ta­das com pes­so­as com quem ti­nham li­ga­ções afe­ti­vas.

Mia con­ta ain­da que, aquan­do da che­ga‑ da da paz, hou­ve al­gu­ma ce­le­bra­ção, sim, mas a gran­de ce­le­bra­ção mes­mo foi quan­do co­me­çou a cho­ver, por­que na­que­la al­tu­ra ha­via uma gran­de se­ca. E a in­ter­pre­ta­ção é que, se cho­ve, os deu­ses es­tão com­pa­ti­bi­li‑ za­dos com as pes­so­as. A paz foi um mi­la­gre. E em­bo­ra sen­do ateu, o au­tor de Ter­ra So­nâm­bu­la acre­di­ta com apre­ci­a­ção nas cren‑ ças po­pu­la­res. As pes­so­as en­ten­de­ram que aqui­lo era mais pro­fun­do que o ne­ces­sá­rio ca­lar das ar­mas. A har­mo­nia com en­ti­da­des di­vi­nas ha­via si­do al­can­ça­da. Is­so ex­pli­ca­va a ra­zão pe­la qual, de re­pen­te, na­que­le dia em que saí­ram pa­ra fu­rar o cer­co, não hou‑ ve mais ti­ros, não hou­ve mais vi­o­lên­cia.

SE­RÁ POS­SÍ­VEL SEN­TIR­MOS SAU­DA­DES DO QUE NÃO CO­NHE­CE­MOS? EU SEN­TI NA PRI­MEI­RA VEZ QUE FIZ A ES­TRA­DA BEN­GUE­LA-LU­AN­DA.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.