EDI­TO­RI­AL

GQ (Portugal) - - Sumário -

Jo­sé San­ta­na fala so­bre mu­dan­ça e es­pí­ri­to de equi­pa.

Oceana Ba­sí­lio não é uma fi­gu­ra con­sen­su­al, a não ser num pon­to: é uma mu­lher ex­tre­ma­men­te bo­ni­ta. Uma Kim Ba­sin­ger com a voz de Kath­le­en Tur­ner. Tal­vez a sua be­le­za, o ter si­do mãe sol­tei­ra, os pro­ble­mas com as dro­gas com 20 e pou­cos anos num País ain­da ma­chis­ta te­nham fei­to com que a te­nha­mos ro­tu­la­do er­ra­da­men­te. Es­ta ca­pa é uma pro­va dis­so. Con­fes­so que se me per­gun­tas­sem há uns me­ses se a Oceana acei­ta­ria uma ca­pa as­sim, on­de, em vez de lhe enal­te­cer­mos a be­le­za, lhe dis­tor­cês­se­mos a ima­gem pa­ra um cor­po de ho­mem, res­pon­de­ria lo­go que não. E acre­di­to que a mai­o­ria das pes­so­as di­ria o mes­mo. Em con­ver­sa, dis­se-me que há uns anos era mais de­ci­di­da, mais se­gu­ra de sa­ber o que que­ria; ao ou­vi-la, sen­ti que há uns anos tal­vez não dis­ses­se is­so, por­que é pre­ci­so sen­tir se­gu­ran­ça pa­ra o di­zer. Aliás, é pre­ci­so ter co­ra­gem pa­ra fa­zer uma ca­pa as­sim. Pro­va­vel­men­te, Oceana sen­te-se, ho­je mais do que nun­ca, se­gu­ra de si. Aca­bei por co­nhe­cer uma pes­soa que le­va mui­to a sé­rio a sua pro­fis­são e a pre­pa­ra­ção pa­ra as su­as per­so­na­gens, mas não ab­di­ca de ser quem é pa­ra su­bir na car­rei­ra. Mui­tos de nós só a co­nhe­ce­mos pe­lo seu tra­ba­lho na te­le­vi­são e não ima­gi­na­mos o lon­go per­cur­so que já tem no te­a­tro.

Na en­tre­vis­ta que dá à GQ, Oceana Ba­sí­lio fala um pou­co so­bre tu­do e so­bre o que é a be­le­za nu­ma con­ver­sa des­con­traí­da, mas pro­fun­da com Di­e­go Ar­més, que se es­treia nes­ta edi­ção co­mo Che­fe de Re­da­ção. O Di­e­go che­gou à re­da­ção da GQ há pou­co mais de três anos. Além de in­te­grar a re­da­ção da equi­pa, as­si­na des­de há dois a cró­ni­ca “Só­cio #107658” pa­ra

o si­te da GQ Por­tu­gal. Mais re­cen­te­men­te pas­sou a ter tam­bém di­rei­to à sua cró­ni­ca men­sal na re­vis­ta. A evo­lu­ção pa­ra es­te no­vo car­go não só é na­tu­ral co­mo fez re­no­var a adre­na­li­na que é fa­zer uma (boa) re­vis­ta to­dos os me­ses.

Com es­ta mu­dan­ça da­mos tam­bém as bo­as-vin­das às nos­sas ca­ras no­vas. Atre­vo-me a di­zer que ca­mi­nha­mos, não só pa­ra uma no­va eta­pa na GQ em Por­tu­gal, mas pa­ra uma das su­as me­lho­res de sem­pre. Pa­ra is­so, con­ti­nu­a­mos a con­tar con­si­go e com as su­as idei­as pa­ra ar­ti­gos, pa­ra es­se efei­to criá­mos o email (par­te­da­e­qui­pa@gq.light-hou­se.pt). Co­mo sem­pre, le­va­re­mos as su­as su­ges­tões pa­ra as reu­niões de re­da­ção.

Es­pe­ro que use e abu­se des­ta edi­ção, o ví­cio da lei­tu­ra só faz bem. To­da a equi­pa es­tá tei­mo­sa­men­te de­ci­di­da a le­var a im­por­tân­cia do pa­pel ao des­ta­que que me­re­ce, e de on­de nun­ca de­via ter saí­do – nes­sa lu­ta, o lei­tor é o nos­so mai­or ali­a­do. Uns di­as an­tes des­ta edi­ção ir pa­ra a grá­fi­ca, fa­la­va com a Oceana ao te­le­fo­ne e ela dis­se-me: “San­ta­na, se es­tás dis­pos­to a ir pa­ra a guerra com es­ta ca­pa, eu es­tou con­ti­go.” E aqui es­tá com a ca­pa nas mãos. É bom tê-lo con­nos­co nes­ta “guerra”. Bo­as leituras!

Es­ta po­dia ter si­do a ca­pa da GQ. Só que não.

Jo­sé San­ta­na Di­re­tor GQ Por­tu­gal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.