DO FU­TE­BOL

GQ (Portugal) - - Culto -

São fe­nó­me­nos que des­per­tam a pai­xão pe­lo fu­te­bol, é des­tas his­tó­ri­as que bro­tam os mi­tos – os fac­tos e os even­tos que se se­guem es­tão con­de­na­dos a trans­for­mar-se em len­das, por­que me­re­cem ser con­ta­dos de ge­ra­ção em ge­ra­ção, até que es­tes no­mes e es­tes fei­tos se cris­ta­li­zem na cul­tu­ra popular co­mo acon­te­ceu com a mi­to­lo­gia gre­ga e a ro­ma­na. Es­ta des­cri­ção po­de con­ter al­gum exa­ge­ro, mas a ver­da­de é que o “mi­la­gre do Not­tingham Fo­rest” foi con­ce­bi­do só pa­ra mos­trar aos co­muns-mor­tais que exis­te uma di­fe­ren­ça en­tre uma “his­tó­ria de su­pe­ra­ção” e uma de­mons­tra­ção inequí­vo­ca de po­der so­bre um des­ti­no que fo­ra tra­ça­do em sen­ti­do opos­to. Es­ta é a his­tó­ria de um clu­be de se­gun­da di­vi­são que se sa­grou cam­peão eu­ro­peu há pre­ci­sa­men­te 40 anos – a 30 de maio de 1979, no pal­co dos mi­tos que foi o Es­tá­dio Olím­pi­co de Mu­ni­que – e que, no ano se­guin­te, re­pe­tiu a con­quis­ta.

BRIAN CLOUGH (E PE­TER TAY­LOR)

Foi a 6 de ja­nei­ro de 1975 que Brian Clough foi apre­sen­ta­do co­mo no­vo trei­na­dor do Not­tingham Fo­rest, ia a épo­ca de 1974-75 a meio e o clu­be abai­xo do meio da ta­be­la. Ter­mi­na­ria em 16.º, es­ca­pan­do à des­pro­mo­ção, mas por pou­co. Clough re­gres­sa­va ao fu­te­bol após um bre­ve re­ti­ro, que não che­gou a três me­ses, na res­sa­ca da­que­le que te­rá si­do o pi­or epi­só­dio da sua car­rei­ra: a pas­sa­gem pe­lo Le­eds Uni­ted, clu­be pe­lo qual sem­pre mos­trou al­gum des­pre­zo, subs­ti­tuin­do Don Re­vie, um trei­na­dor que Clough ad­mi­ra­va de for­ma não re­cí­pro­ca. O pe­río­do do Le­eds, que du­rou ape­nas 44 di­as, foi tão de­sas­tro­so e ne­ga­ti­vo que in­crus­tou no ima­gi­ná­rio popular, exis­tin­do li­vros e fil­mes so­bre o as­sun­to. Mas o cur­rí­cu­lo de Brian Clough es­ta­va lon­ge de po­der ser re­su­mi­do ao de­sas­tre no Le­eds Uni­ted. Anos an­tes, no Derby County, Brian Clough, acom­pa­nha­do do seu fi­el es­cu­dei­ro (que não o acom­pa­nhou em Le­eds, por­que se re­cu­sou, e que só vi­ria a jun­tar-se a Brian no Fo­rest al­gum tem­po de­pois) Pe­ter Tay­lor, le­vou o Derby da se­gun­da di­vi­são à pri­mei­ra e, em ape­nas três anos, fez do clu­be cam­peão de In­gla­ter­ra pe­la pri­mei­ra vez na his­tó­ria do clu­be, além de ter che­ga­do à meia-fi­nal da en­tão Ta­ça dos Cam­peões Eu­ro­peus. Tu­do is­to, nu­ma equi­pa de pro­vín­cia, pobre e ha­bi­tu­a­da à se­gun­da di­vi­são. Ob­vi­a­men­te, o Not­tingham Fo­rest, ao con­tra­tar Clough, es­pe­ra­va al­go se­me­lhan­te a es­te fei­to; pro­va­vel­men­te, não es­pe­ra­va que o fei­to pu­des­se ser su­pe­ra­do – mas foi.

De­pois do 16.º lu­gar, o Fo­rest aca­bou em 8.º no ano se­guin­te. No pe­río­do en­tre épo­cas, a 16 de ju­lho de 1976, Brian Clough con­se­guiu finalmente a pe­ça que fal­ta­va pa­ra pôr a má­qui­na a fun­ci­o­nar: Pe­ter Tay­lor vol­ta­ria a sen­tar-se a seu la­do acu­mu­lan­do as fun­ções de trei­na­dor-ad­jun­to e de olhei­ro prin­ci­pal. De­pois de ob­ser­var a equi­pa, Tay­lor te­rá di­to a Clough: “Não sei co­mo aca­bas­te em 8.º na se­gun­da com tan­to jo­ga­dor de ter­cei­ra na equi­pa.”

A che­ga­da de Tay­lor per­mi­tiu – ou le­vou a – acer­tos no plan­tel, no­me­a­da­men­te com a con­tra­ta­ção de jo­ga­do­res com quem Clough – não sei se já foi di­to, mas lê-se “Clo­fe” – e Tay­lor ha­vi­am tra­ba­lha­do, anos an­tes, no Derby County, ini­ci­an­do um pla­no que le­va­ria mais de um ano a con­cre­ti­zar.

O Fo­rest ter­mi­na­ria em 3.º lu­gar, o que lhe per­mi­ti­ria su­bir à pri­mei­ra di­vi­são. Foi en­tão ho­ra de ir bus­car mais an­ti­gos jo­ga­do­res do Derby, o que era ago­ra mais fá­cil, uma vez que es­tar na pri­mei­ra não é o mes­mo que es­tar na se­gun­da quan­do o ob­je­ti­vo é se­du­zir um jo­ga­dor. O Fo­rest che­gou mes­mo a pon­tos de per­der a ca­be­ça e con­tra­tar o len­dá­rio gu­ar­da-re­des Pe­ter Shil­ton num ne­gó­cio de va­lo­res as­tro­nó­mi­cos: fo­ram pa­gas 325 mil li­bras pe­lo pas­se do jo­ga­dor. Qu­es­ti­o­na­do pe­los jor­na­lis­tas, Tay­lor jus­ti­fi­cou com sim­pli­ci­da­de o in­ves­ti­men­to fei­to: “Shil­ton ga­nha-nos jo­gos.” E ga­nhou mes­mo: no fim de 1977-78, lo­go à pri­mei­ra épo­ca após a su­bi­da, o Not­tingham Fo­rest sa­gra­va-se cam­peão de In­gla­ter­ra pe­la pri­mei­ra e, até ho­je, úni­ca vez na sua his­tó­ria. Uma vez mais, Clough pe­ga­va nu­ma equi­pa pe­que­na de pro­vín­cia e le­va­va-a ao tí­tu­lo de cam­peão. E o me­lhor é que não iria fi­car-se por aí.

O PER­CUR­SO

Em O Mi­la­gre do Not­tingham Fo­rest, de 2015 (I Be­li­ve in Mi­ra­cles, no tí­tu­lo ori­gi­nal), sur­ge um Brian Clough a de­cla­rar, en­tre a iro­nia e o de­sa­pon­ta­men­to ge­nuí­no, que “os ra­pa­zes fi­ca­ram tão en­tu­si­as­ma­dos por ir jo­gar à Eu­ro­pa e, afi­nal de con­tas, po­de­mos ir de au­to­car­ro”. O de­sa­ba­fo ti­nha uma jus­ti­fi­ca­ção sim­ples: o sorteio da UEFA pa­ra a pri­mei­ra eli­mi­na­tó­ria da Ta­ça dos Cam­peões Eu­ro­peus de 1978-79 em­pa­re­lhou o Fo­rest com o vi­zi­nho in­glês Li­ver­po­ol – que, ain­da por ci­ma, era o cam­peão eu­ro­peu em

ES­TA É A HIS­TÓ­RIA DE UM CLU­BE DE SE­GUN­DA DI­VI­SÃO QUE SE SA­GROU

CAM­PEÃO EU­RO­PEU HÁ PRE­CI­SA­MEN­TE 40 ANOS.

tí­tu­lo (bi­cam­peão, pa­ra ser­mos ri­go­ro­sos). Na­tu­ral­men­te, o fa­vo­ri­tis­mo pen­dia pa­ra o Li­ver­po­ol, po­rém Brian Clough afir­mou, des­de sem­pre, que acre­di­ta­va em mi­la­gres, e nem se­quer foi pre­ci­so um pa­ra ba­ter os cam­peões em tí­tu­lo: uma vi­tó­ria cla­ra, por dois a ze­ro, em ca­sa, e um em­pa­te sem go­los em An­fi­eld, eis o des­fe­cho tran­qui­lo pa­ra a equi­pa que, pou­co mais de um ano an­tes, dis­pu­ta­va a se­gun­da di­vi­são in­gle­sa.

Se­guiu-se o AEK de Ate­nas, que foi, mais ou me­nos, um pas­seio no par­que: 2-1 na Gré­cia, 5-1 no City Ground, em Not­tingham, dei­xa­ram cla­ro quem era o Fo­rest – uma equi­pa com­pe­ti­ti­va, aguer­ri­da e com um no­tá­vel es­pí­ri­to ven­ce­dor.

De re­pen­te, a im­pren­sa in­gle­sa da­va-se con­ta de que os ra­pa­zes de Clough não an­da­vam na Eu­ro­pa a brin­car ao fu­te­bol. Quão lon­ge po­de­ri­am ir, per­gun­ta­vam. “Acho que po­de­mos ser cam­peões”, res­pon­dia Clough no seu tí­pi­co jei­to de pes­soa que não es­tá ali pa­ra fa­zer fre­tes. O ad­ver­sá­rio se­guin­te, nos quar­tos de fi­nal, era o Gras­sho­per, da Suí­ça. Tal­vez ho­je se­ja di­fí­cil de con­ce­ber, mas, na al­tu­ra, o Gras­sho­per era uma equi­pa for­te, ca­paz de pe­dir me­ças aos me­lho­res da Eu­ro­pa. No en­tan­to, nas mar­gens do Trent man­da­va o Fo­rest e o City Ground as­sis­tiu a mais uma glo­ri­o­sa noi­te eu­ro­peia quan­do, na pri­mei­ra mão da eli­mi­na­tó­ria, os in­gle­ses fo­ram con­tun­den­tes e as­ser­ti­vos me­ten­do qua­tro bo­las na ba­li­za dos suí­ços, que res­pon­de­ram com um go­lo, hon­ra­do, mas po­bre­zi­nho. A eli­mi­na­tó­ria ter­mi­nou com um acu­mu­la­do de 5-2 pa­ra o Fo­rest.

A im­pren­sa con­ti­nu­a­va a per­gun­tar “até on­de?”, Clough con­ti­nu­a­va a res­pon­der “até à Ta­ça, já dis­se”, mas o pro­ble­ma ago­ra era ale­mão. Nas mei­as-fi­nais, o po­de­ro­so Co­ló­nia saiu em sor­te ao Not­tingham Fo­rest. En­tre os qua­tro se­mi­fi­na­lis­tas – no ou­tro em­pa­re­lha­men­to, en­con­tra­ram-se Áus­tria de Vi­e­na e Malmö (sim, eram ou­tros tem­pos, tem­pos de di­ver­si­da­de) –, o Co­ló­nia era ti­do co­mo ab­so­lu­to fa­vo­ri­to à con­quis­ta do tro­féu. Bom, ab­so­lu­to é exa­ge­ro, pois pa­ra Clough fa­vo­ri­to só ha­via um, o Fo­rest e mais ne­nhum. As­sim que a eli­mi­na­tó­ria co­me­çou, pai­rou no ar a sen­sa­ção

de que, des­ta vez, os ou­tros ti­nham ra­zão e Brian Clough es­ta­va er­ra­do: a ma­ra­vi­lho­sa aven­tu­ra do Fo­rest nas com­pe­ti­ções eu­ro­pei­as che­ga­ra ao fim com es­tron­do. A jo­gar em ca­sa, no City Ground, os in­gle­ses vi­ram Van Go­ol inau­gu­rar o mar­ca­dor lo­go aos seis mi­nu­tos e, um quar­to de ho­ra mais tar­de, Mül­ler (o Di­e­ter, não o ge­ni­al Gerd) fa­zer o dois a ze­ro. O Co­ló­nia che­ga­va, em 20 mi­nu­tos, à qua­se im­pen­sá­vel van­ta­gem de dois go­los fo­ra num jo­go das mei­as-fi­nais da Ta­ça dos Cam­peões Eu­ro­peus.

Su­ce­de que, pe­la fren­te, es­ta­va uma equi­pa cha­ma­da Not­tingham Fo­rest, trei­na­da por um ho­mem cha­ma­do Brian Clough, au­xi­li­a­do por um ca­va­lhei­ro co­nhe­ci­do co­mo Pe­ter Tay­lor. E es­sa equi­pa ti­nha jo­ga­do­res cha­ma­dos Gar­ry Bir­tles, Ian Bowyer e John Ni­el­son Ro­bert­son que, en­tre os 28 e os 63 mi­nu­tos, num rel­va­do que mais pa­re­cia um ba­ta­tal, de­ram a vol­ta ao re­sul­ta­do, fa­zen­do pen­der a van­ta­gem pa­ra o Fo­rest. A úl­ti­ma pa­la­vra, no en­tan­to, foi do ja­po­nês Ya­suhi­ko Oku­de­ra, que, já aos 85 mi­nu­tos, repôs a igual­da­de, dei­xan­do o Co­ló­nia na fren­te da eli­mi­na­tó­ria gra­ças aos go­los mar­ca­dos fo­ra. As­sim, no dia 25 de abril de 1979, os ale­mães su­bi­ram ao rel­va­do do Mün­gers­dor­fer, sua ca­sa, com a eli­mi­na­tó­ria ra­zo­a­vel­men­te con­tro­la­da: qual­quer vi­tó­ria ou até um em­pa­te por me­nos de três go­los ser­vi­ria os seus in­ten­tos e fa­ria a equi­pa che­gar à fi­nal de Mu­ni­que. O pla­no ale­mão ti­nha tu­do pa­ra cor­rer bem, e o Co­ló­nia até po­dia ter mar­ca­do, pro­va­vel­men­te se­lan­do a eli­mi­na­tó­ria, só que Ian Bowyer, uma vez mais, não es­ta­va mui­to con­ven­ci­do de que es­sa his­tó­ria de o Co­ló­nia ga­nhar fos­se o des­fe­cho ide­al pa­ra es­ta nos­sa his­tó­ria – que não es­ta­ria ago­ra a ser con­ta­da se o pe­tu­lan­te mé­dio do Fo­rest não ti­ves­se mar­ca­do o go­lo vi­to­ri­o­so aos 65 mi­nu­tos de jo­go, co­lo­can­do os in­gle­ses – que, re­pi­ta­mos sem­pre que pos­sí­vel, pou­co mais de um ano an­tes es­ta­vam na se­gun­da di­vi­são – na fi­nal da Ta­ça dos Cam­peões Eu­ro­peus.

TRE­VOR FRAN­CIS

Brian Clough ves­tia um fa­to de trei­no ver­me­lho e ti­nha con­si­go uma ra­que­te quan­do, com pres­sa, por­que evi­den­te­men­te ti­nha um jo­go de bad­min­ton a se­guir, apre­sen­tou Tre­vor Fran­cis à im­pren­sa. Mas Fran­cis não era um fu­te­bo­lis­ta qual­quer. A im­pren­sa eti­que­tou-o co­mo “mil­li­on pound fo­ot­bal­ler”, o fu­te­bo­lis­ta de um mi­lhão de li­bras. Pe­la pri­mei­ra vez na his­tó­ria do fu­te­bol in­glês, al­guém su­pe­ra­va a ex­tra­or­di­ná­ria mar­ca do mi­lhão de li­bras nu­ma trans­fe­rên­cia fu­te­bo­lís­ti­ca, is­to num tem­po em que a se­gun­da trans­fe­rên­cia mais ca­ra acon­te­ce­ra du­as se­ma­nas an­tes e por pou­co su­pe­ra­ra o meio mi­lhão de li­bras. Tre­vor Fran­cis che­ga­va do Bir­mingham City com uma eti­que­ta pe­sa­da. Sa­bia-se que era um avan­ça­do ra­zo­a­vel­men­te pro­fí­cuo, mas, bo­las, 1 mi­lhão de li­bras!, que lou­cu­ra vi­nha a ser es­ta. Ain­da por ci­ma, tra­tan­do-se de um jo­ga­dor que che­ga a meio da épo­ca, que nem pô­de jo­gar os quar­tos de fi­nal nem as mei­as-fi­nais da Ta­ça dos Cam­peões. Co­mo é que es­se lou­co Brian Clough, mais o seu fi­el es­cu­dei­ro Pe­ter Tay­lor, es­pe­ra­vam jus­ti­fi­car ta­ma­nho es­ban­ja­men­to de di­nhei­ro? “Cus­tou ape­nas 999.999 li­bras”, res­pon­dia Clough com bo­no­mia, “não que­ro que um jo­ga­dor meu car­re­gue a eti­que­ta do mi­lhão”. As con­tas ofi­ci­ais des­men­tem-no: 1 mi­lhão e 150 mil li­bras foi o va­lor to­tal des­pen­di­do pe­lo Fo­rest, con­si­de­ran­do os im­pos­tos so­bre a trans­fe­rên­cia. O pre­ço do avan­ça­do con­ti­nu­a­va por jus­ti­fi­car.

A TA­ÇA DOS CAM­PEÕES EU­RO­PEUS DE 1979 FOI A PRI­MEI­RA COM­PE­TI­ÇÃO DE CLU­BES A PA­GAR MAIS DE

1 MI­LHÃO DE LI­BRAS.

MU­NI­QUE,

30 DE MAIO DE 1979

Eram 20 ho­ras e 15 mi­nu­tos em to­da a Eu­ro­pa Cen­tral, me­nos uma em Por­tu­gal con­ti­nen­tal, lo­go, me­nos du­as nos Aço­res, quan­do o aus­tría­co Eri­ch Li­ne­mayr api­tou pa­ra o pon­ta­pé de saí­da no rel­va­do do mag­ní­fi­co Es­tá­dio Olím­pi­co de Mu­ni­que – so­lo sa­gra­do on­de se jo­ga­ra a mí­ti­ca fi­nal do Mun­di­al de 1974 (Holanda 1 – Ale­ma­nha Oci­den­tal 2, Cruijff e Ne­es­kens con­tra Bec­ken­bau­er e Gerd Mül­ler). Fren­te a fren­te, o ina­cre­di­tá­vel Not­tingham Fo­rest e os su­e­cos do Malmö, um os­so mui­to du­ro de ro­er, que dei­xa­ra pe­lo ca­mi­nho até à fi­nal o Mó­na­co, o Dí­na­mo Kiev, o Wis­la Cra­có­via e o Áus­tria de Vi­e­na.

Brian Clough pro­ce­de­ra a uma sur­pre­en­den­te al­te­ra­ção no 11 ini­ci­al do Not­tingham Fo­rest. Tre­vor Fran­cis, que nun­ca na vi­da jo­ga­ra nas com­pe­ti­ções eu­ro­pei­as, ia ser ti­tu­lar. É nes­tes mo­men­tos que a re­a­li­da­de ain­da por acon­te­cer se tor­na tão evi­den­te que to­da a gen­te sa­be qual vai ser o des­fe­cho, um de­sen­la­ce que ne­nhum ar­gu­men­tis­ta de Hollywo­od ar­ris­ca­ria es­cre­ver por me­do de se re­ve­lar de­ma­si­a­do cli­ché, de­ma­si­a­do pre­vi­sí­vel. Acres­cen­te­mos só mais um de­ta­lhe: a Ta­ça dos Cam­peões Eu­ro­peus de 1979 foi a pri­mei­ra com­pe­ti­ção de clu­bes a pa­gar mais de 1 mi­lhão de li­bras de pré­mio à equi­pa ven­ce­do­ra. O go­lo de Tre­vor acon­te­ceu aos 45 mi­nu­tos, mes­mo no fim da pri­mei­ra par­te, com o avan­ça­do a ma­tar de ca­be­ça já den­tro da pe­que­na área dos su­e­cos. No fim, com a equi­pa a fes­te­jar, com os in­gle­ses eu­fó­ri­cos nas ban­ca­das, Brian Clough le­van­tou-se e cum­pri­men­tou o seu fi­el com­pa­nhei­ro, Pe­ter Tay­lor, com a se­re­ni­da­de de um cum­pri­men­to en­tre dois ami­gos que se en­con­tram ou que se des­pe­dem, co­mo quem diz, sem ex­ces­sos emo­ti­vos, “es­tá fei­to, pa­ra o ano há mais”. E hou­ve. No ano se­guin­te, o Fo­rest sa­grou-se bi­cam­peão eu­ro­peu de fu­te­bol, acres­cen­tan­do uma pá­gi­na à mais be­la his­tó­ria da mo­da­li­da­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.