A POS­SI­BI­LI­DA­DE DE SER LAU­REN­CE FISHBURNE

GQ (Portugal) - - Gq - FICÇÕES MAIS OU ME­NOS DI­E­GO AR­MÉS

Es­tá­va­mos no Lar­go do In­ten­den­te, nu­ma des­sas es­pla­na­das pós-mo­der­nas on­de se sen­tam pes­so­as que têm coi­sas pa­ra di­zer be­ben­do va­ga­ro­sa­men­te cer­ve­jas sim­ples. No­to que, sem que nin­guém se aper­ce­bes­se, as be­bi­das so­fis­ti­ca­das hão de ter per­di­do o en­can­to em tem­pos re­cen­tes. Não me quei­xo. Nem to­dos con­se­gui­mos li­dar da mes­ma ma­nei­ra com a com­ple­xi­da­de de um gin tó­ni­co con­tem­po­râ­neo.

Eu não es­ta­va a be­ber cer­ve­ja sim­ples, mas tam­bém não pos­so di­zer que o meu pe­di­do ti­ves­se si­do com­ple­xo – um co­po de vi­nho bran­co alentejano que de­mo­ra­va a che­gar-me à me­sa. Du­as me­sas ao la­do es­ta­va um ho­mem sen­ta­do, al­guém em quem ain­da não ti­nha re­pa­ra­do, até àque­le mo­men­to in­te­res­sa­vam-me mais as be­bi­das dos ou­tros do que os ou­tros pro­pri­a­men­te di­tos. Es­te ho­mem, que es­ta­va qua­se de cos­tas pa­ra mim, não sei o que be­bia, não lhe con­se­guia ver a be­bi­da. O que me cha­mou a aten­ção foi o seu ros­to pos­sí­vel, um ros­to que, quan­do se vi­rou li­gei­ra­men­te, dei­xou no ar a pos­si­bi­li­da­de de ser Lau­ren­ce Fishburne, o pró­prio.

Comentei com as pes­so­as com quem es­ta­va, em jei­to de pi­a­da, que po­día­mos es­tar na pre­sen­ça do Morpheus de Matrix – pre­fe­ri sim­pli­fi­car a ta­re­fa a quem, por dis­tra­ção ou alhe­a­men­to, não sou­bes­se de quem se tra­ta­va ca­so eu dis­ses­se “o Lau­ren­ce Fishburne”. Es­tas pes­so­as, que pri­mei­ro se ri­ram, a se­guir olha­ram pa­ra o ho­mem e, co­mo ne­nhu­ma de­las con­se­guiu ver-lhe per­fei­ta­men­te o ros­to ao fim de três ou qua­tro mi­nu­tos de pers­cru­ta­ção co­le­ti­va, as ca­ma­das de pos­si­bi­li­da­des fo­ram-se acu­mu­lan­do, “há um er­ro na Matrix”, “é o Morpheus, mas não tem os ócu­los pos­tos”, “apos­to que vai to­mar mais um com­pri­mi­do azul pa­ra con­ti­nu­ar aqui”, por aí fo­ra,

com inú­me­ras alu­sões à obra-pri­ma das Wa­chows­ki.

Quan­do o ho­mem se le­van­tou, sem nun­ca olhar pa­ra nós, e se foi em­bo­ra, a pos­si­bi­li­da­de de ser Lau­ren­ce Fishburne per­ma­ne­cia com­ple­ta­men­te in­tac­ta. “Vou atrás de­le”, dis­se eu, “não pos­so não sa­ber a ver­da­de, se­ria um de­sa­fo­ro ao pró­prio Morpheus não que­rer sa­ber a ver­da­de”. Não sen­ti o apoio dos meus pa­res no mo­men­to em que to­mei a de­ci­são de se­guir o pos­sí­vel Lau­ren­ce Fishburne, mas a ver­da­de é que, após mais de 10 mi­nu­tos de es­pe­ra, ain­da nin­guém me ti­nha tra­zi­do o co­po de vi­nho bran­co, pe­lo que me sen­ti des­com­pro­me­ti­do com o lu­gar e com as cir­cuns­tân­ci­as, ao mes­mo tem­po que me sen­ti com­pe­li­do pa­ra al­te­rar os de­ta­lhes que le­va­ri­am a um fi­nal di­fe­ren­te pa­ra uma his­tó­ria que, ti­ves­se eu per­ma­ne­ci­do sen­ta­do àque­la me­sa, te­ria ti­do co­mo des­fe­cho “es­ti­ve­mos ao pé de um ti­po que po­dia ser o Lau­ren­ce Fishburne”. As pes­so­as com quem eu es­ta­va ar­gu­men­ta­ram com fra­que­za e alu­di­ram – quan­to a mim, de­ma­si­a­das

COMENTEI COM AS PES­SO­AS COM QUEM ES­TA­VA, EM JEI­TO DE PI­A­DA, QUE PO­DÍA­MOS ES­TAR NA PRE­SEN­ÇA DO MORPHEUS DE MATRIX.

ve­zes – à quan­ti­da­de de fama de um ho­mem que se en­con­tra­va so­zi­nho num lu­gar cen­tral de Lis­boa fre­quen­ta­do por gen­te que sa­be per­fei­ta­men­te quem é o Lau­ren­ce Fishburne. Re­cor­dei-os da exis­tên­cia de Ma­don­na, da sua pre­sen­ça em Lis­boa e de co­mo uma vas­ta mai­o­ria de ci­da­dãos a ig­no­ra­va e se de­sin­te­res­sa­va da sua pre­sen­ça com uma fa­ci­li­da­de que só a pró­pria pa­re­cia in­ca­paz de vis­lum­brar (daí o re­cur­so a, por exem­plo, gu­ar­da-cos­tas). Acei­tá­mos, con­cor­dan­do, que Lau­ren­ce Fishburne ha­ve­ria de ser, nes­tas ma­té­ri­as da ges­tão da po­pu­la­ri­da­de, uma pes­soa mui­to mais des­con­traí­da que a Rai­nha da Pop.

O de­ba­te pro­lon­gou-se, mas não de­ma­si­a­do. No en­tan­to, o meu vi­nho bran­co ain­da não ti­nha che­ga­do à me­sa e foi en­tão que pro­cla­mei uma fra­se que fi­cou cé­le­bre, pe­lo me­nos, en­tre es­te gru­po de pes­so­as, “ai não, que não vou – vou e é já”. E fui. O pos­sí­vel Lau­ren­ce Fishburne ti­nha ca­mi­nha­do em di­re­ção à Ave­ni­da Al­mi­ran­te Reis co­mo quem se di­ri­ge pa­ra a zo­na bai­xa da ci­da­de. Dei uma pe­que­na cor­ri­da e ten­tei en­con­trá-lo, mas já não con­se­gui vê-lo. Não sou uma pes­soa da­da a pre­ci­pi­ta­ções, mas ten­do a con­fi­ar na in­tui­ção quan­do ela se ma­ni­fes­ta com vi­gor e foi o que acon­te­ceu: de re­pen­te, pa­re­cia que to­das as pes­so­as ca­mi­nha­vam na di­re­ção do er­ro e do en­ga­no em re­la­ção à mi­nha per­ce­ção ini­ci­al da si­tu­a­ção, is­to é, no sen­ti­do Mar­tim-Mo­niz – Ala­me­da. O meu ra­ci­o­cí­nio foi rá­pi­do e cris­ta­li­no: o pos­sí­vel Lau­ren­ce Fishburne, ape­sar de an­dar a to­mar o com­pri­mi­do azul da re­a­li­da­de apa­ren­te, não iria dis­por-se a ca­mi­nhar com a mai­o­ria, com os equi­vo­ca­dos, com os ilu­di­dos, por is­so, es­tu­guei o pas­so, des­ci a ave­ni­da, con­tra­ri­ei a ten­dên­cia da mo­le hu­ma­na na sua ca­mi­nha­da em hip­no­se sem ques­tões nem dú­vi­das.

Ao pas­sar por uma lo­ja de te­le­mó­veis e aces­só­ri­os pa­ra te­le­mó­veis – au­ri­cu­la­res, ca­pas de bor­ra­cha du­ra, pro­te­ções de ecrã, co­lu­nas de Blu­e­to­oth, to­do um mun­do de tec­no­lo­gia com­ple­men­tar – vi o pos­sí­vel Lau­ren­ce Fishburne a es­co­lher uns aus­cul­ta­do­res sem fi­os – não con­se­gui ver-lhe a ca­ra. En­trei na lo­ja e fui dar a vol­ta por ou­tro cor­re­dor, de ma­nei­ra a não pas­sar a ideia de es­tar a per­se­gui-lo, ca­so ele já ti­ves­se re­pa­ra­do em mim – es­te pen­sa­men­to ale­grou-me, acho agra­dá­vel ser no­ta­do por uma es­tre­la de Hollywo­od, mes­mo que se­ja só no meu pen­sa­men­to. Quan­do che­guei ao sí­tio on­de ele es­ta­va, to­dos ti­nham saí­do da lo­ja, jun­ta­ram-se à mul­ti­dão e ca­mi­nha­vam com ela no sen­ti­do er­ra­do. Fi­quei so­zi­nho.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.