ALTEZA SUR­RE­AL

GQ (Portugal) - - Atualidade - Por Di­e­go Ar­més.

Es­ta é a cró­ni­ca de uma de­man­da por um ho­mem que se afir­ma Prín­ci­pe da Eu­ro­pa, her­dei­ro das co­ro­as de Por­tu­gal, de Fran­ça, de Itá­lia e da Prús­sia. Sim, da Prús­sia. Apre­sen­ta-se co­mo D. Ma­nu­el III, diz-se des­cen­den­te do Rei D. Ma­nu­el II e an­da pe­la Eu­ro­pa Cen­tral a fa­zer ma­ni­fes­ta­ções.

odos me di­zi­am que eu não po­dia her­dar o que não ha­via e que na­da dis­so exis­tia, mas eu per­gun­ta­va à mi­nha mãe se ha­via ou não a Prús­sia e ela di­zia-me que sim. As ou­tras pes­so­as con­ti­nu­a­vam a di­zer-me que não, até que um dia eu com­prei es­ta cai­xa de bo­la­chas e per­ce­bi que eu ti­nha ra­zão.” Di­to is­to, é en­tão que o Prín­ci­pe Dom Ma­nu­el III da Eu­ro­pa Hohen­zol­lern Bor­bo­ne Bour­bon Bra­gan­ça pe­ga nu­ma em­ba­la­gem de mi­ni­pal­mi­ês e apon­ta pa­ra a pa­la­vra “Prus­si­ans”, a mar­ca dos bo­los, di­zen­do: “Exis­te ou não exis­te?” E é nes­te mo­men­to que per­ce­be­mos que a con­ver­sa vai ser tu­do me­nos fá­cil. O me­lhor é con­tar a his­tó­ria por par­tes, pa­ra que na­da fi­que pa­ra trás.

NO PRIN­CÍ­PIO, A MEN­SA­GEM

Não foi há mui­to mais de um mês que um ami­go me man­dou uma men­sa­gem que di­zia as­sim: “Já vis­te is­to? Não que­res ‘es­ca­var’ um bo­ca­di­nho?” “Is­to” era uma es­pé­cie de ma­ni­fes­to con­fu­so – na ver­da­de e em bom ri­gor, era uma lis­ta de frases não ne­ces­sa­ri­a­men­te in­ter­li­ga­das, mas que ti­nham uma ideia em co­mum: re­cla­mar “a co­roa da Eu­ro­pa” nu­ma pá­gi­na da Blog­ger in­ti­tu­la­da Prinz-111. É nes­te blo­gue que po­de ler-se o anún­cio de uma ma­ni­fes­ta­ção, a 70.ª apa­ren­te­men­te, pe­la co­roa que D. Ma­nu­el re­cla­ma. Es­te pre­ten­den­te ao tro­no de vá­ri­os paí­ses su­ge­re que os par­ti­ci­pan­tes na ma­nif, que anun­cia em di­ver­sas lín­guas – “70ème Ma­ni­fes­ta­ti­on de la Mo­nar­chie de Fran­ce; 70te Ma­ni­fes­ta­ti­on der Mo­nar­chie der Preußen; 70.a Ma­ni­fes­ta­zi­o­ne del­la Mo­nar­chia di Ita­lia; 70.a Ma­ni­fes­ta­ção da Mo­nar­quia de Por­tu­gal” – ve­nham mu­ni­dos de ban­dei­ras, tam­bo­res e api­tos.

As pu­bli­ca­ções des­te au­toin­ti­tu­la­do Prín­ci­pe da Eu­ro­pa e Prín­ci­pe-Re­al de Fran­ça são to­das do mes­mo gé­ne­ro: anun­cia-se uma ma­ni­fes­ta­ção em vá­ri­as lín­guas, com da­ta, ho­ra e lo­cal; afir­ma-se a sua con­di­ção de mo­nar­ca es­po­li­a­do; con­fes­sa-se que o prín­ci­pe tem fo­me e que vi­ve “nas ru­as e das ru­as” de Ba­si­leia, na Suí­ça; pe­de-se do­na­ti­vos de 1 eu­ro pa­ra acal­mar a fo­me e fa­zer fa­ce às des­pe­sas com as ma­ni­fes­ta­ções – es­tes pe­di­dos vêm acom­pa­nha­dos

um en­de­re­ço em Ba­si­leia, um en­de­re­ço que exis­te re­al­men­te, co­mo pu­de­mos com­pro­var atra­vés do Go­o­gle Maps.

A mais re­cen­te ma­ni­fes­ta­ção anun­ci­a­da es­tá agen­da­da pa­ra 4 de abril na ci­da­de fran­ce­sa de Lyon, em fren­te à es­ta­ção de te­le­vi­são Fran­ce 3, ou FR3, (14 rue des Cui­ras­si­ers, 69003 Lyon). Fa­ze­mos scroll-down e per­ce­be­mos que a ma­ni­fes­ta­ção an­te­ri­or acon­te­ceu na ci­da­de ale­mã de Fri­bur­go, a 27 de ou­tu­bro de 2018. An­tes des­sa, ou­tra te­ve lu­gar a 27 de se­tem­bro de 2018 di­an­te da pre­fei­tu­ra de Bor­déus, em Fran­ça. A an­te­ri­or a es­sa foi em Fri­bur­go, tam­bém, a 16 de agos­to, en­quan­to, a 19 de ju­lho, uma ou­tra de­cor­reu em Es­tras­bur­go, tal co­mo a de 10 de maio – tu­do is­to em 2018.

Es­ta di­gres­são pe­la Eu­ro­pa Cen­tral no es­pa­ço de meia dú­zia de me­ses não se­rá, se­gu­ra­men­te, aqui­lo que se es­pe­ra de um in­di­gen­te que vi­ve nas ru­as e que pe­de do­na­ti­vos pa­ra co­mer. Não me res­tou al­ter­na­ti­va se­não ten­tar sa­ber mais so­bre es­te es­tra­nho prín­ci­pe sem he­ran­ça.

O JOR­NA­LIS­TA SUÍ­ÇO

Não foi pre­ci­so uma in­ten­sa pes­qui­sa pa­ra me de­pa­rar com um ar­ti­go on­li­ne do Bas­ler Zei­tung as­si­na­do pe­lo jor­na­lis­ta suí­ço Mi­chel Schultheis­s, que, vi­ria a sa­ber mais tar­de, fala e es­cre­ve num por­tu­guês mui­tís­si­mo de­cen­te, o que foi de uma aju­da pre­ci­o­sa. O ar­ti­go, es­se, in­ti­tu­la­do Ich bin ein Prinz (eu sou um prín­ci­pe, li­te­ral­men­te, em por­tu­guês), con­ta abre­vi­a­da­men­te a his­tó­ria de D. Ma­nu­el III, es­sa per­so­na­gem im­pro­vá­vel apoiada em mu­le­tas, de lon­gas bar­bas, que dis­tri­bui pan­fle­tos re­cla­man­do pa­ra si mais que uma co­roa, de­am­bu­lan­do pe­la Freie Stras­se, ar­té­ria co­mer­ci­al da ci­da­de de Ba­si­leia. A Schultheis­s, es­te ho­mem ga­ran­te ser des­cen­den­te do úl­ti­mo Rei de Por­tu­gal, afir­man­do ser “ne­to de D. Ma­nu­el II” – mais tar­de, por con­fu­são ou por ou­tra ra­zão não apu­ra­da, o mes­mo ho­mem afir­ma­rá pe­ran­te a GQ Por­tu­gal ser fi­lho de D. Ma­nu­el II, o que se­ria uma ab­so­lu­ta im­pos­si­bi­li­da­de cro­no­ló­gi­ca, uma vez que D. Ma­nu­el II mor­reu em 1932 e o protagonis­ta des­ta his­tó­ria te­rá nas­ci­do por vol­ta de 1958.

No ar­ti­go do Bas­ler Zei­tung, o jor­na­lis­ta con­fron­ta D. Ma­nu­el com a ver­são ofi­ci­al da his­tó­ria, se­gun­do a qual o úl­ti­mo Rei de Por­tu­gal não te­rá dei­xa­do des­cen­dên­cia, pe­lo me­nos, não do ca­sa­men­to com Augusta Vi­tó­ria, Prin­ce­sa de Hohen­zol­lern, de quem o ho­mem de Ba­si­leia se diz her­dei­ro. Ma­nu­el de­fen­de-se afir­man­do que a ver­são ofi­ci­al da que­da da Mo­nar­quia por­tu­gue­sa so­ne­ga in­for­ma­ção acer­ca dos le­gí­ti­mos her­dei­ros do tro­no de Por­tu­gal.

Ao lon­go do ar­ti­go, Mi­chel Schultheis­s dá con­ta de mais de­ta­lhes acer­ca des­te por­tu­guês à de­ri­va pe­la Suí­ça, diz que é o mais velho de qua­tro ir­mãos, diz que D. Ma­nu­el III se cha­ma Ma­nu­el Go­di­nho (o pró­prio vol­tou a afir­mar o mes­mo du­ran­te a nos­sa con­ver­sa), diz que Ma­nu­el vi­si­ta com frequên­cia a em­bai­xa­da por­tu­gue­sa em Ber­na, on­de já o co­nhe­cem, mas on­de nin­guém sa­be quem ele é, nem qual é a sua ver­da­dei­ra his­tó­ria. D. Ma­nu­el per­ma­ne­ce ain­da um mis­té­rio.

Li­do o ar­ti­go do Bas­ler Zei­tung, de­ci­do con­tac­tar o seu au­tor, já que o protagonis­ta, o tal Prín­ci­pe da Eu­ro­pa, não pa­re­ce dis­pos­to a res­pon­der-me aos emails. Pas­sa­dos al­guns di­as de si­lên­cio, Mi­chel aca­ba por me res­pon­der, pe­din­do des­cul­pa pe­la de­lon­ga – apa­ren­te­men­te, a mi­nha men­sa­gem fi­ca­ra es­con­di­da (ve­ri­fi­quem sem­pre as men­sa­gens anó­ni­mas no vos­so Mes­sen­ger do Fa­ce­bo­ok, po­de con­ter sur­pre­sas). Mi­chel diz que já não vê Ma­nu­el em Ba­si­leia há al­gum tem­po, mas com­pro­me­te-se a man­dar-me mais de­ta­lhes, mais tar­de – e fá-lo-á no tal por­tu­guês mui­to de­cen­te. O jor­na­lis­ta suí­ço per­gun­tar-me-á se D. Ma­nu­el é mui­to co­nhe­ci­do em Por­tu­gal, ao que res­pon­do que não, de to­do, e aca­ba por acres­cen­tar que é pos­sí­vel que o ho­mem te­nha pro­ble­mas men­tais, “às ve­zes, é mui­to di­fí­cil man­ter uma con­ver­sa com ele”, que o via com os pan­fle­tos há se­te ou oi­to anos, mas que não o en­con­tra jun­to à pre­fei­tu­ra de Ba­si­leia des­de 2017. Não tem a cer­te­za se Ma­nu­el re­ce­bia ou não aju­da do Es­ta­do suí­ço.

“Eu per­gun­ta­va à mi­nha mãe se ha­via ou não a Prús­sia e ela di­zia-me que sim. As ou­tras pes­so­as

con­ti­nu­a­vam a di­zer-me que não.”

INDAGAR JUN­TO DE MONÁRQUICO­S

En­quan­to aguar­da­va por no­tí­ci­as de Mi­chel Schultheis­s, o jor­na­lis­ta suí­ço do Bas­ler Zei­tung, apro­vei­tei pa­ra ques­ti­o­nar dois ci­da­dãos ati­va e pu­bli­ca­men­te monárquico­s acer­ca des­ta his­tó­ria, se a co­nhe­ci­am, se acha­vam que fa­zia sen­ti­do, se al­guém da cau­sa mo­nár­qui­ca ti­nha co­nhe­ci­men­to de tal si­tu­a­ção, se se­ria mes­mo pos­sí­vel, ain­da que mui­to re­mo­ta­men­te, que Ma­nu­el Go­di­nho fos­se mes­mo um D. Ma­nu­el III, Prín­ci­pe da Eu­ro­pa, her­dei­ro do tro­no de Por­tu­gal. As res­pos­tas não fo­ram as mais ani­ma­do­ras.

A pri­mei­ra de­las da­va con­ta de um pre­ten­den­te, sim, mas cha­ma­do Ro­sá­rio Poi­di­ma­ni, “um ex­tra­or­di­ná­rio char­la­tão”, nas pa­la­vras de Nu­no Mi­guel Gu­e­des, “que nun­ca po­de­ria ser pre­ten­den­te ao tro­no”, e de quem fa­la­rei mais adi­an­te, com mai­or de­ta­lhe. Pa­ra es­te mo­nár­qui­co, e apa­ren­te­men­te pa­ra a gran­de mai­o­ria dos monárquico­s por­tu­gue­ses, a ques­tão do tro­no por­tu­guês é bas­tan­te pa­cí­fi­ca, “D. Du­ar­te [Pio de Bra­gan­ça] é mes­mo o Che­fe da Ca­sa Re­al”. Quan­to a D. Ma­nu­el III, nun­ca ou­vi­ra fa­lar de tal his­tó­ria.

Jo­sé Bar­rei­ros afi­na pe­lo mes­mo di­a­pa­são - “não exis­te na­da so­bre D. Ma­nu­el II ter ti­do des­cen­dên­cia, mes­mo que bas­tar­da”-, em­bo­ra fa­ça ques­tão de res­sal­var que es­te cor­reu mui­to mun­do, In­gla­ter­ra, Fran­ça, Áus­tria, e Ale­ma­nha, “até na pro­pri­e­da­de do Prín­ci­pe Yus­su­pov [prín­ci­pe rus­so co­nhe­ci­do, en­tre ou­tros ca­sos, pe­lo seu en­vol­vi­men­to no as­sas­si­na­to de Ras­pu­ti­ne], na Cri­meia”, te­rá es­ta­do. Po­rém, tam­bém es­te mo­nár­qui­co não acre­di­ta em ta­ma­nha cons­pi­ra­ção, “mes­mo com a Pri­mei­ra Re­pú­bli­ca não fa­zia sen­ti­do es­con­der a des­cen­dên­cia do Rei”, de­fen­de. Jo­sé Bar­rei­ros apro­vei­ta pa­ra acres­cen­tar que, em Ma­pu­to, en­tão cha­ma­da Lou­ren­ço Mar­ques, ha­via “um ti­po que sim, era mes­mo des­cen­den­te de D. Car­los, cha­ma­va-se qual­quer coi­sa ‘In­glês’, um dos ape­li­dos usu­ais nos seus [de D. Car­los, pai de D. Ma­nu­el II] bas­tar­dos re­ais”. Além des­te, Jo­sé iden­ti­fi­ca uma se­nho­ra, tam­bém em Mo­çam­bi­que, tam­bém fi­lha do Rei, que “nun­ca se­quer de lon­ge ou­sou di­zer quem era o pai, sa­bia-se e era tu­do”. Que sai­ba, no en­tan­to, o úni­co que as­su­miu pre­ten­der o tro­no foi “um em­bus­tei­ro ita­li­a­no”, o mes­mo que Nu­no ha­via re­fe­ri­do an­tes. Em su­ma, de D. Ma­nu­el III da Eu­ro­pa Hohen­zol­lern Bor­bo­ne Bour­bon Bra­gan­ça, nin­guém en­tre monárquico­s ou­vi­ra fa­lar, o que, jun­ta­men­te com as in­for­ma­ções che­ga­das da Suí­ça, des­mo­ti­va qual­quer bus­ca por uma his­tó­ria de um prín­ci­pe mis­te­ri­o­so, cu­ja exis­tên­cia te­rá si­do ocul­ta­da.

A RES­POS­TA DE DOM MA­NU­EL

Uma no­va es­pe­ran­ça pa­ra es­ta de­man­da che­gou por cor­reio ele­tró­ni­co. D. Ma­nu­el ti­rou um pou­co do seu tem­po pa­ra res­pon­der a um email meu en­vi­a­do se­ma­nas an­tes. A res­pos­ta, no en­tan­to, não era par­ti­cu­lar­men­te elu­ci­da­ti­va. À per­gun­ta “con­fir­ma que é her­dei­ro das prin­ci­pais ca­sas re­ais eu­ro­pei­as”, res­pon­dia da se­guin­te for­ma:

“Sim Eu sou o Er­dei­ro o Prín­ci­pe Re­al de Por­tu­gal, Fran­ça, Ita­lia e Im­pe­ri­al da Prus­sia

Eu sou o Prín­ci­pe Dom Ma­nu­el III da Eu­ro­pa Hohen­zol­lern Bor­bo­ne

Bour­bon Bra­gan­ça

Nos­sa Majestade o Prín­ci­pe Re­al de Por­tu­gal, Eu sou apá­tri­da

Nos­sa Majestade o Prín­ci­pe Re­al de Fran­ça, Eu sou apá­tri­da

Nos­sa Majestade o Prín­ci­pe Re­al da Ita­lia, Eu sou apá­tri­da

Nos­sa Majestade o Prín­ci­pe Im­pe­ri­al da Prus­sia, Eu sou apá­tri­da

Nos­sa Majestade o Prín­ci­pe do

Con­ti­nen­te da Eu­ro­pa, Eu sou apá­tri­da” [sic].

Es­ta res­pos­ta é uma re­pe­ti­ção das frases cons­tan­tes nos pan­fle­tos que Ma­nu­el Go­di­nho dis­tri­bui ha­bi­tu­al­men­te pe­las ru­as de Ba­si­leia, ou das pu­bli­ca­ções no seu blo­gue. Se o fac­to de ha­ver res­pos­ta de­vol­via al­gum alen­to, já o seu con­teú­do vol­ta­va a aden­sar as dú­vi­das em re­la­ção à pos­si­bi­li­da­de de se ir mais lon­ge. Ha­via que res­pon­der a D. Ma­nu­el, in­sis­tin­do nas per­gun­tas: por que ra­zão se omi­tia a sua exis­tên­cia, por que ra­zão ha­via es­ta cons­pi­ra­ção. Qua­tro di­as mais tar­de, che­gou no­va res­pos­ta do pre­ten­den­te à co­roa eu­ro­peia, anun­ci­an­do o ines­pe­ra­do:

“Eu es­tou em Por­tu­gal na quar­ta-fei­ra 27-2-2019 e quin­ta-fei­ra 28-2-2019 na ci­da­de de Por­ti­mão”, e da­va o no­me da rua e o nú­me­ro, acres­cen­tan­do de­ta­lhes, “é uma ca­sa mui­to, mas mui­to velha, a mais velha de to­das”, e ain­da ins­tru­ções, “per­gun­ta por mim. Se não es­tou, di­ga a que ho­ras vol­ta a pas­sar e lá es­tou Eu” [sic]. Ler es­ta men­sa­gem foi, pa­ra mim, co­mo ler par­ti­tu­ras mu­si­cais de com­po­si­ções be­lís­si­mas, ca­so eu sou­bes­se ler par­ti­tu­ras mu­si­cais.

A IDA AO AL­GAR­VE

Res­pon­di a Ma­nu­el que iria ao seu en­con­tro a Por­ti­mão e que le­va­ria co­mi­go um ope­ra­dor de câ­ma­ra (Rui Go­mes, o nos­so edi­tor de ví­deo). Não hou­ve res­pos­ta de vol­ta, mas o nos­so pla­no es­ta­va em mar­cha e na­da po­dia pa­rar-nos, nem mes­mo uma pos­sí­vel au­sên­cia de Ma­nu­el Go­di­nho – tí­nha­mos de ir, tí­nha­mos de ar­ris­car, eu pre­ci­sa­va de co­nhe­cer es­te ho­mem que se diz Prín­ci­pe

da Eu­ro­pa, sa­ber se exis­tia e co­mo che­ga­ra a tais con­clu­sões. No dia com­bi­na­do, me­te­mo-nos num comboio e lá fo­mos nós em di­re­ção ao Sul – mais va­le um ti­ro no es­cu­ro do que ti­ro ne­nhum.

Che­ga­dos a Por­ti­mão, o nos­so pri­mei­ro ins­tin­to foi ten­tar con­fir­mar se a tal ca­sa exis­tia mes­mo. As­sim, che­gá­mos à Rua do Cra­vei­ro, tal co­mo in­di­ca­do por D. Ma­nu­el III, e foi lá que en­con­trá­mos a tal ca­sa mui­to velha, mais velha do que to­das as ou­tras. Sur­pre­en­den­te­men­te, Ma­nu­el veio à por­ta, pa­re­cia es­tar a var­rer a en­tra­da da ca­sa. Um ho­mem de es­ta­tu­ra mé­dia, nem bem, nem mal ves­ti­do, com um cigarro pre­so en­tre os lá­bi­os. Não fos­sem as lon­gas e bran­cas bar­bas, se­ria um ti­po dis­cre­to, sem na­da que o dis­tin­guis­se dos de­mais. Re­freá­mos o en­tu­si­as­mo pe­la con­fir­ma­ção da exis­tên­cia do Prín­ci­pe da Prús­sia de­ci­din­do pre­pa­rar a con­ver­sa com mais de­ta­lhe e re­gres­sar mais tar­de.

Quan­do vol­tá­mos à Rua do Cra­vei­ro, Ma­nu­el não es­ta­va, pe­lo que de­ci­di­mos dei­xar um bi­lhe­te a avi­sar da nos­sa che­ga­da e a mar­car en­con­tro pa­ra daí a uma ho­ra. Foi à ter­cei­ra vez que en­trá­mos na Rua do Cra­vei­ro que con­se­gui­mos, por fim, co­nhe­cer D. Ma­nu­el III da Eu­ro­pa Hohen­zol­lern Bor­bo­ne Bour­bon Bra­gan­ça, um ho­mem que, na al­tu­ra, pa­re­cia de­ve­ras con­cen­tra­do num drama quo­ti­di­a­no, “fui ten­tar per­ce­ber se me saía mais ba­ra­to la­var eu a rou­pa ou dei­xá-la pa­ra la­va­rem, mas é qua­se o mes­mo pre­ço”, di­zia e pa­re­cia não sa­ber o que fa­zer pa­ra to­mar uma de­ci­são. “Na Suí­ça, é mui­to mais ba­ra­to ser eu a la­var”, di­zia.

À en­tra­da da pe­que­na ca­sa, uma ca­sa re­al­men­te velha, acu­mu­la­vam-se com­pras que fi­ze­ra re­cen­te­men­te, al­gu­mas de­las, di­ria, pa­ra nos re­ce­ber con­dig­na­men­te – al­guns snacks, dois packs de cer­ve­ja, vo­lu­mes de ma­ços de tabaco na­da ba­ra­to. Pre­ci­sá­va­mos de con­ver­sar so­bre o as­sun­to que ali nos le­vou. “Por­que é que se afir­ma Prín­ci­pe da Eu­ro­pa”, quis eu sa­ber, e foi nes­se mo­men­to que che­gá­mos ao pon­to des­cri­to no iní­cio do tex­to: D. Ma­nu­el pe­gou na em­ba­la­gem de bo­los e ex­pli­cou-me que a Prús­sia exis­tia, por­que só po­dia exis­tir, daí ain­da ha­ver no­me pa­ra ela, is­to ape­sar de ter si­do des­mem­bra­da “em vá­ri­os es­ta­dos”, se­gun­do a sua ex­pli­ca­ção. E é da­qui que par­ti­mos pa­ra a sua ex­pli­ca­ção, a ex­pli­ca­ção pos­sí­vel, pa­ra aqui­lo que Ma­nu­el pre­ten­de. O seu avô, pai da sua mãe – foi o que con­se­gui apu­rar jun­tan­do vá­ri­os da­dos e res­pos­tas, uma vez que o seu dis­cur­so nem sem­pre era co­e­ren­te e, por ve­zes, afir­ma­va que D. Ma­nu­el II de Por­tu­gal era seu pai (acre­di­to que por es­tar ba­ra­lha­do, uma vez que se­ria ab­so­lu­ta­men­te im­pos­sí­vel), ou­tras ve­zes que era seu avô –, se­ria en­tão o Rei D. Ma­nu­el II, D. Ma­nu­el de Sa­xe-Co­bur­go-Go­ta e Bra­gan­ça, e a sua avó ma­ter­na Augusta Vi­tó­ria de Hohen­zol­lern-Sig­ma­rin­gen, por sua vez fi­lha de do prín­ci­pe Guilherme de Hohen­zol­lern-Sig­ma­rin­gen e da prin­ce­sa Ma­ria Te­re­sa de Bour­bon-Du­as Si­cí­li­as. A es­ta li­nha­gem que D. Ma­nu­el pre­ten­de as­so­ci­ar a sua he­ran­ça prus­si­a­na, po­rém, mes­mo que fos­se ver­da­dei­ra es­ta sua as­cen­dên­cia, tal não o im­pli­ca­ria, de to­do, nu­ma hi­po­té­ti­ca e subs­tan­ci­al­men­te re­mo­ta dis­pu­ta pe­la co­roa prus­si­a­na. Já em re­la­ção à he­ran­ça por­tu­gue­sa, ca­so se ve­ri­fi­cas­se a sua con­di­ção, en­tão sim, a sua pre­ten­são se­ria ab­so­lu­ta­men­te le­gí­ti­ma.

QUEM É MA­NU­EL GO­DI­NHO?

Da con­ver­sa, tão lon­ga quan­to con­fu­sa, foi pos­sí­vel ex­trair al­guns da­dos co­e­ren­tes. O seu no­me, Ma­nu­el Go­di­nho, que é o que diz ter no car­tão de ci­da­dão, que evo­ca, mas não mos­tra; a sua mãe cha­ma-se Lau­rin­da Ro­sa Go­di­nho; tem três ir­mãos; é na­tu­ral de To­mar; saiu do País com 21 anos. Acres­cen­ta ain­da que, es­ta ca­sa on­de es­tá, na Rua do Cra­vei­ro, em Por­ti­mão, foi com­pra­da por ele mes­mo, no iní­cio da dé­ca­da de 2000. Tu­do is­to é plau­sí­vel e ve­ri­fi­cá­vel. No en­tan­to, há mui­tas coi­sas que não ba­tem cer­to. O “prín­ci­pe” diz vi­ver nas ru­as de Ba­si­leia, e revolta-se com a sua si­tu­a­ção, con­tu­do con­ti­nua a vi­a­jar de avião pe­la Eu­ro­pa, tal co­mo con­ti­nua a ves­tir-se com ra­zoá­vel dig­ni­da­de, con­ti­nua a man­ter a sua ca­sa de Por­ti­mão e deu-se ain­da ao lu­xo de com­prar pá­gi­nas in­tei­ras de pu­bli­ci­da­de nos jor­nais diá­ri­os Re­cord e Cor­reio da Ma­nhã de 28 de fe­ve­rei­ro – aler­ta­dos pe­lo pró­prio pa­ra pu­bli­ca­ção des­tas pu­bli­ci­da­des no dia a se­guir ao nos­so en­con­tro, tra­tá­mos de com­prar dois exem­pla­res, um de ca­da diá­rio, e em am­bos se con­fir­mou que D. Ma­nu­el fa­la­va ver­da­de: uma pá­gi­na in­tei­ra de pu­bli­ci­da­de em ca­da jor­nal. Es­te ho­mem, que pe­de 1 eu­ro pa­ra co­mer nas su­as bi­zar­ras pu­bli­ca­ções, é o mes­mo que com­pra vo­lu­mes de Marl­bo­ro e packs de cer­ve­ja, apa­ren­te­men­te sem di­fi­cul­da­des. É uma per­so­na­gem que in­tri­ga e que me­re­ce a tal “es­ca­va­ção” de que se fa­lou no prin­cí­pio da cró­ni­ca. Ten­tei che­gar a al­gum fa­mi­li­ar seu pe­gan­do no que ti­nha co­mi­go. A res­pos­ta re­pe­tiu-se ve­zes sem con­ta, “Go­di­nho é um no­me mui­to co­mum na zo­na de To­mar”, e, ape­sar de al­gu­mas pis­tas no sen­ti­do de pos­sí­veis fa­mi­li­a­res de Ma­nu­el, aque­les, uma vez con­tac­ta­dos, não de­ram uma úni­ca res­pos­ta con­cre­ta, nin­guém con­fir­mou tra­tar-se de um fa­mi­li­ar seu. Ele, Ma­nu­el, an­da por aí, re­cla­ma o seu cas­te­lo e os seus rei­nos, acre­di­ta ter her­da­do a Prús­sia, a Itá­lia, a Fran­ça e Por­tu­gal. E an­da de avião.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.