QUAN­DO A GANÂNCIA ABA­LOU O MUN­DO

GQ (Portugal) - - Estado Do Retângulo -

“Gre­ed is go­od.” A ganância é boa, di­zia Gor­don Gek­ko, o arqué­ti­po fic­ci­o­nal do cor­re­tor da Bol­sa imor­ta­li­za­do por Mi­cha­el Dou­glas em Wall Stre­et, fil­me de 1987, de Oliver Sto­ne. Foi pre­ci­sa­men­te a ganância que le­vou, nos anos de 2007 e 2008, à Gran­de Re­ces­são, quan­do a ideia de que na­da po­de ba­ter o “mer­ca­do efi­ci­en­te” caiu por ter­ra e o se­tor fi­nan­cei­ro foi aba­la­do pe­la mai­or cri­se des­de a Gran­de De­pres­são de 1929, dei­xan­do a eco­no­mia mun­di­al de ras­tos.

Tu­do co­me­çou em 2007 com uma cri­se no mer­ca­do de hi­po­te­cas sub­pri­me nos Es­ta­dos Uni­dos, quan­do um gru­po de in­ves­ti­do­res de­ci­diu in­ves­tir con­tra o di­to mer­ca­do, des­ta­pan­do um poço sem fun­do que aca­bou por evo­luir pa­ra uma cri­se ban­cá­ria in­ter­na­ci­o­nal com o co­lap­so do ban­co de in­ves­ti­men­to Leh­man Brothers, em 15 de se­tem­bro de 2008. A his­tó­ria é bem con­ta­da no fil­me The Big Short, de 2015, que em Por­tu­gal re­ce­beu o tí­tu­lo de A Que­da de Wall Stre­et. A ex­ces­si­va to­ma­da de ris­co por par­te de bancos co­mo o Leh­man Brothers, Be­ar Ste­arns ou Mer­rill Lyn­ch aju­dou a am­pli­ar o im­pac­to da cri­se, que cau­sou mais bai­xas pa­ra além do se­tor ban­cá­rio, che­gan­do às se­gu­ra­do­ras e às du­as em­pre­sas que, com o apoio do Es­ta­do, sub­si­di­a­vam o mer­ca­do hi­po­te­cá­rio, a Fred­die Mac e a Fan­nie Mae. A car­ni­fi­ci­na não se li­mi­tou ao se­tor fi­nan­cei­ro, atin­gin­do as em­pre­sas que de­pen­di­am do cré­di­to ban­cá­rio pa­ra se man­te­rem à to­na. A in­dús­tria au­to­mó­vel nor­te-ame­ri­ca­na, que pres­si­o­nou e mui­to um res­ga­te fe­de­ral, viu-se de re­pen­te à bei­ra de um abis­mo. Ain­da mais pre­o­cu­pan­te, os bancos, não con­fi­an­do em nin­guém pa­ra os pa­gar, sim­ples­men­te pa­ra­ram de con­ce­der os em­prés­ti­mos que a mai­o­ria das em­pre­sas ne­ces­si­ta­va pa­ra ge­rir os seus flu­xos de cai­xa e sem os quais não con­se­gui­am fa­zer ne­gó­cio. No que ao mer­ca­do bol­sis­ta diz res­pei­to, o va­lor das ações veio por aí abai­xo em to­do o mun­do – o Dow Jo­nes In­dus­tri­al Ave­ra­ge, ín­di­ce de re­fe­rên­cia nos EUA, per­deu 33,8% do seu va­lor em 2008, e, até ao fim do ano, uma pro­fun­da re­ces­são es­ten­de­ra-se por es­se mun­do fo­ra.

Vá­ri­as li­ções fo­ram re­ti­ra­das da cri­se fi­nan­cei­ra glo­bal, mas pou­cas ações fo­ram to­ma­das. Nos Es­ta­dos Uni­dos, on­de tu­do co­me­çou, a ad­mi­nis­tra­ção de Ba­rack Oba­ma in­tro­du­ziu a re­for­ma Dodd-Frank pa­ra pro­mo­ver a es­ta­bi­li­da­de fi­nan­cei­ra atra­vés do re­for­ço da res­pon­sa­bi­li­za­ção e da trans­pa­rên­cia do se­tor fi­nan­cei­ro, mas vá­ri­os economista­s con­si­de­ra­ram a ini­ci­a­ti­va co­mo in­su­fi­ci­en­te pa­ra pre­ve­nir uma no­va cri­se ou evi­tar fu­tu­ros res­ga­tes de ins­ti­tui­ções su­pos­ta­men­te “too big to fail”, en­quan­to ou­tros de­fen­dem que foi lon­ge de­mais e trou­xe res­tri­ções in­jus­tas ao se­tor fi­nan­cei­ro dos Es­ta­dos Uni­dos. Res­tri­ções es­sas que a ad­mi­nis­tra­ção Trump tem vin­do a afrou­xar, pro­van­do que, quan­do se tra­ta de ganância, a his­tó­ria é fa­cil­men­te es­que­ci­da. Co­mo es­cre­veu a eco­no­mis­ta e jor­na­lis­ta Stacy-Ma­rie Ish­ma­el em 2010, no blo­gue Alpha­vil­le do Fi­nan­ci­al Ti­mes: “Nós so­mos Wall Stre­et. O nos­so tra­ba­lho é ga­nhar di­nhei­ro. Se­ja com ma­té­ri­as-pri­mas, ações, tí­tu­los ou uma hi­po­té­ti­ca fo­lha de pa­pel fal­so, não im­por­ta. Ne­go­ci­a­ría­mos cro­mos de ba­se­bol se fos­sem lu­cra­ti­vos… Co­me­mos o que ma­ta­mos e, quan­do a úni­ca coi­sa que hou­ver pa­ra co­mer es­ti­ver no vos­so pra­to, ire­mos tam­bém co­mê-la.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.