PEE OR NOT TO PEE?

GQ (Portugal) - - Corpo - Por Sa­ra An­dra­de

É que va­mos fa­lar de chi­chi. Mais con­cre­ta­men­te da­que­la ne­ces­si­da­de ines­pe­ra­da de sai­am-da-fren­te-que-eu-pre­ci­so-mui­to-de-ir-à-ca­sa-de-ba­nho-ur­gen­te­men­te-mes­mo--que­não-pre­ci­sas­se-há-30-se­gun­dos que sur­ge coin­ci­den­te­men­te as­sim que se che­ga a ca­sa ao fim do dia. Tam­bém so­fre dis­so? Não es­tá so­zi­nho. A GQ foi in­ves­ti­gar.

JJá mais do que uma vez pen­sei por­que é que não po­de­mos ter co­man­dos à dis­tân­cia pa­ra as por­tas de en­tra­da do pré­dio. Aque­le có­di­go de 5 dí­gi­tos mais cam­pai­nha pa­re­ce-me sem­pre fór­mu­la ma­te­má­ti­ca quan­do sin­to a be­xi­ga a aler­tar-me pa­ra o que já pas­sou a ser um ri­tu­al diá­rio. Su­bir o ele­va­dor é qua­se sem­pre um su­plí­cio: sor­te se for so­zi­nha até ao ter­cei­ro an­dar, por­que dá pa­ra fa­zer con­tor­ci­o­nis­mo e ir so­nhan­do com uma car­rei­ra no Cir­que du So­leil, pa­ra não pen­sar em ri­a­chos e cas­ca­tas; quan­do vou com um vi­zi­nho, fi­ca sem­pre o sor­ri­so em so­fri­men­to que os dei­xa por nor­ma a ques­ti­o­na­rem-se se te­nho al­gum grau de pa­ren­tes­co com o Han­ni­bal Lec­ter. Quan­do finalmente che­go à por­ta de ca­sa, já es­tou a fa­zer ri­ver­dan­ce en­quan­to ro­do a cha­ve na fechadura. Se con­se­guir en­trar na ca­sa de ba­nho com meio ca­sa­co ves­ti­do é uma vi­tó­ria – con­se­gui des­pir uma man­ga. Pon­tos ex­tras se a luz es­ti­ver ace­sa quan­do finalmente sin­to aque­la sen­sa­ção de alí­vio ini­gua­lá­vel. Di­to is­to, pa­re­ce-me ób­via a ila­ção que se po­de ti­rar des­ta sequên­cia de acon­te­ci­men­tos. O meu apar­ta­men­to é diu­ré­ti­co. Vou fa­zer uma fortuna a en­gar­ra­fá-lo com sa­bor a açaí pa­ra tra­ta­men­tos de re­ten­ção de lí­qui­dos.

Só que não. É que uma bre­ve pes­qui­sa na In­ter­net mos­tra – de­pois de con­se­guir pôr de par­te que is­to afi­nal não é sin­to­ma de mor­te imi­nen­te – que a con­di­ção é re­al (“lat­ch­key in­con­ti­nen­ce”, diz-se em in­glês) e que afe­ta meio mun­do (a per­cen­ta­gem aqui é da­da em ter­mos la­tos). Afi­nal, não é o meu apar­ta­men­to que tem al­go con­tra mim e que quer di­fi­cul­tar a mi­nha en­tra­da pa­cí­fi­ca em

ca­sa, mas an­tes is­to é re­sul­ta­do de uma ca­ba­la en­tre a mi­nha men­te e a mi­nha be­xi­ga que, per­ce­bo ago­ra, são BFFs há anos e a sua mai­or cum­pli­ci­da­de é a mi­nha afli­ção. Ao que pa­re­ce, a ca­be­ça diz ao tra­to uri­ná­rio que a apro­xi­ma­ção ao lar cor­res­pon­de a um mo­men­to de re­la­xa­men­to, al­go que a be­xi­ga le­va à le­tra “A von­ta­de sú­bi­ta e in­ten­sa de ir ao WC quan­do nos apro­xi­ma­mos de ca­sa tem ori­gem no fo­ro psi­co­ló­gi­co (cla­ro que aqui es­ta­mos a ex­cluir si­tu­a­ções de gran­de in­ges­tão de lí­qui­dos e con­se­quen­te e na­tu­ral cons­tan­te ne­ces­si­da­de de ir ao WC)”, co­me­ça Jo­a­na Ca­nha, psi­có­lo­ga clí­ni­ca. “Quan­do nos apro­xi­ma­mos de ca­sa, a nos­sa men­te lê vá­ri­os es­tí­mu­los que nos in­di­cam que es­ta­mos a che­gar a um lo­cal de con­for­to. Es­ta lei­tu­ra é fei­ta in­vo­lun­ta­ri­a­men­te e, con­se­quen­te­men­te, a res­pos­ta do cor­po tam­bém. Co­me­ça­mos a fi­car mais re­la­xa­dos e com me­nor ne­ces­si­da­de de con­ten­ção. É aí que apa­re­cem as von­ta­des sú­bi­tas e in­ten­sas de ir à ca­sa de ba­nho.” Por ou­tras pa­la­vras, os es­tí­mu­los de um ambiente que trans­mi­te ao nos­so cor­po in­di­ca­do­res de con­for­to des­per­tam uma res­pos­ta fi­si­o­ló­gi­ca, que se ma­ni­fes­ta na­qui­lo que é co­mu­men­te de­sig­na­do, no meu ra­mo de co­nhe­ci­men­tos, por “afli­ti­nha pa­ra fa­zer chi­chi”. “É fre­quen­te ser no car­ro que es­ta con­ver­sa [en­tre men­te e be­xi­ga] co­me­ça. O au­to­mó­vel pró­prio, pa­ra a mai­o­ria das pes­so­as, é qual­quer coi­sa co­mo uma ex­ten­são de ca­sa – não é por aca­so que al­gu­mas pes­so­as me­xem no na­riz co­mo se es­ti­ves­sem den­tro de qua­tro pa­re­des – eo cor­po co­me­ça a re­la­xar.” No meu ca­so, es­ta con­ver­sa só co­me­ça à por­ta do pré­dio ou de ca­sa, mes­mo. Mas eu vou de me­tro e o me­tro não é de to­do uma ex­ten­são do meu lar. Po­de ser por is­so.

Não sei quan­do é que is­to tu­do co­me­çou. Em que al­tu­ra da mi­nha vi­da é que a mi­nha por­ta de ca­sa e a mi­nha uri­na se tor­na­ram tão ami­gas que mal po­di­am es­pe­rar pa­ra se en­con­trar. Mas pa­re­ce ser al­go que sem­pre me acom­pa­nhou, nem me re­cor­do de ha­ver aqui al­gu­ma gra­da­ção de afli­ção: “Ah, ho­je ape­te­ce-me ir mais à ca­sa de ba­nho do que on­tem e on­tem ape­te­cia-me mais do que no dia an­te­ri­or. Cu­ri­o­so.” Não. Is­to nun­ca me pas­sou pe­la ca­be­ça. De re­pen­te, era to­dos os di­as nis­to. Só que, se­gun­do a psi­có­lo­ga, a coi­sa es­tá lon­ge de ser re­pen­ti­na, “mas é mui­to fre­quen­te que sur­ja ce­do. Por exem­plo, é mui­to fre­quen­te as cri­an­ças pe­di­rem pa­ra fa­zer chi­chi quan­do aca­bam de en­trar no car­ro à saí­da da es­co­la. O pro­ces­so é se­me­lhan­te”, jus­ti­fi­ca Jo­a­na. “A ideia de ir pa­ra ca­sa, pa­ra o con­for­to, é mui­to atra­en­te pa­ra fa­zer aqui­lo que con­si­de­ra­mos ín­ti­mo, e as idas ao WC são da nos­sa in­ti­mi­da­de/ pri­va­ci­da­de. Es­tas idas à ca­sa de ba­nho são na­tu­rais (co­mo uma es­pé­cie de des­car­ga de an­si­e­da­de e con­ten­ção ao lon­go do dia), mas tam­bém são re­fle­xos con­di­ci­o­na­dos, nos quais a ca­sa (mui­tas ve­zes o pró­prio pré­dio e até o car­ro) é um in­di­ca­ti­vo de que es­tá a apro­xi­mar-se a pos­si­bi­li­da­de de es­tar à von­ta­de.” O que não quer di­zer que o tra­ba­lho, a es­co­la ou ou­tro lo­cal que não o lar não pos­sam ser si­nó­ni­mos de con­for­to. Pa­ra quem es­tá à von­ta­de no es­cri­tó­rio, por exem­plo, as idas pa­ra ca­sa po­dem não ne­ces­sa­ri­a­men­te sig­ni­fi­car a ma­ni­fes­ta­ção des­ta lat­ch­key in­con­ti­nen­ce. Ao mes­mo tem­po, de acor­do com Ca­nha, co­mo o ser hu­ma­no é um ani­mal de rotinas, por mais que es­te­ja no em­pre­go co­mo no so­fá da sa­la, se se ha­bi­tu­ou a es­te ri­tu­al de WC quan­do a cha­ve en­tra na fechadura, não es­tá imu­ne a ex­pe­ri­men­tar as ma­ra­vi­lhas da­qui­lo que é sa­pa­te­ar em fren­te à por­ta e re­zar pa­ra que os vi­zi­nhos não ve­jam (ou não es­te­jam a es­prei­tar). “Des­de mui­to ce­do que in­cen­ti­va­mos as cri­an­ças a ter con­tro­lo so­bre as idas ao WC e es­se trei­no é fei­to, mai­o­ri­ta­ri­a­men­te, em ca­sa – sí­tio on­de aca­ba­mos sem­pre por nos sen­tir mais à von­ta­de pa­ra tu­do o que es­tá re­la­ci­o­na­do com a in­ti­mi

da­de e a pri­va­ci­da­de. Por mais à von­ta­de que nos sin­ta­mos fo­ra de ca­sa, há qual­quer coi­sa de con­ten­ção/stress/di­fe­ren­ças no ambiente que le­vam a que vá­ri­as pes­so­as não con­si­gam ir ao WC quan­do es­tão em sí­ti­os di­fe­ren­tes – até de fé­ri­as”, ter­mi­na a psi­có­lo­ga.

A ques­tão com mai­or gra­vi­da­de é que aqui­lo que co­me­ça co­mo um re­fle­xo con­di­ci­o­na­do – uma res­pos­ta fi­si­o­ló­gi­ca a um es­tí­mu­lo de um ambiente que o cor­po as­su­me co­mo con­for­tá­vel – po­de evo­luir pa­ra um sé­rio pro­ble­ma mé­di­co. Rui Lú­cio, uro­lo­gis­ta na Fun­da­ção Cham­pa­li­maud, des­cre­ve es­ta lat­ch­key in­con­ti­nen­ce na ver­ten­te da me­di­ci­na: “Ape­sar de não ter­mos uma tra­du­ção des­ta ex­pres­são pa­ra por­tu­guês, a lat­ch­key in­con­ti­nen­ce é uma das quei­xas de uma con­di­ção co­nhe­ci­da em uro­lo­gia co­mo in­con­ti­nên­cia de ur­gên­cia (por opo­si­ção à in­con­ti­nên­cia de es­for­ço). É ca­rac­te­ri­za­da pe­la ne­ces­si­da­de de uri­nar fre­quen­te­men­te, se­ja de dia ou de noi­te, com ur­gên­cia e as­so­ci­a­da ou não a per­das de uri­na in­de­se­ja­das”, ini­cia. “Ao ní­vel fun­ci­o­nal, tra­ta-se de uma con­tra­ção (ou con­tra­ções) in­de­se­ja­da(s) do mús­cu­lo da be­xi­ga. Po­de ter um gran­de im­pac­to na qua­li­da­de de vi­da e per­tur­bar as re­la­ções pes­so­ais, so­ci­ais e la­bo­rais.” Con­fir­mo. Já dei­xei mui­tos te­le­fo­ne­mas a meio, por­que de­sa­per­tar as cal­ças só com uma mão não é pa­ra to­dos. Tam­bém já des­pa­chei con­ver­sas de ele­va­dor e dei­xei de se­gu­rar a por­ta do pré­dio a vi­zi­nhos por­que quan­do con­fron­ta­da com ou eles ou a uri­na, a uri­na, de­pen­den­do do es­ta­do de emer­gên­cia, ocu­pa­rá sem­pre um lu­gar ci­mei­ro. Acre­di­to que to­da a gen­te já te­ve de to­mar es­ta de­ci­são. Que ati­re o pri­mei­ro rim quem nun­ca fin­giu não ver a se­nho­ra do quar­to an­dar a di­ri­gir-se à en­tra­da do edi­fí­cio. E não, ape­sar das apa­rên­ci­as, por nor­ma is­to não de­no­ta dis­túr­bio psi­co­ló­gi­co: “Sem dú­vi­da que a men­te e a be­xi­ga es­tão in­ti­ma­men­te li­ga­dos. O nos­so sis­te­ma psí­qui­co e bi­o­ló­gi­co es­tão in­ter­li­ga­dos. Al­te­ra­ções no es­ta­do emo­ci­o­nal le­vam, na mai­or par­te das ve­zes, a uma al­te­ra­ção na be­xi­ga e in­tes­ti­nos. É a nos­sa for­ma mais ‘ir­re­fle­ti­da’, bi­o­ló­gi­ca e na­tu­ral de li­ber­ta­ção. Quem é que num mo­men­to mais an­si­o­so não te­ve uma von­ta­de sú­bi­ta de ir ao WC, ou pe­lo con­trá­rio, pas­sou vá­ri­os di­as sem ir? No en­tan­to, são ra­ros os ca­ga­ran­te sos on­de se an­te­vê um dis­túr­bio. Pa­ra is­so, te­rão de es­tar reu­ni­das ou­tras con­di­ções”, Ca­nha.

Há ain­da ou­tros es­tí­mu­los que po­dem de­sen­ca­de­ar a von­ta­de de fa­zer chi­chi, se­gun­do o Dr. Lú­cio, por ve­zes con­fron­ta­do com epi­só­di­os de pa­ci­en­tes seus: “Os do­en­tes des­cre­vem vá­ri­as si­tu­a­ções do dia a dia que cau­sam ur­gên­cia/in­con­ti­nên­cia uri­ná­ria: abrir uma tor­nei­ra, mexer em água, abrir a por­ta de ca­sa, es­ta­ci­o­nar o car­ro ao che­gar a ca­sa, etc. Há que ava­li­ar fa­to­res de ris­co e pos­sí­veis cau­sas. Exis­tem ra­zões sim­ples, co­mo ali­men­tos, até do­en­ças mais gra­ves, co­mo Di­a­be­tes mel­li­tus ou al­te­ra­ções neu­ro­ló­gi­cas, que se ma­ni­fes­tam des­ta for­ma. É im­por­tan­te uma ava­li­a­ção com exa­mes com­ple­men­ta­res, co­mo aná­li­ses e exa­mes de ima­gem.” A mi­nha ava­li­a­ção es­tá fei­ta. O meu apar­ta­men­to tem es­te pro­ble­ma. O que fa­ço?

“A so­lu­ção”, con­ti­nua o uro­lo­gis­ta, acon­se­lhan­do do pon­to de vis­ta mé­di­co, “de­pen­de mui­to da ra­zão sub­ja­cen­te à quei­xa. É acon­se­lhá­vel um es­ti­lo de vi­da sau­dá­vel, evi­tan­do ex­ces­so de pe­so e subs­tân­ci­as ir­ri­tan­tes pa­ra a be­xi­ga (co­mo ca­feí­na, ál­co­ol ou tabaco). A res­tri­ção hí­dri­ca po­de au­men­tar a con­cen­tra­ção da uri­na e pi­o­rar a ur­gên­cia uri­ná­ria – re­co­men­da-se man­ter a hi­dra­ta­ção. Evi­tar si­tu­a­ções stres­san­tes e re­a­li­zar exer­cí­ci­os de re­for­ço da mus­cu­la­tu­ra pél­vi­ca, co­mo os uti­li­za­dos no pe­ri­par­to, po­de ser be­né­fi­co. Finalmente, exis­tem me­di­ca­men­tos que po­de­mos uti­li­zar e que são efi­ca­zes e bem to­le­ra­dos.” No ca­so da ca­be­ça, a coi­sa vai lá (tal­vez) com treinos: “o co­me­ço é sem­pre o ter cons­ci­ên­cia da si­tu­a­ção e do porquê (não se sen­tir à von­ta­de de usar o WC no tra­ba­lho, al­go re­la­ci­o­na­do com a an­si­e­da­de, fi­car mui­to tem­po sem ir ao WC)”, cor­ro­bo­ra a Dra. Ca­nha. “De­pois vem um la­do mui­to com­por­ta­men­tal, o trei­no. Por exem­plo, fa­zer chi­chi an­tes de ir pa­ra o ca­sa, quan­do en­trar em ca­sa não ir lo­go ao WC, etc. Mas tu­do le­va o seu tem­po.” Rui Lú­cio con­fir­ma que re­e­du­car o cor­po po­de ser, de fac­to, uma so­lu­ção (ape­sar de os nos­sos pais sem­pre di­ze­rem que faz mal re­ter o chi­chi – mãe, há ex­cep­ções pa­ra tu­do): “As­su­min­do que te­mos um con­di­ci­o­na­men­to pré­vio en­tre uma ação (pôr a cha­ve na por­ta) e uma ‘re­com­pen­sa’ (alí­vio ao uri­nar), ten­tar que­brar es­ta as­so­ci­a­ção ao ní­vel cog­ni­ti­vo po­de ser van­ta­jo­so.”

E quan­do acon­te­ce ao con­trá­rio? Que­rer­mos mui­to ir à ca­sa de ba­nho em si­tu­a­ções em que não po­de­mos – por exem­plo, nu­ma ro­ad trip, que­rer usar o WC as­sim que se sai de uma es­ta­ção de ser­vi­ço? A ex­pli­ca­ção man­tém-se? “Nes­se ti­po de si­tu­a­ções, es­tão mui­tas ve­zes em jo­go ques­tões de con­tro­lo e an­si­e­da­de; ‘vou ter de fi­car x tem­po aqui sem po­der ir ao WC. E se me ape­te­cer?!’ As pes­so­as fi­cam mui­to pre­o­cu­pa­das com o ter von­ta­de de uti­li­zar o WC e não ter ne­nhum à mão. Lo­go, a an­si­e­da­de sobe e aca­ba mes­mo por evo­luir pa­ra uma von­ta­de re­al”, jus­ti­fi­ca a psi­có­lo­ga.

Es­ta ci­ber­nau­ta po­de con­fir­má-lo: chains of­fre­e­dom (nick­na­me da user), num fó­rum de res­pos­tas on­li­ne, par­ti­lhou que sem­pre que es­ta­va na bi­bli­o­te­ca com os dois bra­ços ocu­pa­dos de li­vros, sen­tia uma von­ta­de ina­diá­vel de res­pon­der ao seu in­tes­ti­no. “Pa­re­ce que o meu cé­re­bro tem uma re­a­ção psi­co­ló­gi­ca que o faz pen­sar ’Es­pe­ra, ela es­tá mes­mo a meio de al­go que se­rá di­fí­cil de in­ter­rom­per. Oh, não! Não tens que fa­zer co­có, não tens que fa­zer co­có…’ que é o mes­mo que não pen­sa­res num ele­fan­te cor-de-ro­sa, cer­to? (…)”. Cer­to. Mas is­so é con­ver­sa pa­ra um ar­ti­go (so­bre) n.º 2.

Ago­ra vou pa­ra ca­sa. Só vou ali fa­zer chi­chi, pri­mei­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.