Jo­sé Cou­to No­guei­ra vi­si­ta o mun­do de uma in­flu­en­cer que se “de­sa­fia” a co­mer “co­mi­da pre­ta” du­ran­te um dia.

Há mi­lhões de pes­so­as que não têm o que co­mer. E há pes­so­as que co­mem por fe­ti­che.

GQ (Portugal) - - Sumário -

An­ti­ga­men­te – e con­si­de­re “an­ti­ga­men­te” co­mo to­dos os pe­río­dos da His­tó­ria até ao sé­cu­lo XIX – a prin­ci­pal pre­o­cu­pa­ção dos se­res hu­ma­nos era ter ali­men­ta­ção su­fi­ci­en­te to­dos os di­as. Ho­je, gra­ças aos pro­gres­sos tec­no­ló­gi­cos na pro­du­ção e dis­tri­bui­ção de ali­men­tos, cer­ca de me­ta­de da Hu­ma­ni­da­de já não tem es­se pro­ble­ma. E de­pois, en­tre es­ses fe­li­zar­dos, há aque­les, não se sa­be quan­tos, que trans­for­ma­ram a co­mi­da nu­ma afir­ma­ção de estilo – “fashi­on sta­te­ment”, em in­glês, es­cla­re­ce me­lhor o con­cei­to.

Se­ria, por exem­plo, es­co­lher pro­du­tos exó­ti­cos, res­tau­ran­tes se­te es­tre­las, ou di­e­tas com­pli­ca­dís­si­mas? Se­ria, mas não che­ga. Tra­ta-se mais de uma ali­men­ta­ção con­cei­tu­al. Co­mo se co­nhe­ce, e even­tu­al­men­te se ade­re, a es­te con­cei­to? Gra­ças à ma­gia da co­mu­ni­ca­ção vi­ral, evi­den­te­men­te.

Ora va­mos lá ten­tar per­ce­ber o que is­to sig­ni­fi­ca. O me­lhor é es­co­lher um pro­ta­go­nis­ta: Roxx­sau­rus. Uma miú­da, em­bo­ra o no­me de gu­er­ra não o in­di­que. Gi­ra, tal­vez, se se con­si­de­rar gi­ra uma ra­pa­ri­ga plas­ti­fi­ca­da (ou pe­la ma­qui­lha­gem ou pe­lo tra­ta­men­to da ima­gem, não dá pa­ra per­ce­ber) que ga­nha a vi­da sen­do ela pró­pria. Jo­vem, com uma ida­de que po­de an­dar en­tre os 18 e os 28, vá-se lá sa­ber. Não es­tu­da – tal­vez te­nha es­tu­da­do al­gu­ma coi­sa, mas is­so não vem pa­ra o ca­so – e não tra­ba­lha, na­que­le con­cei­to pré-pós-verdade em que tra­ba­lhar con­sis­te em de­sem­pe­nhar uma fun­ção na ca­deia pro­du­ti­va a tro­co dum sa­lá­rio. Nas­ceu na Po­ló­nia e vi­ve, pre­su­mi­vel­men­te, nos Es­ta­dos Uni­dos – pre­su­mi­vel­men­te por­que o ce­ná­rio on­de apa­re­ce é trans­na­ci­o­nal.

Roxx­sau­rus tem 3,8 mi­lhões de se­gui­do­res no seu ca­nal do You­tu­be. Nada que se com­pa­re com as gran­des es­tre­las, ou mes­mo com Ja­mes Char­les, um ar­tis­ta de ma­qui­lha­gem com 15 mi­lhões de se­gui­do­res no Ins­ta­gram e 16 mi­lhões no You­Tu­be. Mas pe­lo me­nos Ja­mes per­ce­be-se o que faz, tal co­mo Do­nald Trump, que tem 60 mi­lhões de se­gui­do­res no Twit­ter. Um en­si­na ma­qui­lha­gens con­cei­tu­ais (cá vol­ta es­ta pa­la­vra tão pós-mo­der­na), o ou­tro é po­lí­ti­co. Quan­to a ela, é um ava­tar de si pró­pria, o que tam­bém va­le na es­ca­la das uti­li­da­des da vi­da. Rox­xau­rus, que an­da sem­pre à pro­cu­ra de “si­tu­a­ções” in­te­res­san­tes que dei­xem pas­ma­dos os seus fãs, tem um post no You­Tu­be on­de ex­pe­ri­men­ta o con­cei­to de “black fo­od”. Um de­sa­fio, por­que os de­sa­fi­os (“chal­len­ges”) são a pos­tu­ra que es­tá a dar. Is­so mes­mo, co­zi­nha pre­ta. Es­te post tem, até à da­ta, Maio de 2019, 560 mil vi­su­a­li­za­ções. Não pa­re­ce mui­to, nu­ma épo­ca em que to­dos os nú­me­ros são tão gran­des que se per­de um pou­co a no­ção do ta­ma­nho. Só co­mo re­fe­rên­cia, são cin­co ve­zes mais vi­su­a­li­za­ções do que o nú­me­ro de pes­so­as que tra­ba­lham em call cen­ters em Por­tu­gal, que nin­guém co­nhe­ce e ga­nham uma ín­fi­ma par­ce­la do que Rox­xau­rus fac­tu­ra. E os mi­lhões de se­gui­do­res, são mais ou me­nos a mes­ma quan­ti­da­de de re­for­ma­dos que exis­te nes­te País.

OS CO­MEN­TÁ­RI­OS QUE FAZ TÊM A PRO­FUN­DI­DA­DE DE UM PI­RES DE CA­FÉ (HORROROSO, SA­BE TÃO MAL!) E A DEN­SI­DA­DE DU­MA

COCA CO­LA (DELICIOSA!).

En­tão, nes­te ví­deo, Rox­xau­rus, com uma ati­tu­de as­sim en­tre a dis­pli­cên­cia e o en­tu­si­as­mo – é pre­ci­so ter a ati­tu­de cer­ta pa­ra fa­zer su­ces­so na glo­ba­li­da­de vir­tu­al – re­sol­ve pas­sar um dia in­tei­ro a co­mer co­mi­da pre­ta. Porquê? Por­que co­zi­nha fran­ce­sa, ou ener­gé­ti­ca, ou sem hi­dra­tos de car­bo­no, são con­cei­tos an­ti­qua­dos de quem saiu há pou­co da co­mi­da bá­si­ca de so­bre­vi­vên­cia. Co­mi­da pre­ta is the new black!

Sen­ta­da com à von­ta­de na sua co­zi­nha, Rox­xau­rus es­pre­me um fi­go pre­to, mos­tran­do eno­ja­da­men­te aos es­pec­ta­do­res que é uma fru­ta pre­ta por fo­ra, mas com umas ali­e­ní­ge­nas se­men­tes ver­me­lhas por den­tro. As coi­sas que cer­tas cul­tu­ras con­so­mem... Dis­gus­ting!

Rox­xau­rus fez as com­pras pa­ra um dia que vai ser um au­tên­ti­co de­sa­fio: mas­sa pre­ta, mo­lho de alho com fei­jões pre­tos, ar­roz or­gâ­ni­co pre­to, len­ti­lhas pre­tas, uvas pre­tas, mir­ti­los, ca­ra­me­los de al­ca­çuz, Coca-Co­la, ca­fé, be­bi­da ener­gé­ti­ca mar­ca Black, amei­xas pre­tas, fi­gos, cho­co­la­te pre­to e Ore­os (es­tá bem, são bran­cos por den­tro, mas pa­ci­ên­cia). Os co­men­tá­ri­os que faz têm a pro­fun­di­da­de de um pi­res de ca­fé (horroroso, sa­be tão mal!) e a den­si­da­de du­ma Coca Co­la (deliciosa!).

Já ti­nha pen­sa­do nes­ta ideia, co­mi­da pre­ta? Pos­si­vel­men­te já co­meu e be­beu to­das es­tas coi­sas, mas o con­cei­to pas­sou-lhe des­per­ce­bi­do. Ve­ja lá se se lem­bra dou­tro con­cei­to. Se for su­fi­ci­en­te­men­te su­per­fi­ci­al e atra­ti­vo, po­de fi­car mi­li­o­ná­rio. E fa­mo­so, o que é ain­da me­lhor.

NO TEMPO DA PÓS-VERDADE JO­SÉ COU­TO NO­GUEI­RA * BLACK FO­OD

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.