A nos­sa musa de ju­nho é Jés­si­ca Sil­va, uma das cra­ques mai­o­res do fu­te­bol por­tu­guês.

Quem ve Jes­si­ca Sil­va jo­gar fu­te­bol, sa­be que a ve­lo­ci­da­de e a te­e­ni­ca apu­ra­da sao as su­as gran­des ar­mas. Po­rem quan­do pa­ra­mos pa­ra con­ver­sar, re­ve­la uma vi­sao de jo­go dig­na de Zi­ne­di­ne Zi­da­ne e uma am­bi­cao as­ser­ti­va ca­paz de pe­dir me­cas a de Cris­ti­a­no Ro

GQ (Portugal) - - Sumário -

uma das cra­ques mai­o­res do fu­te­bol por­tu­guês. Ca­da vez mais in­dis­cu­tí­vel na se­le­ção na­ci­o­nal, Jés­si­ca abre o jo­go con­nos­co, fa­la do seu per­cur­so, fa­la de co­mo o fu­te­bol ain­da é de­ma­si­a­do in­cli­na­do a des­fa­vor das ra­pa­ri­gas, mos­tra gran­de hu­mil­da­de, mas não es­con­de a am­bi­ção nem a no­ção de que tem ta­len­to. A sua car­rei­ra fa­la por si: co­me­çou num clu­be ama­dor, che­gou a jo­gar na Sué­cia, no Lin­ko­ping, vol­tou a Por­tu­gal pa­ra jo­gar no Al­ber­ga­ria, de­pois no Bra­ga e aca­bou por sair pa­ra Es­pa­nha, pa­ra o Le­van­te. Mas, co­mo a am­bi­ção de Jés­si­ca tem a me­di­da do seu ta­len­to, à ho­ra a que es­ta re­vis­ta che­ga às ban­cas é bem pro­vá­vel que a cra­que por­tu­gue­sa já se­ja a mais re­cen­te estrela da mai­or cons­te­la­ção eu­ro­peia.

DO INÍ­CIO

Nas­ces­te em Vi­la No­va de Mil­fon­tes. Cres­ces­te na cos­ta alen­te­ja­na? Sim, nas­ci em Mil­fon­tes, vi­vi lá até aos meus oi­to, no­ve anos, de­pois fui pa­ra Águe­da, por­que a mi­nha mãe ca­sou-se com o meu pa­dras­to, o pai dos meus ir­mãos, nós somos seis ir­mãos. Pas­sei lá o res­to da mi­nha in­fân­cia.

E co­me­ças­te a jo­gar fu­te­bol des­de miú­da? Sim, des­de mui­to pe­que­ni­na. Des­de be­bé, pra­ti­ca­men­te, que sen­ti sem­pre uma li­ga­ção mui­to es­pe­ci­al com uma bo­la de fu­te­bol, com qual­quer ob­je­to com que pu­des­se jo­gar à bo­la, até com la­ran­jas que ar­ran­ca­va da la­ran­jei­ra da mi­nha avó, ou as nês­pe­ras. An­da­va sem­pre aos chu­tos.

E gos­ta­vas mes­mo do des­por­to em si, de ver jo­gos na te­le­vi­são e as­sim? Não. Pa­ra ser sin­ce­ra, não me di­zia mui­to. Só co­me­cei a ver fu­te­bol a par­tir do Eu­ro 2004. Ain­da eras mui­to pe­que­ni­na no Eu­ro 2004... [Jés­si­ca nas­ceu em 1994.] Sim, era pe­que­ni­na, mas não acha­va mui­ta pi­a­da a ver. Tam­bém, as câ­ma­ras, na te­le­vi­são, aque­las pa­no­râ­mi­cas, fa­zi­am o fu­te­bol um bo­ca­do di­fe­ren­te, fa­zia-me im­pres­são. O que gos­ta­va mes­mo era de ser eu a jo­gar com os meus ami­gos, lem­bro-me de ris­car as li­nhas na es­tra­da com ti­jo­lo, de fa­zer a ba­li­za, o meio-cam­po. Sem­pre fui mui­to mais de jo­gar do que de ver. Com o Eu­ro 2004, co­me­cei a ver, mas só ago­ra, nos úl­ti­mos, di­ga­mos, qua­tro ou cin­co anos, é que co­me­cei a ver fu­te­bol com mui­to pra­zer. Sem­pre fui mais de pra­ti­car, o que é nor­mal, mas du­ran­te mui­to tempo não fui de ver jo­gos de fu­te­bol.

Ou se­ja, não és uma fa­ná­ti­ca da bo­la. Não sou uma fa­ná­ti­ca da bo­la, se bem que acho que ca­da vez es­tou mais fa­ná­ti­ca da bo­la. Tem a ver com a mi­nha apren­di­za­gem, com a ex­pe­ri­ên­cia que vou ad­qui­rin­do nos clu­bes por on­de vou pas­san­do e vou per­ce­ben­do que a vi­su­a­li­za­ção é im­por­tan­te pa­ra apren­der pro­ces­sos. É pre­ci­so es­tu­dar tam­bém o la­do teó­ri­co do jo­go. Ago­ra con­si­go ver um jo­go com ou­tros olhos.

Quais fo­ram as tu­as pri­mei­ras re­fe­rên­ci­as no fu­te­bol? A Mar­ta [Vi­ei­ra da Sil­va, ata­can­te bra­si­lei­ra, con­si­de­ra­da pe­la FIFA me­lhor do mun­do em cin­co oca­siões] é, pa­ra mim, a me­lhor de sem­pre. Já apa­re­ce­ram mui­tas jo­ga­do­ras, en­tre­tan­to, al­gu­mas mui­to bo­as [N. do R.: Mar­ta tem 33 anos], mas ne­nhu­ma con­se­guiu ain­da atin­gir o ní­vel da Mar­ta. Con­ti­nua a ser uma jo­ga­do­ra fan­tás­ti­ca. Não ve­jo nin­guém que se­ja me­lhor ou que pos­sa vir a ser me­lhor do que a Mar­ta. Pa­ra além de­la, cla­ro, o “nos­so” Cris­ti­a­no Ro­nal­do é, sem dú­vi­da, uma re­fe­rên­cia, as­sim co­mo o Ri­car­di­nho [jo­ga­dor de fut­sal]. Sou mui­to pa­tri­o­ta, mas é cla­ro que são os me­lho­res do mun­do. Não nos po­de­mos quei­xar, no fu­te­bol de praia ain­da te­mos o Mad­jer.

Fal­ta apa­re­cer um su­per cra­que des­tes no fu­te­bol fe­mi­ni­no? O nos­so fu­te­bol tem cres­ci­do... O fu­te­bol fe­mi­ni­no, no ge­ral tem cres­ci­do... Sim, cla­ro. Par­ti­cu­lar­men­te, em Por­tu­gal há mais vi­si­bi­li­da­de, no­ta-se um mai­or in­te­res­se das miú­das. O pro­ble­ma é não ser­mos mui­tas a pra­ti­car, não ha­ver es­tí­mu­lo pa­ra que as miú­das jo­guem lo­go des­de ce­do, mas os clu­bes já co­me­çam a in­ves­tir na for­ma­ção, já há mais me­ni­nas – ago­ra até se diz que es­tá na mo­da, por­que há ca­da vez mais me­ni­nas a jo­gar. Dan­tes era “ai, jo­gar à bo­la, uma me­ni­na”, os pró­pri­os pais pa­re­ce que não gos­ta­vam. Mas as coi­sas são com­ple­ta­men­te di­fe­ren­tes e já se vê mui­tos pais a acom­pa­nhar as me­ni­nas.

O fac­to de te­rem en­tra­do três clu­bes gran­des [Bra­ga, Spor­ting e, es­te ano, o Ben­fi­ca] nas com­pe­ti­ções pro­fis­si­o­nais aju­dou a es­te au­men­to de vi­si­bi­li­da­de? Cla­ro, a en­tra­da dos gran­des foi de­ter­mi­nan­te pa­ra que ha­ja mais me­ni­nas a apa­re­cer no fu­te­bol, a que­re­rem jo­gar.

JÉS­SI­CA, A PRO­FIS­SI­O­NAL

Co­mo é que acon­te­ceu pas­sa­res pe­lo fu­te­bol su­e­co? Tor­nei-me pro­fis­si­o­nal com 19 anos, quan­do fui jo­gar pa­ra o Lin­ko­ping [lê-se “lin­cho­ping”]. Cá em Por­tu­gal sem­pre ti­nha jo­ga­do por amor à ca­mi­so­la. Já ti­nha ti­do opor­tu­ni­da­des pa­ra me tor­nar pro­fis­si­o­nal, mas es­co­lhi o Lin­ko­ping, por­que ti­nha uma equipa in­crí­vel, é uma das me­lho­res equi­pas, se­não a me­lhor, do cam­pe­o­na­to su­e­co. Acei­tei a trans­fe­rên­cia de olhos fe­cha­dos, ti­nha a mi­nha am­bi­ção e sa­bia que o meu fu­tu­ro ha­via de pas­sar por ir pa­ra fo­ra, mas não es­ta­va tão pre­pa­ra­da quan­to de­via. Es­sa ex­pe­ri­ên­cia aca­bou por ser de­ter­mi­nan­te pa­ra me pre­pa­rar pa­ra o fu­tu­ro, por­tan­to, foi boa, mas a verdade é que não cor­reu mui­to bem. Es­ti­ve lá cin­co ou seis me­ses e de­pois vol­tei a Por­tu­gal. Mas foi uma boa ex­pe­ri­ên­cia, mui­to im­por­tan­te, apren­di que sa­cri­fí­ci­os era pre­ci­so fa­zer pa­ra me tor­nar pro­fis­si­o­nal, es­ta­va en­tre al­gu­mas das me­lho­res jo­ga­do­ras, vá­ri­as de­las cam­peãs olím­pi­cas. Nem tu­do cor­reu bem, mas as mi­nhas co­le­gas aju­da­ram-me mui­to. Ain­da que eu ti­ves­se 19 anos, e aos 19 anos uma pes­soa já é adul­ta, mas eu era uma me­ni­na mui­to de ca­sa, mui­to da fa­mí­lia, dos meus ir­mãos, mui­to dos meus ami­gos, da mi­nha mãe, era uma be­bé gran­de e foi a pri­mei­ra vez que fi­quei mes­mo lon­ge, bem afas­ta­da de­les e cus­tou-me.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.