Sa­bia que a pri­mei­ra ro­ad trip de lon­ga dis­tân­cia te­ve uma mu­lher ao vo­lan­te?

Karl Benz é o in­ven­tor do au­to­mó­vel mo­der­no. Po­rém, a sua in­ven­ção nun­ca te­ria che­ga­do lon­ge se a sua mu­lher não ti­ves­se de­ci­di­do fa­zer uma vi­a­gem de qua­se 200 qui­ló­me­tros pa­ra ir vi­si­tar a mãe. Es­ta é a his­tó­ria da pri­mei­ra ro­ad trip de lon­ga dis­tân­cia,

GQ (Portugal) - - Sumário - Por Di­e­go Ar­més.

On­de é que eu dei­xei o car­ro?", ter-se-ia per­gun­ta­do, en­quan­to co­ça­va a ca­be­ça, Karl Benz – o cri­a­dor do Benz Pa­tent-Mo­torwa­gen, re­co­nhe­ci­do co­mo o pri­mei­ro veí­cu­lo con­ce­bi­do pa­ra ser mo­vi­do a mo­tor – quan­do saiu à rua e não en­con­trou o seu Mo­de­lo III, o ter­cei­ro da li­nha­gem com o seu ape­li­do, lan­ça­do em 1886. O fu­tu­ro fun­da­dor da com­pa­nhia que vi­ria a cha­mar-se Mer­ce­des-Benz não en­con­trou o seu veí­cu­lo nes­se lon­gín­quo dia 12 (há quem afir­me que foi a 5, ou se­ja, uma se­ma­na an­tes) de agos­to de 1888 pe­la sim­ples ra­zão de que a sua mu­lher, Bertha Benz, pe­gou nas cha­ves e de­ci­diu ir dar uma vol­ta de au­to­mó­vel sem dar sa­tis­fa­ções a nin­guém. Só que es­ta “vol­ta de au­to­mó­vel” mudou a his­tó­ria – não ape­nas a his­tó­ria da in­dús­tria em ques­tão que, na épo­ca, nem se­quer po­dia ser vis­ta ain­da co­mo in­dús­tria, mas de to­da uma ci­vi­li­za­ção: não é exa­ge­ro, a vi­a­gem de Bertha mos­trou ao mun­do que o au­to­mó­vel era viá­vel, fiá­vel e útil, abrin­do ca­mi­nho ao cres­ci­men­to da pro­cu­ra e, con­se­quen­te­men­te, ao au­men­to da pro­du­ção. Sem­pre que pen­sar­mos que Henry Ford mudou o cur­so da his­tó­ria com o seu Ford Mo­del T, o pri­mei­ro car­ro acessível à mai­o­ria da po­pu­la­ção, lem­bre­mo-nos que foi Bertha Benz quem, com o seu ato des­te­mi­do, lhe pa­vi­men­tou a es­tra­da, co­mo se diz na Amé­ri­ca.

180 QUI­LÓ­ME­TROS

Ho­je, são 88 qui­ló­me­tros de um pon­to ao ou­tro: apa­nha-se a A5 em Man­nheim e em cer­ca de uma ho­ra es­ta­mos a sair em Pforzheim, de­pois de vi­rar­mos em Karls­ruhe, não tem nada que en­ga­nar. Po­rém, na al­tu­ra as coi­sas não eram bem as­sim. Se a se­nho­ra Benz que­ria ir vi­si­tar a fa­mí­lia a Pforzheim, ti­nha de se me­ter pe­las es­tra­das da épo­ca, que mais não eram do que ca­mi­nhos aber­tos pe­la pas­sa­gem de car­ro­ças e ca­va­los na mai­or par­te dos ca­sos, so­bre­tu­do quan­do se tra­ta­va de atra­ves­sar a pro­vín­cia. As­sim, a dis­tân­cia per­cor­ri­da por Bertha te­rá si­do, no mí­ni­mo, 180 qui­ló­me­tros no to­tal, con­tan­do já com a vi­a­gem de re­gres­so a Man­nheim, al­guns di­as mais tar­de – es­te va­lor é, se­gun­do al­gu­mas fon­tes, bai­xo: Bertha po­de­rá ter fei­to um tra­je­to que che­ga aos 105 qui­ló­me­tros pa­ra ca­da la­do.

SEM SOBRESSALT­OS

Con­fi­an­do na ver­são ofi­ci­al da his­tó­ria, is­to é, aque­la que a Daim­ler cer­ti­fi­ca – Daim­ler e Benz fun­di­ram-se em 1926; atu­al­men­te, o no­me do gru­po on­de se in­clui a Mer­ce­des-Benz é Daim­ler AG –, as vi­a­gens de Bertha Benz, tan­to à ida co­mo no re­gres­so, não ti­ve­ram con­tra­tem­pos nem sobressalt­os dig­nos de no­ta. Hou­ve, no en­tan­to, no­tas que Bertha foi to­man­do à me­di­da que se de­pa­rou com di­fi­cul­da­des. Por exem­plo, o com­bus­tí­vel do mo­tor, que era li­groí­na, na al­tu­ra, dei­ta­va-se di­re­ta­men­te no car­bu­ra­dor, uma vez que não exis­tia de­pó­si­to de com­bus­tí­vel, o que fa­zia com que o au­to­mó­vel só com­por­tas­se qua­tro li­tros e meio de ca­da vez. Ou se­ja, Bertha te­ve de ir pa­ran­do ao lon­go do ca­mi­nho pa­ra com­prar mais li­groí­na, que era ven­di­da nas far­má­ci­as. Ou­tra no­ta im­por­tan­te foi a de que os dois ca­va­los e meio de po­tên­cia do mo­tor de um só ci­lin­dro eram ma­ni­fes­ta­men­te pou­co pa­ra, por exem­plo, que o car­ro con­se­guis­se tre­par co­li­nas – Bertha e os dois ra­pa­zes per­ce­be­ram is­to da ma­nei­ra mais du­ra, ten­do ti­do de em­pur­rar a vi­a­tu­ra em mais do que uma oca­sião. Hou­ve uma no­ta ain­da pa­ra a ine­fi­cá­cia dos tra­vões de cal­ço que eram ati­va­dos à mão atra­vés de uma ala­van­ca ex­te­ri­or ao car­ro: nas des­ci­das, era mui­to di­fí­cil abran­dar es­ta má­qui­na de 360 qui­los. Es­tas no­tas vi­ri­am a ser le­va­das em con­ta e o Mo­del II se­ria mo­di­fi­ca­do de acor­do com elas.

OS VER­DA­DEI­ROS MO­TI­VOS

O pla­no de Bertha não con­sis­tia ne­ces­sa­ri­a­men­te em ir vi­si­tar a mãe – es­se foi um pre­tex­to cre­dí­vel. A es­co­lha da da­ta aju­dou a acres­cen­tar cre­di­bi­li­da­de ao pre­tex­to, uma vez que as férias es­co­la­res co­me­ça­vam em agos­to e Bertha fez ques­tão de adi­ci­o­nar os fi­lhos ao pla­no. Na ma­nhã des­se agos­to lon­gín­quo, Bertha e os seus fi­lhos Eu­ge­ne e Ri­chard le­van­ta­ram-se mais ce­do do que to­da a fa­mí­lia e ti­ra­ram o car­ro da ga­ra­gem. Fi­ze­ram-no em­pur­ran­do o au­to­mó­vel até uma dis­tân­cia ra­zo­a­vel­men­te se­gu­ra e só en­tão lhe li­ga­ram o mo­tor. Al­gum tempo mais tar­de, já com o trio a ca­mi­nho de Pforzheim no Mo­del III, Karl le­van­tou-se da ca­ma e es­tra­nhou a fal­ta da mu­lher e dos fi­lhos. Che­ga­do à co­zi­nha, en­con­trou um bi­lhe­te em que Bertha lhe di­zia, com sim­pli­ci­da­de, que ti­nha ido a Pforzheim com os miú­dos vi­si­tar a fa­mí­lia – só não men­ci­o­na­va, nes­sa no­ta bre­ve, que ti­nha le­va­do o car­ro pa­ra o tes­tar. É que es­se era o ver­da­dei­ro mo­ti­vo da ro­ad trip, ex­pe­ri­men­tar o au­to­mó­vel cri­a­do por Karl, per­ce­ber até on­de po­dia ele che­gar. Bertha só que­ria pro­var ao pró­prio ma­ri­do que a sua in­ven­ção era mui­to me­lhor e mais útil do que ele pró­prio al­gu­ma vez so­nha­ra, que o seu Benz po­dia che­gar mui­to mais lon­ge do que o pró­prio Karl acre­di­ta­va e que a pro­du­ção de au­to­mó­veis se­me­lhan­tes se­ria mui­to mais viá­vel do que an­te­ri­or­men­te se pen­sa­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.