OS NO­VOS HO­MENS DE NEGRO

GQ (Portugal) - - Culto | Preview - Por Ian Nathan.

O pro­du­tor de sem­pre da sa­ga, Wal­ter F. Par­kes, e os no­vos pro­ta­go­nis­tas da du­pla Ho­mens de Negro, Ch­ris Hemsworth e Tes­sa Thomp­son, que, co­mo M e H, subs­ti­tu­em os clás­si­cos J (Will Smith) e K (Tommy Lee Jo­nes), fa­lam so­bre as su­as ex­pe­ri­ên­ci­as num fil­me que mar­ca a mu­dan­ça na sé­rie.

Nu­ma noi­te de fim de ve­rão em 2018, a com­pli­ca­da ati­vi­da­de de mo­ni­to­ri­zar os ali­e­ní­ge­nas na Ter­ra es­tá no­va­men­te a bom­bar. Ves­ti­da com os icó­ni­cos fa­to e gra­va­ta pre­tos, a no­va re­cru­ta Agen­te M, in­ter­pre­ta­da por Tes­sa Thomp­son, es­tá a fa­zer uma vi­si­ta ao lo­cal prin­ci­pal das fil­ma­gens, em Lon­dres, do no­vo e es­pe­ta­cu­lar fil­me de co­mé­dia e fic­ção ci­en­tí­fi­ca MIB: Ho­mens de Negro – For­ça In­ter­na­ci­o­nal, da Sony Pic­tu­res. As ins­ta­la­ções são tão gran­des e bo­ni­tas co­mo um cen­tro co­mer­ci­al com ban­cas mul­ti­mar­cas, de­co­ra­do com mo­sai­cos bran­cos bri­lhan­tes e in­for­mal­men­te po­vo­a­das pe­lo mais re­cen­te com­pên­dio de bi­zar­ros fi­gu­ran­tes in­ter­ga­lác­ti­cos.

“Es­tou a fa­zer um es­for­ço pa­ra pa­re­cer des­con­traí­da, que é o que a mi­nha per­so­na­gem faz sem­pre”, diz Tes­sa, com um sor­ri­so lin­do. “Mas de­pois olho à mi­nha vol­ta e pen­so: 'Oh, meu Deus, es­tou num fil­me dos Ho­mens de Negro'.”

A aten­ção de M aca­ba­rá por ser atraí­da pe­la for­ma char­mo­sa e al­ta­men­te hu­ma­na de Ch­ris Hemsworth, igual­men­te ves­ti­do de fa­to e gra­va­ta pre­tos. É o seu no­vo par­cei­ro, o Agen­te H, a ou­tra me­ta­de da no­va equipa di­nâ­mi­ca do fil­me, que es­tá pres­tes a dar o seu me­lhor pa­ra sal­var o uni­ver­so. “Sem­pre fui fã da sa­ga”, diz Hemsworth, mais tar­de. “É cla­ro que exis­te a pres­são as­so­ci­a­da a fa­zer par­te de uma coi­sa que já tem uma le­gião de fãs. Mas o que me

en­tu­si­as­mou de verdade foi a opor­tu­ni­da­de de fa­zer al­go di­fe­ren­te.” Re­a­li­za­do por F. Gary Gray, es­cri­to por Matt Hol­loway e Art Mar­cum e pro­du­zi­do por Wal­ter F. Par­kes e Lau­rie MacDo­nald, que têm cui­da­do da sa­ga des­de a sua ori­gem, em 1997, MIB: Ho­mens de Negro – For­ça In­ter­na­ci­o­nal é uma no­va abor­da­gem ao clássico de fic­ção ci­en­tí­fi­ca. Uma tri­lo­gia de aven­tu­ras ex­cên­tri­cas, ba­se­a­das na sé­rie de ban­da de­se­nha­da de Lowell Cun­ningham e Sandy Car­ruthers, que brin­ca­va com uma en­can­ta­do­ra es­té­ti­ca de fil­me de sé­rie B e um hu­mor im­pas­sí­vel.

OS NO­VOS ROSTOS, NO­VOS CENÁRIOS

De­pois de Will Smith e Tommy Lee Jo­nes te­rem dei­xa­do a sa­ga em 2012, sur­giu a opor­tu­ni­da­de de apre­sen­tar uma no­va, mas não me­nos di­ver­ti­da du­pla de agen­tes, e de re­for­mu­lar es­pe­ta­cu­lar­men­te a mar­ca de 1.600 mi­lhões de dó­la­res. “Uma das idei­as pa­ra dar se­gui­men­to à mar­ca era dar-lhe um al­can­ce glo­bal”, diz Tes­sa. “A ideia era ha­ver se­des dos HdN em to­do o mun­do.” Por aca­so, os fil­mes ori­gi­nais fi­ca­vam-se, es­sen­ci­al­men­te, pe­los cin­co bair­ros da ci­da­de de No­va Ior­que. “Fi­ze­mos um es­for­ço mui­to cons­ci­en­te pa­ra es­ten­der o nos­so pen­sa­men­to pa­ra fo­ra da cai­xa”, con­cor­da Hemsworth. “Co­me­ça­mos em No­va Ior­que, mas de­pois va­mos a Lon­dres, Mar­ra­que­xe, Itá­lia... Es­te­ti­ca­men­te, é mui­to di­fe­ren­te da­qui­lo que vi­mos an­tes.” Acres­cen­tan­do um to­que de gla­mour in­ter­na­ci­o­nal à co­mé­dia cós­mi­ca, a pro­du­ção vi­a­jou de Lon­dres pa­ra Mar­ra­que­xe, a be­lís­si­ma ilha de Ís­quia, ao lar­go da cos­ta de Itá­lia, e Pa­ris, on­de se re­ve­lou que a Tor­re Eif­fel era um ve­ne­rá­vel por­tal ex­tra­ter­res­tre. O lo­cal de fil­ma­gens de ho­je, en­chen­do o Pal­co P dos Le­a­ves­den Stu­di­os, de Lon­dres, se­de da pro­du­ção, si­tua-se fic­ci­o­nal­men­te por bai­xo de um res­tau­ran­te de em­pa­das e pu­ré de ba­ta­ta na re­gião de Black­fri­ars, na ca­pi­tal. “Es­ta­mos nu­ma al­tu­ra em que a ideia da cri­a­ção e ex­pan­são de mun­dos faz par­te dos fil­mes po­pu­la­res”, diz o pro­du­tor Wal­ter F. Par­kes, pen­san­do na ra­zão pe­la qu­al era a al­tu­ra cer­ta pa­ra um re­gres­so de Ho­mens de Negro. Bra­ço di­rei­to de Ste­ven Spi­el­berg em I.A.: In­te­li­gên­cia Ar­ti­fi­ci­al e Re­la­tó­rio Mi­no­ri­tá­rio, Par­kes é uma es­pé­cie de pe­ri­to em fic­ção ci­en­tí­fi­ca. Spi­el­berg tam­bém con­ti­nua a de­sem­pe­nhar o seu pa­pel na sa­ga dos Ho­mens de Negro, co­mo pro­du­tor exe­cu­ti­vo. “Sem­pre achei que se­ria óti­ma ideia”, pros­se­gue Par­kes. “Tí­nha­mos o con­cei­to bá­si­co dos po­lí­ci­as hu­ma­nos que vi­gi­am os ex­tra­ter­res­tres que vi­vem es­con­di­dos na Ter­ra. Lem­bro-me mui­to es­pe­ci­fi­ca­men­te de pen­sar que, ao con­trá­rio de mui­tos fil­mes de su­per-he­róis, que são fan­tás­ti­cos, aqui po­de­mos ter per­so­na­gens hu­ma­nas nos pa­péis prin­ci­pais.”

A ORI­GEM DA MU­DAN­ÇA

No tempo de­cor­ri­do des­de Ho­mens de Negro 3, su­ce­de­ram-se vá­ri­as pro­pos­tas de evo­lu­ção pa­ra a sa­ga, até se es­co­lher a his­tó­ria de uma jo­vem mu­lher que en­con­tra um ex­tra­ter­res­tre aos seis anos, mas con­se­gue evi­tar ser neu­ra­li­za­da. Co­mo qual­quer fã lhe po­de­rá di­zer, um neu­ra­li­za­dor é um dis­po­si­ti­vo de ori­gem ali­e­ní­ge­na do ta­ma­nho de uma ca­ne­ta que eli­mi­na, con­ve­ni­en­te­men­te, qual­quer re­cor­da­ção de ati­vi­da­de ex­tra­ter­res­tre. “Aque­la ex­pe­ri­ên­cia fê-la ques­ti­o­nar a na­tu­re­za da sua re­a­li­da­de”, diz Tes­sa, cu­ja per­so­na­gem, M, é a ver­são adul­ta da­que­la ra­pa­ri­ga. Es­ta mu­lher, ex­pli­ca-nos, pas­sou 20 anos a usar

os seus ta­len­tos co­mo ci­en­tis­ta pa­ra ten­tar lo­ca­li­zar os mis­te­ri­o­sos ho­mens ves­ti­dos com fa­tos pre­tos que apa­re­ce­ram quan­do ela era cri­an­ça pa­ra li­dar com o ex­tra­ter­res­tre. Po­de­ria exis­tir me­lhor can­di­da­to pa­ra as fi­lei­ras da agên­cia HdN? Tes­sa gos­ta de pen­sar que M tem uma cer­ta fir­me­za. “Acho que tem a ver com a cu­ri­o­si­da­de”, diz. “Acho que ela não sa­be por­que ela é um pou­co es­tra­nha às ve­zes. Ela tem os seus mo­men­tos de cro­mi­ce. Ela ado­ra es­te mun­do e acha que foi com­ple­ta­men­te fei­ta pa­ra ele.”

O MO­MEN­TO DE TES­SA E CH­RIS

No pa­pel de M, Tes­sa Thomp­son, na­tu­ral de Los An­ge­les, as­su­me o seu pri­mei­ro pa­pel de pro­ta­go­nis­ta nu­ma sa­ga de su­ces­so. A sua car­rei­ra tem si­do uma mis­tu­ra fas­ci­nan­te até à da­ta, con­tra­ba­lan­çan­do pa­péis se­cun­dá­ri­os em gran­des êxi­tos co­mo Cre­ed, Thor: Rag­na­rok e a sé­rie te­le­vi­si­va fu­tu­ris­ta Westworld, pas­san­do pe­la fic­ção ci­en­tí­fi­ca sur­re­al de Ani­qui­la­ção e a co­mé­dia in­die Sor­ry to Bother You. Per­fei­ta­men­te sa­tis­fei­ta por ser con­si­de­ra­da uma “cro­ma da fic­ção ci­en­tí­fi­ca”, ela ad­mi­te ser uma fã ávi­da de Ho­mens de Negro e de Will Smith quan­do era mais no­va. “Es­ta­va ob­ce­ca­da pe­lo Will Smith em O Prín­ci­pe de Bel Air. Vê-lo no uni­ver­so ali­e­ní­ge­na im­pres­si­o­nou-me imen­so. Por is­so, is­to é mui­to es­pe­ci­al pa­ra mim, mas igual­men­te as­sus­ta­dor – o que tor­na tu­do ain­da mais ex­ci­tan­te por­que ado­ro fa­zer coi­sas que me as­sus­tam.”

H pa­re­ce o opos­to exa­to da sua no­va par­cei­ra. “Ele é um pou­co con­tra o sis­te­ma”, diz Hemsworth, sor­rin­do. “O li­vro de re­gras é-lhe mais ou me­nos ati­ra­do pa­ra ci­ma quan­do ele co­me­ça a tra­ba­lhar. Ele gos­ta de se di­ver­tir e não le­va as coi­sas de­ma­si­a­do a sé­rio.” En­ver­gar as pe­ças ele­gan­tes de HdN foi uma mu­dan­ça de lo­ok agra­dá­vel após o seu lon­go com­pro­mis­so com o Uni­ver­so Ci­ne­ma­to­grá­fi­co da Mar­vel. O ator aus­tra­li­a­no não pre­ci­sa de gran­des apre­sen­ta­ções. É mais co­nhe­ci­do co­mo Thor, o deus su­per he­rói­co ex­tra­ter­res­tre, mas já pro­vou a sua ver­sa­ti­li­da­de no th­ril­ler de al­ta tec­no­lo­gia Blackhat Ame­a­ça na Re­de, na aven­tu­ra de épo­ca No Co­ra­ção do Mar e no dra­ma de cor­ri­das de Fór­mu­la 1 Rush – Du­e­lo de Ri­vais. De­pois de te­rem par­ti­lha­do me­mo­ra­vel­men­te o ecrã em Thor: Rag­na­rok, Hemsworth e Thomp­son têm a van­ta­gem acres­ci­da de já se co­nhe­ce­rem. “Já sa­bía­mos os ti­mings e os tons có­mi­cos um do ou­tro, o que é fan­tás­ti­co”, apre­cia Hemsworth. “Es­tar com al­guém com o mes­mo ní­vel de pai­xão, a mes­ma abor­da­gem ao tra­ba­lho e que quer di­ver­tir-se é uma gran­de van­ta­gem." Jun­tos, H e M têm de evi­tar a mai­or ame­a­ça al­gu­ma vez en­con­tra­da no uni­ver­so HdN, que, por aca­so, são uns gé­me­os que dan­çam mú­si­cas dis­co (in­ter­pre­ta­dos por Les Twins: os gé­me­os fran­ce­ses idên­ti­cos, mo­de­los, bai­la­ri­nos e co­reó­gra­fos Lau­rent Ni­co­las e Lar­ry Ni­co­las Bour­ge­ois), que, por sua vez, são a fa­cha­da nada con­vin­cen­te de um ser se­me­lhan­te a um in­se­to co­nhe­ci­do co­mo Ni­nho. Tam­bém há a no­vi­da­de nada boa de ha­ver al­guém in­fil­tra­do na or­ga­ni­za­ção HdN.

UMA MIS­TU­RA DE SU­CES­SO

Um dos gran­des or­gu­lhos do uni­ver­so dos Ho­mens de Negro é a for­ma co­mo mis­tu­ra um cock­tail de gé­ne­ros di­fe­ren­tes: fic­ção ci­en­tí­fi­ca, co­mé­dia e os lu­ga­res-co­muns dos fil­mes po­li­ci­ais. Por ou­tras pa­la­vras, dá uma re­vi­ra­vol­ta ali­e­ní­ge­na a th­ril­lers com po­lí­ci­as du­rões co­mo Os In­cor­rup­tí­veis Con­tra a Dro­ga. Tu­do fa­zia par­te da ta­re­fa de dar a vol­ta a um pug fa­lan­te. Com as su­as lo­ca­li­za­ções in­ter­na­ci­o­nais de to­po, uma co­le­ção atu­a­li­za­da de gad­gets e pe­lo me­nos um agen­te de fa­li­nhas man­sas, o no­vo fil­me de HdN dá um to­que de fic­ção ci­en­tí­fi­ca a um fil­me de es­piões da dé­ca­da de 1960. “Lem­bro-me da pri­mei­ra vez que vi 007 - Con­tra Gold­fin­ger – que apre­sen­ta­va

AQUI­LO QUE TO­DOS QUEREM FRISAR QUE NÃO MUDOU FOI O GLORIOSO SENTIDO DE HU­MOR

es­ta ideia de agen­tes se­cre­tos in­ter­na­ci­o­nais”, diz Par­kes. “Apli­car-lhe o con­cei­to dos Ho­mens de Negro pa­re­ceu-me uma ideia ex­ce­len­te.”

Com uma no­va his­tó­ria, no­vas per­so­na­gens e um no­vo estilo, fa­zia sentido tra­zer um no­vo ta­len­to pa­ra trás da câ­ma­ra. Co­mo Par­kes su­bli­nha, F. Gary Gray é uma pes­soa ver­sá­til. Ele con­se­gue fa­zer um êxi­to em qua­tro gé­ne­ros di­fe­ren­tes. De­pois das des­con­traí­das co­mé­di­as Fri­day e a bi­o­gra­fia mu­si­cal Straight Out­ta Comp­ton, pro­vou que con­se­gue es­tar à al­tu­ra das exi­gên­ci­as de um êxi­to de bi­lhe­tei­ra com Ve­lo­ci­da­de Fu­ri­o­sa 8. “Mas pa­ra mim, o fil­me que ele fez que mais tem em co­mum com Ho­mens de Negro é Um Gol­pe em Itá­lia”, diz Par­kes, “que é um fil­me so­bre um rou­bo cheio de estilo e mui­to ele­gan­te que nos faz lem­brar que es­ses fil­mes fo­ram fei­tos nas dé­ca­das de 1960 e 1970”.

Aqui­lo que to­dos querem frisar que não mudou foi o glorioso sentido de hu­mor im­pas­sí­vel. Com efei­to, a mag­ní­fi­ca Em­ma Thomp­son re­to­ma o seu pa­pel co­mo a ob­je­ti­va Agen­te O, lí­der mun­di­al da or­ga­ni­za­ção HdN, com o seu co­le­ga igual­men­te len­dá­rio Li­am Ne­e­son re­pre­sen­tan­do o di­re­tor brus­co da fi­li­al lon­dri­na, High T. “Há uma coi­sa que me as­sus­ta imen­so na co­mé­dia”, diz Hemsworth, rin­do-se. “Te­mos de usar um re­gis­to mais tres­lou­ca­do. Tu­do é mais es­pon­tâ­neo. É quan­do es­ta­mos mes­mo à bei­ra do li­mi­te que as coi­sas fun­ci­o­nam bem.” Gray in­cen­ti­vou ati­va­men­te as su­as es­tre­las a im­pro­vi­sa­rem. “Gos­ta­mos de nos su­pe­rar uns aos ou­tros”, diz Thomp­son. “Não gos­ta­mos de dei­xar que o ou­tro te­nha a última pa­la­vra. Por is­so, quan­do es­ta­mos a im­pro­vi­sar, uma ce­na po­de tor­nar-se mui­to lon­ga. Ou­vi di­zer que mui­tos da­que­les mo­men­tos clás­si­cos do pri­mei­ro Ho­mens de Negro fo­ram coi­sas do mo­men­to.”

O es­pec­ta­dor tam­bém po­de ter a cer­te­za de que o no­vo fil­me usa a mes­ma mis­tu­ra ex­tra­or­di­ná­ria de efei­tos re­ais e CGI pa­ra cri­ar aque­la tec­no­lo­gia re­tro-fu­tu­ris­ta tí­pi­ca e con­ta com o ha­bi­tu­al gru­pi­nho de ali­e­ní­ge­nas sar­cás­ti­cos com uma ati­tu­de de­fi­ni­ti­va­men­te ter­res­tre.

Par­kes des­ta­ca uma ga­le­ria de arte da pro­du­ção, com ele­gan­tes jet cy­cles, com­boi­os sub­ter­râ­ne­os tran­sa­tlân­ti­cos e um emis­sá­rio ex­tra­ter­res­tre do ta­ma­nho de uma ba­ta­ta co­zi­da – es­te úl­ti­mo é um

in­for­ma­dor cha­ma­do Pawny. “Sou a cro­ma que es­tá sem­pre a per­gun­tar à equipa de efei­tos especiais ‘Co­mo é que vai ser?’”, diz Tes­sa, en­tu­si­as­ma­da. “Fi­co mui­to ex­ci­ta­da. O meu pre­fe­ri­do é Pawny, que é es­pe­ta­cu­lar. E con­si­go mes­mo in­te­ra­gir com ele por­que é um ex­tra­ter­res­tre mi­nús­cu­lo que sal­ta por ci­ma de nós.” Nem to­dos os seus en­con­tros ime­di­a­tos são as­sim tão aces­sí­veis. Há uma ce­na de com­ba­te corpo-a-corpo com Re­bec­ca Fer­gu­son, que in­ter­pre­ta uma ex­tra­ter­res­tre par­ti­cu­lar­men­te per­sis­ten­te cha­ma­da Ri­za, que não só tem uma sé­rie de apên­di­ces, co­mo é ex-na­mo­ra­da de H. “Ela en­tra nos fil­mes da Mis­são: Im­pos­sí­vel e é mor­tí­fe­ra”, de­sa­ba­fa Tes­sa. “Por ve­zes, eu pen­sa­va, ‘Okay... Es­ta­mos a in­ter­pre­tar!’ Mas ela é tão di­fí­cil. Eu sen­tia que es­ta­va mes­mo a dar no du­ro.”

A VI­DA NO SET

No lo­cal das fil­ma­gens, os fi­gu­ran­tes la­bu­tam jun­to a ro­tas cui­da­do­sa­men­te de­se­nha­das, ves­ti­dos co­mo mais de 100 es­pé­ci­es di­fe­ren­tes de vi­si­tan­tes do ou­tro mun­do. Al­guns têm pon­tos no ros­to, se­me­lhan­tes a bor­bu­lhas de va­ri­ce­la pre­ci­sa­men­te dis­pos­tas: mar­cas in­di­ca­do­ras pa­ra os ma­gos dos efei­tos especiais lhes fa­ze­rem um ma­ke-over CGI. En­tre­tan­to, 25 ar­tis­tas de ma­qui­lha­gem pai­ram à bei­ra do ce­ná­rio, pron­tos pa­ra re­to­car fun­gos ou bar­ba­ta­nas cra­ni­a­nas. Jun­ta­men­te com mui­tas es­pé­ci­es no­vas, vai ver rostos de que gos­ta e ado­ra, in­cluin­do aque­les Ver­mes he­do­nis­tas do pla­ne­ta Takwel­la. De­pois de o de­sig­ner de cri­a­tu­ras ori­gi­nal Rick Ba­ker se re­for­mar, os pro­du­to­res fo­ram à pro­cu­ra dos seus pro­te­gi­dos, que es­ta­vam es­pa­lha­dos pe­lo mun­do. A equipa daí re­sul­tan­te, hon­ran­do os con­cei­tos ex­cên­tri­cos de Ba­ker, re­cor­re­ram a in­se­tos e a ani­mais ma­ri­nhos em busca de ins­pi­ra­ção. Por mais fan­tás­ti­cos que fos­sem, pre­ci­sa­vam de ser mi­ni­ma­men­te re­ais.

“En­quan­to ato­res, é um bó­nus con­se­guir­mos en­trar em ce­na e ter­mos atrás de nós um mun­do in­crí­vel”, diz Hemsworth. “Não é ape­nas um ecrã gran­de e ver­de. O as­pe­to fí­si­co da­que­les be­lís­si­mos cenários, do guar­da-rou­pa e das pró­te­ses – tu­do aqui­lo fa­ci­li­ta imen­so o nos­so tra­ba­lho.” Co­mo é evi­den­te pe­lo lu­xu­o­so ce­ná­rio de ho­je, MIB: Ho­mens de Negro – For­ça In­ter­na­ci­o­nal tam­bém traz um ele­gan­te to­que eu­ro­peu ao mo­der­nis­mo da dé­ca­da de 1960 que mar­cou os fil­mes ori­gi­nais. “Ho­mens de Negro tem de ter estilo”, su­bli­nha Par­kes. O de­sig­ner de mo­da Paul Smith rein­ter­pre­tou os fa­tos clás­si­cos com um to­que de ex­cen­tri­ci­da­de in­gle­sa, in­cluin­do blu­sas, sus­pen­só­ri­os e la­ços. To­das as es­tru­tu­ras de ilu­mi­na­ção e pe­ças de mo­bi­liá­rio têm as li­nhas da Art De­co bri­tâ­ni­ca da dé­ca­da de 1930.

Tam­bém há uma no­va va­ri­e­da­de de dis­po­si­ti­vos ali­e­ní­ge­nas pa­ra apre­ci­ar. Ar­mas e bu­gi­gan­gas no­vas gal­va­ni­za­das em aço po­li­do, com va­ri­an­tes à Ho­mens de Negro das Tommy Guns e das Ga­tling Guns a la­ser, es­con­di­das sob um es­pe­lho re­tro­vi­sor e sob o tu­bo de es­ca­pe de um car­ro da agên­cia ao estilo de Ja­mes Bond, bem co­mo uma no­va ver­são do fun­da­men­tal neu­ra­li­za­dor.

“Ten­tei fa­zer al­gum uso in­de­vi­do do neu­ra­li­za­dor”, diz, Hemsworth, rin­do-se. “A mi­nha per­so­na­gem usa-o quan­do lhe pa­re­ce apro­pri­a­do, o que é evi­den­te­men­te ina­pro­pri­a­do imen­sas ve­zes.” Po­de ter a cer­te­za de que es­ta no­va ver­são de Ho­mens de Negro vai ser ines­que­cí­vel.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.