CO­MO SE TRA­DUZ UM HAIKU?

GQ (Portugal) - - Culto | Poesia -

Jo­a­quim M. Pal­ma é o no­me e a ca­be­ça por trás das tra­du­ções dos li­vros de hai­kus Os Ani­mais, de Ko­bayashi Is­sa, e O Ere­mi­ta Vi­a­jan­te, de Mat­suo Bashô, pu­bli­ca­dos re­cen­te­men­te pe­la As­sí­rio & Al­vim. Des­de ce­do que o po­e­ta e ex-pro­fes­sor se in­te­res­sou pe­la li­te­ra­tu­ra ori­en­tal e foi por ini­ci­a­ti­va pró­pria que se aven­tu­rou na tra­du­ção des­tas obras, fei­ta a par­tir de três idi­o­mas: in­glês, fran­cês e cas­te­lha­no.

A per­gun­ta é ób­via: co­mo se faz uma tra­du­ção de um haiku, que tem ape­nas 17 sí­la­bas, dis­tri­buí­das em três ver­sos de 5, 7 e 5 sí­la­bas – tu­do is­to sem se per­der a fluên­cia e a le­ve­za que ca­rac­te­ri­zam es­ta cur­ta for­ma de poesia ja­po­ne­sa? Não se faz. “Pa­ra nós, oci­den­tais, a tra­du­ção obe­de­cen­do à es­tru­tu­ra si­lá­bi­ca ori­gi­nal dá co­mo re­sul­ta­do al­go que não tem nada que ver com o pa­drão si­lá­bi­co 5-7-5 do haiku em ja­po­nês”, ex­pli­ca Jo­a­quim M. Pal­ma – “[Is­so] obri­ga­rá sem­pre a ver­sos mais lon­gos.” Es­que­cen­do a rí­gi­da es­tru­tu­ra for­mal, man­tém-se a bre­vi­da­de, a di­vi­são da es­tro­fe em três ver­sos e a li­ga­ção um­bi­li­cal à na­tu­re­za. Mas nem por is­so o tra­ba­lho fi­ca fa­ci­li­ta­do:

“Tem de se acon­di­ci­o­nar em três ver­sos to­da uma imen­sa, in­tem­po­ral e sub­jec­ti­va ex­pe­ri­ên­cia sen­so­ri­al. Acres­ce a tu­do is­to o fac­to de o ori­gi­nal obe­de­cer a uma gra­má­ti­ca e a uma sim­bo­lo­gia que pa­ra nós, oci­den­tais, são es­tra­nhas.”

Mes­mo pa­ra tra­du­to­res flu­en­tes no ja­po­nês, a mis­são é ár­dua, al­go que se com­pro­va pe­las fre­quen­tes “di­fe­ren­ças de por­me­nor e, às ve­zes, até de sentido” en­con­tra­das em vá­ri­as tra­du­ções. Pa­ra além des­tes hai­kus te­rem si­do “es­cri­tos num ja­po­nês que, em par­te, já não é o mes­mo do sé­cu­lo XXI”, Pal­ma en­con­trou uma gran­de di­fi­cul­da­de em “trans­cre­ver pa­ra a nos­sa lin­gua­gem de ima­gens e sen­sa­ções mui­to li­ga­das à es­pe­ci­fi­ci­da­de da cul­tu­ra ni­pó­ni­ca e so­bre as quais exis­tem pou­cos ou ne­nhuns da­dos ex­pli­ca­ti­vos”.

Só com mui­ta lei­tu­ra, mui­tas com­pa­ra­ções – ten­do ain­da em con­ta que “tu­do é mais fá­cil se se pos­suir uma sen­si­bi­li­da­de in­te­ri­or de­sen­vol­vi­da ao lon­go de anos de cri­a­ção pes­so­al no cam­po da arte poé­ti­ca” – é que o po­e­ta con­se­guiu trans­por pa­ra o por­tu­guês aque­les dois li­vros. Ain­da que, por to­das as con­di­ci­o­nan­tes re­fe­ri­das, Jo­a­quim M. Pal­ma pre­fi­ra que o seu tra­ba­lho se­ja clas­si­fi­ca­do de “ver­são” e não de “tra­du­ção”, op­ção um tan­to se­me­lhan­te à de Her­ber­to Hel­der e de Vas­co Gra­ça Mou­ra en­quan­to tra­du­to­res.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.