Por trás de um gran­de tra­du­tor, es­tá um gran­de lei­tor. Por trás de um tra­du­tor de poesia, es­ta­rá um po­e­ta?

GQ (Portugal) - - Sumário - Por Be­a­triz Sil­va Pin­to

Por trás de uma gran­di­o­sa edi­ção por­tu­gue­sa de um li­vro de poesia es­tran­gei­ro es­tá um gran­di­o­so tra­du­tor. Por trás da tra­du­ção de um haiku ou de um so­ne­to sha­kes­pe­a­ri­a­no é qua­se cer­to que es­te­ja um po­e­ta. Mas co­mo nas­ce um tra­du­tor de poesia? E on­de vê ele a fron­tei­ra en­tre a tra­du­ção, a ver­são e a apro­pri­a­ção?

“É pre­ci­so tra­du­zir poesia qua­se co­mo se es­ti­vés­se­mos a tra­du­zir música. O po­e­ma é uma par­ti­tu­ra que não é uni­ver­sal.” Da­ni­el Jo­nas di-lo e nós acre­di­ta­mos. É po­e­ta, pro­fes­sor e, co­mo tra­du­tor, de­di­ca-se tan­to à poesia co­mo aos ro­man­ces e ao te­a­tro. Mas diz-nos que o ofí­cio da tra­du­ção de po­e­mas é um mun­do à par­te. Não fun­ci­o­na por ca­rac­te­res – por­que há rit­mo, há música, há uma lin­gua­gem mui­to es­pe­cí­fi­ca a me­te­rem-se pe­lo meio. Pe­las mãos-con­ver­so­ras de Da­ni­el Jo­nas já pas­sa­ram Sha­kes­pe­a­re, Waugh, Pi­ran­del­lo, Huys­mans, Henry Ja­mes, Ber­ry­man, Dic­kens e Wil­li­am Wordsworth. Mas o seu pri­mei­ro gran­de mer­gu­lho foi no Pa­raí­so Per­di­do – “um épi­co enor­me, tão di­fí­cil de tra­du­zir quan­to Ca­mões”. “Co­me­cei por me con­vi­dar a mim pró­prio pa­ra fa­zer tra­du­ções. Que­ria ler o Pa­raí­so Per­di­do de John Mil­ton e achei que só com uma su­per-lei­tu­ra é que con­se­guia fa­zê-lo. En­tão pro­pus a mim pró­prio tra­du­zi-lo.” As­sim, em bre­ves pa­la­vras, Da­ni­el Jo­nas re­su­me es­te ofí­cio e a sua for­ça mo­triz: a tra­du­ção é uma su­per-lei­tu­ra, o tra­du­tor um su­per-lei­tor.

Mas co­mo se faz um tra­du­tor de poesia? Nas­ce da mes­ma ce­pa que um ou­tro qual­quer tra­du­tor li­te­rá­rio? Co­mo se do­mi­na a mu­si­ca­li­da­de e a am­bi­gui­da­de do po­e­ma de um au­tor alheio?

“As pes­so­as que são tra­du­to­res de poesia ge­ral­men­te não são só tra­du­to­res de poesia. Não se­ria pos­sí­vel do pon­to de vis­ta do sus­ten­to”, re­ve­la Pedro Me­xia, en­tre ri­sos. Pa­ra lá de po­e­ta, Me­xia é co­or­de­na­dor da co­le­ção de poesia das Edi­ções Tin­ta da Chi­na, es­tan­do, por is­so, en­vol­vi­do na es­co­lha dos tra­du­to­res pu­bli­ca­dos. “São pes­so­as cu­jo tra­ba­lho eu já co­nhe­cia e que são, na sua mai­o­ria, po­e­tas. Não é obri­ga­tó­rio se­rem-no, mas é con­ve­ni­en­te.” Diz-nos que exis­tem ex­ce­ções, mas a “boa re­gra” é mes­mo es­sa: po­e­tas tra­du­zem po­e­mas. Por uma sim­ples ra­zão: “Não é a mes­ma coi­sa tra­du­zir um ro­man­ce e tra­du­zir um po­e­ma. Há cer­tas par­ti­cu­la­ri­da­des do re­gis­to poé­ti­co, no­me­a­da­men­te em ter­mos de rit­mo e sen­si­bi­li­da­de da lín­gua, que são di­fe­ren­tes.”

A coin­ci­dên­cia en­tre a fi­gu­ra do po­e­ta e do tra­du­tor de poesia é um fe­nó­me­no mais do que re­pe­ti­do na li­te­ra­tu­ra por­tu­gue­sa. Sophia de Mel­lo Brey­ner, Eu­gé­nio de An­dra­de, Da­vid Mou­rão-Ferreira, Jor­ge de Se­na, Jo­sé Ben­to, Má­rio Ce­sa­riny, Her­ber­to Hel­der, Ruy Be­lo, Lui­za Ne­to Jor­ge, Vas­co Gra­ça Mou­ra e Ar­man­do Sil­va Car­va­lho são ape­nas al­guns dos mais co­nhe­ci­dos – por­que ha­ve­ria no­mes su­fi­ci­en­tes pa­ra se en­cher vá­ri­as pá­gi­nas.

Ape­sar de não se atre­ver a ape­li­dar-se de tra­du­tor, Pedro Me­xia tra­duz – e, tal co­mo Jo­nas, co­me­çou a fa­zê-lo por gos­to. “Quan­do ti­nha blo­gues, tra­du­zia re­cor­ren­te­men­te quer po­e­mas, quer le­tras de can­ções. Sim­ples­men­te por­que de vez em quan­do en­con­tra­mos po­e­mas ou le­tras que di­zem, me­lhor do que nós se­ría­mos ca­pa­zes, aqui­lo que que­re­mos di­zer.” Mas nun­ca te­ve co­mo me­ta tra­du­zir um li­vro – ape­nas acon­te­ceu. Foi a Lon­dres, co­nhe­ceu Hu­go Wil­li­ams e aca­bou a tra­du­zir o seu li­vro Última Se­ma­na. Nes­te ano, de­ve­rá pu­bli­car, pe­la Tin­ta da Chi­na, uma no­va tra­du­ção.

Pa­ra Ana Luí­sa Ama­ral, po­e­ti­sa e pro­fes­so­ra uni­ver­si­tá­ria, há uma ou­tra con­di­ção fun­da­men­tal ao ofí­cio: “Eu te­nho de amar o po­e­ta que vou tra­du­zir.” Nun­ca tra­du­ziu nada por en­co­men­da – diz-nos que não é “tra­du­to­ra de pro­fis­são” –, mas o cer­to é que já “con­ver­teu” Emily Dic­kin­son, John Up­di­ke, Eu­ni­ce de Sou­za e Sha­kes­pe­a­re pa­ra o por­tu­guês. No pro­gra­ma que tem na An­te­na 2, de no­me O Som que os Ver­sos Fa­zem ao Abrir, a mai­or par­te dos po­e­mas que a po­e­ti­sa apre­sen­ta é tra­du­zi­da pe­la pró­pria – “Pa­ra mim, tra­du­zir poesia dá-me qua­se tan­to pra­zer co­mo es­cre­ver poesia”, con­fes­sa.

“Há um la­do de ‘ins­pi­ra­ção’ quan­do se es­cre­ve poesia, que tem a ver com uma di­men­são inex­pli­cá­vel, mis­te­ri­o­sa. Quan­do aca­bo um po­e­ma, mui­tas ve­zes sou sur­pre­en­di­da por ima­gens que lá co­lo­quei. Es­sa mes­ma di­men­são de inex­pli­ca­bi­li­da­de exis­te tam­bém na tra­du­ção de um po­e­ma.” Di-lo a pen­sar num co­nhe­ci­do so­ne­to de Sha­kes­pe­a­re que tra­du­ziu e que ter­mi­na com os ver­sos: “The­re­fo­re I lie with her and she with me,/ And in our faults by li­es we flat­te­red be.” No so­ne­to, o po­e­ta brin­ca com o du­plo sentido de lie, ter­mo em in­glês que tan­to sig­ni­fi­ca men­ti­ra co­mo o ato de dei­tar-se com. “O úl­ti­mo dís­ti­co tem dois sen­ti­dos, sen­do que o se­gun­do é pro­fun­da­men­te eró­ti­co”, ex­pli­ca. Mas co­mo tra­du­zi-lo? Ana Luí­sa Ama­ral fê-lo as­sim: “Com ela me de­lei­to, men­tin­do, e ela co­mi­go,/ E, a men­tir nos­sas fal­tas, em de­lei­te exis­ti­mos.” “Es­te ‘de­lei­to’, não ten­do di­re­ta­men­te a ver com ‘dei­tar-se com’, na­tu­ral­men­te que evo­ca a pa­la­vra ‘lei­to’ e, por­tan­to, a pa­la­vra ‘ca­ma’, co­mo se di­zia na al­tu­ra no sé­cu­lo XVI.”

Des­ta sen­da, Ana Luí­sa Ama­ral “ven­ceu” a tra­du­ção – e diz-se “mui­to fe­liz” com o re­sul­ta­do. Mas nem sem­pre é fá­cil: “É co­mo se, de al­gu­ma for­ma, o tra­du­tor se di­gla­di­as­se com o po­e­ma ori­gi­nal. Co­mo se lu­tas­se com ele. Co­mo se o aco­lhes­se por um la­do e por ou­tro lhe re­sis­tis­se. Por­que tem de lhe re­sis­tir. Se não, sai uma tra­du­ção li­te­ral.” Sem o sa­ber, Da­ni­el Jo­nas re­cor­re à mes­ma me­tá­fo­ra que a da po­e­ti­sa por­tu­gue­sa – a da lu­ta, su­a­vi­za­da ape­nas

pe­lo fac­to de o au­tor ori­gi­nal e o tra­du­tor par­ti­lha­rem a mes­ma ob­ses­são e sen­si­bi­li­da­de pe­las pa­la­vras: “No ca­so da poesia acho que há um ti­po de en­ge­nho­si­da­de que o fac­to de ser po­e­ta per­mi­te e que fa­ci­li­ta a tra­du­ção. Cos­tu­mo di­zer que é uma es­pé­cie de pu­gi­la­to que eu fa­ço com o au­tor que es­tou a tra­du­zir. Eu te­nho de ga­nhar aque­les rounds.”

Eé uma lu­ta des­gas­tan­te. A po­e­ti­sa con­ta-nos que não con­se­gue tra­du­zir mais do que três po­e­mas por dia. “É de­mais. Tal co­mo se­ria de­mais, pa­ra mim, es­cre­ver três po­e­mas por dia. Ao pas­so que is­so não me acon­te­ceu quan­do tra­du­zi o ro­man­ce da Pa­tri­cia Highs­mith [de tí­tu­lo Ca­rol]. Ti­ve di­as em que con­se­gui tra­du­zir dez pá­gi­nas, o que é mui­to. Tra­du­zir um po­e­ma exau­re, do pon­to de vis­ta emo­ci­o­nal.”

Pedro Me­xia faz uma res­sal­va – “Não é mais di­fí­cil tra­du­zir um po­e­ma do que tra­du­zir Joy­ce”. “Mas se pen­sar­mos num ro­man­ce mains­tre­am, nar­ra­ti­vo, com diá­lo­gos, sim, [é mais fá­cil de tra­du­zir do que um li­vro de po­e­mas]. Por­que en­quan­to boa par­te dos ro­man­ces tem uma lin­gua­gem re­la­ti­va­men­te trans­pa­ren­te, com as mui­tas ex­ce­ções que há, nos po­e­mas há sem­pre al­gu­ma am­bi­gui­da­de. Há pa­la­vras que lá es­tão por ra­zões que não são de sentido, mas de som, que não são de sig­ni­fi­ca­do, mas de mé­tri­ca. Há to­da uma di­men­são mu­si­cal, alu­si­va, am­bí­gua”, pros­se­gue Me­xia. “Al­guém di­zia que um po­e­ta ou um bom tra­du­tor de poesia nem pre­ci­sa­va de co­nhe­cer to­tal­men­te a lín­gua que es­ta­va a tra­du­zir”, acres­cen­ta Jo­nas – “Mas eu não con­cor­do nada com is­so!”, as­se­gu­ra en­tre ri­sos.

Os pu­gi­la­tos mais ár­du­os

A opi­nião é con­sen­su­al en­tre os po­e­tas-tra­du­to­res: quan­to mais rí­gi­da é a for­ma do po­e­ma, mai­or é o de­sa­fio de o tra­du­zir. “Nor­mal­men­te, o que me ca­lha são au­to­res que fun­ci­o­nam com es­que­mas mé­tri­cos mui­to de­fi­ni­dos. E is­so tor­na a tra­du­ção três ve­zes mais di­fí­cil, ou pe­lo me­nos três ve­zes mais cus­to­sa em ter­mos tem­po­rais. Por­que que­ro se­guir a mé­tri­ca que es­tá no ori­gi­nal e que­ro ten­tar trans­por­tar es­sa voz o tan­to quan­to pos­sí­vel pa­ra o por­tu­guês”, ex­pli­ca Da­ni­el Jo­nas. Es­co­lhas têm de ser fei­tas num jo­go de for­ças con­tí­nuo en­tre a for­ma e o con­teú­do. Ten­do de se pre­te­rir um pe­lo ou­tro, o se­gun­do ven­ce sem­pre, ga­ran­te o po­e­ta.

Ana Luí­sa Ama­ral con­ta-nos que as res­pos­tas a to­das as dú­vi­das que lhe vão sur­gin­do quan­to ao ru­mo a se­guir na tra­du­ção são da­das pe­la lín­gua ma­ter­na. E é pre­ci­so não lhe re­sis­tir. “Quan­do co­me­cei a tra­du­zir os so­ne­tos de Sha­kes­pe­a­re, o que acon­te­ceu foi que eles pró­pri­os re­sis­ti­am ao de­cas­sí­la­bo. Pre­ci­sa­va de mais sí­la­bas”, con­ta. “Aca­bei por usar 12 sí­la­bas, em vez de 10. Por­que a mi­nha lín­gua pre­ci­sa de mais es­pa­ço pa­ra res­pi­rar do que a lín­gua in­gle­sa, que é mais sin­té­ti­ca.” Sem­pre que ten­ta­va con­tra­riá-lo, man­ter a es­tru­tu­ra, adi­an­ta a po­e­ti­sa, “as so­lu­ções so­a­vam ar­ti­fi­ci­ais”. E is­so é a última coi­sa que de­ve acon­te­cer. “Um po­e­ma não po­de nun­ca so­ar ar­ti­fi­ci­al na lín­gua que é tra­du­zi­da. Quan­do leio, te­nho de o sen­tir na mi­nha lín­gua, tem de so­ar co­mo um po­e­ma por­tu­guês”, con­clui.

Na mes­ma li­nha, Pedro Me­xia apon­ta a ten­ta­ti­va de “se fi­car co­la­do ao ori­gi­nal”, ig­no­ran­do as pe­cu­li­a­ri­da­des de ca­da lín­gua, co­mo re­cei­ta in­fa­lí­vel pa­ra o in­su­ces­so. E fo­ge dos ver­sos pa­ra ilus­trar a ideia: “Há uma coi­sa que às ve­zes apa­re­ce no ci­ne­ma que é al­go do gé­ne­ro ‘Do you lo­ve him?’ e eles tra­du­zem pa­ra ‘Tu ama-lo?’. Is­so não exis­te! Nin­guém diz ‘ama-lo’ em por­tu­guês. É uma fór­mu­la cor­re­ta, mas mor­ta.”

Um po­e­ma, mil tra­du­ções

Há quem di­ga que, se uma tra­du­ção for perfeita, é pos­sí­vel re­gres­sar ao ori­gi­nal tra­du­zin­do a tra­du­ção. Mas “is­so se­ria no rei­no do ide­al”, afir­ma Jo­nas. “Pa­re­ce-me que é pos­sí­vel fa­zer tan­tas tra­du­ções quan­to tra­du­to­res.” Pe­lo mes­mo mo­ti­vo, o po­e­ta acre­di­ta que tan­to me­lhor se­rá a tra­du­ção da obra de um au­tor quan­to cons­tan­te for o tra­du­tor: “Se ca­da li­vro de um mes­mo au­tor é tra­du­zi­do por um tra­du­tor di­fe­ren­te, is­so im­pli­ca que os tex­tos em por­tu­guês vão ser tão di­fe­ren­tes quan­to os seus tra­du­to­res – e me­nos pa­re­ci­dos com os ori­gi­nais.” Is­to é ain­da mais fla­gran­te na poesia, ex­pli­ca-nos. “Se um po­e­ma tem um de­ter­mi­na­do ti­po de es­tru­tu­ra, gre­lha ou for­ma­ta­ção, há po­lí­ti­cas di­fe­ren­tes pa­ra abor­dar es­se po­e­ma. Há pes­so­as que ou querem man­ter a ri­ma ou querem man­ter a mé­tri­ca ou não querem nada dis­so e acham que po­dem abor­dar o te­ma de ou­tra ma­nei­ra. Por is­so, a dis­per­são e a mul­ti­pli­ci­da­de das tra­du­ções são mais evi­den­tes.”

Até por­que en­tre a tra­du­ção, a ver­são e a apro­pri­a­ção, há os­ci­la­ções a que nem o mais rí­gi­do po­e­ta-tra­du­tor con­se­gue es­ca­par – a fron­tei­ra en­tre a sua cri­a­ti­vi­da­de e a fi­de­li­da­de ao po­e­ma ori­gi­nal nem sem­pre é ní­ti­da. Va­ria con­so­an­te o tra­du­tor e, se­gun­do Pedro Me­xia, tam­bém con­so­an­te o “es­ta­tu­to que a pes­soa tem”. Re­lem­bra os li­vros de Vas­co Gra­ça Mou­ra, em que se lê na ca­pa Vas­co Gra­ça Mou­ra – A Di­vi­na Co­mé­dia de Dan­te. “Ou se­ja, aqui­lo é uma obra de Vas­co Gra­ça Mou­ra e o no­me da obra é A Di­vi­na Co­mé­dia de Dan­te! [ri­sos] Com os so­ne­tos de Sha­kes­pe­a­re, ele fez a mes­ma coi­sa. E porquê? Por­que ele ti­nha no­ção de que re­cri­a­va mui­to, o que aliás é im­pos­sí­vel não se fa­zer se se qui­ser man­ter a ri­ma, co­mo ele fez sem­pre. Por­tan­to, ele po­de ter es­sa con­fi­an­ça pa­ra di­zer que a obra é ‘sua’.”

Tam­bém Her­ber­to Hel­der fu­giu por di­ver­sas ve­zes ao cu­nho da “tra­du­ção”. Em Po­e­mas Ame­rín­di­os (po­e­mas dos po­vos pré-co­lom­bi­a­nos), em O Be­be­dor Noc­tur­no (po­e­mas do An­ti­go Egip­to, da Gré­cia, ará­bi­co-an­da­lu­zes, es­qui­mós, in­do­chi­ne­ses, en­tre ou­tros) ou até em Do­ze Nós nu­ma Cor­da (com tex­tos de Hen­ri Mi­chaux, Ed­gar Al­lan Poe, Stépha­ne Mal­lar­mé, An­to­nin Ar­taud, Car­los Ed­mun­do de Ory e Her­man Hes­se), o sub­tí­tu­lo é cons­tan­te: “po­e­mas mu­da­dos pa­ra por­tu­guês”.

Em am­bos os ca­sos, por mui­to di­fe­ren­tes que se­jam, exis­te um re­co­nhe­ci­men­to co­mum: de que a des­cons­tru­ção pa­ra a tra­du­ção po­de ser de tal mo­do ra­di­cal que a au­to­ria da­que­las pa­la­vras já não per­ten­ce uni­ca­men­te a quem as es­cre­veu pe­la pri­mei­ra vez.

Jo­sé Ben­to, po­e­ta e tra­du­tor a quem de­ve­mos a pu­bli­ca­ção de nu­me­ro­sos po­e­tas de lín­gua es­pa­nho­la em por­tu­guês – e que já foi dis­tin­gui­do pe­lo go­ver­no es­pa­nhol com o Pré­mio Cer­van­tes –, re­su­me as­sim a con­tra­po­si­ção da sua iden­ti­da­de de po­e­ta com a de tra­du­tor no seu po­e­ma Eu tra­du­tor, trai­dor: “Re­lan­ceio o que to­quei não sen­do meu:/ pa­la­vras,/ ci­ca­tri­zes in­de­fe­sas/ nu­ma bo­ca, num lu­gar, nu­ma da­ta./ Amei-as sem lu­ci­dez./ Pro­fa­na­ção?/ A quem pres­ta­rei con­tas?”.

Mas por mui­to boa que se­ja a tra­du­ção, por mui­to que o rit­mo, as idei­as ou a am­bi­gui­da­de do ori­gi­nal te­nham che­ga­do ao por­tu­guês, Ana Luí­sa Ama­ral, en­quan­to po­e­ti­sa, tra­du­to­ra e lei­to­ra, não pres­cin­de dos con­tor­nos do po­e­ma pri­mo­gé­ni­to: “É ab­so­lu­ta­men­te fun­da­men­tal que as tra­du­ções de poesia se­jam bi­lin­gues. Nem que o ori­gi­nal se­ja chi­nês. Por al­gu­ma ra­zão, a poesia tem uma dis­tri­bui­ção frá­si­ca di­fe­ren­te da pro­sa. Ver a man­cha grá­fi­ca do po­e­ma é mui­to im­por­tan­te.” Re­pes­ca­mos, en­tão, a ideia ini­ci­al de Da­ni­el Jo­nas e acres­cen­ta­mos-lhe ou­tra: pa­ra lá de par­ti­tu­ra, o po­e­ma “é pin­tu­ra na pá­gi­na”.

O po­e­ta Jo­a­quim M. Pal­ma fez ver­sões por­tu­gue­sas dos hai­kus dos ja­po­ne­ses Mat­suo Bashô e Ko­bayashi Is­sa, par­tin­do de tra­du­ções em in­glês, fran­cês e cas­te­lha­no.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.