DE POR­TU­GAL PA­RA A PITTI UOMO

Na edi­ção de­di­ca­da à co­le­ção Pri­ma­ve­ra-Ve­rão de 2020, as mar­cas na­ci­o­nais apre­sen­ta­ram co­le­ções com um dis­tin­ti­vo vi­su­al por­tu­guês.

GQ (Portugal) - - Estilo Mostra - Por Ál­va­ro Ra­mos.

Ae­di­ção 96 da Pitti Uomo co­me­çou com es­tron­do. Na vés­pe­ra da aber­tu­ra da fei­ra, Flo­ren­ça ilu­mi­nou-se com um fo­go de ar­ti­fí­cio no rio Ar­no, que lan­çou o mo­te pa­ra mais uma se­ma­na de­di­ca­da à mo­da e es­ti­lo mas­cu­li­nos. Ape­sar dos mais de 1.200 no­mes in­ter­na­ci­o­nais pre­sen­tes den­tro da For­tez­za da Bas­so, foi no pri­mei­ro pi­so da sec­ção L’Al­tro Uomo que se en­con­tra­vam as me­lho­res mar­cas por­tu­gue­sas.

Num es­pa­ço de­di­ca­do às mar­cas de ni­cho, on­de um es­ti­lo des­con­traí­do e in­tem­po­ral pre­va­le­ce so­bre a úl­ti­ma mo­da, en­con­trá­mos a Por­tu­gue­se Flan­nel, que se ins­pi­rou nos emi­gran­tes por­tu­gue­ses pa­ra cri­ar uma co­lo­ri­da co­le­ção de camisas e calças. “É um te­ma mui­to per­ti­nen­te ho­je em dia. A co­le­ção é um agra­de­ci­men­to aos emi­gran­tes por­tu­gue­ses, que por ve­zes são tra­ta­dos de for­ma pou­co dig­na. As re­fe­rên­ci­as fo­ram os bair­ros so­ci­ais on­de vi­vi­am, nos ar­re­do­res de Pa­ris, um es­pí­ri­to que trans­pa­re­ce em pe­ças com pa­drões mais ar­qui­te­tó­ni­cos”, con­ta An­tó­nio Ma­ga­lhães, um dos ir­mãos que cri­a­ram a mar­ca por­tu­gue­sa.

No stand em fren­te es­ta­va a Ma­no Stu­dio, co­nhe­ci­da pe­las sa­pa­ti­lhas, mas que tam­bém apre­sen­tou uma li­nha de ves­tuá­rio. “A nos­sa ins­pi­ra­ção foi a ge­o­me­tria, as li­nhas mi­ni­ma­lis­tas e as co­res pri­má­ri­as da Bauhaus. Tam­bém te­mos re­fe­rên­ci­as ao Tri­a­dis­che Bal­let e aos Kraftwerk”, re­ve­la Fer­nan­do Fi­guei­re­do, fun­da­dor da mar­ca.

Já a Ide­al & Co, que se es­tre­ou na L’Al­tro Uomo, apre­sen­tou igual­men­te as su­as úl­ti­mas no­vi­da­des. “As­su­mi­mos uma lin­gua­gem mais le­ve e fres­ca, se­guin­do sem­pre a apos­ta na du­ra­bi­li­da­de e no de­sign in­tem­po­ral. Pa­ra a no­va co­le­ção ti­ve­mos co­mo

re­fe­rên­ci­as os di­as quen­tes no Alentejo, as ca­sas cai­a­das de bran­co, a er­va seca e o ar sal­ga­do das prai­as des­ta re­gião, que de­ram no­me às no­vas ma­las e mo­chi­las”, re­fe­re Jo­sé Li­ma, um dos ros­tos da Ide­al & Co.

Ou­tra das mar­cas que se inspira sem­pre em Por­tu­gal é a La Paz. “O nos­so es­pí­ri­to tem an­da­do sem­pre li­ga­do ao Atlân­ti­co e à pes­ca, mas um pou­co old-scho­ol. Apos­ta­mos mui­to na cor e nas tex­tu­ras, al­go por que as pes­so­as nos pro­cu­ram. Uma das pe­ças que des­ta­co nes­ta co­le­ção é um co­le­te de pes­ca, que tem uma his­tó­ria en­gra­ça­da. En­con­trá­mos um igual, to­do des­fei­to, nu­ma lo­ja com mais de 100 anos, que es­ta­va a fe­char na Ri­bei­ra. É uma homenagem a es­tas lo­jas que in­fe­liz­men­te aca­bam por­que já não aguen­tam a pres­são imo­bi­liá­ria”, con­ta o co­fun­da­dor Jo­sé Abreu.

Vin­da de Lis­boa, a +351 tam­bém tem o mar nas ori­gens. A mar­ca tor­nou-se co­nhe­ci­da pe­las T-shirts com o in­di­ca­ti­vo na­ci­o­nal es­tam­pa­do na fren­te. “Os nos­sos best­sel­lers con­ti­nu­am a ser as T-shirts, que aqui apre­sen­ta­mos em no­vas co­res. Mas tam­bém in­tro­du­zi­mos no­vos aces­só­ri­os de praia, co­mo uma to­a­lha, cha­péus e sa­cos”, con­ta Ana Pe­nha e Cos­ta, fun­da­do­ra da mar­ca.

Ape­sar da con­cor­rên­cia in­ter­na­ci­o­nal, es­tas mar­cas, cla­ra­men­te, des­ta­ca­ram-se pe­la sua apos­ta na pro­du­ção na­ci­o­nal, nos ma­te­ri­ais tá­teis e, aci­ma de tu­do, por con­se­gui­rem trans­mi­tir o es­pí­ri­to por­tu­guês num mun­do ca­da vez mais glo­ba­li­za­do cri­a­ti­va­men­te.

Um dos exem­pla­res de ma­las e mo­chi­las le­va­dos pe­la Ide­al & Co. à mos­tra em Flo­ren­ça.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.