MO­DA – ELE VES­TIU-O. NÓS QUEREMO-LO. SAI­BA PORQUÊ

GQ (Portugal) - - Gq - LAST MAN STAN­DING TONY PAR­SONS

Ba­rack Oba­ma usou um bom­ber jac­ket pre­to num jo­go de bas­que­te­bol e os ho­mens – pe­lo me­nos, os ho­mens que se pre­o­cu­pam com o seu es­ti­lo – sen­ti­ram su­bi­ta­men­te o im­pul­so de ir às com­pras. Não era um bom­ber jac­ket qual­quer. Era um bom­ber jac­ket pre­to Rag & Bo­ne Mans­ton – o bom­ber jac­ket mais bo­ni­to do mun­do. Oba­ma usou o seu Mans­ton per­so­na­li­za­do pa­ra as­sis­tir a um jo­go de bas­que­te­bol en­tre os Tar He­els da Uni­ver­si­da­de da Ca­ro­li­na da Nor­te e os Blue De­vils da Uni­ver­si­da­de de Du­ke no Ca­me­ron In­do­or Sta­dium, na Ca­ro­li­na do Nor­te, em fe­ve­rei­ro. E o an­ti­go Pre­si­den­te dos EUA es­ta­va ex­tra­or­di­ná­rio. Ema­na­va tan­to es­ti­lo quan­to era hu­ma­na­men­te pos­sí­vel.

Foi um da­que­les mo­men­tos em que um ho­mem veste uma pe­ça fa­bu­lo­sa – mas qua­se sem­pre fa­bu­lo­sa­men­te sim­ples – e acer­ta mes­mo em cheio. Oba­ma usou es­te Mans­ton pre­to co­mo Ja­mes De­an usou o seu Ba­ra­cu­ta G9 ver­me­lho-ce­re­ja em Re­bel­de Sem Cau­sa (qua­se 10 anos an­tes de es­te ca­sa­co co­me­çar a ser co­nhe­ci­do co­mo “The Har­ring­ton”, em homenagem à per­so­na­gem de Ryan O’Ne­al, Rod­ney Har­ring­ton, em Amar Não É Pe­ca­do.) Oba­ma usou o seu Mans­ton pre­to da mes­ma ma­nei­ra que Se­an Con­nery usou o seu po­lo azul-ma­ri­nho na praia com Ur­su­la An­dress em Agen­te Se­cre­to 007. Ele usou-o co­mo Ste­ve McQu­e­en usou o seu ca­sa­co de avi­a­dor em

ca­be­dal USAAF A2 em A Gran­de Eva­são, co­mo Keith Ri­chards usou o seu ca­sa­co de pe­lo bran­co des­pen­te­a­do so­bre os om­bros em 1967… Acho que já per­ce­be­ram on­de que­ro che­gar. Era um ca­sa­men­to per­fei­to en­tre ho­mem e roupa, um no­vís­si­mo íco­ne de es­ti­lo mas­cu­li­no que nas­cia di­an­te dos nos­sos olhos.

A fa­ma é im­por­tan­te. Ser Pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos é um fac­to que não po­de ser ig­no­ra­do ao ava­li­ar o im­pac­to que Oba­ma te­ve no seu Mans­ton. Uma vez vi John Squi­re dos Sto­ne Ro­ses com um ca­sa­co Le­vi’s, ain­da com to­das as eti­que­tas de car­tão com que vi­nha da lo­ja – e ele es­ta­va ri­di­cu­la­men­te es­pe­ta­cu­lar. No en­tan­to, acre­di­to que se­ja ne­ces­sá­rio ser o gui­tar­ris­ta prin­ci­pal dos Sto­ne Ro­ses pa­ra se sa­far com uma coi­sa des­sas.

O ca­sa­co de Oba­ma era per­so­na­li­za­do, mas não mui­to. Ti­nha um dis­cre­to “44” bor­da­do a bran­co na par­te in­fe­ri­or da man­ga es­quer­da, de­sig­nan­do o seu es­ta­tu­to co­mo 44.º Pre­si­den­te. Mar­cus Wain­wright, fun­da­dor da Rag & Bo­ne, dis­se que a mar­ca deu o ca­sa­co a Oba­ma per­to do fim do seu se­gun­do man­da­to na Ca­sa Bran­ca, mas o an­ti­go Pre­si­den­te nun­ca o usa­ra an­tes da­que­le fa­tí­di­co jo­go de bas­que­te­bol.

“Não me ti­nha es­que­ci­do de­le”, dis­se Wain­wright. “Mas não es­ta­va à es­pe­ra de que ele o usas­se em pú­bli­co. Achei que ele po­de­ria usá-lo ao fim de se­ma­na ou em ca­sa. Ti­nha es­pe­ran­ça de que ele o usas­se.”

Wain­wright es­ta­va a as­sis­tir a um es­pe­tá­cu­lo de pa­ti­na­gem no ge­lo da es­co­la dos seus filhos e só sou­be que Oba­ma usa­ra o seu ca­sa­co pre­to quan­do acor­dou no dia se­guin­te e viu a cai­xa de email cheia.

À ex­ce­ção da­que­les nú­me­ros – e nin­guém con­se­gui­ria sa­far-se com aqui­lo se não ti­ves­se si­do o 44.º Pre­si­den­te dos EUA –, o Mans­ton pre­to de Oba­ma era in­dis­tin­guí­vel do Mans­ton pre­to que es­ta­va na al­tu­ra a ser anun­ci­a­do on­li­ne por £390 (cer­ca de €438). O bom­ber jac­ket com mais es­ti­lo do mun­do nem se­quer era ca­ro. É ób­vio que vo­cê queria um. O pro­ble­ma é que to­da a gen­te tam­bém queria. Fiz uma en­co­men­da on­li­ne na Rag & Bo­ne de No­va Ior­que – não há Mans­tons pre­tos des­te la­do do Atlân­ti­co –, mas a pro­cu­ra pa­re­cia ex­ce­der lou­ca­men­te a ofer­ta. “Des­cul­pe. O nos­so ca­sa­co Mans­ton pre­to es­tá es­go­ta­do”, foi anun­ci­a­do no web­si­te da Rag & Bo­ne pou­co de­pois, eco­an­do o mes­mo ti­po de ine­vi­ta­bi­li­da­de da mor­te e dos im­pos­tos. “Ve­ja os nos­sos de­signs se­me­lhan­tes.” Os de­signs se­me­lhan­tes dis­po­ní­veis – o ca­sa­co Ag­nes em ca­mur­ça da Rag & Bo­ne, o ca­sa­co ver­de-tro­pa Fo­cus – são to­dos gi­rís­si­mos, mas, ba­si­ca­men­te, não são um Mans­ton pre­to. E a pe­ça de­se­ja­da por quem andava a na­ve­gar pe­lo web­si­te da Rag & Bo­ne no iní­cio da pri­ma­ve­ra era mui­to pro­va­vel­men­te – mais do que qual­quer ou­tra pe­ça de ves­tuá­rio que de­se­jas­se há mui­to tem­po, até mes­mo mais do que a paz mun­di­al – um bom­ber jac­ket Mans­ton pre­to.

Ha­via qual­quer coi­sa de im­pres­si­o­nan­te em Oba­ma com o seu bom­ber pre­to. To­dos os gran­des íco­nes de es­ti­lo mas­cu­li­no fo­ram, in­va­ri­a­vel­men­te, ho­mens jo­vens. Oba­ma, po­rém, com­ple­ta 58 anos no dia 4 de agosto. Ele ain­da tem óti­mo as­pe­to e te­rá sem­pre. Tem uma pos­tu­ra im­pres­si­o­nan­te e na­tu­ral e é um ho­mem in­te­li­gen­te, des­con­traí­do, di­ver­ti­do e sem exa­ge­ros – nem de gor­du­ra nem de pen­sa­men­tos. No en­tan­to, Oba­ma tem ida­de su­fi­ci­en­te pa­ra ser pai de Rod­ney Har­ring­ton. Não era mais um exem­plo de es­ti­lo per­fei­to que sur­ge al­gu­mas ve­zes em ca­da ge­ra­ção, ele­van­do a fas­quia de quão bom as­pe­to po­de um ho­mem ter. Era tam­bém so­bre quão fa­bu­lo­so po­de um ho­mem ser quan­do en­ve­lhe­ce. Ba­rack Oba­ma com o seu Mans­ton pre­to não ema­na­va o es­ti­lo co­ol tí­pi­co da ju­ven­tu­de, mas o es­ti­lo des­con­traí­do de um ho­mem de 50 e tal anos – o que, de al­gu­ma for­ma, o tor­na­va ain­da mais im­pres­si­o­nan­te.

Nin­guém é mais elo­quen­te so­bre o te­ma da atra­ção du­ra­dou­ra do bom­ber jac­ket do que Ch­ris Sul­li­van, DJ, com­po­si­tor, ar­tis­ta e do­no de clu­bes no­tur­nos. “O bom­ber jac­ket é uma pe­ça de roupa con­ve­ni­en­te e fan­tás­ti­ca que cum­pre a sua fun­ção”, diz Sul­li­van. “Fi­ca sem­pre bem. É uma da­que­las pe­ças que po­de­mos usar du­ran­te 30 anos e que nun­ca pa­re­ce es­tar na mo­da ou fo­ra de mo­da. Além dis­so, trans­cen­de as pre­o­cu­pa­ções com a mo­da – al­go não fi­ca bem a nenhum ho­mem com mais de 30 anos.”

Sul­li­van diz que o bom­ber jac­ket foi co­bi­ça­do por ho­mens que não es­ta­vam a bom­bar­de­ar o cen­tro in­dus­tri­al dos paí­ses ini­mi­gos, qua­se des­de o ins­tan­te em que sur­giu. “De­pois da Pri­mei­ra Gu­er­ra Mun­di­al, o ca­sa­co dos avi­a­do­res che­ga­va-lhes aos jo­e­lhos e eles es­ta­vam far­tos de ter di­fi­cul­da­des em ma­nu­se­ar o joys­tick, por is­so en­cur­ta­ram-no”, diz Sul­li­van. “Ini­ci­al­men­te só foi da­do aos me­lho­res pi­lo­tos, mas a sua po­pu­la­ri­da­de foi tal que pes­so­as co­mo o ge­ne­ral Ge­or­ge S. Pat­ton e Dou­glas MacArthur exi­gi­ram um pa­ra si. Os ca­sa­cos es­go­ta­ram-se tão de­pres­sa que, du­ran­te a Se­gun­da Gu­er­ra Mun­di­al, sur­giu uma fá­bri­ca fa­mi­li­ar on­de os sol­da­dos ame­ri­ca­nos com­pra­vam ca­sa­cos A2 co­pi­a­dos pe­los al­fai­a­tes in­gle­ses.”

O bom­ber jac­ket de Oba­ma era em ny­lon e não em ca­be­dal – a gran­de dis­tin­ção dos ca­sa­cos de avi­a­dor. Se­gun­do Sul­li­van, é a di­fe­ren­ça fun­da­men­tal en­tre fa­bri­car um ca­sa­co com um ma­te­ri­al ba­ra­to (ny­lon) e ou­tro com um mui­to mais ca­ro (ca­be­dal). Nas pa­la­vras de Sul­li­van: “O bom­ber jac­ket em ny­lon e em ca­be­dal têm co­no­ta­ções di­fe­ren­tes de­vi­do ao seu pre­ço e dis­po­ni­bi­li­da­de. Quan­do foi re­pro­du­zi­do na dé­ca­da de 1970, o MA1 era com­pra­do pe­los ski­nhe­ads. O A2 em ca­be­dal tor­nou-se apa­ná­gio dos pro­du­to­res ci­ne­ma­to­grá­fi­cos ou ro­quei­ros de meia ida­de. O bom­ber jac­ket em ca­be­dal era usa­do pe­las pes­so­as com mais di­nhei­ro e o de ny­lon era usa­do pe­los ski­nhe­ads.”

Al­guns co­men­ta­do­res dis­se­ram que o fac­to de Oba­ma ves­tir um bom­ber jac­ket não era, de to­do, uma afir­ma­ção de es­ti­lo ra­di­cal – e é ver­da­de. Não exis­te uma pe­ça de roupa mas­cu­li­na uti­li­tá­ria mais tí­pi­ca e me­nos in­con­tri­ta do que um bom­ber jac­ket. Mas quem quer fa­zer afir­ma­ções de es­ti­lo ra­di­cais? Ste­ve McQu­e­en nun­ca fez afir­ma­ções de es­ti­lo ra­di­cais e es­ta­va sem­pre fan­tás­ti­co du­ran­te o cur­to pe­río­do em que usou pe­ças es­sen­ci­ais de ves­tuá­rio mas­cu­li­no. Lem­bre-se de Ste­ve McQu­e­en em A Gran­de Eva­são (ca­sa­co de avi­a­dor em ca­be­dal), Bul­litt (ca­mi­so­la de go­la al­ta), The Tho­mas Crown Af­fair (fa­to com­ple­to com ca­mi­sa e gra­va­ta a con­di­zer) e até no seu úl­ti­mo pa­pel an­tes de mor­rer, em The Hun­ter (bom­ber jac­ket MA1 em ny­lon ver­de). Po­dem não ser afir­ma­ções de es­ti­lo ra­di­cais – o ca­sa­co de ca­be­dal, a ca­mi­so­la de go­la al­ta, o fa­to com­ple­to, o MA1 –, mas que ho­mem vi­vo que não queria pa­re­cer-se com aque­le ti­po que es­ta­va no ecrã? Os ho­mens que­rem al­go bo­ni­to e com bom as­pe­to e de­se­jam al­go per­fei­to e fa­bu­lo­so. Nin­guém quer fa­zer afir­ma­ções de es­ti­lo ra­di­cais de­pois de ter ul­tra­pas­sa­do as fron­tei­ras da ju­ven­tu­de. Que­re­mos pa­re­cer o Ste­ve McQu­e­en.

Des­co­bri­mos al­guns bu­ra­cos ne­gros no ar­má­rio e te­mos de­se­jos sú­bi­tos quan­do nos aper­ce­be­mos de que nos fal­ta al­gu­ma coi­sa – e que pre­ci­sa­mos, de­ses­pe­ra­da­men­te, de­la. Ti­ve es­ta sen­sa­ção pe­la pri­mei­ra vez quan­do era miú­do. O meu ami­go Da­vid Peck ti­nha um ir­mão mais ve­lho que ou­via The Do­ors mui­to al­to e que ti­nha uma ca­mi­sa Ben Sher­man azul-ce­les­te com ris­cas cor de sal­mão. Aque­la ca­mi­sa ti­rou-me o fô­le­go. E ti­ve es­sa mes­ma sen­sa­ção, es­se de­se­jo lou­co, quan­do vi re­cen­te­men­te um ar­ti­go de Jo­nathan He­af em GQ.co. uk so­bre o bla­zer que Har­ri­son Ford usou à por­ta do ho­tel Pla­za Athé­née em Pa­ris, há qua­se 40 anos. “O bla­zer azul-ma­ri­nho, usa­do com uma margarida na la­pe­la, sim­bo­li­za o es­ta­tu­to re­cém-ad­qui­ri­do de Ford, um ho­mem em as­cen­são que des­co­briu, de re­pen­te, o seu va­lor”, es­cre­veu He­af. “Uma pe­ça tão con­ser­va­do­ra e tra­di­ci­o­nal – um bla­zer! – não é al­go que Ford usas­se pa­ra ir aos ba­res e às fes­tas da Ca­li­fór­nia do Sul.”

Era da­qui­lo que eu pre­ci­sa­va, aper­ce­bi-me: um bla­zer pa­ra um ho­mem que não usa bla­zers. Por is­so, pe­guei no ar­ti­go de Jo­nathan e em al­gu­mas fo­to­gra­fi­as de

STE­VE MCQU­E­EN NUN­CA FEZ AFIR­MA­ÇÕES DE ES­TI­LO RA­DI­CAIS E ES­TA­VA SEM­PRE FAN­TÁS­TI­CO

Ford com aque­le bla­zer e le­vei-o ao meu al­fai­a­te, Ale­xan­dra Wo­od, em Sa­vi­le Row. E o ca­sa­co de avi­a­dor Mans­ton pre­to é al­go mui­to pa­re­ci­do com is­to – uma pe­ça de que pre­ci­sa­mos pa­ra com­ple­tar a nos­sa vi­da. Ima­gi­ne, por­tan­to, a mi­nha emo­ção quan­do re­ce­bi uma em­ba­la­gem da Rag & Bo­ne de No­va Ior­que. Quão pro­fun­do po­de ser um amor?

O ny­lon pre­to é su­a­ve ao to­que, qua­se ave­lu­da­do. E, ao pas­so que o bom­ber co­mum po­de trans­mi­tir um cer­to ar de ho­mem da Mi­che­lin, pa­re­cen­do um pou­co vo­lu­mo­so mes­mo quan­do es­ta­mos a usar o ta­ma­nho cer­to, o acol­cho­a­do li­gei­ro do es­ti­lo mi­li­tar ja­po­nês do Mans­ton pa­re­ce uma se­gun­da pe­le. É qua­se co­mo se ti­ves­se si­do fei­to pa­ra si – e só pa­ra si. Com efei­to, um Mans­ton pre­to não des­to­a­ria nu­ma montra em Sa­vi­le Row. O Mans­ton pre­to é um bom­ber jac­ket clás­si­co: go­la, pu­nhos e cós em ma­lha, ori­fí­ci­os pa­ra guar­dar ca­ne­tas na par­te su­pe­ri­or da man­ga es­quer­da e o clás­si­co for­ro cor de la­ran­ja dos bom­ber – cor de la­ran­ja de se­gu­ran­ça, cha­mam-lhe, pa­ra que pos­sa vi­rar o ca­sa­co ao con­trá­rio se for atin­gi­do no meio do Pa­cí­fi­co ou se não con­se­guir ar­ran­jar um táxi. No en­tan­to, to­dos os por­me­no­res do ca­sa­co al­can­çam ní­veis de ex­ce­lên­cia sem pre­ce­den­tes. O lei­tor po­de ter ti­do 10 ou 100 ca­sa­cos de avi­a­dor na vi­da, mas sen­do eu al­guém que usa ca­sa­cos des­te gé­ne­ro des­de que era um ski­nhe­ad ado­les­cen­te, pos­so ga­ran­tir-lhe que o Mans­ton pre­to da Rag & Bo­ne per­ten­ce a ou­tra li­ga. Até os fe­chos éclairs são bo­ni­tos. Fa­bri­ca­dos pe­la Ri­ri, na Suí­ça, são os fe­chos mais pra­te­a­dos que al­gu­ma vez vi. Na­que­le jo­go de bas­que­te­bol, Oba­ma usou o seu Mans­ton pre­to de­sa­per­ta­do, por is­so o mun­do viu bem aque­les fe­chos Ri­ri to­po de ga­ma, que pa­re­cem bri­lhar com luz pró­pria. To­dos es­tes por­me­no­res são im­por­tan­tes. Um ho­mem só se tor­na ve­lho quan­do dei­xa de se pre­o­cu­par com ter o me­lhor bom­ber jac­ket do mun­do ou com en­con­trar o bla­zer per­fei­to pa­ra o ho­mem que não usa bla­zers. Co­mo dis­se Jo­nathan He­af so­bre Har­ri­son Ford no seu bla­zer azul na Pa­ris da dé­ca­da de 80: “Sus­pi­rá­mos a sé­rio. Não foi?” Con­ti­nue a pre­o­cu­par-se, Se­nhor Pre­si­den­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.