HOUS­TON, DO YOU COPY? WE HA­VE A QUESTION

Te­mos vá­ri­as, até. A mu­lher foi à Lua? O es­pa­ço chei­ra mes­mo a bi­fe quei­ma­do? A NA­SA tem uma tra­di­ção com amen­doins? Hous­ton, es­tá na ho­ra de des­ven­dar al­guns dos mi­tos e fac­tos mais im­pres­si­o­nan­tes so­bre o es­pa­ço, a Lua e a cor­ri­da es­pa­ci­al.

GQ (Portugal) - - Culto Curiosidad­es - Por Mó­ni­ca Bo­zi­nos­ki

OS FAC­TOS O Ho­mem dei­xou uma sé­rie de ob­je­tos pe­cu­li­a­res na Lua.

A lis­ta é vas­ta e in­clui ale­a­to­ri­e­da­des co­mo du­as bo­las de gol­fe, um de­se­nho obs­ce­no de Andy Warhol, uma Bí­blia, um mar­te­lo, uma sé­rie de no­tas de 2 e 20 dó­la­res e um re­tra­to de fa­mí­lia, dei­xa­do na su­per­fí­cie pe­lo as­tro­nau­ta Char­lie Du­ke – na par­te de trás po­dia ler-se a men­sa­gem: “Es­ta é a fa­mí­lia do as­tro­nau­ta Char­lie Du­ke do pla­ne­ta Ter­ra, que ater­rou na Lua no dia 20 de abril de 1972.” Pa­ra além des­tes, a Lua tam­bém é ca­sa de uma car­ta es­cri­ta pe­la Rai­nha Isa­bel II.

A Lua não é de nin­guém.

Ou, me­lhor di­zen­do, é de to­dos nós. Ape­sar de Buzz Al­drin e Neil Arms­trong te­rem plan­ta­do a ban­dei­ra dos Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca na su­per­fí­cie da Lua em 1969, o úni­co sa­té­li­te na­tu­ral da Ter­ra é, na ver­da­de, pro­pri­e­da­de in­ter­na­ci­o­nal. Du­ran­te a cor­ri­da es­pa­ci­al, que viu União So­vié­ti­ca e Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca com­pe­ti­rem fu­ri­o­sa­men­te pa­ra ver quem che­ga­va pri­mei­ro, o re­ceio de que is­so de­sen­ca­de­as­se um no­vo con­fli­to mun­di­al le­vou à as­si­na­tu­ra do Tra­ta­do do Es­pa­ço Si­de­ral. Ce­le­bra­do por am­bas as par­tes em 1967, e ra­ti­fi­ca­do por mais 62 paí­ses, o ar­ti­go se­gun­do do tra­ta­do di­ta­va que “o es­pa­ço, in­cluin­do a Lua e ou­tros cor­pos ce­les­ti­ais, não es­tão su­jei­tos a apro­pri­a­ção na­ci­o­nal por re­cla­ma­ção de so­be­ra­nia, uso ou ocu­pa­ção, ou quais­quer ou­tros”.

E, no es­pí­ri­to do tra­ta­do, a NA­SA par­ti­lhou amos­tras do so­lo lunar com os ci­en­tis­tas so­vié­ti­cos aquan­do do re­gres­so da Apol­lo 11.

O es­pa­ço tem um odor dis­tin­to – e a NA­SA ten­tou re­criá-lo.

Se al­gu­ma vez deu por si a ques­ti­o­nar “se­rá que o es­pa­ço chei­ra a al­gu­ma coi­sa?”, te­mos a res­pos­ta que vai pôr fim à dú­vi­da ar­den­te: sim, o es­pa­ço chei­ra a al­gu­ma coi­sa. “É pos­sí­vel que já te­nham ou­vi­do di­zer que o es­pa­ço tem um odor, pa­re­ci­do com um bi­fe quei­ma­do ou al­gum ti­po de chur­ras­co. Is­so é ver­da­de”, con­fir­mou o ex-as­tro­nau­ta ca­na­di­a­no Ch­ris Had­fi­eld à Wi­red. “Quan­do re­gres­sas de uma ca­mi­nha­da es­pa­ci­al e abres a es­co­ti­lha, sen­tes um chei­ro pro­lon­ga­do de al­go que cos­tu­ma­va es­tar ex­pos­to ao es­pa­ço – es­se chei­ro as­se­me­lha-se àque­le ves­tí­gio que a pól­vo­ra dei­xa no ar, ou a um bi­fe quei­ma­do. É um chei­ro pa­re­ci­do com o do en­xo­fre, co­mo se uma bru­xa ti­ves­se es­ta­do ali.” Ou­tros as­tro­nau­tas des­cre­vem o odor co­mo “me­tal quen­te”, “fu­mos re­sul­tan­tes de uma sol­da­du­ra” ou “uma es­pé­cie de io­ni­za­ção me­tá­li­ca” – mas de on­de é que es­se chei­ro vem, exa­ta­men­te? De acor­do com um in­ves­ti­ga­dor, e se­gun­do re­por­tou o The Atlan­tic, o aro­ma que os as­tro­nau­tas sen­tem quan­do se des­lo­cam do es­pa­ço pa­ra a es­ta­ção es­pa­ci­al é o re­sul­ta­do de “vi­bra­ções de al­ta ener­gia em par­tí­cu­las que são ar­ras­ta­das pa­ra o in­te­ri­or e que se mis­tu­ram com o ar”. Em 2012, com a in­ten­ção de apro­vei­tar o co­nhe­ci­men­to ol­fa­ti­vo dos as­tro­nau­tas em exer­cí­ci­os de trei­no e pre­pa­ra­ção pa­ra a vi­da lon­ge da Ter­ra, a NA­SA pe­diu ao quí­mi­co Ste­ve Pe­ar­ce pa­ra re­cri­ar o odor do es­pa­ço em la­bo­ra­tó­rio. Ape­sar de o re­sul­ta­do da ex­pe­ri­ên­cia pro bo­no não ser co­nhe­ci­do, pa­re­ce-nos se­gu­ro di­zer que o chei­ro não se­ria, em na­da, agra­dá­vel.

O ser hu­ma­no po­de ser alér­gi­co à Lua.

Es­tá­va­mos em de­zem­bro de 1972, mis­são do Apol­lo 17, a úl­ti­ma do pro­gra­ma. Os as­tro­nau­tas Eu­ge­ne Cer­nan e Har­ri­son “Jack” Sch­mitt ti­nham aca­ba­do uma pes­qui­sa no va­le de Tau­rus-Lit­trow, no Su­des­te da “cos­ta” do Mar da Tran­qui­li­da­de. Quan­do re­gres­sa­ram ao mó­du­lo, sa­cu­di­ram a po­ei­ra dos fa­tos e ti­ra­ram os ca­pa­ce­tes – Sch­mitt co­me­çou a ter um ata­que de es­pir­ros. Os seus olhos es­ta­vam ver­me­lhos, ti­nha co­mi­chão na gar­gan­ta e o na­riz en­tu­pi­do. Os efei­tos, que de­mo­ra­ram cer­ca de du­as ho­ras a pas­sar, re­ve­la­ram aqui­lo que nenhum as­tro­nau­ta gos­ta­ria de ou­vir:

“És alér­gi­co à Lua. Vá, ok, não é bem à Lua, é mais à po­ei­ra lunar.” A con­di­ção de Sch­mitt era coin­ci­den­te com as des­co­ber­tas de Bill Car­pen­ti­er, um médico da NA­SA que ti­nha provas que su­ge­ri­am que a po­ei­ra lunar po­dia cau­sar re­a­ções alér­gi­cas.

A mu­lher nun­ca foi à Lua.

Acre­di­ta­mos que is­to não se­ja uma sur­pre­sa pa­ra nin­guém. Des­de 1969, o nú­me­ro to­tal de pes­so­as que al­gu­ma vez ca­mi­nha­ram so­bre a su­per­fí­cie lunar é de 12 – to­dos ho­mens e to­dos nor­te-ame­ri­ca­nos. Ape­sar de a úl­ti­ma ex­pe­di­ção do Ho­mem à Lua ter si­do no ano de 1972 (fun fact: a mai­or par­te das pes­so­as vi­vas, ho­je, nun­ca tes­te­mu­nha­ram uma ater­ra­gem hu­ma­na na su­per­fí­cie lunar), a NA­SA tem pla­nos pa­ra mu­dar o cur­so da His­tó­ria e re­gres­sar ao sa­té­li­te na­tu­ral da Ter­ra até 2024: e, des­ta vez, vai ter a com­pa­nhia da pri­mei­ra mu­lher a pi­sar a su­per­fí­cie da Lua.

OS MI­TOS Se­rá um ho­mem? Se­rá um co­e­lho? A ci­ên­cia es­cla­re­ce.

É pos­sí­vel que já te­nha ou­vi­do fa­lar da ima­gem do ho­mem na su­per­fí­cie da Lua. Se é poé­ti­co? É. Se é re­al? Nem por is­so. O porquê de al­gu­mas pes­so­as ve­rem um ho­mem na su­per­fí­cie da Lua é o fe­nó­me­no psi­co­ló­gi­co da pa­rei­do­lia – um fe­nó­me­no que faz com que os se­res hu­ma­nos olhem pa­ra as cra­te­ras e ba­ci­as do sa­té­li­te na­tu­ral, que por sua vez for­mam zo­nas mais es­cu­ras e som­bras, e re­co­nhe­çam uma for­ma fa­mi­li­ar. Em al­gu­mas cul­tu­ras, o mi­to não re­co­nhe­ce um ho­mem, mas sim um co­e­lho – co­e­lho que, em 1969, du­ran­te a mis­são Apol­lo 11, foi re­fe­ri­do na con­ver­sa en­tre o con­tro­lo em Hous­ton e o as­tro­nau­ta Mi­cha­el Col­lins.

A Lua con­tro­la a fer­ti­li­da­de.

Não sa­be­mos se tem ori­gem no fac­to de os ci­clos mens­tru­ais e os ci­clos lu­na­res se­rem se­me­lhan­tes em du­ra­ção, ou se é ape­nas fru­to de uma ima­gi­na­ção de­ma­si­a­do fér­til, mas a ver­da­de é que mui­tas ci­vi­li­za­ções acre­di­ta­vam que a Lua de­ter­mi­na­va o mo­men­to em que uma mu­lher con­se­guia en­gra­vi­dar. Nos anos 50, o médico Eu­ge­ne Jo­nas en­con­trou um es­cri­to as­tro­ló­gi­co an­ti­go que di­zia que as mu­lhe­res eram mais fér­teis du­ran­te cer­tas fa­ses da Lua, cons­truin­do pla­nos fa­mi­li­a­res in­tei­ra­men­te ba­se­a­dos nes­sa hi­pó­te­se. Ape­sar de exis­tir ou­tro mi­to que diz que a Lua cheia cau­sa um pi­co na na­ta­li­da­de, en­chen­do os cor­re­do­res das ma­ter­ni­da­des com mu­lhe­res pres­tes a te­rem os seus be­bés, os es­pe­ci­a­lis­tas dos di­as de ho­je acre­di­tam que o efei­to da Lua nes­tes pro­ces­sos é tu­do me­nos re­al.

En­quan­to os so­vié­ti­cos usa­vam lápis, a NA­SA queria uma ca­ne­ta que es­cre­ves­se no es­pa­ço.

Hu­mo­ris­ti­ca­men­te fa­lan­do, gos­tá­va­mos que a his­tó­ria fos­se ver­da­de – mas, in­fe­liz­men­te, não é o ca­so. De acor­do com os his­to­ri­a­do­res da NA­SA, e à se­me­lhan­ça dos seus pares so­vié­ti­cos, os as­tro­nau­tas da agên­cia es­pa­ci­al nor­te-ame­ri­ca­na re­cor­ri­am aos lápis co­mo ins­tru­men­tos de es­cri­ta no es­pa­ço – mas quan­do os pre­ços que a NA­SA da­va por ca­da um de­les (128 dó­la­res, pa­ra ser­mos precisos) se tor­na­ram pú­bli­cos, a agên­cia te­ve de pro­cu­rar uma op­ção mais eco­nó­mi­ca. Foi aí que Paul C. Fisher, da em­pre­sa Fisher Pen Com­pany, in­ves­tiu 1 milhão de dó­la­res pa­ra cri­ar aqui­lo que ho­je se co­nhe­ce co­mo a ca­ne­ta do es­pa­ço – uma ca­ne­ta an­ti­gra­vi­da­de que fun­ci­o­na nas mais di­ver­sas con­di­ções cli­ma­té­ri­cas e até de­bai­xo de água. Co­mo? Ao con­trá­rio das ca­ne­tas co­muns, a de

Fisher ti­nha um car­tu­cho pres­si­o­na­do com ni­tro­gé­nio e, por is­so, não pre­ci­sa­va de gra­vi­da­de pa­ra a tinta fun­ci­o­nar. Con­clu­são: tan­to so­vié­ti­cos co­mo nor­te-ame­ri­ca­nos pas­sa­ram a usar a AG-7 “An­ti-Gra­vity” Spa­ce Pen, com a em­pre­sa a ofe­re­cer 40% de des­con­to quan­do as ca­ne­tas eram com­pra­das em lo­tes.

A Lua tem um “la­do ne­gro”.

Se o Darth Va­der e os Pink Floyd nos pro­va­ram al­gu­ma coi­sa é que per­ten­cer ao dark si­de é ver­da­dei­ra­men­te co­ol – mas usar es­se ter­mo pa­ra nos re­fe­rir­mos ao la­do mais dis­tan­te da Lua não cai na ca­te­go­ria de coi­sas que de­vía­mos di­zer com or­gu­lho. Is­to por­que, tec­ni­ca­men­te, a Lua não tem um “la­do ne­gro”: ape­sar de es­tar ocul­to da Ter­ra, e co­mo pro­va­ram as imagens cap­ta­das pe­la son­da chi­ne­sa Chang’e-4, es­te su­pos­to “la­do ne­gro” não tem qual­quer fal­ta de luz. Aliás, quan­do es­ta su­per­fí­cie não es­tá apon­ta­da pa­ra a Ter­ra, es­tá ex­pos­ta ao Sol. Co­mo nos de­ve­mos re­fe­rir, en­tão, a es­te la­do ocul­to da Lua? Se­gun­do Sa­rah No­ble, ci­en­tis­ta na mis­são Lunar At­mosphe­re and Dust En­vi­ron­ment Ex­plo­rer (LADEE) da NA­SA, o pre­fe­ri­do é “far si­de” – is­to é, “la­do dis­tan­te” – en­quan­to o ter­mo “back si­de” (tra­du­zi­do pa­ra o por­tu­guês, “la­do tra­sei­ro”) tam­bém é acei­tá­vel. *In­se­rir me­me do Mind blown aqui*

Os Na­zis ti­nham uma ba­se na Lua – e foi aí que Hi­tler vi­veu o res­to dos seus di­as.

Nos úl­ti­mos 74 anos, e ape­sar de uma equi­pa de in­ves­ti­ga­do­res fran­ce­ses ter ana­li­sa­do os úni­cos dois ves­tí­gi­os do cor­po de Adolf Hi­tler e ter pro­va­do que o di­ta­dor ale­mão mor­reu, de­fi­ni­ti­va­men­te, em 1945, são mui­tas as te­o­ri­as que en­vol­vem a sua pre­su­mi­da so­bre­vi­vên­cia e even­tu­al mor­te: há quem di­ga que es­ca­pou num sub­ma­ri­no e vi­veu o res­to dos seus di­as no Sul da Amé­ri­ca, ou quem acre­di­te que foi, na ver­da­de, o pri­mei­ro ho­mem a ver a Ter­ra da Lua. Es­te mi­to vem da cren­ça de que o de­sen­vol­vi­men­to de ar­mas tec­no­ló­gi­cas por par­te dos Na­zis lhes per­mi­tiu, se­cre­ta­men­te, ga­nhar a cor­ri­da es­pa­ci­al, es­ta­be­le­cer con­tac­to com ali­ens e le­var as­tro­nau­tas ale­mães à Lua em 1942, que es­ta­be­le­ce­ram uma ba­se ali – ba­se es­sa on­de Hi­tler te­rá vi­vi­do o res­to dos seus di­as.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.