AL­DEI­AS E CA­MI­NHOS

GQ (Portugal) - - In&out -

Ten­do Mér­to­la co­mo re­fe­rên­cia e o Gu­a­di­a­na co­mo guia, po­de­mos apro­vei­tar para nos dis­per­sar­mos pe­las ter­ras em re­dor. Para o la­do da ser­ra da Al­ca­ria, são vá­ri­os os pon­tos de in­te­res­se, a co­me­çar pe­la pró­pria ser­ra, o pon­to mais ele­va­do da re­gião, com os seus 370 me­tros de ele­gân­cia man­sa e exu­be­ran­te, da­do o con­tex­to cri­a­do pe­lo re­le­vo en­vol­ven­te. É nes­ta di­re­ção que fi­ca aque­la que se­rá a mais fa­mo­sa atra­ção do par­que na­tu­ral, os rá­pi­dos do Pu­lo do Lo­bo, uma es­cul­tu­ra na­tu­ral fei­ta pe­lo Gu­a­di­a­na na ro­cha que é al­ta­men­te es­ti­mu­lan­te para mais do que um dos sen­ti­dos – se a vi­são im­pres­si­o­na, o ruí­do in­ten­so e con­tí­nuo da água a cor­rer e a cair che­ga mes­mo a as­sus­tar.

Para quem gos­ta de lon­gas ca­mi­nha­das, es­ta é a zo­na per­fei­ta – não se­rá por aca­so que a aqui se en­con­tram inú­me­ros tri­lhos de ca­mi­nhan­tes e si­nais que in­di­cam ro­tas de pe­re­gri­na­ção, no­me­a­da­men­te dos Ca­mi­nhos de San­ti­a­go. Os pas­sei­os mais in­te­res­san­tes po­dem ser da­dos na cha­ma­da

ro­ta En­tre o Rio e o Mon­ta­do, que é pre­ci­sa­men­te o que o no­me in­di­ca: ca­mi­nhos que fu­ram ter­re­nos, co­li­nas e va­les on­de se en­con­tram co­e­lhos, le­bres, per­di­zes, ja­va­lis e ve­a­dos, já para não fa­lar nos imen­sos re­ba­nhos de ove­lhas. São ca­mi­nhos la­de­a­dos por oli­vei­ras e so­brei­ros e pe­lo dou­ra­do ou ver­de dos pra­dos, de­pen­den­do da al­tu­ra do ano. Es­ta ro­ta, que tem mais do que uma pos­si­bi­li­da­de, de­sem­bo­ca in­va­ri­a­vel­men­te nas mar­gens do Gu­a­di­a­na, por nor­ma em lo­cais es­car­pa­dos. Uma vez che­ga­do às mar­gens, é pos­sí­vel, de­pen­den­do do ca­mi­nho es­co­lhi­do, ver o Moi­nho da Bra­va ou o Moi­nho dos Ca­nais, du­as das vá­ri­as es­tru­tu­ras exis­ten­tes na re­gião que ser­vi­am para a mo­a­gem de ce­re­ais apro­vei­tan­do a for­ça do rio e que ho­je es­tão pra­ti­ca­men­te ao aban­do­no. Para se che­gar a es­tas ro­tas, é pre­ci­so pas­sar por du­as al­dei­as cha­ma­das Cor­te Ga­fo, pri­mei­ro o de Ci­ma, de­pois o de Bai­xo, que é mais pe­que­ni­no.

Tu­do is­to fi­ca no in­te­ri­or da mar­gem di­rei­ta do Gu­a­di­a­na, mas na esquerda tam­bém há mui­to o que ex­plo­rar. Para se che­gar ao ou­tro la­do, é ne­ces­sá­rio pas­sar por Mér­to­la de no­vo an­tes de se che­gar a lu­ga­res co­mo Cor­te Si­nes, Cor­vos ou Mo­re­a­nes. Um pou­co mais adi­an­te, mais jun­to a Es­pa­nha, en­con­tra-se a pe­cu­li­ar al­deia de San­ta­na de Cam­bas. É lá que se en­con­tra o não me­nos pe­cu­li­ar Mu­seu do Con­tra­ban­do, que ates­ta a im­por­tân­cia da ati­vi­da­de con­tra­ban­dis­ta para es­tas po­vo­a­ções du­ran­te, prin­ci­pal­men­te, a di­ta­du­ra por­tu­gue­sa e a es­pa­nho­la.

Para lá de San­ta­na, fi­ca uma das ter­ras mais bo­ni­tas de to­da a re­gião: Po­ma­rão. Bem jun­ti­nho à fron­tei­ra com Es­pa­nha e lo­go abai­xo da Bar­ra­gem da Chan­ça, es­ta pe­que­na po­vo­a­ção exis­te em­po­lei­ra­da nu­ma en­cos­ta so­bre o Gu­a­di­a­na, que aqui faz uma cur­va acen­tu­a­da e, des­se mo­do, de­se­nha um ce­ná­rio na­tu­ral de ra­ra be­le­za. Tam­bém o ca­sa­rio se exi­be com graça, em pa­ta­ma­res, sem­pre com os olhos pos­tos no rio, con­fe­rin­do à al­deia um as­pe­to, di­ga­mos, mui­to me­di­ter­râ­ni­co.

ON­DE DOR­MIR:

Eco­land, um ho­tel de três es­tre­las den­tro da al­deia de Cor­te Ga­fo de Ci­ma se­rá sem­pre uma pri­mei­ra es­co­lha. Para quem pro­cu­ra al­go fo­ra das po­vo­a­ções, o Mon­te do Alhi­nho, per­to da es­tra­da que li­ga Mér­to­la a Mo­re­a­nes, se­rá uma ex­ce­len­te op­ção, jun­tan­do sos­se­go e re­quin­te num re­gis­to cam­pes­tre.

ON­DE CO­MER:

A Pa­ra­gem, em Cor­vos, é um fa­vo­ri­to e de vi­si­ta obri­ga­tó­ria na re­gião, on­de po­de os­ten­tar o tí­tu­lo de melhor nu­ma sé­rie de pra­tos tra­di­ci­o­nais. Bem per­to, em Mo­re­a­nes, há o Alen­te­jo, tam­bém mui­to bem co­ta­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.