Qual é o pi­or dia para exis­tir?

Pe­di­mos des­cul­pa por dis­tor­cer as pa­la­vras de Quim Bar­rei­ros, mas é pro­vá­vel que so­fra de um des­gos­to de­pois de ler es­te ar­ti­go.

GQ (Portugal) - - Culto - Por Mó­ni­ca Bo­zi­nos­ki.

Ho­je é se­gun­da-fei­ra. Ho­je, de­pen­den­do de quem per­gun­tar e de quem res­pon­der, é o pi­or dia da se­ma­na. Ho­je, de­pen­den­do de qu­an­do pe­gar nes­ta re­vis­ta, é quar­ta-fei­ra ou sex­ta-fei­ra ou do­min­go. Se for quar­ta-fei­ra, é pos­sí­vel que al­guém lhe di­ga al­go co­mo: “Eu odeio quar­tas, odeio. Es­tás ali a meio da se­ma­na. Já can­sa­da, por­que se­gun­da e ter­ça; es­pe­ran­ço­sa, por­que já vai a meio; der­ro­ta­da por­que, afi­nal, ain­da fal­tam três di­as do de­mo. Per­gun­tas que im­por­tam: se­rá a quar­ta-fei­ra o pi­or dia da se­ma­na?” Se per­gun­tar à pes­soa que co­lo­cou es­ta ques­tão, pes­soa es­sa que por aca­so se sen­ta ao meu la­do es­quer­do na re­da­ção, a res­pos­ta é, ob­vi­a­men­te, sim. Es­ta pes­soa, sur­pre­en­den­te­men­te ou não, não está so­zi­nha: em 2009, dois pro­fes­so­res da Uni­ver­si­da­de de Ver­mont ana­li­sa­ram as pa­la­vras usa­das por 2,4 mi­lhões de uti­li­za­do­res de pla­ta­for­mas so­ci­ais, en­tre elas o Twit­ter, me­din­do-lhes a po­si­ti­vi­da­de ou ne­ga­ti­vi­da­de. Aqui­lo que Ch­ris­topher Dan­forth e Pe­ter Dodds con­cluí­ram, se­gun­do o The Te­le­graph, é que “os fins de se­ma­na ten­dem a ser re­la­ti­va­men­te fe­li­zes e as quar­tas-fei­ras re­ve­la­ram-se o dia mais tris­te”. Dez anos de­pois, pe­lo me­nos para al­guns, es­ta­mos na mes­ma. Mas, no ca­so de ser sex­ta-fei­ra e não quar­ta-fei­ra, é pos­sí­vel que a fe­li­ci­da­de es­te­ja no ar, mas o des­can­so não: de acor­do com um es­tu­do da apli­ca­ção Achi­e­ve­ment, con­du­zi­do em 2017 e a que res­pon­de­ram mais de 40 mil mem­bros, as pes­so­as dor­mem me­nos à sex­ta-fei­ra à noi­te (cer­ca de seis ho­ras, para ser­mos mais pre­ci­sos), sen­do as noi­tes de do­min­go aque­las em que o des­can­so é mai­or (mais de se­te ho­ras de so­no, em mé­dia). Se a quar­ta e a sex­ta já ti­ve­rem pas­sa­do e es­ti­ver a vi­ver no pre­sen­te de do­min­go, en­tão é bem pos­sí­vel que es­te­ja ocu­pa­do com ou­tra coi­sa que não es­ta re­vis­ta. Is­to por­que, de acor­do com um inqué­ri­to con­du­zi­do a du­as mil pes­so­as no Rei­no Uni­do, as no­ve ho­ras de um do­min­go de ma­nhã são a al­tu­ra pre­fe­ren­ci­al para ter se­xo. Porquê tão ce­do? E porquê do­min­go? “Uma pes­qui­sa rá­pi­da no Go­o­gle é a pro­va de que eu não es­tou so­zi­nha nes­ta coi­sa dos Horny Sun­days”, es­cre­veu Sophia Be­noit no ar­ti­go Sun­day Is the Hor­ni­est Day (em por­tu­guês, O do­min­go é o dia mais ex­ci­tan­te), pu­bli­ca­do na edi­ção nor­te-ame­ri­ca­na da GQ. “No que diz res­pei­to ao porquê de tan­tos de nós sen­tir­mos es­tes de­se­jos no úl­ti­mo dia do fim de se­ma­na, as te­o­ri­as são mui­tas. Al­guns su­ge­rem o abor­re­ci­men­to, ou a ne­ces­si­da­de ge­ne­ra­li­za­da de re­la­xar, co­mo um fa­tor de­ter­mi­nan­te. Ou­tros de­fen­dem que o dia é tão mau que es­ta­res ex­ci­ta­do é a tua úni­ca op­ção. Uma pes­soa che­gou ao pon­to de cul­par as ima­gens mais su­ges­ti­vas que es­tão nas igre­jas, o que é... ok!” Tam­bém fi­ca­mos sem pa­la­vras de­pois de ler is­to .

Mas vol­tan­do a se­gun­da-fei­ra. Em 2005, Cliff Ar­nall, psi­có­lo­go da Uni­ver­si­da­de de Car­diff, no Rei­no Uni­do, te­o­ri­zou o in­fa­me con­cei­to da Blue Mon­day. Se­gun­do Ar­nall, e gra­ças a uma equa­ção que com­bi­na fa­to­res co­mo as con­di­ções cli­ma­té­ri­cas da épo­ca, as dí­vi­das con­traí­das du­ran­te as fes­ti­vi­da­des de Na­tal e Ano No­vo, o sa­lá­rio men­sal, a ideia de que a épo­ca na­ta­lí­cia já pas­sou há umas qu­an­tas se­ma­nas e a per­ce­ção de que va­mos ter que es­pe­rar uns bons me­ses até que ela vol­te, o fac­to de já ter pas­sa­do tem­po su­fi­ci­en­te para per­ce­ber­mos que fa­lhá­mos (uma vez mais, que sur­pre­sa) nas nos­sas re­so­lu­ções para o no­vo ano, os bai­xos ní­veis de mo­ti­va­ção e a sen­sa­ção de que ain­da não fi­ze­mos mudanças sig­ni­fi­ca­ti­vas para atin­gir aqui­lo que que­re­mos atin­gir no ano em ques­tão, a ter­cei­ra se­gun­da-fei­ra do mês de ja­nei­ro é “o dia mais de­pri­men­te do ano”. A pri­mei­ra Blue Mon­day foi a 24 de ja­nei­ro de 2005, ano em que es­sa no­ção foi in­tro­du­zi­da pe­lo psi­có­lo­go, a do cor­ren­te ano ca­lhou no dia 21 de ja­nei­ro, e a pi­or até à da­ta foi a de 16 de ja­nei­ro de 2017 – cau­sa­da pe­la hor­rí­fi­ca an­si­e­da­de fa­ce a acon­te­ci­men­tos co­mo o Bre­xit, a elei­ção de Do­nald Trump para a Pre­si­dên­cia dos Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca e a mor­te re­cen­te de ce­le­bri­da­des ado­ra­das pe­lo gran­de público, co­mo Ge­or­ge Mi­cha­el e Car­rie Fisher, a eter­na Prin­ce­sa Leia de A Guer­ra das Es­tre­las. Ape­sar de o mês de ja­nei­ro ser uma al­tu­ra em que as nos­sas car­tei­ras es­tão mais des­gas­ta­das de­pois da­que­les shots a mais no ré­veil­lon, e de se­gun­da-fei­ra ser, bom, se­gun­da-fei­ra, não de­mo­rou mui­to até que a te­o­ria de Ar­nall fos­se des­mas­ca­ra­da co­mo uma “in­te­li­gen­te” ma­no­bra de mar­ke­ting da agên­cia

Sky Tra­vel para ven­der vi­a­gens ao es­tran­gei­ro. Um con­cei­to sem qual­quer fun­da­men­to, que mui­tos ci­en­tis­tas des­cre­ve­ram co­mo “sem sen­ti­do” e “ri­dí­cu­lo”. Uma sim­ples fon­te de me­mes para sa­ci­ar a Internet e aju­dar o mais co­mum dos mor­tais a ter pi­a­da nas re­des so­ci­ais. Até o pró­prio Ar­nall con­fes­sou que a fór­mu­la é, es­sen­ci­al­men­te, pseu­do­ci­ên­cia, e pe­diu aos bri­tâ­ni­cos que re­fu­tas­sem por com­ple­to a no­ção do Blue Mon­day. Va­mos re­fu­tar – mas só mes­mo por­que é se­gun­da-fei­ra, por­que a li­nha do me­tro es­ta­va com per­tur­ba­ções, por­que ti­ve­mos que en­cher o de­pó­si­to da má­qui­na de ca­fé as­sim que che­gá­mos ao es­cri­tó­rio, por­que o mun­do está con­tra nós e nós es­ta­mos con­tra ele.

Por­que é que odi­a­mos tan­to a se­gun­da-fei­ra, per­gun­ta? Eu apos­ta­ria no fac­to de ter­mos si­do con­di­ci­o­na­dos a acre­di­tar que o pri­mei­ro dia de­pois do fim de se­ma­na é o pi­or de to­dos os di­as. Mas di­ver­sas fon­tes ci­en­tí­fi­cas apon­tam para o fac­to de os nos­sos pa­drões de so­no es­ta­rem de­ses­ta­bi­li­za­dos por cau­sa da­que­las ho­ras que dor­mi­mos a mais no fim de se­ma­na, con­fun­din­do o nos­so re­ló­gio “na­tu­ral” e fa­zen­do com que nos sin­ta­mos mais can­sa­dos qu­an­do o des­per­ta­dor to­ca à se­gun­da-fei­ra de ma­nhã. Ou­tras di­zem que é o dia em que nos sen­ti­mos mais mal con­nos­co mesmos, em que nos sen­ti­mos me­nos atra­en­tes e me­nos sau­dá­veis – pro­va­vel­men­te por cau­sa da­que­la te­qui­la que não de­vía­mos ter be­bi­do na sex­ta à noi­te, mas quem é que está a con­tar, cer­to? De­pois exis­te aque­le pe­que­no fa­tor de (se­gun­do um inqué­ri­to con­du­zi­do pe­la em­pre­sa Gal­lup) 70% das pes­so­as odi­a­rem ou, no melhor dos ce­ná­ri­os, se sen­ti­rem “com­ple­ta­men­te des­li­ga­das” dos seus em­pre­gos. Aque­la an­si­e­da­de e tris­te­za sú­bi­ta no do­min­go à noi­te, que leva à fal­ta de pro­du­ti­vi­da­de na se­gun­da-fei­ra? Exa­to, é es­sa mes­ma. Mas tam­bém há quem não quei­ra que se­gun­da-fei­ra se­ja a má da fi­ta para sem­pre, e de­fen­da que te­mos a mes­ma ne­ga­ti­vi­da­de em re­la­ção aos res­tan­tes di­as da se­ma­na – to­dos me­nos sex­ta-fei­ra, sex­ta-fei­ra é ami­ga. De acor­do com um es­tu­do pu­bli­ca­do pe­lo The Jour­nal of Po­si­ti­ve Psy­cho­logy, re­sul­tan­te de um inqué­ri­to a 340 mil ci­da­dãos nor­te-ame­ri­ca­nos, aque­la “cara de se­gun­da-fei­ra” tam­bém é aque­la “cara de ter­ça, quar­ta e quin­ta-fei­ra” por­que, na ver­da­de, as pes­so­as odei­am to­dos es­ses di­as, da mes­ma for­ma que odei­am se­gun­da-fei­ra. O úni­co dia que não me­re­ce a nos­sa pi­or cara, sem sur­pre­sa, é a sex­ta-fei­ra – o dia que an­te­ce­de o fim de se­ma­na e, con­se­quen­te­men­te, o dia em que as pes­so­as ex­pres­sam mais fe­li­ci­da­de e me­nos tris­te­za. Mas a sex­ta-fei­ra, ho­je, está de­ma­si­a­do lon­ge. E ama­nhã ain­da é ter­ça-fei­ra. E de­pois vem o “dia do de­mo”, a quar­ta-fei­ra, se­gui­da da quin­ta-fei­ra, aque­le dia que nem é car­ne, nem é pei­xe. Nós avi­sá­mos que ia sen­tir um des­gos­to de­pois de ler is­to.

Ao con­trá­rio da cren­ça po­pu­lar, as ter­ças, as quar­tas e as quin­tas são tão más qu­an­to as se­gun­das-fei­ras.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.