SE­XO

GQ (Portugal) - - Sumário -

Acre­di­ta que o nú­me­ro de ve­zes que o faz por se­ma­na é di­re­ta­men­te pro­por­ci­o­nal à sua fe­li­ci­da­de? Re­ve­la­ção cho­can­te: es­tá en­ga­na­do.

Apa­ren­te­men­te, os nor­te-ame­ri­ca­nos es­tão a fa­zer me­nos se­xo do que as ge­ra­ções pas­sa­das. A cul­pa do de­clí­nio da li­bi­do mil­len­ni­al po­de­rá ser da pai­sa­gem po­lí­ti­ca, do mau aces­so ao con­tro­lo de na­ta­li­da­de, da por­no­gra­fia ili­mi­ta­da na In­ter­net, ou da gig eco­nomy [eco­no­mia de bis­ca­tes], mas nin­guém sa­be ao cer­to. In­de­pen­den­te­men­te da ra­zão, os ame­ri­ca­nos an­dam a pi­nar me­nos. Sen­do eu uma das cin­co pes­so­as mais te­su­das de to­dos os tem­pos, is­to pre­o­cu­pou-me ini­ci­al­men­te, mas afi­nal po­de­rá não ser tão gra­ve co­mo is­so.

É ver­da­de que não fa­zer se­xo, de to­do, ou so­frer um de­clí­nio acen­tu­a­do na ati­vi­da­de se­xu­al po­de­rá ser si­nal de uma re­la­ção in­fe­liz. Se pre­ci­sar de mais pro­vas, bas­ta ir es­prei­tar o ter­ror ab­so­lu­to do gru­po do Red­dit r/De­adBe­dro­oms. Se­gun­do es­tu­dos ci­en­tí­fi­cos re­cen­tes, po­rém, o seu ami­go que se ga­ba de ter um bro­che to­das as ma­nhãs não de­ve ser mais fe­liz do que vo­cê.

À se­me­lhan­ça do que acon­te­ce com la­var o ca­be­lo, vo­cê não pre­ci­sa de fa­zer se­xo com a frequên­cia que pen­sa – pe­lo me­nos se­gun­do um es­tu­do pu­bli­ca­do em 2015 na So­ci­al Psy­cho­lo­gi­cal and Per­so­na­lity Sci­en­ce, que su­ge­re que tu­do o que se­ja mais do uma vez por se­ma­na é um exa­ge­ro, so­bre­tu­do se não es­ti­ver mes­mo a di­ver­tir-se. Is­to po­de pa­re­cer ób­vio, mas exis­te uma cren­ça per­sis­ten­te se­gun­do a qual a quan­ti­da­de de se­xo es­tá di­re­ta­men­te cor­re­la­ci­o­na­da com a fe­li­ci­da­de de um ca­sal, sem te­to má­xi­mo. Se­ja co­mo for, a mai­o­ria dos ca­sais com re­la­ções du­ra­dou­ras faz se­xo cer­ca de uma vez por se­ma­na e um tí­pi­co ca­sal ca­sa­do faz se­xo 51 ve­zes por ano. Os ca­sa­dos não só fa­zem mais se­xo do que os sol­tei­ros, co­mo as de­mons­tra­ções de afe­to não es­tri­ta­men­te se­xu­ais, co­mo dar a mão ou um bei­jo, são me­lho­res in­di­ca­do­res de que es­tá “in­ten­sa­men­te” apai­xo­na­do pe­lo seu com­pa­nhei­ro do que a frequên­cia com que faz se­xo.

Re­cen­te­men­te, uma das mi­nhas ami­gas fi­cou cho­ca­da – hor­ro­ri­za­da – quan­do lhe dis­se que eu e o meu na­mo­ra­do não fa­zía­mos se­xo há al­gu­mas se­ma­nas. Nós es­ta­mos óti­mos, mas es­tou a so­frer com al­guns pro­ble­mas de saú­de (que ten­dem a dar-me ca­bo do ape­ti­te) e an­da­mos am­bos ocu­pa­dos, por is­so, sim­ples­men­te, não se tem pro­por­ci­o­na­do. Já ela e o seu na­mo­ra­do, com qu­em es­tá há qua­tro anos, fa­zi­am se­xo to­dos os di­as. Inau­di­to! Ad­mi­to que ti­ve ciú­mes, mas não me sen­ti mi­ni­ma­men­te com­pe­ti­ti­va. Quer di­zer, em te­o­ria, es­tou per­fei­ta­men­te dis­pos­ta a fa­zer se­xo to­dos os di­as. Pen­so na­que­las fo­to­gra­fi­as de Ja­ke Gyl­le­nha­al a ou­vir Rihan­na e fi­co ex­ci­ta­da e in­qui­e­ta. En­tão, por­que não es­ta­va a fa­zer tan­to se­xo co­mo ela? Con­ver­sei me­lhor com a mi­nha ami­ga (ou se­ja, in­ter­ro­guei-a) e fi­quei com mui­to me­nos in­ve­ja. Afi­nal, ela an­da­va a fi­car abor­re­ci­da a meio do se­xo, o que é ain­da mais ini­ma­gi­ná­vel pa­ra mim do que ter tem­po e ener­gia pa­ra fa­zer se­xo to­dos os di­as. Eles ter­mi­na­ram a re­la­ção al­gu­mas se­ma­nas de­pois da nos­sa con­ver­sa, o que tal­vez não sur­pre­en­da nin­guém.

Fiz um pe­que­no inqué­ri­to na­da ci­en­tí­fi­co a cer­ca de 40 pes­so­as no Twit­ter (de to­dos os gé­ne­ros e com to­dos os ti­pos de re­la­ção), per­gun­tan­do-lhes com que frequên­cia fa­zi­am se­xo, se es­ta mu­da­va ao lon­go do tem­po e se eram fe­li­zes. Qua­se to­das as respostas se en­qua­dra­ram nu­ma de três ca­te­go­ri­as. Pri­mei­ra: as pes­so­as sol­tei­ras, sem um par­cei­ro ha­bi­tu­al, que fa­zi­am se­xo uma vez por mês ou me­nos, e que, na sua mai­o­ria, de­se­ja­vam fa­zer mais, ou que ti­nham um par­cei­ro mo­no­gâ­mi­co. (Uma mu­lher com vá­ri­os par­cei­ros dis­se que fa­zia se­xo cer­ca de qua­tro ve­zes por se­ma­na, uma ver­da­dei­ra mes­tre em ges­tão se­xu­al. O gru­po se­guin­te era com­pos­to por pes­so­as com re­la­ções mo­no­gâ­mi­cas que fa­zi­am se­xo 3-6 ve­zes por se­ma­na. A mai­o­ria eram jo­vens e ti­nham re­la­ções re­cen­tes – pes­so­as na ca­sa dos vin­te anos com na­mo­ros de 5 me­ses). To­das se sen­ti­am sa­tis­fei­tas com a quan­ti­da­de de se­xo que fa­zi­am, mas, por ve­zes, di­zi­am que a frequên­cia di­mi­nuía se es­ti­ves­sem stres­sa­dos ou com pou­co tem­po li­vre.

O úl­ti­mo gru­po – e, de lon­ge, o mai­or – era for­ma­do por pes­so­as com re­la­ções de lon­go pra­zo com um par­cei­ro ha­bi­tu­al que fa­zi­am se­xo uma vez por se­ma­na ou de du­as em du­as se­ma­nas. Na sua mai­o­ria, di­zi­am es­tar sa­tis­fei­tos, mas mui­tos afir­ma­ram que acha­vam que de­ve­ri­am fa­zer mais se­xo, mas que a vi­da se me­tia pe­lo ca­mi­nho. (Sur­pre­en­den­te­men­te, um dos im­pe­di­men­tos mais fre­quen­te­men­te men­ci­o­na­dos foi pro­ble­mas de saú­de.) A ideia de não es­ta­rem a fa­zer se­xo “su­fi­ci­en­te” pa­re­cia de­ri­var da ideia de já te­rem fei­to mais. Sem ex­ce­ção, to­dos dis­se­ram que pi­na­vam mui­to mais no iní­cio da re­la­ção.

De um mo­do ge­ral, as pes­so­as não são mui­to bo­as a man­ter um vo­lu­me ele­va­do de se­xo de­pois da fa­se da lua de mel. O pe­río­do de li­me­rên­cia, ter­mo cu­nha­do pe­la psi­có­lo­ga Do­rothy Ten­nov, re­pre­sen­ta os pri­mei­ros 18 a 24 me­ses de uma re­la­ção, em que ado­ra­mos (ou ig­no­ra­mos) tu­do o que o nos­so com­pa­nhei­ro faz, in­cluin­do nun­ca fe­char os ar­má­ri­os da co­zi­nha e fa­lar so­bre The Ba­che­lo­ret­te, por­que o nos­so cé­re­bro es­tá ex­ci­ta­dís­si­mo com a pai­xão. Pas­sa­do es­se tem­po, a quí­mi­ca ce­re­bral al­te­ra-se, a ex­ci­ta­ção di­mi­nui e o ca­sal co­me­ça a ado­tar pa­drões mais es­tá­veis – que in­clu­em di­mi­nuir a frequên­cia do ato se­xu­al.

En­quan­to so­ci­e­da­de, te­mos uma cren­ça qua­se pa­to­ló­gi­ca em re­la­ção à quan­ti­da­de de se­xo que de­ve­mos fa­zer – há pou­cos exem­plos de ca­sais fe­li­zes que te­nham von­ta­de de pas­sar 48 mi­nu­tos em pre­li­mi­na­res nu­ma noi­te de ter­ça-fei­ra e que se amem na mes­ma. Es­pe­ra-se que os ho­mens, em par­ti­cu­lar, vi­vam num cons­tan­te es­ta­do de te­são e, além dis­so, as­so­cia-se di­re­ta­men­te a frequên­cia com que fa­zem se­xo à sua mas­cu­li­ni­da­de. No ca­so das mu­lhe­res, exis­te uma pres­são pa­ra “sa­tis­fa­ze­rem” se­xu­al­men­te o seu par­cei­ro, não vá ele pro­cu­rar se­xo nou­tro sí­tio, qua­se co­mo se o se­xo tal fi­zes­se par­te do car­go – com­pa­rá­vel com ter co­nhe­ci­men­tos avan­ça­dos de Mi­cro­soft Ex­cel.

An­da­mos to­dos atrás de uma quo­ta de se­xo fic­ci­o­na­da – uma quo­ta que ne­nhum de nós cum­pre, mas que tem a cer­te­za que os ou­tros cum­prem.

No en­tan­to, os ca­sais pa­re­cem não se im­por­tar com os hi­a­tos, des­de que con­ti­nu­em a fa­zer se­xo. Por is­so, en­tre­gue-se ao pra­zer com na­tu­ra­li­da­de, sem­pre que vo­cê e o seu com­pa­nhei­ro qui­se­rem e não se pre­o­cu­pe com o nú­me­ro ima­gi­ná­rio que acha que de­ve­ria atin­gir to­das as se­ma­nas. Ser-se de­ma­si­a­do du­ro (pi­a­da in­ten­ci­o­nal) con­si­go mes­mo só re­sul­ta em se­xo abor­re­ci­do e superficia­l em vez da­que­le se­xo es­cal­dan­te do es­ti­lo te­nho fo­me de ti. Fa­zer uma to­ne­la­da de se­xo não cria uma boa re­la­ção, nem me­lho­ra uma re­la­ção com pro­ble­mas, mas as re­la­ções sau­dá­veis ten­dem, na­tu­ral­men­te, a en­vol­ver mais se­xo.

Por is­so, des­con­traia, abra um vi­nho e ador­me­ça no so­fá a ver aque­le no­vo do­cu­men­tá­rio so­bre os Pa­na­ma Pa­pers. Vo­cês já fi­ze­ram se­xo su­fi­ci­en­te es­ta se­ma­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.