ES­PE­RAN­ÇA E GRA­TI­DÃO

GQ (Portugal) - - Vozes - CAPELINHA DAS APA­RI­ÇÕES BRU­NO VI­EI­RA AMA­RAL

Cis­mo, por ve­zes, no que di­rão de nós os fu­tu­ros his­to­ri­a­do­res. Bas­tar-lhes-á uma fra­se pa­ra de­fi­nir o ho­mem mo­der­no: for­ni­ca­va e lia jor­nais. De­pois des­ta for­te de­fi­ni­ção, o as­sun­to fi­ca­rá, se as­sim me pos­so ex­pri­mir, es­go­ta­do.” As pa­la­vras fo­ram es­cri­tas por Al­bert Ca­mus, po­dem ser li­das em A Que­da, pu­bli­ca­do em 1956, mas, por uma ques­tão de ho­nes­ti­da­de li­te­rá­ria, de­vem ser atri­buí­das ao nar­ra­dor do ro­man­ce, Je­an-Bap­tis­te Cla­men­ce, “juiz-pe­ni­ten­te”, co­mo o pró­prio se de­fi­ne.

Ses­sen­ta e três anos de­pois, o ho­mem mo­der­no for­ni­ca me­nos do que nun­ca e pou­cos jor­nais lê. A re­ces­são do se­xo no Oci­den­te, e as su­as di­fe­ren­tes cau­sas, foi te­ma de capa há uns me­ses na Atlan­tic. A cri­se dos jor­nais é as­sun­to re­cor­ren­te nos jor­nais e é dos que mais en­tu­si­as­mam os pró­pri­os jor­na­lis­tas, que correm tu­do o que é con­fe­rên­cia, pa­les­tra e mesa-re­don­da so­bre a cri­se do jor­na­lis­mo, o fu­tu­ro do jor­na­lis­mo, a so­bre­vi­vên­cia do jor­na­lis­mo, a in­de­pen­dên­cia do jor­na­lis­mo, pa­ra on­de vai o jor­na­lis­mo, o jor­na­lis­mo, o jor­na­lis­mo. Co­mo lei­tor de jor­nais, es­te de­ba­te já me in­te­res­sou, mas ca­da vez lhe dou me­nos im­por­tân­cia. Con­fes­so que ver um cão a per­se­guir a pró­pria cau­da tem al­gu­ma pi­a­da, mas o me­lhor é que o cão vá de­sen­ter­rar os­sos no quin­tal. Da mes­ma for­ma, o jor­na­lis­ta de­ve, em pri­mei­ro lu­gar, pre­o­cu­par-se em de­sen­ter­rar es­sas bo­as his­tó­ri­as. E olhem que às ve­zes nem é pre­ci­so es­gra­va­tar mui­to.

Cla­ro que um jor­nal diá­rio tem mui­ta pa­lha in­for­ma­ti­va, no­tí­ci­as de­sin­te­res­san­tes (uma con­tra­di­ção nos ter­mos), re­pro­du­ção de co­mu­ni­ca­dos, o amém à agen­da de par­ti­dos e ins­ti­tui­ções, mas tam­bém é pos­sí­vel en­con­trar pé­ro­las que nem pre­ci­sam do em­bru­lho es­pam­pa­nan­te do jor­na­lis­mo li­te­rá­rio ou da re­por­ta­gem pre­sun­ço­sa do di­to jor­na­lis­mo de cau­sas pa­ra se fa­ze­rem no­tar. Bas­ta-lhes o bri­lho pró­prio da aten­ção ao que é hu­ma­no. No pas­sa­do dia 21 de agos­to, em ple­na silly se­a­son, en­con­trei três des­sas pé­ro­las em dois jor­nais di­fe­ren­tes, o Pú­bli­co e A Bo­la.

No jor­nal des­por­ti­vo a pé­ro­la era uma en­tre­vis­ta a um dos ju­do­cas por­tu­gue­ses pre­sen­tes no cam­pe­o­na­to do mun­do no Ja­pão. Ro­dri­go Lo­pes, 23 anos, pra­ti­can­te de ju­do des­de os 7, nas­ceu no Bra­sil e na­tu­ra­li­zou-se por­tu­guês. Em 2015, ain­da no Bra­sil, te­ve uma lesão gra­ve e foi-lhe im­plan­ta­do um pa­ra­fu­so de ti­tâ­nio de 10 cen­tí­me­tros na co­lu­na. Ape­sar dis­so, não de­sis­tiu. Já em Por­tu­gal, pa­ra con­se­guir os pon­tos su­fi­ci­en­tes no ran­king pa­ra ir ao mun­di­al, te­ve de fi­nan­ci­ar as su­as par­ti­ci­pa­ções em pro­vas na Eu­ro­pa. Sem di­nhei­ro pa­ra os ho­téis ofi­ci­ais, usou uma apli­ca­ção pa­ra se alo­jar em ca­sas par­ti­cu­la­res. Pa­ra com­pe­tir na Es­lo­vé­nia, foi de avião até Itá­lia e, daí, se­guiu de au­to­car­ro pa­ra Liu­bli­a­na. Fi­cou em no­no lu­gar, apa­nhou um avião pa­ra Ma­drid, on­de es­pe­rou 22 ho­ras pe­lo au­to­car­ro com des­ti­no a Lis­boa. Quan­do o jor­na­lis­ta lhe per­gun­tou que re­cei­os ti­nha pa­ra o mun­di­al, res­pon­deu: “Não te­nho re­cei­os. Ape­nas gra­ti­dão.”

No Pú­bli­co, o jor­na­lis­ta Már­cio Be­ren­guer fa­lou com os se­te pes­ca­do­res do Ca­ni­çal, na Ma­dei­ra, que ti­nham an­da­do à de­ri­va du­ran­te qua­tro di­as e três noi­tes nu­ma bal­sa sem man­ti­men­tos até se­rem res­ga­ta­dos pe­la For­ça Aé­rea. Ti­nham ter­ra à vis­ta, mas o sal­va­men­to não foi lo­go ati­va­do. Pa­ra en­ga­nar o de­ses­pe­ro e a fo­me, con­ta­vam his­tó­ri­as uns aos ou­tros, pla­ne­a­vam as­sal­tos a lo­jas de co­mi­da. À noi­te, à fal­ta de man­tas tér­mi­cas, dor­mi­am abra­ça­dos. A se­de obri­gou-os a be­ber a pró­pria uri­na. Fi­nal­men­te, após 80 ho­ras, fo­ram avis­ta­dos e res­ga­ta­dos. Gre­gó­rio, o mes­tre da em­bar­ca­ção nau­fra­ga­da, pen­sa­va nos ho­mens que os sal­va­ram: “Que­ria po­der agra­de­cer àque­les ra­pa­zes. Bons ra­pa­zes.”

Na mes­ma edi­ção do Pú­bli­co, Jo­a­na Gor­jão Hen­ri­ques da­va-nos a co­nhe­cer a his­tó­ria de Car­los Nu­nes, um mo­to­ris­ta de 47 anos, pai de cin­co fi­lhos, que nun­ca ti­rou fé­ri­as a sé­rio. Co­mo ga­nha o or­de­na­do mí­ni­mo, o tem­po li­vre que tem usa-o pa­ra bis­ca­tes es­sen­ci­ais pa­ra sus­ten­tar a fa­mí­lia. Acre­di­ta que um dia lhe há de sair o Eu­ro­mi­lhões, mas o que lhe faz bri­lhar os olhos é es­sa ideia de fé­ri­as: “De­ve ser uma sen­sa­ção do ou­tro mun­do. Acor­dar de ma­nhã e di­zer: ‘Não te­nho na­da pa­ra fa­zer, vou pa­ra a praia dar uns mer­gu­lhos.’ Não sei o que é. Quan­do olho pa­ra a te­le­vi­são e ve­jo aque­les pa­raí­sos, fi­co: ‘Quan­do se­rá pos­sí­vel ter fé­ri­as?’”

No mer­ca­do ge­ral das emo­ções, a em­pa­tia tor­nou-se mo­e­da cor­ren­te. To­da a gen­te quer exi­bir em­pa­tia co­mo qu­em exi­be uma con­de­co­ra­ção e an­da sem­pre à pro­cu­ra dos al­vos con­for­tá­veis so­bre os quais der­ra­mar es­sa for­ma tó­xi­ca, nar­ci­sis­ta e egoís­ta da an­ti­ga com­pai­xão. As his­tó­ri­as do ju­do­ca Ro­dri­go, do mes­tre Gre­gó­rio e do mo­to­ris­ta Car­los que so­nha com uma se­ma­na de fé­ri­as, não des­per­ta­ram a mi­nha em­pa­tia, an­tes a mi­nha in­ve­ja. Ao re­sis­ti­rem a ad­ver­si­da­des em com­pa­ra­ção com as quais os meus pro­ble­mas me pa­re­cem fú­teis, es­tes ho­mens têm mais pa­ra me en­si­nar do que a co­mo­ção fá­cil e um tan­to so­bran­cei­ra, re­cli­na­da no pri­vi­lé­gio, a que, por vai­da­de, cha­ma­mos em­pa­tia. Afi­nal, eles têm aqui­lo que mais de­se­jo pos­suir: es­pe­ran­ça e gra­ti­dão.

TO­DA A GEN­TE QUER EXI­BIR EM­PA­TIA CO­MO QU­EM EXI­BE UMA CON­DE­CO­RA­ÇÃO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.