Long ink sle­e­ves

Mais do que bra­ços to­tal­men­te ra­bis­ca­dos, as man­gas são mem­bros en­vol­tos em ar­te que es­pe­lham um sen­ti­do es­té­ti­co, uma pre­fe­rên­cia vi­su­al e, cla­ro, uma ati­tu­de. Es­te é o tu­to­ri­al de ta­tu­a­gens que diz: Go big or go ho­me.

GQ (Portugal) - - Corpo - Por Jo­a­na Mo­rei­ra.

Fa­zer uma man­ga com­ple­ta (da ex­pres­são in­gle­sa, full sle­e­ve), is­to é, uma tatuagem que co­bre to­do o bra­ço, do om­bro ao pul­so, ao pon­to de se as­se­me­lhar a uma au­tên­ti­ca man­ga, tem uma ci­ên­cia. É pre­ci­so pe­rí­cia a de­ter­mi­nar es­tra­te­gi­ca­men­te on­de po­si­ci­o­nar ca­da tatuagem. É, mui­tas ve­zes, uma es­co­lha pen­sa­da e re­fle­ti­da. É, não ra­ras ve­zes, uma de­ci­são emo­ci­o­nal. É, ou­tras ve­zes, uma re­so­lu­ção mais ir­re­qui­e­ta, se­den­ta por im­pri­mir exu­be­rân­cia na pe­le, ten­do em men­te a har­mo­nia vi­su­al. Es­co­lher a pes­soa certa, al­guém ca­paz de ma­te­ri­a­li­zar uma vi­são, ou, ide­al­men­te, aju­dar a cons­truí-la, é uma boa for­ma de co­me­çar. Há qu­em abor­de um ta­tu­a­dor com uma ideia pre­de­fi­ni­da. Ou­tros pre­fe­rem dei­xar nas mãos – e na cri­a­ti­vi­da­de – dos pro­fis­si­o­nais. Dou­glas Car­do­so, ta­tu­a­dor (@dcar­do­so­tat­too), ex­pli­ca que a mai­o­ria dos cli­en­tes que che­gam ao seu es­tú­dio, no cen­tro da Bai­xa Pom­ba­li­na, com a ideia de fa­zer uma sle­e­ve vai re­ce­ti­va ao fe­ed­back. Ou­tros “vão lo­go com tu­do ide­a­li­za­do e eu aca­bo só por ten­tar in­ter­pre­tar o me­lhor ca­mi­nho es­té­ti­co pos­sí­vel pa­ra que a ideia fun­ci­o­ne bem co­mo tatuagem”, ex­pli­ca.

Os que já sa­bem que even­tu­al­men­te que­rem uma sle­e­ve tat­too são mui­tas ve­zes acon­se­lha­dos a co­me­çar por ta­tu­ar o om­bro. Dou­glas, no en­tan­to, tem ou­tra abor­da­gem. “[O iní­cio] po­de ser por qual­quer zo­na, mas, eu gos­to de co­me­çar pe­lo co­to­ve­lo. Acho que é uma pe­le mui­tas ve­zes des­pre­za­da e dei­xa­da pa­ra úl­ti­mo por ser uma do­bra ou ar­ti­cu­la­ção, mas que se for bem apli­ca­da tem um po­der vi­su­al que cur­to imen­so ver nas man­gas com­ple­tas.”

Man­gas com­ple­tas, avi­sa o ta­tu­a­dor des­de lo­go, não se fa­zem nu­ma ses­são ape­nas. “Uma boa tatuagem acre­di­to que não [se­ja pos­sí­vel]. To­do o bom tra­ba­lho le­va tem­po e disciplina en­tre am­bos os la­dos, cli­en­tes e ta­tu­a­dor.” Se­gun­do Dou­glas, é sem­pre pre­ci­so ava­li­ar ca­so a ca­so, mas uma man­ga in­tei­ra po­de le­var en­tre 20 E 30 ho­ras, “di­vi­di­das em ses­sões de apro­xi­ma­da­men­te três ho­ras a ta­tu­ar, mais o tem­po de de­se­nho”. Além dis­so, é ne­ces­sá­rio um in­ter­va­lo tem­po­ral con­si­de­rá­vel en­tre ses­sões. “Quin­ze di­as ge­ral­men­te é um tem­po sau­dá­vel pa­ra ter a pe­le ci­ca­tri­za­da e pron­ta p'ra re­ce­ber tin­ta no­va­men­te”, as­se­gu­ra.

Mais do que um ser­vi­ço, o pro­ces­so de cons­truir uma man­ga tam­bém po­de com­por­tar uma ex­pe­ri­ên­cia as­so­ci­a­da. Do es­tú­dio de Dou­glas ecoa rock dos anos 60, e uma au­ra de tran­qui­li­da­de em tu­do di­fe­ren­te dos es­tú­di­os on­de o zum­bi­do de múl­ti­plas má­qui­nas de tatuagem em si­mul­tâ­neo im­pe­ra. “Quan­do fa­ço ses­sões, cos­tu­mo pas­sar praticamen­te o dia to­do com o cli­en­te, não só ex­clu­si­va­men­te a ta­tu­ar, mas a con­vi­ver, é um tra­ba­lho em con­jun­to on­de ca­da um tem ne­ces­si­da­des e tem­pos di­fe­ren­tes”, ex­pli­ca.

Em to­do o ca­so, quan­do se vai fa­zer uma tatuagem ten­do co­mo ob­je­ti­vo fi­nal uma sle­e­ve é im­por­tan­te avi­sar o ta­tu­a­dor es­co­lhi­do, pa­ra que a pe­ça a re­a­li­zar nes­se dia pos­sa de­pois con­vi­ver har­mo­ni­o­sa­men­te com as fu­tu­ras. “De qual­quer for­ma, cos­tu­mo pen­sar na tatuagem com o me­lhor apro­vei­ta­men­to de pe­le pos­sí­vel, a con­si­de­rar uma pos­sí­vel sequên­cia, mes­mo que a pes­soa a ser ta­tu­a­da não pen­se nis­so na al­tu­ra, fu­tu­ra­men­te ela po­de vir a pen­sar, por is­so fa­ço ques­tão de acon­se­lhar”, con­ta.

Qu­an­to a es­co­lher um ta­tu­a­dor ou vá­ri­os, não há respostas er­ra­das. Va­le es­co­lher um ar­tis­ta e dei­xá-lo pre­en­cher to­do o bra­ço co­mo mis­tu­rar téc­ni­cas, es­ti­los e ar­tis­tas no mes­mo mem­bro. “Eu ado­ro ta­tu­a­gens, gos­to de ver bra­ços bem com­pos­tos, com har­mo­nia e con­tras­te. Sin­to-me hon­ra­do quan­do uma pes­soa me es­co­lhe pa­ra car­re­gar um bra­ço com­ple­to fei­to por mim, mas tam­bém me sin­to li­son­je­a­do quan­do ‘co­le­ci­o­na­do­res de ta­tu­a­gens’, que vão com­pon­do a sua man­ga aos pou­cos, re­ser­vam um pe­da­ço de­les pa­ra ser ta­tu­a­do por mim ao la­do de tra­ba­lhos de ou­tros co­le­gas que ad­mi­ro imen­so”, diz o ta­tu­a­dor.

JA­PÃO, MEU AMOR

Vi­via en­tre Bar­ce­lo­na e Lis­boa e ti­nha uns “ima­tu­ros 25 anos”, con­ta An­dré Fer­rei­ra so­bre o mo­men­to da sua pri­mei­ra tatuagem, que ra­pi­da­men­te evo­luiu pa­ra uma full sle­e­ve. “Sa­bia que que­ria fa­zer al­go den­tro do uni­ver­so da es­té­ti­ca ja­po­ne­sa”, diz o mú­si­co, ex­pli­can­do que a ideia ini­ci­al era fa­zer ape­nas meia man­ga. Foi en­tão que co­nhe­ceu João Mo­rais, o ta­tu­a­dor e ami­go que vi­ria a pin­tar-lhe a pe­le. “Não ia com na­da con­cre­ta­men­te fe­cha­do. Sen­tei-me e o João co­me­çou por co­lo­car al­guns ele­men­tos no bra­ço, umas som­bras ja­po­ne­sas, uma car­pa koi, umas flo­res... En­tre­tan­to olhá­mos um pa­ra o ou­tro e qua­se co­mo te­le­pa­tia dis­se­mos ‘bah, va­mos fa­zer uma sle­e­ve in­tei­ra’.” E as­sim foi. “A brin­car com o sten­cil, co­lo­cá­mos mais um sol ja­po­nês, uma geisha, umas flo­res de ce­re­jei­ra e som­bras. Et, voilà, com­po­si­ção fi­na­li­za­da”, con­ta.

Es­sa man­ga, que os­ten­ta no bra­ço es­quer­do, é to­tal­men­te de­di­ca­da ao Ja­pão. Co­me­çou pe­lo om­bro e de­mo­rou en­tre cin­co e seis ses­sões, ca­da uma com três ho­ras. No ou­tro bra­ço de An­dré tam­bém vi­ve uma man­ga, me­nos te­má­ti­ca e mais es­pon­tâ­nea. “De­ci­di fa­zer coi­sas mais ran­dom, com de­se­nhos iso­la­dos, mis­tu­ran­do es­ti­los e tra­ços dis­tin­tos. Dan­do sem­pre li­ber­da­de cri­a­ti­va a qu­em faz as ta­tu­a­gens. Gos­to de ir ter com um ta­tu­a­dor e de­ci­dir com ele o que fa­zer, no mo­men­to e sem gran­des com­pli­ca­ções”, ex­pli­ca. Nes­te ca­so An­dré co­me­çou por fa­zer ape­nas meia man­ga, a par­tir do pul­so, sem­pre mo­ti­va­do pe­la com­po­nen­te es­té­ti­ca e a re­la­ção que tem com o seu cor­po. “De­pois fui com­ple­tan­do, em mo­do puzz­le.”

Sem es­co­lher fi­lhos pre­fe­ri­dos, An­dré ad­mi­te que tem ta­tu­a­gens de que gos­ta mais, mas que to­das têm um pro­pó­si­to co­mum: “Co­mo não as fa­ço com a obri­ga­to­ri­e­da­de de en­con­trar um sig­ni­fi­ca­do, sou sem­pre mo­ti­va­do por de­se­nhos de que gos­to, pa­la­vras que me so­am bem, por sím­bo­los com que me iden­ti­fi­co (...) Até as mais fei­as já fa­zem par­te de um to­do, já en­con­tra­ram o seu sig­ni­fi­ca­do. Al­gu­mas de­las são até a re­pre­sen­ta­ção de ex­pe­ri­ên­ci­as bem en­gra­ça­das e hi­la­ri­an­tes que ti­ve, na al­tu­ra em que as fiz. E que não de­ve­rão ser re­la­ta­das em pú­bli­co.”

A IM­POR­TÂN­CIA DA IN­VES­TI­GA­ÇÃO

João Des­cal­ço ti­nha 23 anos quan­do de­ci­diu fa­zer uma man­ga. O ca­len­dá­rio mar­ca­va 2009 e o vi­deó­gra­fo co­me­ça­va por fa­zer ape­nas uma pe­ça no an­te­bra­ço. Aca­ba­ria por de­ci­dir alar­gar a com­po­si­ção ao bra­ço to­do. A man­ga fi­cou com­ple­ta em seis me­ses, com cin­co ses­sões, to­das com o mes­mo ta­tu­a­dor. A es­co­lha so­bre o que mar­car no cor­po pa­ra sem­pre re­caiu no tra­ba­lho de um dos seus ar­tis­tas fa­vo­ri­tos, o ilus­tra­dor John Dyer Baiz­ley (@aper­fect­mons­ter no Ins­ta­gram). João pe­diu ao ta­tu­a­dor pa­ra rein­ter­pre­tar pe­ças do ar­tis­ta, dis­pos­tas nu­ma man­ga no bra­ço di­rei­to. Con­ten­te com o re­sul­ta­do, ho­je diz não se ar­re­pen­der de na­da. Po­rém, “se pu­des­se fa­zer al­gu­ma coi­sa di­fe­ren­te te­ria si­do in­ves­ti­gar me­lhor o es­ti­lo e a qua­li­da­de do tra­ço do ta­tu­a­dor. Mes­mo que um ta­tu­a­dor se­ja bom não quer di­zer que te­nha o es­ti­lo cer­to pa­ra a tatuagem que tens em men­te. Vi­ven­do e apren­den­do”.

O PRO­CES­SO

“Sa­bia que que­ria ter mui­tas ta­tu­a­gens no bra­ço, não sa­bia exa­ta­men­te quais nem que te­ria o bra­ço com­ple­ta­men­te cheio”, con­ta An­na Ba­le­cho à GQ. A fo­tó­gra­fa sa­bia que que­ria al­go “tra­di­ci­o­nal, sem cor e que fos­sem ti­po ca­rim­bos es­ti­lo ‘pi­ra­ta’.” Sem­pre pe­la mão – e pe­lo sten­cil – da mes­ma ta­tu­a­do­ra, Ni­co­le Lou­ri­nho, An­na op­tou por fa­zer des­de lo­go aque­la que vi­ria a ser uma das mai­o­res pe­ças da man­ga: uma mu­lher ci­ga­na no an­te­bra­ço. A par­tir daí, foi fa­zen­do “con­so­an­te me ia ape­te­cen­do e a Ni­co­le ia acon­se­lhan­do”. “Fa­zer [uma tatuagem] tra­di­ci­o­nal sem fe­char to­tal­men­te [o design] aju­dou a que a coi­sa fos­se fluin­do...”, ex­pli­ca. A mai­o­ria das ta­tu­a­gens que tem es­pa­lha­das pe­lo bra­ço di­rei­to não tem uma his­tó­ria ou um sig­ni­fi­ca­do par­ti­cu­lar. Mas há du­as es­pe­ci­ais. “Uma bai­la­ri­na, sim­bó­li­co da mi­nha ir­mã So­fia Ba­le­cho, e um ‘High Ex­pec­ta­ti­ons’, que é pos­si­vel­men­te o meu mai­or de­fei­to”, diz.

Mui­tos ca­rim­bos de­pois, ho­je fal­ta-lhe “fe­char”. “Den­tro do bra­ço [qu­e­ro] umas flo­res, que não fiz, mais por fal­ta de tem­po que fal­ta de von­ta­de”, as­su­me, ga­ran­tin­do que, olhan­do pa­ra trás, não al­te­ra­ria na­da. “Pro­va­vel­men­te, ao dia de ho­je fa­ria al­go di­fe­ren­te, mas é o que é, e faz par­te do pro­ces­so de ta­tu­ar o cor­po”, re­ma­ta.

Um ar­tis­ta que é tam­bém ele um es­pe­ci­a­lis­ta em sle­e­ves é Johnny Do­mus Mes­qui­ta fun­da­dor do es­tú­dio Do­mus­tat­to­o­art A GQ já te­ve opor­tu­ni­da­de de con­ver­sar com Do­mus em  ­#‚ƒ mar­ço… Nes­tas imagens po­de­mos ver al­guns dos seus tra­ba­lhos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.