EN­TRE­VIS­TA

Seis anos de­pois de os fãs se des­pe­di­rem da sé­rie, El Ca­mi­no: A Bre­a­king Bad Mo­vie vem ex­pli­car o que acon­te­ceu a Jes­se Pink­man. Em con­ver­sa com Aa­ron Paul, per­gun­tá­mos tu­do o que fi­cou pa­ra lá do ecrã. Com spoi­lers.

GQ (Portugal) - - Sumário - Por Ana Sal­da­nha, em Lon­dres.

De­pois de seis anos de es­pe­ra, fo­mos de Bre­a­king Bad a El Ca­mi­no em 15 mi­nu­tos.

No de­cor­rer de Bre­a­king Bad, Jes­se Pink­man viu a vi­da vi­ra­da ao con­trá­rio de­pois de se jun­tar ao seu ex-pro­fes­sor de Quí­mi­ca pa­ra mon­tar um ne­gó­cio de fa­bri­co e trá­fi­co de me­tan­fe­ta­mi­nas. Tor­na-se to­xi­co­de­pen­den­te, as­sas­si­no e aca­ba pre­so em ca­ti­vei­ro.

A úl­ti­ma vez que o vi­mos, atrás do vo­lan­te do seu Che­vro­let El Ca­mi­no, o seu des­ti­no era in­cer­to e o ca­pí­tu­lo de Jes­se te­ve um fim que não pa­re­ceu a con­clu­são de na­da. E o seu des­fe­cho foi es­se, pe­lo me­nos du­ran­te os seis anos que se­pa­ra­ram o úl­ti­mo epi­só­dio de Bre­a­king Bad e a estreia-sur­pre­sa de El Ca­mi­no e que ser­vi­ram pa­ra co­zi­nhar um fim pa­ra Jes­se Pink­man.

O fil­me es­te­ve sob um man­to de in­vi­si­bi­li­da­de – e não só – até a estreia ser anun­ci­a­da, com da­ta mar­ca­da pa­ra a meia-noi­te (fu­so ho­rá­rio do Pa­cí­fi­co) de dia 11 de ou­tu­bro, na pla­ta­for­ma de stre­a­ming Net­flix. Os fãs, um gru­po bas­tan­te pa­ci­en­te que aguar­dou seis anos pa­ra que lhe fos­se fei­ta a von­ta­de, re­ce­be­ram de bra­ços aber­tos a ter­cei­ra obra de Vin­ce Gil­li­gan e a GQ fa­lou com o ator Aa­ron Paul pa­ra sa­ber co­mo foi ves­tir a pe­le de Jes­se e vol­tar a en­con­trar ve­lhos ami­gos.

Co­mo foi re­gres­sar ao Jes­se de­pois de tan­tos anos? Foi fan­tás­ti­co! Foi re­vi­si­tar um ve­lho ami­go. E eu ado­ro-o, sa­bes? Ele es­tá a ten­tar sa­far-se e es­tar, fi­nal­men­te, li­vre e em paz… E foi co­mo se não ti­ves­se pas­sa­do tem­po ne­nhum. A pri­mei­ra vez que li o guião per­ce­bi lo­go co­mo é que ia re­pre­sen­tar ca­da mu­dan­ça emo­ci­o­nal, por­que co­nhe­ço a per­so­na­gem mui­to bem.

Achas que is­to foi um adeus? Bem… Pen­so que sim. Mas tam­bém já ti­nha pen­sa­do is­so an­tes [ri­sos]. Mas acho que sim. Acho que o pro­pó­si­to do fil­me é mes­mo dar-lhe um fi­nal de­cen­te.

Pen­sas no que ele es­ta­rá a fa­zer no Alas­ca? Por aca­so pen­so mui­to nis­so, por­que quan­do Bre­a­king Bad aca­bou, cons­truí uma ideia do que te­ria acon­te­ci­do ao Jes­se. Quan­do me per­gun­ta­vam eu di­zia que ele pro­va­vel­men­te es­ta­ria es­con­di­do nu­ma pe­que­na ci­da­de no Alas­ca, se ca­lhar abriu uma lo­ja de ar­te­sa­na­to pa­ra vol­tar a cons­truir coi­sas com as mãos. Mas sem­pre de ca­be­ça bai­xa por­que as pes­so­as es­tão à pro­cu­ra de­le por ter fei­to coi­sas ter­rí­veis e vai ser um ca­mi­nho com mui­tos obs­tá­cu­los. Mas acho que ele es­tá na di­re­ção cer­ta.

O que achas que ele sen­te em re­la­ção ao Walt (Wal­ter Whi­te) de­pois do que se pas­sou no El Ca­mi­no? Bem… Ele des­pre­za-o. O Walt vi­rou a vi­da do Jes­se ao con­trá­rio des­de o mo­men­to em que o co­nhe­ceu. Por cau­sa do Walt, ele tor­nou-se um as­sas­si­no, as pes­so­as à vol­ta de­le co­me­ça­ram a mor­rer. O Walt de­si­lu­diu-o mui­to e ele es­tá mui­to de­sa­pon­ta­do e zan­ga­do.

Mas fi­ca­mos com a im­pres­são de que ele aca­ba por fa­zer as pa­zes com o Walt no flash­back… Eu não sei se fo­ram pa­zes… Mas aque­la ce­na com o Walt é mui­to bo­ni­ta e re­ve­la­do­ra e aca­ba por mos­trar quem ele re­al­men­te é, sa­bes? Es­pe­ci­al­men­te quan­do ele diz ao Jes­se “tens tan­ta sor­te por não te­res de­mo­ra­do a vi­da to­da pa­ra fa­zer uma coi­sa es­pe­ci­al” e es­tá a fa­lar de co­zi­nhar me­tan­fe­ta­mi­nas e is­so é… um bo­ca­do hor­rí­vel.

El Ca­mi­no foi fil­ma­do em si­gi­lo to­tal, es­pe­ci­al­men­te du­ran­te o fim de se­ma­na em que o Bryan lá es­ta­va, diz-se que foi uma lou­cu­ra, so­bre­tu­do por­que ele es­ta­va a fa­zer uma pe­ça. Sim, ele es­ta­va a fa­zer uma pe­ça que te­ve de fe­char por um dia. Acho que a Net­flix com­prou to­dos os bi­lhe­tes pa­ra es­sa ses­são – pe­lo me­nos é es­se o ru­mor [ri­sos]. E de­pois trou­xe­ram o Bryan num avião pri­va­do pa­ra ter­mos a cer­te­za de que nin­guém fa­zia per­gun­tas. Foi tu­do fil­ma­do em se­gre­do, até tí­nha­mos de usar uns man­tos quan­do ía­mos pa­ra o set – que eu sem­pre achei que cha­ma­va mais a aten­ção, mas apa­ren­te­men­te fun­ci­o­nou! [Ri­sos.]

E foi fil­ma­do em Al­bu­quer­que (No­vo Mé­xi­co), cer­to? E nin­guém viu na­da? É as­sim… As pes­so­as iam ter co­mi­go aos fins de se­ma­na – por­que du­ran­te a se­ma­na eu es­ta­va a tra­ba­lhar e de­pois do tra­ba­lho só que­ria es­tar em ca­sa sos­se­ga­do com a mi­nha be­bé. Mas aos fins de se­ma­na eu saía com a mi­nha fa­mí­lia e não po­dia es­tar com nin­guém do elen­co fo­ra do tra­ba­lho por­que tu­do le­van­ta­va sus­pei­tas. E quan­do me per­gun­ta­vam o que eu an­da­va a fa­zer eu não men­tia, di­zia que es­ta­va a fa­zer um pro­je­to pe­lo qual es­ta­va apai­xo­na­do… ati­ra­va pa­ra lá a pa­la­vra “in­die” [ri­sos], um pro­je­to in­die pe­lo qual es­ta­va apai­xo­na­do e di­zi­am: “Oh, ok, boa sor­te com is­so!” Ou­tros per­gun­ta­vam se eu es­ta­va a gra­var um epi­só­dio de Bet­ter Call Saul e eu di­zia que não, que eles es­ta­vam em pau­sa e que até es­tá­va­mos a usar uma par­te da equi­pa de­les (e es­tá­va­mos), mas nin­guém du­vi­dou de na­da.

E achas que o Skinny Pe­te e o Bad­ger tam­bém ti­ve­ram um fi­nal fe­liz? Olha… Acho que sim. Por­que eles fo­ram sem­pre tão bons ami­gos...

Só de­vem fi­car sob vi­gi­lân­cia po­li­ci­al du­ran­te al­gum tem­po… Ah, sim, de cer­te­za. Por­que es­ta­mos a fa­lar na mai­or re­de de me­tan­fe­ta­mi­nas da his­tó­ria e eles, de al­gu­ma for­ma, es­tão li­ga­dos a ela e vão es­tar a ser vi­gi­a­dos. Mas são bons ra­pa­zes.

Se fos­ses ami­go do Jes­se Pink­man, que con­se­lho lhe da­ri­as no iní­cio dos even­tos de Bre­a­king Bad e ago­ra no fi­nal de El Ca­mi­no? Não uses dro­gas! [Ri­sos.] E… boa sor­te.

Dis­ses­te em en­tre­vis­tas que há três ho­ras de ce­nas cor­ta­das. Tens al­gu­ma ce­na fa­vo­ri­ta ou uma que gos­ta­ri­as que ti­ves­se fi­ca­do? Te­nho, sim. Ain­da ti­ra­ram um gran­de bo­ca­do em que… Eu não que­ro con­tar mui­to por­que te­nho es­pe­ran­ça que um dia pos­sa sair uma ver­são es­ten­di­da. Mas exis­te um fi­nal al­ter­na­ti­vo, há um gran­de pe­da­ço que saiu, de­pois de (o Jes­se) sair da Kandy Wel­ding Co., que eu gos­ta­ria que ti­ves­se fi­ca­do. E uma par­te es­ta­va re­la­ci­o­na­da com o Ro­bert Fors­ter… E acho que o mun­do ia ado­rar vê-lo.

Quão im­por­tan­te foi o Bryan pa­ra a tua car­rei­ra? Vo­cês ti­nham uma re­la­ção qua­se de pai e fi­lho, cer­to? E quan­do a sé­rie co­me­çou ele era uma es­pé­cie de men­tor… Ele ain­da é um men­tor e eu ado­ro aque­le ho­mem. Nós tor­ná­mo-nos mui­to pró­xi­mos lo­go des­de o pri­mei­ro epi­só­dio... E, anos mais tar­de, te­mos ne­gó­ci­os jun­tos, co­me­çá­mos a pro­du­zir Mez­cal há uns anos e ago­ra foi fi­nal­men­te lan­ça­do. E eu fa­lo com ele qua­se to­dos os di­as.

Hou­ve um cer­to ní­vel de frus­tra­ção en­tre os teus fãs quan­do vo­cês anun­ci­a­ram o Mez­cal, por­que pen­sa­vam que era um fil­me que es­ta­va pa­ra vir. Sen­tis­te al­gum go­zo por sa­ber que, de fac­to, vi­nha aí um fil­me? Eu achei mui­ta pi­a­da por­que hou­ve mui­tas pes­so­as que fi­ca­ram mui­to cha­te­a­das. E eu nun­ca dis­se que aqui­lo ti­nha a ver com um fil­me. Eu pu­bli­ca­va fo­tos de… pri­mei­ro de uns bur­ros – e nun­ca há bur­ros em Bre­a­king Bad; a se­gun­da fo­to era co­mi­go e com o Bryan, não co­mo Walt e Jes­se, a an­dar no Mé­xi­co – sem as ta­tu­a­gens do Jes­se e, ob­vi­a­men­te, o Bryan es­tá vi­vo e de boa saú­de, não é o Hei­sen­berg e não es­tá mor­to… Os fãs es­ta­vam só a ten­tar agar­rar-se ao fac­to de que­re­rem mui­to que exis­tis­se um fil­me.

Mui­tos pen­sa­ram que os bur­ros eram cor­rei­os de dro­ga... Exa­to, es­ta­vam a agar­rar-se a tu­do. Mas quan­do anun­ciá­mos o Mez­cal, mui­tas pes­so­as fi­ca­ram mes­mo fe­li­zes, mas mui­tas fi­ca­ram frus­tra­das, di­zi­am que eu de­via ter ver­go­nha e que lhes ti­nha men­ti­do. Mas na ver­da­de não, eles men­ti­ram-se a si pró­pri­os. E co­mo eu sa­bia que o fil­me ia sair, tam­bém sa­bia que to­do es­te dra­ma e frus­tra­ção era sem ra­zão.

Bre­a­king Bad tem tan­tas men­sa­gens es­con­di­das ao lon­go da sé­rie... Co­mo é que sa­bem quan­do pa­rar e não fa­zer um fil­me so­bre a vi­da do Todd ou so­bre o Skinny Pe­te sob vi­gi­lân­cia? [Ri­sos] Não sei… Exis­te to­do um uni­ver­so de Bre­a­king Bad e era pos­sí­vel fa­zer mais uma sé­rie ou ou­tro fil­me que se pas­sas­se nes­se uni­ver­so e que não ti­ves­se na­da a ver com es­tas per­so­na­gens. Tal co­mo no uni­ver­so Mar­vel, há per­so­na­gens com­ple­ta­men­te di­fe­ren­tes, com vi­das e te­mas com­ple­ta­men­te di­fe­ren­tes. Te­ri­as de per­gun­tar ao Vin­ce, o nos­so lí­der des­te­mi­do [ri­sos]. O que ele fez com Bre­a­king Bad foi bri­lhan­te e de­pois Bet­ter Call Saul e ago­ra El Ca­mi­no tam­bém… Mas quem sa­be, não é?

Se o Vin­ce qui­ses­se fa­zer uma sé­rie spin-off, tal­vez da­qui a seis anos, so­bre a vi­da do Jes­se. Ali­nha­ri­as? Bem… eu se­gui­ria o Vin­ce pa­ra qual­quer la­do, sa­bes? Ele é um con­ta­dor de his­tó­ri­as in­crí­vel e eu con­fio-lhe a mi­nha vi­da. Mas não ve­jo is­so a acon­te­cer… Acho que foi uma his­tó­ria cheia de al­tos e bai­xos mas que es­tá ter­mi­na­da. Po­rém, se ele me li­gas­se a di­zer “Olha, te­nho aqui uma ideia… pas­sa-se no Alas­ca” [ri­sos], eu di­ria: “Vin­ce, con­ti­nua a fa­lar, tens a mi­nha aten­ção.” Por­que ele nun­ca con­ta uma his­tó­ria só por con­tar, há sem­pre uma ra­zão. Por is­so sim, eu se­gui-lo-ia pa­ra o Alas­ca, sem dú­vi­da.

“A PRI­MEI­RA VEZ QUE LI O GUIÃO PER­CE­BI LO­GO CO­MO É QUE IA RE­PRE­SEN­TAR CA­DA MU­DAN­ÇA EMO­CI­O­NAL, POR­QUE CO­NHE­ÇO A PER­SO­NA­GEM MUI­TO BEM”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.