CLA­RA ALFONSA REINOSO

GQ (Portugal) - - Reportagem -

Ida­de: 47 anos

Lo­cal de re­si­dên­cia: San­ta Su­san­na Si­tu­a­ção: En­con­trou a sua fi­lha bi­o­ló­gi­ca

Cla­ra Alfonsa Reinoso aca­ba­ra de fa­zer 15 anos, quan­do, no dia 18 de ju­nho de 1987, deu à luz o que lhe dis­se­ram ter si­do um me­ni­no nu­ma clí­ni­ca pri­va­da de pri­mei­ra clas­se em Bar­ce­lo­na. A jo­vem vi­nha de uma fa­mí­lia pro­ble­má­ti­ca: a mãe era pros­ti­tu­ta e o pai ti­nha pro­ble­mas gra­ves com o ál­co­ol e era vi­o­len­to. O Tri­bu­nal de Me­no­res lo­cal aca­ba­ra de as­su­mir a cus­tó­dia le­gal de Cla­ra e dos seus no­ve ir­mãos. Cla­ra pas­sa­ra as se­ma­nas an­te­ri­o­res num abri­go pa­ra grá­vi­das vul­ne­rá­veis, pa­ra on­de fo­ra le­va­da por uma mu­lher que se iden­ti­fi­ca­ra co­mo as­sis­ten­te so­ci­al. No dia do par­to, a jo­vem mãe saiu do abri­go num tá­xi. De­ram-lhe dois com­pri­mi­dos cal­man­tes. Não se lem­bra de en­trar na clí­ni­ca, nem de dar à luz. “Eu de­via es­tar se­da­da”, afir­ma.

“Quan­do acor­dei e per­gun­tei pe­lo meu be­bé, uma mé­di­ca dis­se-me que o me­ni­no era mui­to pe­que­no e não so­bre­vi­ve­ra.” Cla­ra nun­ca pe­diu pa­ra ver o ca­dá­ver. “Eu acre­di­tei no que a mé­di­ca aca­ba­ra de me di­zer”, acres­cen­ta. “Ela se­gu­rou-me a mão e lim­pou as mi­nhas lá­gri­mas. Eu não con­se­guia pa­rar de cho­rar.”

Cla­ra te­ve al­ta três di­as de­pois. So­zi­nha e ain­da de­bi­li­ta­da da gra­vi­dez – e ape­sar de ser uma me­nor sob cus­tó­dia do Es­ta­do – foi aban­do­na­da na es­ta­ção de com­boio de Bar­ce­lo­na, on­de um ami­go a foi bus­car de­pois.

Nos anos que se su­ce­de­ram, Cla­ra ca­sou-se e te­ve mais três fi­lhos. No dia 10 de maio de 2013, re­ce­beu um te­le­fo­ne­ma de um psi­có­lo­go que tra­ba­lha­va pa­ra o go­ver­no da Ca­ta­lu­nha, que lhe per­gun­tou se ela ti­ve­ra um be­bé em ju­nho de 1987. Cla­ra dis­se que sim e acres­cen­tou que o me­ni­no ti­nha mor­ri­do. “Não era um me­ni­no e não mor­reu. A sua fi­lha es­tá vi­va e an­da à sua pro­cu­ra”, res­pon­deu-lhe ele. Cla­ra des­mai­ou.

Uma se­ma­na mais tar­de, Cla­ra e a fi­lha en­con­tra­ram-se, fi­nal­men­te, num edi­fí­cio ad­mi­nis­tra­ti­vo em Bar­ce­lo­na. “As mi­nhas mãos tre­mi­am e ela se­gu­ra­va-mas com for­ça”, re­cor­da Cla­ra Reinoso, vi­si­vel­men­te co­mo­vi­da por es­tas do­ces lem­bran­ças. “Eu dis­se-lhe que a ama­va mui­to e pe­di-lhe per­dão por não ter per­ce­bi­do o que eles me ti­nham fei­to.” A fi­lha trou­xe con­si­go um ál­bum de fo­to­gra­fi­as: a pri­mei­ra fo­to­gra­fia mos­tra­va-a co­mo um be­bé re­cém-nas­ci­do nos bra­ços de uma mu­lher que Cla­ra re­co­nhe­ceu. Era uma das as­sis­ten­tes sociais que cui­da­ra de­la nos me­ses que an­te­ce­de­ram o par­to. Quan­do a fi­lha lhe dis­se que aque­la era a sua mãe ado­ti­va, Cla­ra sen­tiu que o céu es­ta­va a cair-lhe em ci­ma da ca­be­ça. A fi­lha de Cla­ra co­me­ça­ra a pro­cu­rar su­as ori­gens um ano an­tes, mas en­con­trar a sua mãe bi­o­ló­gi­ca fo­ra mais di­fí­cil do que es­pe­ra­va. Não ha­via qual­quer ves­tí­gio da gra­vi­dez no Tri­bu­nal de Me­no­res e o ape­li­do e a da­ta de nas­ci­men­to da mãe ti­nham si­do li­gei­ra­men­te al­te­ra­dos nos re­la­tó­ri­os mé­di­cos da clí­ni­ca. Cla­ra acha que is­so foi pro­po­si­ta­do pa­ra des­pis­tar pos­sí­veis in­ves­ti­ga­ções. Mais tar­de, Cla­ra tam­bém des­co­briu que seus exa­mes mé­di­cos pré-na­tais ti­nham si­do pa­gos pe­la mãe ado­ti­va.

De acor­do com uma de­cla­ra­ção pro­fe­ri­da pe­lo pai ado­ti­vo em 2013, o ca­sal não po­dia ter fi­lhos. Quan­do fi­nal­men­te de­ci­di­ram ado­tar um be­bé, fo­ram in­for­ma­dos so­bre a exis­tên­cia de uma me­nor des­fa­vo­re­ci­da, que não que­ria man­ter o be­bé e es­ta­va pres­tes a dar à luz. Am­bos es­ta­vam na clí­ni­ca no mo­men­to do par­to e re­ce­be­ram o be­bé ime­di­a­ta­men­te. A re­cém-nas­ci­da foi re­gis­ta­da co­mo fi­lha de mãe des­co­nhe­ci­da e en­tre­gue ao cui­da­do dos seus fu­tu­ros pais ado­ti­vos.

Cla­ra in­sis­te que não que­ria en­tre­gar o seu be­bé e não foi en­con­tra­do qual­quer con­sen­ti­men­to es­cri­to pa­ra a ado­ção. Des­de de­zem­bro de 2013 que ela tra­va uma ba­ta­lha le­gal fe­roz pa­ra pro­var que a sua fi­lha lhe foi rou­ba­da – os pais ado­ti­vos di­zem que acre­di­ta­vam que a mãe ti­nha con­sen­ti­do a ado­ção. O seu ca­so tor­nou-se um dos mais fa­mo­sos dos niños ro­ba­dos, que en­vol­vem, en­tre ou­tros, a atu­al mi­nis­tra da De­fe­sa es­pa­nho­la Mar­ga­ri­ta Ro­bles, que era juí­za sé­ni­or no Tri­bu­nal de Me­no­res de Bar­ce­lo­na aquan­do des­tes acon­te­ci­men­tos.

Cla­ra Reinoso pe­diu ao Su­pre­mo Tri­bu­nal de Es­pa­nha que anu­las­se a ado­ção da sua fi­lha. Se o Tri­bu­nal de­ci­dir a seu fa­vor, te­rá de pres­cin­dir dos ape­li­dos atu­ais e as­su­mir os da mãe bi­o­ló­gi­ca. Com o pas­sar do tem­po, as ba­ta­lhas ju­di­ci­ais têm pre­ju­di­ca­do a re­la­ção en­tre elas, mas Cla­ra es­tá de­ter­mi­na­da a ir até ao fim, in­de­pen­den­te­men­te das con­sequên­ci­as. “Ela gos­ta­va que eu de­sis­tis­se do ca­so pa­ra o bem da nos­sa re­la­ção, mas eu não pos­so fa­zer is­so”, diz Cla­ra, cheia de ran­cor. “Eu que­ro jus­ti­ça e que­ro que re­co­nhe­çam que aqui­lo que me fi­ze­ram foi de­su­ma­no.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.