Mi­TOS ?

LA­RAN­JA DE MA­NHÃ É OU­RO ...à tar­de é pra­ta, e à noi­te ma­ta – e ou­tros mi­tos que já de­ve ter ou­vi­do, mas que não sa­be bem de on­de vêm, co­mo sur­gi­ram e por­que é que exis­tem.

GQ (Portugal) - - Corpo | Mitos - Por Ana Sal­da­nha

“A prin­ci­pal ra­zão pa­ra as pes­so­as acre­di­ta­rem em coi­sas ex­tra­or­di­ná­ri­as é por­que que­rem e apre­ci­am es­sas idei­as… Quer gos­te­mos, ou não, es­tas idei­as dão-nos con­so­lo, con­for­tam-nos nu­ma cren­ça ló­gi­ca, be­la e bon­do­sa”

É as­sim que An­tó­nio Vaz Car­nei­ro, mé­di­co es­pe­ci­a­lis­ta em Me­di­ci­na In­ter­na, pro­fes­sor ca­te­drá­ti­co e in­ves­ti­ga­dor na Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na da Uni­ver­si­da­de de Lis­boa e au­tor do li­vro Mi­tos e Cren­ças na Saú­de, co­me­ça por nos ex­pli­car de on­de sur­gem os mi­tos.

A von­ta­de de es­cre­ver es­te ar­ti­go sur­giu pre­ci­sa­men­te de­pois de ou­vir a tal fra­se do fol­clo­re so­bre la­ran­jas as­sas­si­nas e, ten­do em con­ta que sem­pre co­mi la­ran­jas de­pois de o sol se pôr sem nun­ca me aper­ce­ber de qual­quer efei­to ne­ga­ti­vo – ou qual­quer di­fe­ren­ça em re­la­ção a quan­do as co­mia de dia –, de­du­zi que te­ria ali ba­se pa­ra uma re­fle­xão so­bre o as­sun­to.

E se as cren­ças exis­tem pa­ra nos con­for­tar e, no fun­do, fa­ci­li­tar a vi­da, te­mos de cul­par as nos­sas fa­mí­li­as por an­da­rem a es­pa­lhar la­ra­chas em for­ma de fac­tos: “O fe­nó­me­no das cren­ças e mi­tos na saú­de é mais exu­be­ran­te den­tro do agre­ga­do fa­mi­li­ar ou em gru­pos de ami­gos que pen­sam se­me­lhan­te­men­te. É nas ter­tú­li­as que se tro­cam idei­as e opi­niões, e al­gu­mas das cren­ças nem se­quer se par­ti­lham, por ver­go­nha do ri­dí­cu­lo”, con­fi­den­cia An­tó­nio.

O mé­di­co re­ve­la ain­da que a von­ta­de (e ne­ces­si­da­de) de des­mis­ti­fi­car al­gu­mas des­tas cren­ças – que no li­vro apa­re­cem di­vi­di­das por ca­te­go­ri­as que abor­dam ali­men­ta­ção, exer­cí­cio fí­si­co, saú­de e tra­ta­men­tos mé­di­cos, por exem­plo – sur­ge por­que acre­di­tar ne­las po­de ser pe­ri­go­so, es­pe­ci­al­men­te quan­do as­so­ci­a­das à pro­mes­sa de um re­sul­ta­do, e dá um exem­plo: “Sem­pre ti­ve as­ma, tra­ta­da com inú­me­ros me­di­ca­men­tos sem gran­des re­sul­ta­dos. Quan­do ini­ci­ei tra­ta­men­tos com os co­pos de água ho­me­o­pá­ti­cos, nun­ca mais ti­ve cri­ses.”

“Não é uma opi­nião. É evi­dên­cia ci­en­tí­fi­ca”, lê-se na capa de Mi­tos e Cren­ças na Saú­de e o au­tor pros­se­gue a ex­pli­ca­ção: “Um ou­tro as­pe­to im­por­tan­te na gé­ne­se de cren­ças e mi­tos que nos gra­ti­fi­cam é a sua (ha­bi­tu­al) sim­pli­ci­da­de. Não é mais fá­cil com­pre­en­der que es­tar de pés des­cal­ços nu­ma su­per­fí­cie fria no in­ver­no nos vai cons­ti­par, ver­sus uma ex­pli­ca­ção que é a pro­pa­ga­ção de ri­no­ví­rus ou co­ro­na­ví­rus que se en­con­tram na oro­fa­rin­ge atra­vés dos aper­tos de mão ou con­tac­tos pró­xi­mos?” Se é. Mas, ain­da as­sim, não pa­re­ce­rá igual­men­te des­ca­bi­do acre­di­tar que se en­go­lir­mos uma pas­ti­lha elás­ti­ca ela fi­ca no estô­ma­go du­ran­te anos?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.