COM DI­NHEI­RO TAM­BÉM SE BRIN­CA

Mo­no­poly é um fa­mo­so pro­ta­go­nis­ta de dis­cus­sões nos se­rões em fa­mí­lia e um dos mais co­nhe­ci­dos jo­gos de ta­bu­lei­ro do mun­do. Mas sa­bia que, tal co­mo o pró­prio jo­go, tam­bém na sua his­tó­ria hou­ve ba­to­ta?

GQ (Portugal) - - Culto | Jogo - Por Ana Sal­da­nha.

Che­gou a Por­tu­gal na dé­ca­da de 50 com o no­me tra­du­zi­do pa­ra Mo­no­pó­lio, mas, a par­tir de 1961 e por pres­são da Par­ker Brothers, de­ten­to­ra dos di­rei­tos do jo­go, o no­me foi uni­for­mi­za­do pa­ra Mo­no­poly, a ver­são in­ter­na­ci­o­nal.

A sua his­tó­ria, que du­ran­te mui­tos anos vi­nha na cai­xa, con­ta­va que Char­les Dar­row, o ex-ven­de­dor que fi­cou de­sem­pre­ga­do du­ran­te a Gran­de De­pres­são, in­ven­tou o jo­go pa­ra en­tre­ter a fa­mí­lia. Mas a sua cri­a­ção, que, em 2015, su­pos­ta­men­te, co­me­mo­rou 80 anos, não foi bem co­mo re­za a len­da.

A pri­mei­ra pa­ten­te do an­te­ces­sor do fa­mo­so Mo­no­poly da­ta de 1903, mas já ha­via re­gis­tos do jo­go em 1902. Foi cri­a­do por Eli­za­beth “Liz­zie” Ma­gie, ati­vis­ta po­lí­ti­ca e atriz, que era apoi­an­te de Henry George, o eco­no­mis­ta res­pon­sá­vel pe­la te­o­ria do im­pos­to úni­co. Liz­zie cri­ou um jo­go de ta­bu­lei­ro que ser­vi­ria pa­ra ex­pli­car a te­o­ria de George e deu-lhe o no­me de Jo­go do Se­nho­rio (The Lan­dlord’s Ga­me). A ver­são ori­gi­nal era mui­to se­me­lhan­te ao atu­al Mo­no­poly e tam­bém con­ti­nha as ca­sas da pri­são e dos ca­mi­nhos de fer­ro. Foi o pri­mei­ro jo­go com um ca­mi­nho con­tí­nuo, não ha­ven­do uma ca­sa es­pe­cí­fi­ca pa­ra o iní­cio e pa­ra o fim da par­ti­da, e a pri­mei­ra in­tro­du­ção do con­cei­to de “pos­se” de uma ca­sa, que ori­gi­na­ria uma con­sequên­cia pa­ra o jo­ga­dor que lá ca­lhas­se. O jo­go foi ape­li­da­do de mo­no­pó­lio por­que era usa­do pa­ra ex­pli­car os pe­ri­gos da mo­no­po­li­za­ção.

Ain­da que o jo­go es­ti­ves­se pa­ten­te­a­do, só co­me­çou a ser pro­du­zi­do e pu­bli­ca­do em 1906, quan­do Liz­zie e dois co­le­gas fun­da­ram a Eco­no­mic Ga­me Com­pany of

New York. Em 1910, a em­pre­sa en­vi­ou uma edi­ção pa­ra a Par­ker Brother, mas um dos CEOs, George Par­ker, re­cu­sou pu­bli­cá-la. Na sua ver­são ini­ci­al, o jo­go era usa­do por al­guns pro­fes­so­res uni­ver­si­tá­ri­os da área da eco­no­mia co­mo fer­ra­men­ta de en­si­no e al­guns alu­nos fa­zi­am os seus pró­pri­os ta­bu­lei­ros pa­ra en­si­nar os co­le­gas.

A pa­ten­te ori­gi­nal do jo­go aca­bou por ex­pi­rar em 1921 mas, em 1924, Ma­gie, que en­tre­tan­to se ti­nha mu­da­do pa­ra Washing­ton DC, re­pa­ten­te­ou uma ver­são atu­a­li­za­da do Jo­go do Se­nho­rio – es­ta ver­são in­cluía no­mes das ru­as, uma re­gra em que as ren­das se­ri­am mais al­tas se pos­suís­se­mos to­dos os ca­mi­nhos de fer­ro e con­tas que in­di­ca­vam me­lho­ra­men­tos nas pro­pri­e­da­des. Nu­ma ten­ta­ti­va de re­cu­pe­rar os di­rei­tos so­bre os jo­gos ca­sei­ros que an­da­vam a ser fei­tos, Liz­zie vol­tou a pro­por a ven­da à Par­ker Brothers, mas o pe­di­do vol­tou a ser re­cu­sa­do por con­si­de­ra­rem o jo­go “de­ma­si­a­do po­lí­ti­co”.

Al­can­çan­do al­gu­ma po­pu­la­ri­da­de, co­me­çou a ga­nhar atra­ção nou­tros lo­cais dos Es­ta­dos Uni­dos e, em 1931, Da­ni­el Lay­man, alu­no do Wil­li­ams Col­le­ge, que cos­tu­ma­va jo­gar o Jo­go do Se­nho­rio com os co­le­gas de dor­mi­tó­rio, cri­ou a sua ver­são, a que cha­mou Fi­nan­ce. Es­ta ver­são in­cluía car­tas de pro­pri­e­da­de, car­tas de sor­te e ca­sas em mi­ni­a­tu­ra – apro­xi­man­do-o da ver­são que é ho­je co­mer­ci­a­li­za­da. Lay­man aca­bou por li­cen­ci­ar o jo­go, que pas­sou a ser pro­du­zi­do pe­la Knapp Elec­tric. Um ano de­pois, uma edi­ção cha­ma­da Pros­pe­rity, tam­bém cri­a­da por Eli­za­beth Ma­gie e, des­ta vez, com no­vas re­gras, co­me­çou a ser co­mer­ci­a­li­za­do pe­la Ad­ga­me Com­pany.

Co­me­ça­ram tam­bém a ser cri­a­das ver­sões per­so­na­li­za­das, com os lo­cais de ca­da ci­da­de e um dos ta­bu­lei­ros mais po­pu­la­res foi o de Ruth Har­vey, professora em Atlan­tic City, que, com uma ami­ga que tra­ba­lha­va no ra­mo imo­bi­liá­rio, pôs pre­ços re­a­lis­tas nas pro­pri­e­da­des, dis­tin­guin­do as zo­nas ri­cas das po­bres.

Vol­tan­do a Char­les Dar­row, o ale­ga­do cri­a­dor te­ve co­nhe­ci­men­to do jo­go por­que os vi­zi­nhos te­ri­am com­pra­do uma das có­pi­as de Ruth Har­vey. Dar­row apren­deu o jo­go, co­pi­ou o ta­bu­lei­ro e co­me­çou a dis­tri­buí-lo sob o no­me Mo­no­poly, com a aju­da do fi­lho mais ve­lho e da mu­lher, que cor­ta­vam e pin­ta­vam à mão o ta­bu­lei­ro e os car­tões. Com o au­men­to da de­man­da, aca­ba­ram por con­tac­tar uma grá­fi­ca que pas­sou a im­pri­mir as ca­sas do ta­bu­lei­ro e os car­tões. Ain­da as­sim, tan­to a Mil­ton Bra­dley co­mo a Par­ker Brothers re­cu­sa­ram-se a com­prar o jo­go até 1935, da­ta em que os di­rei­tos pas­sa­ram a per­ten­cer à Par­ker Brothers e que é, até ho­je, “ven­di­da” co­mo a da­ta ori­gi­nal da in­ven­ção do jo­go. A em­pre­sa fa­bri­can­te de jo­gos aca­bou por tam­bém com­prar a pa­ten­te de 1924 de Liz­zie e os di­rei­tos co­mer­ci­ais das vá­ri­as ver­sões (co­mo In­fla­ti­on, Big Bu­si­ness, Easy Mo­ney e For­tu­ne). Uma ver­são em par­ti­cu­lar, In­fla­ti­on, cri­a­da por Rudy Co­pe­land e co­mer­ci­a­li­za­da pe­la Tho­mas Sales Co., con­ti­nu­ou a ser ven­di­da de­pois de a Par­ker Brothers ser de­ten­to­ra de Mo­no­poly, dan­do ori­gem a um pro­ces­so em tri­bu­nal em que a mag­na­ta dos jo­gos aca­bou por ce­der a um acor­do quan­do sou­be que Co­pe­land iria tes­te­mu­nhar que já co­nhe­cia o jo­go an­tes da su­pos­ta da­ta da in­ven­ção atri­buí­da a Dar­row.

Con­tu­do, a Par­ker Brothers não foi en­ga­na­da quan­to à pro­ve­ni­ên­cia de Mo­no­poly e até che­ga­ram a pe­dir a Dar­row uma de­cla­ra­ção que ex­pli­cas­se de­ta­lha­da­men­te a ideia e o pro­ces­so que te­ri­am da­do ori­gem ao jo­go e cons­ta que Dar­row não foi ca­paz de in­ven­tar uma jus­ti­fi­ca­ção cre­dí­vel.

No dia 6 de fe­ve­rei­ro de 1935 foi apro­va­da a pa­ten­te que ve­mos na ima­gem e que con­fe­re a Char­les Dar­row os di­rei­tos so­bre o jo­go Mo­no­poly.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.